Announcing: BahaiPrayers.net


More Books by Enciclicas

Deus caritas est (25 Dezembro 2005)
Spe salvi (30 Novembro 2007)
Centesimus annus
Dives in misericordia
Dominum et vivificantem
ECCLESIA DE EUCHARISTIA
Evangelium vitae
FIDES ET RATIO
Laborem exercens
Redemptor hominis
Redemptoris Mater
Redemptoris missio
Sollicitudo rei socialis
Ut unum sint
Ad Petri Cathedram (29 Junho 1959)
Aeterna Dei Sapientia (11 Novembro 1961)
Grata Recordatio (26 Septembro 1959)
Mater et Magistra (15 Maio 1961)
Pacem in Terris (11 Abril 1963)
Paenitentiam Agere (1 Julho 1962)
Princeps Pastorum (28 Novembro 1959)
Sacerdotii Nostri Primordia (1 Augosto 1959)
Adiutricem (5 Septembro 1895)
Augustissimae Virginis Mariae (12 Setembro 1897)
Dall'alto dell'Apostolico Seggio (15 Outubro 1890)
Diuturni Temporis (5 Setembro 1898)
Fidentem Piumque Animum (20 Setembro 1896)
Humanum Genus (20 Abril 1884)
Immortale Dei (1 Novembro 1885)
Inscrutabili Dei Consilio (12 Abril 1878)
Iucunda Semper Expectatione (8 Setembro 1894)
Magnae Dei Matris (8 Setembro 1892)
Octobri Mense (22 Setembro 1891)
Rerum Novarum (15 Maio 1891)
Superiore Anno (30 Agosto 1884)
Supremi Apostolatus Officio (1 Setembro 1883)
CHRISTI MATRI ROSARII
ECCLESIAM SUAM
HUMANAE VITAE
MENSE MAIO
MYSTERIUM FIDEI
POPULORUM PROGRESSIO
SACERDOTALIS CAELIBATUS
Pascendi Dominici Gregis (8 Septembro 1907)
DIVINI ILLIUS MAGISTRI
MORTALIUM ANIMOS
QUADRAGESIMO ANNO
VIGILANTI CURA
AD APOSTOLORUM PRINCIPIS
AD CAELI REGINAM
ANNI SACRI
AUSPICIA QUAEDAM
COMMUNIUM INTERPRETES DOLORUM
DEIPARAE VIRGINIS MARIAE
DIVINO AFFLANTE SPIRITU
DOCTOR MELLIFLUUS
HUMANI GENERIS
IN MULTIPLICIBUS CURIS
INGRUENTIUM MALORUM
LE PELERINAGE DE LOURDES
MEDIATOR DEI
MEMINISSE IUVAT
MIRABILE ILLUD
MUSICAE SACRAE DISCIPLINA
MYSTICI CORPORIS
OPTATISSIMA PAX
ORIENTALIS ECCLESIAE
QUEMADMODUM
SACRA VIRGINITAS
SAECULO EXEUNTE OCTAVO
SEMPITERNUS REX CHRISTUS
SERTUM LAETITIAE
SUMMI MAERORIS
Free Interfaith Software

Web - Windows - iPhone








Enciclicas : FIDES ET RATIO
CARTA ENC�CLICA
FIDES ET RATIO
DO SUMO PONT�FICE
JO�O PAULO II
AOS BISPOS DA IGREJA CAT�LICA
SOBRE AS RELA��ES
ENTRE F� E RAZ�O
Venerados Irm�os no Episcopado,
sa�de e B�n��o Apost�lica!

A f� e a raz�o (fides et ratio) constituem como que as duas asas pelas quais o esp�rito humano se eleva para a contempla��o da verdade. Foi Deus quem colocou no cora��o do homem o desejo de conhecer a verdade e, em �ltima an�lise, de O conhecer a Ele, para que, conhecendo-O e amando-O, possa chegar tamb�m � verdade plena sobre si pr�prio (cf. Ex 33, 18; Sal 2726, 8-9; 6362, 2-3; Jo 14, 8; 1 Jo 3, 2).

INTRODU��O
�CONHECE-TE A TI MESMO �

1. Tanto no Oriente como no Ocidente, � poss�vel entrever um caminho que, ao longo dos s�culos, levou a humanidade a encontrar-se progressivamente com a verdade e a confrontar-se com ela. � um caminho que se realizou � nem podia ser de outro modo � no �mbito da autoconsci�ncia pessoal: quanto mais o homem conhece a realidade e o mundo, tanto mais se conhece a si mesmo na sua unicidade, ao mesmo tempo que nele se torna cada vez mais premente a quest�o do sentido das coisas e da sua pr�pria exist�ncia. O que chega a ser objecto do nosso conhecimento, torna-se por isso mesmo parte da nossa vida. A recomenda��o conhece-te a ti mesmo estava esculpida no dintel do templo de Delfos, para testemunhar uma verdade basilar que deve ser assumida como regra m�nima de todo o homem que deseje distinguir-se, no meio da cria��o inteira, pela sua qualifica��o de � homem �, ou seja, enquanto �conhecedor de si mesmo �.

Ali�s, basta um simples olhar pela hist�ria antiga para ver com toda a clareza como surgiram simultaneamente, em diversas partes da terra animadas por culturas diferentes, as quest�es fundamentais que caracterizam o percurso da exist�ncia humana: Quem sou eu? Donde venho e para onde vou? Porque existe o mal? O que � que existir� depois desta vida? Estas perguntas encontram-se nos escritos sagrados de Israel, mas aparecem tamb�m nos Vedas e no Avest�; achamo-las tanto nos escritos de Conf�cio e Lao-Tze, como na prega��o de Tirtankara e de Buda; e assomam ainda quer nos poemas de Homero e nas trag�dias de Eur�pides e S�focles, quer nos tratados filos�ficos de Plat�o e Arist�teles. S�o quest�es que t�m a sua fonte comum naquela exig�ncia de sentido que, desde sempre, urge no cora��o do homem: da resposta a tais perguntas depende efectivamente a orienta��o que se imprime � exist�ncia.

2. A Igreja n�o � alheia, nem pode s�-lo, a este caminho de pesquisa. Desde que recebeu, no Mist�rio Pascal, o dom da verdade �ltima sobre a vida do homem, ela fez-se peregrina pelas estradas do mundo, para anunciar que Jesus Cristo � � o caminho, a verdade e a vida � (Jo 14, 6). De entre os v�rios servi�os que ela deve oferecer � humanidade, h� um cuja responsabilidade lhe cabe de modo absolutamente peculiar: � a diaconia da verdade. (1) Por um lado, esta miss�o torna a comunidade crente participante do esfor�o comum que a humanidade realiza para alcan�ar a verdade, (2) e, por outro, obriga-a a empenhar-se no an�ncio das certezas adquiridas, ciente todavia de que cada verdade alcan�ada � apenas mais uma etapa rumo �quela verdade plena que se h�--de manifestar na �ltima revela��o de Deus: � Hoje vemos como por um espelho, de maneira confusa, mas ent�o veremos face a face. Hoje conhe�o de maneira imperfeita, ent�o conhecerei exactamente � (1 Cor 13, 12).

3. Variados s�o os recursos que o homem possui para progredir no conhecimento da verdade, tornando assim cada vez mais humana a sua exist�ncia. De entre eles sobressai a filosofia, cujo contributo espec�fico � colocar a quest�o do sentido da vida e esbo�ar a resposta: constitui, pois, uma das tarefas mais nobres da humanidade. O termo filosofia significa, segundo a etimologia grega, � amor � sabedoria �. Efectivamente a filosofia nasceu e come�ou a desenvolver-se quando o homem principiou a interrogar-se sobre o porqu� das coisas e o seu fim. Ela demonstra, de diferentes modos e formas, que o desejo da verdade pertence � pr�pria natureza do homem. Interrogar-se sobre o porqu� das coisas � uma propriedade natural da sua raz�o, embora as respostas, que esta aos poucos vai dando, se integrem num horizonte que evidencia a complementaridade das diferentes culturas onde o homem vive.

