Announcing: BahaiPrayers.net


More Books by Enciclicas

Deus caritas est (25 Dezembro 2005)
Spe salvi (30 Novembro 2007)
Centesimus annus
Dives in misericordia
Dominum et vivificantem
ECCLESIA DE EUCHARISTIA
Evangelium vitae
FIDES ET RATIO
Laborem exercens
Redemptor hominis
Redemptoris Mater
Redemptoris missio
Sollicitudo rei socialis
Ut unum sint
Ad Petri Cathedram (29 Junho 1959)
Aeterna Dei Sapientia (11 Novembro 1961)
Grata Recordatio (26 Septembro 1959)
Mater et Magistra (15 Maio 1961)
Pacem in Terris (11 Abril 1963)
Paenitentiam Agere (1 Julho 1962)
Princeps Pastorum (28 Novembro 1959)
Sacerdotii Nostri Primordia (1 Augosto 1959)
Adiutricem (5 Septembro 1895)
Augustissimae Virginis Mariae (12 Setembro 1897)
Dall'alto dell'Apostolico Seggio (15 Outubro 1890)
Diuturni Temporis (5 Setembro 1898)
Fidentem Piumque Animum (20 Setembro 1896)
Humanum Genus (20 Abril 1884)
Immortale Dei (1 Novembro 1885)
Inscrutabili Dei Consilio (12 Abril 1878)
Iucunda Semper Expectatione (8 Setembro 1894)
Magnae Dei Matris (8 Setembro 1892)
Octobri Mense (22 Setembro 1891)
Rerum Novarum (15 Maio 1891)
Superiore Anno (30 Agosto 1884)
Supremi Apostolatus Officio (1 Setembro 1883)
CHRISTI MATRI ROSARII
ECCLESIAM SUAM
HUMANAE VITAE
MENSE MAIO
MYSTERIUM FIDEI
POPULORUM PROGRESSIO
SACERDOTALIS CAELIBATUS
Pascendi Dominici Gregis (8 Septembro 1907)
DIVINI ILLIUS MAGISTRI
MORTALIUM ANIMOS
QUADRAGESIMO ANNO
VIGILANTI CURA
AD APOSTOLORUM PRINCIPIS
AD CAELI REGINAM
ANNI SACRI
AUSPICIA QUAEDAM
COMMUNIUM INTERPRETES DOLORUM
DEIPARAE VIRGINIS MARIAE
DIVINO AFFLANTE SPIRITU
DOCTOR MELLIFLUUS
HUMANI GENERIS
IN MULTIPLICIBUS CURIS
INGRUENTIUM MALORUM
LE PELERINAGE DE LOURDES
MEDIATOR DEI
MEMINISSE IUVAT
MIRABILE ILLUD
MUSICAE SACRAE DISCIPLINA
MYSTICI CORPORIS
OPTATISSIMA PAX
ORIENTALIS ECCLESIAE
QUEMADMODUM
SACRA VIRGINITAS
SAECULO EXEUNTE OCTAVO
SEMPITERNUS REX CHRISTUS
SERTUM LAETITIAE
SUMMI MAERORIS
Free Interfaith Software

Web - Windows - iPhone








Enciclicas : IN MULTIPLICIBUS CURIS
CARTA ENCÍCLICA DO PAPA PIO XII
IN MULTIPLICIBUS CURIS
PEDEM-SE NOVAMENTE
ORAÇÕES PÚBLICAS PARA A
PACIFICAÇÃO DA PALESTINA
Aos veneráveis irmãos Patriarcas, Primazes,

Arcebispos, Bispos e todos os Ordinários de lugar,

em paz e comunhão com a Sé Apostólica

1. Entre as muitas preocupações que nos afligem neste tempo tão cheio de conseqüências decisivas para a vida da grande família humana, e nos fazem sentir tão pesado o cargo do pontificado supremo, tem lugar destacado aquela que nos é causada pela guerra na Palestina. Na verdade, veneráveis irmãos, podemos vos dizer que nenhum acontecimento, nem alegre nem triste, consegue atenuar a dor que permanece viva em nosso ânimo, ao pensar que na terra onde o Senhor nosso Jesus Cristo derramou seu sangue para trazer a redenção e a salvação a toda a humanidade continua a ser derramado o sangue dos homens; que debaixo daquele céu no qual ecoou, naquela fatídica noite, o anúncio evangélico de paz, continuam os combates, acresce-se a miséria dos míseros e o terror dos aterrorizados, e milhares de prófugos, acossados e perdidos, vagueiam longe da pátria à procura de abrigo e de pão.

2. Contribuem para nos tornar mais viva essa dor não só as notícias que continuamente nos chegam de destruição e de danos causados aos edifícios sagrados e de beneficência que surgiram ao seu redor, mas também o medo que nos inspiram quanto à sorte destes mesmos lugares, espalhados por toda a Palestina e, em número maior, em Jerusalém, que foram santificados pelo nascimento, vida e morte do Salvador. Nem é preciso vos assegurar, veneráveis irmãos, que, no meio deste espetáculo de tantos males e na previsão de maiores ainda, não nos fechamos na nossa dor, mas fizemos tudo o que estava em nosso poder para aliviá-los.

