Announcing: BahaiPrayers.net


More Books by Enciclicas

Deus caritas est (25 Dezembro 2005)
Spe salvi (30 Novembro 2007)
Centesimus annus
Dives in misericordia
Dominum et vivificantem
ECCLESIA DE EUCHARISTIA
Evangelium vitae
FIDES ET RATIO
Laborem exercens
Redemptor hominis
Redemptoris Mater
Redemptoris missio
Sollicitudo rei socialis
Ut unum sint
Ad Petri Cathedram (29 Junho 1959)
Aeterna Dei Sapientia (11 Novembro 1961)
Grata Recordatio (26 Septembro 1959)
Mater et Magistra (15 Maio 1961)
Pacem in Terris (11 Abril 1963)
Paenitentiam Agere (1 Julho 1962)
Princeps Pastorum (28 Novembro 1959)
Sacerdotii Nostri Primordia (1 Augosto 1959)
Adiutricem (5 Septembro 1895)
Augustissimae Virginis Mariae (12 Setembro 1897)
Dall'alto dell'Apostolico Seggio (15 Outubro 1890)
Diuturni Temporis (5 Setembro 1898)
Fidentem Piumque Animum (20 Setembro 1896)
Humanum Genus (20 Abril 1884)
Immortale Dei (1 Novembro 1885)
Inscrutabili Dei Consilio (12 Abril 1878)
Iucunda Semper Expectatione (8 Setembro 1894)
Magnae Dei Matris (8 Setembro 1892)
Octobri Mense (22 Setembro 1891)
Rerum Novarum (15 Maio 1891)
Superiore Anno (30 Agosto 1884)
Supremi Apostolatus Officio (1 Setembro 1883)
CHRISTI MATRI ROSARII
ECCLESIAM SUAM
HUMANAE VITAE
MENSE MAIO
MYSTERIUM FIDEI
POPULORUM PROGRESSIO
SACERDOTALIS CAELIBATUS
Pascendi Dominici Gregis (8 Septembro 1907)
DIVINI ILLIUS MAGISTRI
MORTALIUM ANIMOS
QUADRAGESIMO ANNO
VIGILANTI CURA
AD APOSTOLORUM PRINCIPIS
AD CAELI REGINAM
ANNI SACRI
AUSPICIA QUAEDAM
COMMUNIUM INTERPRETES DOLORUM
DEIPARAE VIRGINIS MARIAE
DIVINO AFFLANTE SPIRITU
DOCTOR MELLIFLUUS
HUMANI GENERIS
IN MULTIPLICIBUS CURIS
INGRUENTIUM MALORUM
LE PELERINAGE DE LOURDES
MEDIATOR DEI
MEMINISSE IUVAT
MIRABILE ILLUD
MUSICAE SACRAE DISCIPLINA
MYSTICI CORPORIS
OPTATISSIMA PAX
ORIENTALIS ECCLESIAE
QUEMADMODUM
SACRA VIRGINITAS
SAECULO EXEUNTE OCTAVO
SEMPITERNUS REX CHRISTUS
SERTUM LAETITIAE
SUMMI MAERORIS
Free Interfaith Software

Web - Windows - iPhone








Enciclicas : AUSPICIA QUAEDAM
CARTA ENCÍCLICA DO PAPA PIO XII
AUSPICIA QUAEDAM
ORAÇÕES NO MÊS DE MAIO
PARA A CONCÓRDIA ENTRE AS NAÇÕES
Aos veneráveis irmãos Patriarcas, Primazes,
Arcebispos, Bispos e outros Ordinários locais,
em paz e comunhão com a Sé Apostólica

1. Alguns indícios parecem hoje demonstrar claramente que toda a grande comunidade dos povos, após tantos excídios e devastações causados pela longa e terrível guerra, se orienta com ardor para os caminhos salutares da paz; e que no presente se ouve com melhor boa vontade os que se dedicam incansavelmente às obras de reconstrução, procuram acalmar e compor as discórdias e se propõem reconstruir tantas ruínas, do que aqueles que instigam contendas acerbas, ódios e rancores, dos quais não podem surgir senão novos e maiores danos.

2. Entretanto, bem que nós mesmos e o povo cristão tenhamos não leves motivos de consolação e possamos confortar-nos com a esperança de tempos melhores, não faltam todavia fatos e acontecimentos que acarretam grande preocupação e angústia à nossa alma paternal. Com efeito, não obstante a guerra tenha terminado quase por toda parte, a suspirada paz ainda não serenou as almas e os corações; pelo contrário, vemos ainda o céu toldar-se de nuvens ameaçadoras.

3. De nossa parte, não só não deixamos de nos esforçar, quanto nos seja possível, para afastar da família humana os perigos de outras calamidades que a ameaçam, mas, quando os meios humanos se revelam insuficientes, nos voltamos suplicantes a Deus, e exortamos ao mesmo tempo a todos os nossos filhos em Cristo, espalhados em todos os países da terra; a unirem-se a nós na impetração do auxílio divino.

4. Por esse motivo, como nos anos passados tivemos o conforto de dirigir nossa exortação a todos, e especialmente às crianças a nós tão queridas, afim de que durante o mês de maio cerrassem fileiras em torno do altar da grande Mãe de Deus, para implorar-lhe o término da funesta guerra, assim também hoje, por meio desta carta, convidamo-los ardentemente a não interromperem esse piedoso costume e a unirem às suas súplicas propósitos de renovação cristã e obras de salutar penitência.