A grande incid�ncia que a filosofia teve na forma��o e desenvolvimento das culturas do Ocidente n�o deve fazer-nos esquecer a influ�ncia que a mesma exerceu tamb�m nos modos de conceber a exist�ncia presentes no Oriente. Na realidade, cada povo possui a sua pr�pria sabedoria natural, que tende, como aut�ntica riqueza das culturas, a exprimir-se e a maturar em formas propriamente filos�ficas. Prova da verdade de tudo isto � a exist�ncia duma forma basilar de conhecimento filos�fico, que perdura at� aos nossos dias e que se pode constatar nos pr�prios postulados em que as v�rias legisla��es nacionais e internacionais se inspiram para regular a vida social.

4. Deve-se assinalar, por�m, que, por detr�s dum �nico termo, se escondem significados diferentes. Por isso, � necess�ria uma explicita��o preliminar. Impelido pelo desejo de descobrir a verdade �ltima da exist�ncia, o homem procura adquirir aqueles conhecimentos universais que lhe permitam uma melhor compreens�o de si mesmo e progredir na sua realiza��o. Os conhecimentos fundamentais nascem da maravilha que nele suscita a contempla��o da cria��o: o ser humano enche-se de encanto ao descobrir-se inclu�do no mundo e relacionado com outros seres semelhantes, com quem partilha o destino. Parte daqui o caminho que o levar�, depois, � descoberta de horizontes de conhecimentos sempre novos. Sem tal assombro, o homem tornar-se-ia repetitivo e, pouco a pouco, incapaz de uma exist�ncia verdadeiramente pessoal.

A capacidade reflexiva pr�pria do intelecto humano permite elaborar, atrav�s da actividade filos�fica, uma forma de pensamento rigoroso, e assim construir, com coer�ncia l�gica entre as afirma��es e coes�o org�nica dos conte�dos, um conhecimento sistem�tico. Gra�as a tal processo, alcan�aram-se, em contextos culturais diversos e em diferentes �pocas hist�ricas, resultados que levaram � elabora��o de verdadeiros sistemas de pensamento. Historicamente isto gerou muitas vezes a tenta��o de identificar uma �nica corrente com o pensamento filos�fico inteiro. Mas, nestes casos, � claro que entra em jogo uma certa �soberba filos�fica �, que pretende arvorar em leitura universal a pr�pria perspectiva e vis�o imperfeita. Na realidade, cada sistema filos�fico, sempre no respeito da sua integridade e livre de qualquer instrumentaliza��o, deve reconhecer a prioridade do pensar filos�fico de que teve origem e ao qual deve coerentemente servir.

Neste sentido, � poss�vel, n�o obstante a mudan�a dos tempos e os progressos do saber, reconhecer um n�cleo de conhecimentos filos�ficos, cuja presen�a � constante na hist�ria do pensamento. Pense-se, s� como exemplo, nos princ�pios de n�o-contradi��o, finalidade, causalidade, e ainda na concep��o da pessoa como sujeito livre e inteligente, e na sua capacidade de conhecer Deus, a verdade, o bem; pense-se, al�m disso, em algumas normas morais fundamentais que geralmente s�o aceites por todos. Estes e outros temas indicam que, para al�m das correntes de pensamento, existe um conjunto de conhecimentos, nos quais � poss�vel ver uma esp�cie de patrim�nio espiritual da humanidade. � como se nos encontr�ssemos perante uma filosofia impl�cita, em virtude da qual cada um sente que possui estes princ�pios, embora de forma gen�rica e n�o reflectida. Estes conhecimentos, precisamente porque partilhados em certa medida por todos, deveriam constituir uma esp�cie de ponto de refer�ncia para as diversas escolas filos�ficas. Quando a raz�o consegue intuir e formular os princ�pios primeiros e universais do ser, e deles deduzir correcta e coerentemente conclus�es de ordem l�gica e deontol�gica, ent�o pode-se considerar uma raz�o recta, ou, como era chamada pelos antigos, orth�s logos, recta ratio.

5. A Igreja, por sua vez, n�o pode deixar de apreciar o esfor�o da raz�o na consecu��o de objectivos que tornem cada vez mais digna a exist�ncia pessoal. Na verdade, ela v�, na filosofia, o caminho para conhecer verdades fundamentais relativas � exist�ncia do homem. Ao mesmo tempo, considera a filosofia uma ajuda indispens�vel para aprofundar a compreens�o da f� e comunicar a verdade do Evangelho a quantos n�o a conhecem ainda.

Na sequ�ncia de iniciativas an�logas dos meus Predecessores, desejo tamb�m eu debru�ar-me sobre esta actividade peculiar da raz�o. Fa�o-o movido pela constata��o, sobretudo em nossos dias, de que a busca da verdade �ltima aparece muitas vezes ofuscada. A filosofia moderna possui, sem d�vida, o grande m�rito de ter concentrado a sua aten��o sobre o homem. Partindo da�, uma raz�o cheia de interrogativos levou por diante o seu desejo de conhecer sempre mais ampla e profundamente. Desta forma, foram constru�dos sistemas de pensamento complexos, que deram os seus frutos nos diversos �mbitos do conhecimento, favorecendo o progresso da cultura e da hist�ria. A antropologia, a l�gica, as ci�ncias da natureza, a hist�ria, a lingu�stica, de algum modo todo o universo do saber foi abarcado. Todavia, os resultados positivos alcan�ados n�o devem levar a transcurar o facto de que essa mesma raz�o, porque ocupada a investigar de maneira unilateral o homem como objecto, parece ter-se esquecido de que este � sempre chamado a voltar-se tamb�m para uma realidade que o transcende. Sem refer�ncia a esta, cada um fica ao sabor do livre arb�trio, e a sua condi��o de pessoa acaba por ser avaliada com crit�rios pragm�ticos baseados essencialmente sobre o dado experimental, na errada convic��o de que tudo deve ser dominado pela t�cnica. Foi assim que a raz�o, sob o peso de tanto saber, em vez de exprimir melhor a tens�o para a verdade, curvou-se sobre si mesma, tornando-se incapaz, com o passar do tempo, de levantar o olhar para o alto e de ousar atingir a verdade do ser. A filosofia moderna, esquecendo-se de orientar a sua pesquisa para o ser, concentrou a pr�pria investiga��o sobre o conhecimento humano. Em vez de se apoiar sobre a capacidade que o homem tem de conhecer a verdade, preferiu sublinhar as suas limita��es e condicionalismos.

Da� provieram v�rias formas de agnosticismo e relativismo, que levaram a investiga��o filos�fica a perder-se nas areias movedi�as dum cepticismo geral. E, mais recentemente, ganharam relevo diversas doutrinas que tendem a desvalorizar at� mesmo aquelas verdades que o homem estava certo de ter alcan�ado. A leg�tima pluralidade de posi��es cedeu o lugar a um pluralismo indefinido, fundado no pressuposto de que todas as posi��es s�o equivalentes: trata-se de um dos sintomas mais difusos, no contexto actual, de desconfian�a na verdade. E esta ressalva vale tamb�m para certas concep��es de vida origin�rias do Oriente: � que negam � verdade o seu car�cter exclusivo, ao partirem do pressuposto de que ela se manifesta de modo igual em doutrinas diversas ou mesmo contradit�rias entre si. Neste horizonte, tudo fica reduzido a mera opini�o. D� a impress�o de um movimento ondulat�rio: enquanto, por um lado, a raz�o filos�fica conseguiu avan�ar pela estrada que a torna cada vez mais atenta � exist�ncia humana e �s suas formas de express�o, por outro tende a desenvolver considera��es existenciais, hermen�uticas ou lingu�sticas, que prescindem da quest�o radical relativa � verdade da vida pessoal, do ser e de Deus. Como consequ�ncia, despontaram, n�o s� em alguns fil�sofos mas no homem contempor�neo em geral, atitudes de desconfian�a generalizada quanto aos grandes recursos cognoscitivos do ser humano. Com falsa mod�stia, contentam-se de verdades parciais e provis�rias, deixando de tentar p�r as perguntas radicais sobre o sentido e o fundamento �ltimo da vida humana, pessoal e social. Em suma, esmoreceu a esperan�a de se poder receber da filosofia respostas definitivas a tais quest�es.