3. Antes ainda que iniciasse o conflito armado, ao falar a uma delegação de notáveis árabes que nos veio homenagear, manifestamos a nossa mais viva solicitude pela paz na Palestina e, condenando todo recurso à violência, declaramos que ela não podia ser realizada a não ser na verdade e na justiça, isto é no respeito aos direitos de todos, às tradições, especialmente no campo religioso, assim como no fiel cumprimento de deveres e obrigações de cada grupo de moradores. Iniciada a guerra, sem nos afastar da atitude de imparcialidade a que somos obrigados pelo nosso ministério apostólico que nos põe acima dos conflitos que agitam a sociedade humana, não deixamos de agir, no que nos era possível, para o triunfo da justiça e da paz na Palestina e o respeito e a proteção dos lugares sagrados.

4. Ao mesmo tempo, solicitados por apelos numerosos e urgentes, que todos os dias são dirigidos a esta sé apostólica, procuramos, no limite das nossas possibilidades, socorrer as vítimas infelizes da guerra, enviando para este fim aos nossos representantes na Palestina, no Líbano e no Egito os meios ao nosso dispor e estimulando o surgimento e o firmar-se, entre os católicos nos vários países de iniciativas que tenham a mesma finalidade. Convencidos, porém, da insuficiência dos meios humanos para uma solução adequada desta questão de que todos podem ver a complexidade excepcional, recorremos antes de mais nada e constantemente ao grande meio da oração, e na nossa recente encíclica Auspicia quaedam vos convidávamos a rezar e a fazer rezar os fiéis confiados aos vossos cuidados pastorais, para que, sob a proteção da Virgem santíssima, "conciliadas as coisas na justiça, a concórdia e a paz voltassem felizmente na Palestina".(1)

5. Sabemos que o nosso convite não vos foi dirigido em vão. Nem esquecemos que, ao mesmo tempo que com as nossa súplicas e nossa obra nos esforçávamos juntamente com o mundo católico para a paz na Palestina, homens de boa vontade multiplicaram, com a mesma finalidade sem olhar para sacrifícios e perigos, seus nobres esforços para os quais nos é grato prestar homenagem. Contudo, a continuação do conflito e o aumento ininterrupto de ruínas materiais e morais que inexoravelmente os acompanham, nos levam, veneráveis irmãos a renovar com redobrada insistência o nosso convite, na esperança que seja acolhido não somente por vós mas também por todo o mundo católico.

6. Como declaramos no dia 2 de junho passado aos membros do sagrado colégio dos cardeais, ao comunicar-lhes a nossa ansiedade quanto à Palestina, julgamos que o mundo cristão não poderia contemplar indiferente ou com indignação estéril aquela terra sagrada, à qual todos íam com todo respeito para beijá-la com o amor mais ardente, pisada por soldados em guerra e atingida por bombardeios aéreos. Julgamos que não poderia deixar consumar a devastação dos lugares santos e revolver o sepulcro de Jesus Cristo. Temos a maior confiança de que as súplicas fervorosas que se levantam ao Deus onipotente e misericordioso por parte dos cristãos espalhados por todo o mundo, junto com as aspirações de tantos corações nobres e ardentemente solícitos do bem e da verdade, possam tornar menos difícil aos que dirigem o destino dos homens a tarefa de fazer com que a justiça e a paz na Palestina se tornem uma realidade benéfica, e com a cooperação eficaz de todos os interessados, se crie uma ordem que garanta a cada parte, agora em conflito, a segurança da existência e, ao mesmo tempo, condições de vida, físicas e morais, capazes de alicerçar normalmente um estado de bem-estar espiritual e material.

7. Temos plena confiança que essas súplicas e essas aspirações, índice do valor que tão grande parte da família humana atribui a esses lugares sagrados, fortaleçam nas reuniões dos poderosos nas quais se discutem os problemas da paz, a convicção de dar a Jerusalém e cercanias, onde se conservam tantas e tão preciosas lembranças da vida e da morte do Salvador, um caráter internacional que, nas presentes circunstâncias, parece garantir melhor a tutela dos santuários. E também será preciso assegurar com garantias internacionais livre acesso aos lugares santos espalhados na Palestina, assim como a liberdade de culto e o respeito a usos e tradições religiosos.

8. E que cedo possa nascer o dia em que os homens tenham de novo a possibilidade de se dirigir em piedosas peregrinações aos lugares sagrados para encontrar, finalmente manifesto, naqueles monumentos vivos do Amor que se sublima no sacrifício da vida pelos irmãos, o grande segredo de pacífica convivência humana. Com essa confiança, de coração, concedemos a vós, veneráveis irmãos, aos vossos fiéis e a todos que acolherem com ânimo solícito este nosso apelo, com os votos dos favores divinos e como penhor de nossa benevolência, a bênção apostólica.

Dado em Castel Gandolfo, junto de Roma, no dia 24 de outubro de 1948, ano X do nosso pontificado.

PIO PP. XII
Nota
(1) AAS 40(1948), p.171.

Table of Contents: Albanian :Arabic :Belarusian :Bulgarian :Chinese_Simplified :Chinese_Traditional :Danish :Dutch :English :French :German :Hungarian :Italian :Japanese :Korean :Latvian :Norwegian :Persian :Polish :Portuguese :Romanian :Russian :Spanish :Swedish :Turkish :Ukrainian :