5. Antes de tudo apresentem à Virgem Mãe de Deus e nossa Mãe benigníssima os mais vivos agradecimentos por ter alcançado com sua poderosa intercessão o tão almejado término da grande conflagração mundial, e pelos outros muitos benefícios alcançados do Altíssimo. Mas ao mesmo tempo implorem, com orações repetidas, que finalmente resplandeça como um dom do céu a paz mútua, fraterna e plena, entre todos os povos, e a suspirada concórdia entre todas as classes sociais.

6. Cessem as discórdias, que não trazem vantagem a ninguém; de acordo com a justiça, componham-se as contendas, que são freqüentemente origem de novas desventuras; cresçam e consolidem-se entre as nações as relações públicas e privadas; goze a religião, alimentadora de todas as virtudes, da liberdade que lhe é devida; e o pacífico trabalho humano, sob os auspícios da justiça e o bafejo divino da caridade, produza, para o bem de todos, os frutos mais abundantes.

7. Bem sabeis, veneráveis irmãos, que nossas orações são gratas a santíssima Virgem sobretudo quando não são vozes passageiras e vazias, mas refletem almas ornadas das necessárias virtudes. Esforçai-vos; portanto, com vosso zelo apostólico por que, às orações públicas elevadas ao céu durante o mês de maio, corresponda um renascimento da vida cristã. De fato, somente daí é lícito esperar que o curso dos fatos e dos acontecimentos, na vida tanto pública quanto privada, possa ser dirigido conforme a reta ordem, e que aos homens seja dado conquistar, com o auxílio de Deus, não só a prosperidade deste mundo, mas também a felicidade sem fim do céu.

8. Mas há no momento outro motivo particular que aflige e angustia vivamente nosso coração. É sabido que os lugares santos da Palestina já de há muito tempo são perturbados por acontecimentos lutuosos, e são quase todos os dias devastados por novos morticínios e ruínas. Entretanto, se há uma região no mundo que deve ser particularmente cara a toda alma civilizada, é de certo aquela donde nasceu para todos os povos, desde os mais remotos primórdios da história, tanta luz de verdade; na qual o Verbo de Deus encarnado mandou anunciar por coros de anjos a paz a todos os homens; e na qual, enfim, Jesus Cristo, suspenso ao madeiro da cruz, trouxe a salvação a todo o gênero humano, e estendendo os braços como que a convidar todos os povos a um amplexo fraterno, consagrou com a efusão de seu sangue o grande preceito da caridade.

9. Desejamos, portanto, veneráveis irmãos, que neste ano as orações do mês de maio tenham de um modo particular o fim de impetrar da santíssima Virgem que finalmente as coisas da Palestina sejam compostas com eqüidade, e que também lá triunfem felizmente a concórdia e a paz.

10. Nutrimos grande confiança no poderosíssimo patrocínio de nossa Mãe celestial; patrocínio que durante o mês a ela consagrado, especialmente as criancinhas inocentes impetrarão com uma santa cruzada de orações. E será vossa tarefa exortá-las e estimulá-las para tanto com toda a solicitude; e não só elas, mas também seus pais e suas mães, que também nisso devem precedê-las com o exemplo.

11. Sabendo que jamais apelamos em vão ao vosso zelo ardente, já nos parece ver multidões de crianças, de homens e de mulheres, encherem os templos para impetrar da virgem Mãe de Deus grande abundância de favores celestes.

12. Obtenha-nos a santíssima Virgem - que nos deu Jesus - que todos aqueles que se afastaram do caminho reto a ele voltem arrependidos; obtenha-nos nossa Mãe benigníssima - que em todos os perigos se mostrou sempre nosso valoroso auxílio e mediadora dos favores divinos - que também nas graves necessidades que hoje nos angustiam se componham os dissídios, e uma paz segura e livre resplandeça finalmente sobre a Igreja e sobre todas as nações.

13. Há poucos anos, como todos recordam, quando ainda enfurecia a recente guerra mundial, nós, vendo que os meios humanos se mostravam insuficientes e desproporcionados para extinguir a conflagração, voltamos nossas fervorosas preces ao misericordiosíssimo Redentor, interpondo o poderoso patrocínio do coração imaculado de Maria. E como o nosso predecessor de imortal memória Leão XIII, nos albores do século XX, quis consagrar todo o gênero humano ao sacratíssimo coração de Jesus, também nós, como que representando a família humana por ele redimida, quisemos solenemente consagrá-la ao coração imaculado de Maria virgem.

14. Desejamos que todos façam o mesmo, sempre que a oportunidade o aconselhar; e não só em cada diocese e cada paróquia, mas também em cada família. Assim esperamos que desta consagração particular e pública nasçam abundantes benefícios e favores celestiais. Seja presságio desses favores celestes e penhor de nossa benevolência paterna a bênção apostólica que damos com efusão de coração a cada um de vós, veneráveis irmãos, a todos aqueles que de boa mente corresponderem a esta nossa carta de exortação, e de um modo particular as caríssimas crianças.

Dado em Roma, junto de São Pedro, no primeiro dia de maio de 1948, X ano de nosso pontificado.

PIO PP. XII

Table of Contents: Albanian :Arabic :Belarusian :Bulgarian :Chinese_Simplified :Chinese_Traditional :Danish :Dutch :English :French :German :Hungarian :Italian :Japanese :Korean :Latvian :Norwegian :Persian :Polish :Portuguese :Romanian :Russian :Spanish :Swedish :Turkish :Ukrainian :