6. Credenciada pelo facto de ser deposit�ria da revela��o de Jesus Cristo, a Igreja deseja reafirmar a necessidade da reflex�o sobre a verdade. Foi por este motivo que decidi dirigir-me a v�s, venerados Irm�os no Episcopado, com quem partilho a miss�o de anunciar � abertamente a verdade � (2 Cor 4, 2), e dirigir-me tamb�m aos te�logos e fil�sofos a quem compete o dever de investigar os diversos aspectos da verdade, e ainda a quantos andam � procura duma resposta, para comunicar algumas reflex�es sobre o caminho que conduz � verdadeira sabedoria, a fim de que todo aquele que tiver no cora��o o amor por ela possa tomar a estrada certa para a alcan�ar, e nela encontrar repouso para a sua fadiga e tamb�m satisfa��o espiritual.

Tomo esta iniciativa impelido, antes de mais, pela certeza de que os Bispos, como assinala o Conc�lio Vaticano II, s�o � testemunhas da verdade divina e cat�lica � (3). Por isso, testemunhar a verdade � um encargo que nos foi confiado a n�s, os Bispos; n�o podemos renunciar a ele, sem faltar ao minist�rio que recebemos. Reafirmando a verdade da f�, podemos restituir ao homem de hoje uma genu�na confian�a nas suas capacidades cognoscitivas e oferecer � filosofia um est�mulo para poder recuperar e promover a sua plena dignidade.

H� um segundo motivo que me induz a escrever estas reflex�es Na carta enc�clica Veritatis splendor, chamei a aten��o para � algumas verdades fundamentais da doutrina cat�lica que, no contexto actual, correm o risco de serem deformadas ou negadas �. (4) Com este novo documento, desejo continuar aquela reflex�o, concentrando a aten��o precisamente sobre o tema da verdade e sobre o seu fundamento em rela��o com a f�. De facto, n�o se pode negar que este per�odo, de mudan�as r�pidas e complexas, deixa sobretudo os jovens, a quem pertence e de quem depende o futuro, na sensa��o de estarem privados de pontos de refer�ncia aut�nticos. A necessidade de um alicerce sobre o qual construir a exist�ncia pessoal e social faz-se sentir de maneira premente, principalmente quando se � obrigado a constatar o car�cter fragment�rio de propostas que elevam o ef�mero ao n�vel de valor, iludindo assim a possibilidade de se alcan�ar o verdadeiro sentido da exist�ncia. Deste modo, muitos arrastam a sua vida quase at� � borda do precip�cio, sem saber o que os espera. Isto depende tamb�m do facto de, �s vezes, quem era chamado por voca��o a exprimir em formas culturais o fruto da sua reflex�o, ter desviado o olhar da verdade, preferindo o sucesso imediato ao esfor�o duma paciente investiga��o sobre aquilo que merece ser vivido. A filosofia, que tem a grande responsabilidade de formar o pensamento e a cultura atrav�s do apelo perene � busca da verdade, deve recuperar vigorosamente a sua voca��o origin�ria. � por isso que senti a necessidade e o dever de intervir sobre este tema, para que, no limiar do terceiro mil�nio da era crist�, a humanidade tome consci�ncia mais clara dos grandes recursos que lhe foram concedidos, e se empenhe com renovada coragem no cumprimento do plano de salva��o, no qual est� inserida a sua hist�ria.

CAP�TULO I
A REVELA��O
DA SABEDORIA DE DEUS
1. Jesus, revelador do Pai

7. Na base de toda a reflex�o feita pela Igreja, est� a consci�ncia de ser deposit�ria duma mensagem, que tem a sua origem no pr�prio Deus (cf. 2 Cor 4, 1-2). O conhecimento que ela prop�e ao homem, n�o prov�m de uma reflex�o sua, nem sequer da mais alta, mas de ter acolhido na f� a palavra de Deus (cf. 1 Tes 2, 13). Na origem do nosso ser crentes existe um encontro, �nico no seu g�nero, que assinala a abertura de um mist�rio escondido durante tantos s�culos (cf. 1 Cor 2, 7; Rom 16, 25-26), mas agora revelado: � Aprouve a Deus, na sua bondade e sabedoria, revelar-Se a Si mesmo e dar a conhecer o mist�rio da sua vontade (cf. Ef 1, 9), segundo o qual os homens, por meio de Cristo, Verbo encarnado, t�m acesso ao Pai no Esp�rito Santo e se tornam participantes da natureza divina �. (5) Trata-se de uma iniciativa completamente gratuita, que parte de Deus e vem ao encontro da humanidade para a salvar. Enquanto fonte de amor, Deus deseja dar-Se a conhecer, e o conhecimento que o homem adquire d'Ele leva � plenitude qualquer outro conhecimento verdadeiro que a sua mente seja capaz de alcan�ar sobre o sentido da pr�pria exist�ncia.

8. Retomando quase literalmente a doutrina presente na constitui��o Dei Filius do Conc�lio Vaticano I e tendo em conta os princ�pios propostos pelo Conc�lio de Trento, a constitui��o Dei Verbum do Vaticano II continuou aquele caminho plurissecular de compreens�o da f�, reflectindo sobre a Revela��o � luz da doutrina b�blica e de toda a tradi��o patr�stica. No primeiro Conc�lio do Vaticano, os Padres tinham sublinhado o car�cter sobrenatural da revela��o de Deus. A cr�tica racionalista que ent�o se fazia sentir contra a f�, baseada em teses erradas mas muito difusas, insistia sobre a nega��o de qualquer conhecimento que n�o fosse fruto das capacidades naturais da raz�o. Isto obrigara o Conc�lio a reafirmar vigorosamente que, al�m do conhecimento da raz�o humana, por sua natureza, capaz de chegar ao Criador, existe um conhecimento que � peculiar da f�. Este conhecimento exprime uma verdade que se funda precisamente no facto de Deus que Se revela, e � uma verdade cert�ssima porque Deus n�o Se engana nem quer enganar. (6)

9. Por isso, o Conc�lio Vaticano I ensina que a verdade alcan�ada pela via da reflex�o filos�fica e a verdade da Revela��o n�o se confundem, nem uma torna a outra sup�rflua: � Existem duas ordens de conhecimento, diversas n�o apenas pelo seu princ�pio, mas tamb�m pelo objecto. Pelo seu princ�pio, porque, se num conhecemos pela raz�o natural, no outro faz�mo-lo por meio da f� divina; pelo objecto, porque, al�m das verdades que a raz�o natural pode compreender, �-nos proposto ver os mist�rios escondidos em Deus, que s� podem ser conhecidos se nos forem revelados do Alto �. (7) A f�, que se fundamenta no testemunho de Deus e conta com a ajuda sobrenatural da gra�a, pertence efectivamente a uma ordem de conhecimento diversa da do conhecimento filos�fico. De facto, este assenta sobre a percep��o dos sentidos, sobre a experi�ncia, e move-se apenas com a luz do intelecto. A filosofia e as ci�ncias situam-se na ordem da raz�o natural, enquanto a f�, iluminada e guiada pelo Esp�rito, reconhece na mensagem da salva��o a � plenitude de gra�a e de verdade � (cf. Jo 1, 14) que Deus quis revelar na hist�ria, de maneira definitiva, por meio do seu Filho Jesus Cristo (cf. 1 Jo 5, 9; Jo 5, 31-32).

10. No Conc�lio Vaticano II, os Padres, fixando a aten��o sobre Jesus revelador, ilustraram o car�cter salv�fico da revela��o de Deus na hist�ria e exprimiram a sua natureza do seguinte modo: � Em virtude desta revela��o, Deus invis�vel (cf. Col 1, 15; 1 Tim 1, 17), na riqueza do seu amor, fala aos homens como amigos (cf. Ex 33, 11; Jo 15, 14-15) e convive com eles (cf. Bar 3, 38), para os convidar e admitir � comunh�o com Ele. Esta economia da Revela��o realiza-se por meio de ac��es e palavras intimamente relacionadas entre si, de tal maneira que as obras, realizadas por Deus na hist�ria da salva��o, manifestam e confirmam a doutrina e as realidades significadas pelas palavras; e as palavras, por sua vez, declaram as obras e esclarecem o mist�rio nelas contido. Por�m, a verdade profunda tanto a respeito de Deus como a respeito da salva��o dos homens manifesta-se-nos, por esta Revela��o, em Cristo, que � simultaneamente o mediador e a plenitude de toda a revela��o �. (8)

11. Assim, a revela��o de Deus entrou no tempo e na hist�ria. Mais, a encarna��o de Jesus Cristo realiza-se na � plenitude dos tempos � (Gal 4, 4). � dist�ncia de dois mil anos deste acontecimento, sinto o dever de reafirmar intensamente que, � no cristianismo, o tempo tem uma import�ncia fundamental �. (9) Com efeito, � nele que tem lugar toda a obra da cria��o e da salva��o, e sobretudo merece destaque o facto de que, com a encarna��o do Filho de Deus, vivemos e antecipamos desde j� aquilo que se seguir� ao fim dos tempos (cf. Heb 1, 2).

A verdade que Deus confiou ao homem a respeito de Si mesmo e da sua vida insere-se, portanto, no tempo e na hist�ria. Sem d�vida, aquela foi pronunciada uma vez por todas no mist�rio de Jesus de Nazar�. Afirma-o, com palavras muito expressivas, a constitui��o Dei Verbum: � Depois de ter falado muitas vezes e de muitos modos pelos profetas, falou-nos Deus nestes nossos dias, que s�o os �ltimos, atrav�s de seu Filho (Heb 1, 1-2). Com efeito, enviou o seu Filho, isto �, o Verbo eterno, que ilumina todos os homens, para habitar entre os homens e manifestar-lhes a vida �ntima de Deus (cf. Jo 1, 1-18). Jesus Cristo, Verbo feito carne, enviado como homem para os homens, "fala, portanto, as palavras de Deus" (Jo 3, 34) e consuma a obra de salva��o que o Pai Lhe mandou realizar (cf. Jo 5, 36; 17, 4). Por isso, Ele � v�-l'O a Ele � ver o Pai (cf. Jo 14, 9) �, com toda a sua presen�a e manifesta��o da sua pessoa, com palavras e obras, sinais e milagres, e sobretudo com a sua morte e gloriosa ressurrei��o, e enfim, com o envio do Esp�rito de verdade, completa totalmente e confirma com o testemunho divino a Revela��o �. (10)

Assim, a hist�ria constitui um caminho que o Povo de Deus h�-de percorrer inteiramente, de tal modo que a verdade revelada possa exprimir em plenitude os seus conte�dos, gra�as � ac��o incessante do Esp�rito Santo (cf. Jo 16, 13). Ensina-o tamb�m a constitui��o Dei Verbum, quando afirma que � a Igreja, no decurso dos s�culos, tende continuamente para a plenitude da verdade divina, at� que nela se realizem as palavras de Deus �. (11)

12. A hist�ria torna-se, assim, o lugar onde podemos constatar a ac��o de Deus em favor da humanidade. Ele vem ter connosco, servindo-Se daquilo que nos � mais familiar e mais f�cil de verificar, ou seja, o nosso contexto quotidiano, fora do qual n�o conseguir�amos entender-nos.

A encarna��o do Filho de Deus permite ver realizada uma s�ntese definitiva que a mente humana, por si mesma, nem sequer poderia imaginar: o Eterno entra no tempo, o Tudo esconde-se no fragmento, Deus assume o rosto do homem. Deste modo, a verdade expressa na revela��o de Cristo deixou de estar circunscrita a um restrito �mbito territorial e cultural, abrindo-se a todo o homem e mulher que a queira acolher como palavra definitivamente v�lida para dar sentido � exist�ncia. Agora todos t�m acesso ao Pai, em Cristo; de facto, com a sua morte e ressurrei��o, Ele concedeu-nos a vida divina que o primeiro Ad�o tinha rejeitado (cf. Rom 5, 12-15). Com esta Revela��o, � oferecida ao homem a verdade �ltima a respeito da pr�pria vida e do destino da hist�ria: � Na realidade, o mist�rio do homem s� no mist�rio do Verbo encarnado se esclarece verdadeiramente �, afirma a constitui��o Gaudium et spes. (12) Fora desta perspectiva, o mist�rio da exist�ncia pessoal permanece um enigma insol�vel. Onde poderia o homem procurar resposta para quest�es t�o dram�ticas como a dor, o sofrimento do inocente e a morte, a n�o ser na luz que dimana do mist�rio da paix�o, morte e ressurrei��o de Cristo?

2. A raz�o perante o mist�rio

13. Entretanto, n�o se pode esquecer que a Revela��o permanece envolvida no mist�rio. Jesus, com toda a sua vida, revela seguramente o rosto do Pai, porque Ele veio para manifestar os segredos de Deus; (13) e contudo, o conhecimento que possu�mos daquele rosto, est� marcado sempre pelo car�cter parcial e limitado da nossa compreens�o. Somente a f� permite entrar dentro do mist�rio, proporcionando uma sua compreens�o coerente.

O Conc�lio ensina que, � a Deus que revela, � devida a obedi�ncia da f� �. (14) Com esta breve mas densa afirma��o, � indicada uma verdade fundamental do cristianismo. Diz-se, em primeiro lugar, que a f� � uma resposta de obedi�ncia a Deus. Isto implica que Ele seja reconhecido na sua divindade, transcend�ncia e liberdade suprema. Deus que Se d� a conhecer na autoridade da sua transcend�ncia absoluta, traz consigo tamb�m a credibilidade dos conte�dos que revela. Pela f�, o homem presta assentimento a esse testemunho divino. Isto significa que reconhece plena e integralmente a verdade de tudo o que foi revelado, porque � o pr�prio Deus que o garante. Esta verdade, oferecida ao homem sem que ele a possa exigir, insere-se no horizonte da comunica��o interpessoal e impele a raz�o a abrir-se a esta e a acolher o seu sentido profundo. � por isso que o acto pelo qual nos entregamos a Deus, sempre foi considerado pela Igreja como um momento de op��o fundamental, que envolve a pessoa inteira. Intelig�ncia e vontade p�em em ac��o o melhor da sua natureza espiritual, para consentir que o sujeito realize um acto no pleno exerc�cio da sua liberdade pessoal. (15) Na f�, portanto, n�o basta a liberdade estar presente, exige-se que entre em ac��o. Mais, � a f� que permite a cada um exprimir, do melhor modo, a sua pr�pria liberdade. Por outras palavras, a liberdade n�o se realiza nas op��es contra Deus. Na verdade, como poderia ser considerado um uso aut�ntico da liberdade, a recusa de se abrir �quilo que permite a realiza��o de si mesmo? No acreditar � que a pessoa realiza o acto mais significativo da sua exist�ncia; de facto, nele a liberdade alcan�a a certeza da verdade e decide viver nela.

Em aux�lio da raz�o, que procura a compreens�o do mist�rio, v�m tamb�m os sinais presentes na Revela��o. Estes servem para conduzir mais longe a busca da verdade e permitir que a mente possa autonomamente investigar inclusive dentro do mist�rio. De qualquer modo, se, por um lado, esses sinais d�o maior for�a � raz�o, porque lhe permitem pesquisar dentro do mist�rio com os seus pr�prios meios, de que ela justamente se sente ciosa, por outro lado, impelem-na a transcender a sua realidade de sinais para apreender o significado ulterior de que eles s�o portadores. Portanto, j� h� neles uma verdade escondida, para a qual encaminham a mente e da qual esta n�o pode prescindir sem destruir o pr�prio sinal que lhe foi proposto.

Chega-se, assim, ao horizonte sacramental da Revela��o e de forma particular ao sinal eucar�stico, onde a uni�o indivis�vel entre a realidade e o respectivo significado permite identificar a profundidade do mist�rio. Na Eucaristia, Cristo est� verdadeiramente presente e vivo, actua pelo seu Esp�rito, mas, como justamente diz S. Tom�s, � nada v�s nem compreendes, mas t'o afirma a f� mais viva, para al�m das leis da Terra. Sob esp�cies diferentes, que n�o passam de sinais, � que est� o dom de Deus �. (16) Temos um eco disto mesmo nas seguintes palavras do fil�sofo Pascal: � Como Jesus Cristo passou despercebido no meio dos homens, assim a sua verdade permanece, entre as opini�es comuns, sem diferen�a exterior. O mesmo se d� com a Eucaristia relativamente ao p�o comum �.(17)

Em resumo, o conhecimento da f� n�o anula o mist�rio; torna-o apenas mais evidente e apresenta-o como um facto essencial para a vida do homem: Cristo Senhor, � na pr�pria revela��o do mist�rio do Pai e do seu amor, revela o homem a si mesmo e descobre-lhe a sua voca��o sublime �, (18) que � participar no mist�rio da vida trinit�ria de Deus. (19)

14. A doutrina do primeiro e segundo Conc�lio do Vaticano abre um horizonte verdadeiramente novo tamb�m ao saber filos�fico. A Revela��o coloca dentro da hist�ria um ponto de refer�ncia de que o homem n�o pode prescindir, se quiser chegar a compreender o mist�rio da sua exist�ncia; mas, por outro lado, este conhecimento apela constantemente para o mist�rio de Deus que a mente n�o consegue abarcar, mas apenas receber e acolher na f�. Entre estes dois momentos, a raz�o possui o seu espa�o peculiar que lhe permite investigar e compreender, sem ser limitada por nada mais que a sua finitude ante o mist�rio infinito de Deus.

A Revela��o introduz, portanto, na nossa hist�ria uma verdade universal e �ltima que leva a mente do homem a nunca mais se deter; antes, impele-a a ampliar continuamente os espa�os do pr�prio conhecimento at� sentir que realizou tudo o que estava ao seu alcance, sem nada descurar. Ajuda-nos, nesta reflex�o, uma das intelig�ncias mais fecundas e significativas da hist�ria da humanidade, � qual obrigatoriamente fazem refer�ncia a filosofia e a teologia: Santo Anselmo. Na sua obra, Proslogion, o Arcebispo de Cantu�ria exprime-se assim: � Detendo-me com frequ�ncia e aten��o a pensar neste problema, sucedia umas vezes que me parecia estar para agarrar o que buscava, outras vezes, pelo contr�rio, furtava-se completamente ao meu pensamento; at� que finalmente, desesperado de o poder achar, decidi deixar de procurar algo que me era imposs�vel encontrar. Mas, quando quis afastar de mim tal pensamento para que a sua ocupa��o da minha mente n�o me alheasse de outros problemas de que podia tirar algum proveito, foi ent�o que come�ou a apresentar-se cada vez mais teimoso. (...) Mas, pobre de mim, um dos pobres filhos de Eva, longe de Deus, o que � que comecei a fazer e o que � que consegui? O que � que visava e a que ponto cheguei? A que � que aspirava e por que � que suspiro? (...) � Senhor, V�s n�o sois apenas algo acerca do qual n�o se pode pensar nada de maior (non solum es quo maius cogitari nequit), mas sois maior de tudo o que se possa pensar (quiddam maius quam cogitari possit) (...). Se n�o f�sseis o que sois, poder-se-ia pensar algo maior do que V�s, mas isso � imposs�vel �. (20)

15. A verdade da revela��o crist�, que se encontra em Jesus de Nazar�, permite a quemquer que seja perceber o � mist�rio � da pr�pria vida. Enquanto verdade suprema, ao mesmo tempo que respeita a autonomia da criatura e a sua liberdade, obriga-a a abrir-se � transcend�ncia. Aqui, a rela��o entre liberdade e verdade atinge o seu m�ximo grau, podendo-se compreender plenamente esta palavra do Senhor: � Conhecereis a verdade e a verdade libertar-vos-� � (Jo 8, 32).

A revela��o crist� � a verdadeira estrela de orienta��o para o homem, que avan�a por entre os condicionalismos da mentalidade imanentista e os reducionismos duma l�gica tecnocr�tica; � a �ltima possibilidade oferecida por Deus, para reencontrar em plenitude aquele projecto primordial de amor que teve in�cio com a cria��o. Ao homem ansioso de conhecer a verdade � se ainda � capaz de ver para al�m de si mesmo e levantar os olhos acima dos seus pr�prios projectos � �-lhe concedida a possibilidade de recuperar a genu�na rela��o com a sua vida, seguindo a estrada da verdade. Podem-se aplicar a esta situa��o as seguintes palavras do Deuteron�mio: � A lei que hoje te imponho n�o est� acima das tuas for�as nem fora do teu alcance. N�o est� no c�u, para que digas: "Quem subir� por n�s ao c�u e no-la ir� buscar?" N�o est� t�o pouco do outro lado do mar, para que digas: "Quem atravessar� o mar para no-la buscar e no-la fazer ouvir para que a observemos?" N�o, ela est� muito perto de ti: est� na tua boca e no teu cora��o; e tu podes cumpri-la � (30, 11-14). Temos um eco deste texto no famoso pensamento do fil�sofo e te�logo Santo Agostinho: � Noli foras ire, in te ipsum redi. In interiore homine habitat veritas �. (21)

� luz destas considera��es, imp�e-se uma primeira conclus�o: a verdade que a Revela��o nos d� a conhecer n�o � o fruto maduro ou o ponto culminante dum pensamento elaborado pela raz�o. Pelo contr�rio, aquela apresenta-se com a caracter�stica da gratuidade, obriga a pens�-la, e pede para ser acolhida, como express�o de amor. Esta verdade revelada � a presen�a antecipada na nossa hist�ria daquela vis�o �ltima e definitiva de Deus, que est� reservada para quantos acreditam n'Ele ou O procuram de cora��o sincero. Assim, o fim �ltimo da exist�ncia pessoal � objecto de estudo quer da filosofia, quer da teologia. Embora com meios e conte�dos diversos, ambas apontam para aquele � caminho da vida � (Sal 1615, 11) que, segundo nos diz a f�, tem o seu termo �ltimo de chegada na alegria plena e duradoura da contempla��o de Deus Uno e Trino.

CAP�TULO II
CREDO UT INTELLEGAM

1. � A sabedoria sabe e compreende todas as coisas� (Sab9, 11)

16. Qu�o profunda seja a liga��o entre o conhecimento da f� e o da raz�o, j� a Sagrada Escritura no-lo indica com elementos de uma clareza surpreendente. Comprovam-no sobretudo os Livros Sapienciais. O que impressiona na leitura, feita sem preconceitos, dessas p�ginas da Sagrada Escritura � o facto de estes textos conterem n�o apenas a f� de Israel, mas tamb�m o tesouro de civiliza��es e culturas j� desaparecidas. Como se de um des�gnio particular se tratasse, o Egipto e a Mesopot�mia fazem ouvir novamente a sua voz, e alguns tra�os comuns das culturas do Antigo Oriente ressurgem nestas p�ginas ricas de intui��es singularmente profundas.

N�o � por acaso que o autor sagrado, ao querer descrever o homem s�bio, o apresenta como aquele que ama e busca a verdade: � Feliz o homem que � constante na sabedoria, e que discorre com a sua intelig�ncia; que repassa no seu cora��o os caminhos da sabedoria, e que penetra no conhecimento dos seus segredos; vai atr�s dela como quem lhe segue o rasto, e permanece nos seus caminhos; olha pelas suas janelas, e escuta �s suas portas; repousa junto da sua morada, e fixa um pilar nas suas paredes; levanta a sua tenda junto dela, e estabelece ali agrad�vel morada; coloca os seus filhos debaixo da sua protec��o, e ele mesmo morar� debaixo dos seus ramos; � sua sombra estar� defendido do calor, e repousar� na sua gl�ria � (Sir 14, 20-27).

Para o autor inspirado, como se v�, o desejo de conhecer � uma caracter�stica comum a todos os homens. Gra�as � intelig�ncia, � dada a todos, crentes e descrentes, a possibilidade de � saciarem-se nas �guas profundas � do conhecimento (cf. Prov 20, 5). Seguramente, no Antigo Israel, o conhecimento do mundo e dos seus fen�menos n�o se realizava pela via da abstrac��o, como j� o fazia o fil�sofo j�nico ou o s�bio eg�pcio. E menos ainda podia o bom israelita conceber o conhecimento nos par�metros pr�prios da �poca moderna, mais propensa � subdivis�o do saber. Apesar disso, o mundo b�blico fez confluir, para o grande mar da teoria do conhecimento, o seu contributo original.

Qual? O car�cter peculiar do texto b�blico reside na convic��o de que existe uma unidade profunda e indivis�vel entre o conhecimento da raz�o e o da f�. O mundo e o que nele acontece, assim como a hist�ria e as diversas vicissitudes da na��o s�o realidades observadas, analisadas e julgadas com os meios pr�prios da raz�o, mas sem deixar a f� alheia a este processo. Esta n�o interv�m para humilhar a autonomia da raz�o, nem para reduzir o seu espa�o de ac��o, mas apenas para fazer compreender ao homem que, em tais acontecimentos, Se torna vis�vel e actua o Deus de Israel. Assim, n�o � poss�vel conhecer profundamente o mundo e os factos da hist�ria, sem ao mesmo tempo professar a f� em Deus que neles actua. A f� aperfei�oa o olhar interior, abrindo a mente para descobrir, no curso dos acontecimentos, a presen�a operante da Provid�ncia. A tal prop�sito, � significativa uma express�o do livro dos Prov�rbios: � A mente do homem disp�e o seu caminho, mas � o Senhor quem dirige os seus passos � (16, 9). � como se dissesse que o homem, pela luz da raz�o, pode reconhecer a sua estrada, mas percorr�-la de maneira decidida, sem obst�culos e at� ao fim, ele s� o consegue se, de �nimo recto, integrar a sua pesquisa no horizonte da f�. Por isso, a raz�o e a f� n�o podem ser separadas, sem fazer com que o homem perca a possibilidade de conhecer de modo adequado a si mesmo, o mundo e Deus.

17. N�o h� motivo para existir concorr�ncia entre a raz�o e a f�: uma implica a outra, e cada qual tem o seu espa�o pr�prio de realiza��o. Aponta nesta direc��o o livro dos Prov�rbios, quando exclama: � A gl�ria de Deus � encobrir as coisas, e a gl�ria dos reis � investig�-las � (25, 2). Deus e o homem est�o colocados, em seu respectivo mundo, numa rela��o �nica. Em Deus reside a origem de tudo, n'Ele se encerra a plenitude do mist�rio, e isto constitui a sua gl�ria; ao homem, pelo contr�rio, compete o dever de investigar a verdade com a raz�o, e nisto est� a sua nobreza. Um novo ladrilho � colocado neste mosaico pelo Salmista, quando diz: � Qu�o insond�veis para mim, � Deus, vossos pensamentos! Qu�o imenso o seu n�mero! Quisera cont�-los, s�o mais que as areias; se pudesse chegar ao fim, estaria ainda convosco � (139/ 138, 17-18). O desejo de conhecer � t�o grande e comporta tal dinamismo que o cora��o do homem, ao tocar o limite intranspon�vel, suspira pela riqueza infinita que se encontra para al�m deste, por intuir que nela est� contida a resposta cabal para toda a quest�o ainda sem resposta.

18. Podemos, pois, dizer que Israel, com a sua reflex�o, soube abrir � raz�o o caminho para o mist�rio. Na revela��o de Deus, p�de sondar em profundidade aquilo que a raz�o estava procurando alcan�ar sem o conseguir. A partir desta forma mais profunda de conhecimento, o Povo Eleito compreendeu que a raz�o deve respeitar algumas regras fundamentais, para manifestar do melhor modo poss�vel a pr�pria natureza. A primeira regra � ter em conta que o conhecimento do homem � um caminho que n�o permite descanso; a segunda nasce da consci�ncia de que n�o se pode percorrer tal caminho com o orgulho de quem pensa que tudo seja fruto de conquista pessoal; a terceira regra funda-se no � temor de Deus �, de quem a raz�o deve reconhecer tanto a transcend�ncia soberana como o amor sol�cito no governo do mundo.

Quando o homem se afasta destas regras, corre o risco de falimento e acaba por encontrar-se na condi��o do � insensato �. Segundo a B�blia, nesta insensatez encerra-se uma amea�a � vida. � que o insensato ilude-se pensando que conhece muitas coisas, mas, de facto, n�o � capaz de fixar o olhar nas realidades essenciais. E isto impede-lhe de p�r ordem na sua mente (cf. Prov 1, 7) e de assumir uma atitude correcta para consigo mesmo e o ambiente circundante. Quando, depois, chega a afirmar que � Deus n�o existe � (cf. Sal 1413, 1), isso revela, com absoluta clareza, quanto seja deficiente o seu conhecimento e qu�o distante esteja ele da verdade plena a respeito das coisas, da sua origem e do seu destino.

19. Encontramos, no livro da Sabedoria, alguns textos importantes, que iluminam ainda melhor este assunto. L�, o autor sagrado fala de Deus que Se d� a conhecer tamb�m atrav�s da natureza. Para os antigos, o estudo das ci�ncias naturais coincidia, em grande parte, com o saber filos�fico. Depois de ter afirmado que o homem, com a sua intelig�ncia, � capaz de � conhecer a constitui��o do universo e a for�a dos elementos (...), o ciclo dos anos e a posi��o dos astros, a natureza dos animais mansos e os instintos dos animais ferozes � (Sab 7, 17.19-20), por outras palavras, que o homem � capaz de filosofar, o texto sagrado d� um passo em frente muito significativo. Retomando o pensamento da filosofia grega, � qual parece referir-se neste contexto, o autor afirma que, raciocinando precisamente sobre a natureza, pode-se chegar ao Criador: � Pela grandeza e beleza das criaturas, pode-se, por analogia, chegar ao conhecimento do seu Autor � (Sab 13, 5). Reconhece-se, assim, um primeiro n�vel da revela��o divina, constitu�do pelo maravilhoso � livro da natureza �; lendo-o com os meios pr�prios da raz�o humana, pode-se chegar ao conhecimento do Criador. Se o homem, com a sua intelig�ncia, n�o chega a reconhecer Deus como criador de tudo, isso fica-se a dever n�o tanto � falta de um meio adequado, como sobretudo ao obst�culo interposto pela sua vontade livre e pelo seu pecado.

20. Nesta perspectiva, a raz�o � valorizada, mas n�o superexaltada. O que ela alcan�a pode ser verdade, mas s� adquire pleno significado se o seu conte�do for situado num horizonte mais amplo, o da f�: � O Senhor � quem dirige os passos do homem; como poder� o homem compreender o seu pr�prio destino? � (Prov 20, 24). A f�, segundo o Antigo Testamento, liberta a raz�o, na medida em que lhe permite alcan�ar coerentemente o seu objecto de conhecimento e situ�-lo naquela ordem suprema onde tudo adquire sentido. Em resumo, pela raz�o o homem alcan�a a verdade, porque, iluminado pela f�, descobre o sentido profundo de tudo e, particularmente, da pr�pria exist�ncia. Justamente, pois, o autor sagrado coloca o in�cio do verdadeiro conhecimento no temor de Deus: � O temor do Senhor � o princ�pio da sabedoria � (Prov 1, 7; cf. Sir 1, 14).

2. � Adquire a sabedoria, adquire a intelig�ncia � (Prov 4, 5)

21. Segundo o Antigo Testamento, o conhecimento n�o se baseia apenas numa atenta observa��o do homem, do mundo e da hist�ria, mas sup�e como indispens�vel tamb�m uma rela��o com a f� e os conte�dos da Revela��o. Aqui se concentram os desafios que o Povo Eleito teve de enfrentar e a que deu resposta. Ao reflectir sobre esta sua condi��o, o homem b�blico descobriu que n�o se podia compreender sen�o como � ser em rela��o �: rela��o consigo mesmo, com o povo, com o mundo e com Deus. Esta abertura ao mist�rio, que provinha da Revela��o, acabou por ser, para ele, a fonte dum verdadeiro conhecimento, que permitiu � sua raz�o aventurar-se em espa�os infinitos, recebendo inesperadas possibilidades de compreens�o.

Segundo o autor sagrado, o esfor�o da investiga��o n�o estava isento da fadiga causada pelo embate nas limita��es da raz�o. Sente-se isso mesmo, por exemplo, nas palavras com que o livro dos Prov�rbios denuncia o cansa�o provado ao tentar compreender os misteriosos des�gnios de Deus (cf. 30, 1-6). Todavia, apesar da fadiga, o crente n�o desiste. E a for�a para continuar o seu caminho rumo � verdade prov�m da certeza de que Deus o criou como um � explorador � (cf. Coel 1, 13), cuja miss�o � n�o deixar nada sem tentar, n�o obstante a cont�nua chantagem da d�vida. Apoiando-se em Deus, o crente permanece, em todo o lado e sempre, inclinado para o que � belo, bom e verdadeiro.

22. S. Paulo, no primeiro cap�tulo da carta aos Romanos, ajuda-nos a avaliar melhor quanto seja incisiva a reflex�o dos Livros Sapienciais. Desenvolvendo com linguagem popular uma argumenta��o filos�fica, o Ap�stolo exprime uma verdade profunda: atrav�s da cria��o, os � olhos da mente � podem chegar ao conhecimento de Deus. Efectivamente, atrav�s das criaturas, Ele faz intuir � raz�o o seu � poder � e a sua � divindade � (cf. Rom 1, 20). Deste modo, � atribu�da � raz�o humana uma capacidade tal que parece quase superar os seus pr�prios limites naturais: n�o s� ultrapassa o �mbito do conhecimento sensorial, visto que lhe � poss�vel reflectir criticamente sobre o mesmo, mas, raciocinando a partir dos dados dos sentidos, pode chegar tamb�m � causa que est� na origem de toda a realidade sens�vel. Em terminologia filos�fica, podemos dizer que, neste significativo texto paulino, est� afirmada a capacidade metaf�sica do homem.

Segundo o Ap�stolo, no projecto origin�rio da cria��o estava prevista a capacidade de a raz�o ultrapassar comodamente o dado sens�vel para alcan�ar a origem mesma de tudo: o Criador. Como resultado da desobedi�ncia com que o homem escolheu colocar-se em plena e absoluta autonomia relativamente �quele que o tinha criado, perdeu tal facilidade de acesso a Deus criador.

O livro do G�nesis descreve de maneira figurada esta condi��o do homem, quando narra que Deus o colocou no jardim do �den, tendo no centro � a �rvore da ci�ncia do bem e do mal � (2, 17). O s�mbolo � claro: o homem n�o era capaz de discernir e decidir, por si s�, aquilo que era bem e o que era mal, mas devia apelar-se a um princ�pio superior. A cegueira do orgulho iludiu os nossos primeiros pais de que eram soberanos e aut�nomos, podendo prescindir do conhecimento vindo de Deus. Nesta desobedi�ncia original, eles implicaram todo o homem e mulher, causando � raz�o traumas s�rios que haveriam de dificultar-lhe, da� em diante, o caminho para a verdade plena. Agora a capacidade humana de conhecer a verdade aparece ofuscada pela avers�o contra Aquele que � fonte e origem da verdade. O pr�prio ap�stolo S. Paulo nos revela como, por causa do pecado, os pensamentos dos homens se tornaram � v�os � e os seus arrazoados tortuosos e falsos (cf. Rom 1, 21-22). Os olhos da mente deixaram de ser capazes de ver claramente: a raz�o foi progressivamente ficando prisioneira de si mesma. A vinda de Cristo foi o acontecimento de salva��o que redimiu a raz�o da sua fraqueza, libertando-a dos grilh�es onde ela mesma se tinha algemado.

23. Deste modo, a rela��o do crist�o com a filosofia requer um discernimento radical. No Novo Testamento, especialmente nas cartas de S. Paulo, aparece claramente este dado: a contraposi��o entre � a sabedoria deste mundo � e a sabedoria de Deus revelada em Jesus Cristo. A profundidade da sabedoria revelada rompe o c�rculo dos nossos esquemas de reflex�o habituais, que n�o s�o minimamente capazes de exprimi-la de forma adequada.

O in�cio da primeira carta aos Cor�ntios apresenta radicalmente este dilema. O Filho de Deus crucificado � o acontecimento hist�rico contra o qual se desfaz toda a tentativa da mente para construir, sobre raz�es puramente humanas, uma justifica��o suficiente do sentido da exist�ncia. O verdadeiro ponto nodal, que desafia qualquer filosofia, � a morte de Jesus Cristo na cruz. Aqui, de facto, qualquer tentativa de reduzir o plano salv�fico do Pai a mera l�gica humana est� destinada � fal�ncia. � Onde est� o s�bio? Onde est� o erudito? Onde est� o investigador deste s�culo? Porventura, Deus n�o considerou louca a sabedoria deste mundo? � (1 Cor 1, 20) � interroga-se enfaticamente o Ap�stolo. Para aquilo que Deus quer realizar, n�o basta a simples sabedoria do homem s�bio, requer-se um passo decisivo que leve ao acolhimento duma novidade radical: � O que � louco segundo o mundo � que Deus escolheu para confundir os s�bios (...). O que � vil e desprez�vel no mundo, � que Deus escolheu, como tamb�m aquelas coisas que nada s�o, para destruir as que s�o � (1 Cor 1, 27-28). A sabedoria do homem recusa ver na pr�pria fragilidade o pressuposto da sua for�a; mas S. Paulo n�o hesita em afirmar: � Quando me sinto fraco, ent�o � que sou forte � (2 Cor 12, 10). O homem n�o consegue compreender como possa a morte ser fonte de vida e de amor, mas Deus, para revelar o mist�rio do seu des�gnio salvador, escolheu precisamente o que a raz�o considera � loucura � e � esc�ndalo �. Usando a linguagem dos fil�sofos do seu tempo, Paulo chega ao cl�max da sua doutrina e do paradoxo que quer exprimir: � Deus escolheu, no mundo, aquelas coisas que nada s�o, para destruir as que s�o � (cf. 1 Cor 1, 28). Para exprimir o car�cter gratuito do amor revelado na cruz de Cristo, o Ap�stolo n�o tem medo de usar a linguagem mais radical que os fil�sofos empregavam nas suas reflex�es a respeito de Deus. A raz�o n�o pode esgotar o mist�rio de amor que a Cruz representa, mas a Cruz pode dar � raz�o a resposta �ltima que esta procura. S. Paulo coloca, n�o a sabedoria das palavras, mas a Palavra da Sabedoria como crit�rio, simultaneamente, de verdade e de salva��o.

Por conseguinte, a sabedoria da Cruz supera qualquer limite cultural que se lhe queira impor, obrigando a abrir-se � universalidade da verdade de que � portadora. Como � grande o desafio lan�ado � nossa raz�o e como s�o enormes as vantagens que ter�, se ela se render! A filosofia, que por si mesma j� � capaz de reconhecer a necessidade do homem se transcender continuamente na busca da verdade, pode, ajudada pela f�, abrir-se para, na � loucura � da Cruz, acolher como genu�na a cr�tica a quantos se iludem de possuir a verdade, encalhando-a nas sirtes dum sistema pr�prio. A rela��o entre a f� e a filosofia encontra, na prega��o de Cristo crucificado e ressuscitado, o escolho contra o qual pode naufragar, mas tamb�m para al�m do qual pode desembocar no oceano ilimitado da verdade. Aqui � evidente a fronteira entre a raz�o e a f�, mas torna-se claro tamb�m o espa�o onde as duas se podem encontrar.

CAP�TULO III
INTELLEGO UT CREDAM
1. Caminhar � procura da verdade

24. Nos Actos dos Ap�stolos, o evangelista Lucas narra a chegada de Paulo a Atenas, numa das suas viagens mission�rias. A cidade dos fil�sofos estava cheia de est�tuas, que representavam v�rios �dolos; e chamou-lhe a aten��o um altar, que Paulo prontamente aproveitou como motivo e base comum para iniciar o an�ncio do querigma: � Atenienses � disse ele �, vejo que sois, em tudo, os mais religiosos dos homens. Percorrendo a vossa cidade e examinando os vossos monumentos sagrados, at� encontrei um altar com esta inscri��o: "Ao Deus desconhecido". Pois bem! O que venerais sem conhecer, � que eu vos anuncio � (Act 17, 22-23). Partindo daqui, S. Paulo fala-lhes de Deus enquanto criador, como Aquele que tudo transcende e a tudo d� vida. Depois continua o seu discurso, dizendo: � Fez a partir de um s� homem, todo o g�nero humano, para habitar em toda a face da Terra; e fixou a sequ�ncia dos tempos e os limites para a sua habita��o, a fim de que os homens procurem a Deus e se esforcem por encontr�-Lo, mesmo tacteando, embora n�o Se encontre longe de cada um de n�s � (Act 17, 26-27).

O Ap�stolo p�e em destaque uma verdade que a Igreja sempre guardou no seu tesouro: no mais fundo do cora��o do homem, foi semeado o desejo e a nostalgia de Deus. Recorda-o a liturgia de Sexta-feira Santa, quando, convidando a rezar pelos que n�o cr�em, diz: � Deus eterno e omnipotente, criastes os homens para que Vos procurem, de modo que s� em V�s descansa o seu cora��o �. (22) Existe, portanto, um caminho que o homem, se quiser, pode percorrer; o seu ponto de partida est� na capacidade de a raz�o superar o contingente para se estender at� ao infinito.

De v�rios modos e em tempos diversos, o homem demonstrou que conseguia dar voz a este seu desejo �ntimo. A literatura, a m�sica, a pintura, a escultura, a arquitectura e outras realiza��es da sua intelig�ncia criadora tornaram-se canais de que ele se serviu para exprimir esta sua ansiosa procura. Mas foi sobretudo a filosofia que, de modo peculiar, recolheu este movimento, exprimindo, com os meios e segundo as modalidades cient�ficas que lhe s�o pr�prias, este desejo universal do homem.

25. � Todos os homens desejam saber �, (23) e o objecto pr�prio deste desejo � a verdade. A pr�pria vida quotidiana demonstra o interesse que tem cada um em descobrir, para al�m do que ouve, a realidade das coisas. Em toda a cria��o vis�vel, o homem � o �nico ser que � capaz n�o s� de saber, mas tamb�m de saber que sabe, e por isso se interessa pela verdade real daquilo que v�. Ningu�m pode sinceramente ficar indiferente quanto � verdade do seu saber. Se descobre que � falso, rejeita-o; se, pelo contr�rio, consegue certificar-se da sua verdade, sente-se satisfeito. � a li��o que nos d� Santo Agostinho, quando escreve: � Encontrei muitos com desejos de enganar outros, mas n�o encontrei ningu�m que quisesse ser enganado �. (24) Considera-se, justamente, que uma pessoa alcan�ou a idade adulta, quando consegue discernir, por seus pr�prios meios, entre aquilo que � verdadeiro e o que � falso, formando um ju�zo pessoal sobre a realidade objectiva das coisas. Est� aqui o motivo de muitas pesquisas, particularmente no campo das ci�ncias, que levaram, nos �ltimos s�culos, a resultados t�o significativos, favorecendo realmente o progresso da humanidade inteira.

E a pesquisa � t�o importante no campo te�rico, como no �mbito pr�tico: ao referir-me a este, desejo aludir � procura da verdade a respeito do bem que se deve realizar. Com efeito, gra�as precisamente ao agir �tico, a pessoa, se actuar segundo a sua livre e recta vontade, entra pela estrada da felicidade e encaminha-se para a perfei��o. Tamb�m neste caso, est� em quest�o a verdade. Reafirmei esta convic��o na carta enc�clica Veritatis splendor: � N�o h� moral sem liberdade (...). Se existe o direito de ser respeitado no pr�prio caminho em busca da verdade, h� ainda antes a obriga��o moral grave para cada um de procurar a verdade e de aderir a ela, uma vez conhecida �. (25)

Por isso, � necess�rio que os valores escolhidos e procurados na vida sejam verdadeiros, porque s� estes � que podem aperfei�oar a pessoa, realizando a sua natureza. N�o � fechando-se em si mesmo que o homem encontra esta verdade dos valores, mas abrindo-se para a receber mesmo de dimens�es que o transcendem. Esta � uma condi��o necess�ria para que cada um se torne ele mesmo e cres�a como pessoa adulta e madura.

26. Ao princ�pio, a verdade apresenta-se ao homem sob forma interrogativa: A vida tem um sentido? Para onde se dirige? � primeira vista, a exist�ncia pessoal poderia aparecer radicalmente sem sentido. N�o � preciso recorrer aos fil�sofos do absurdo, nem �s perguntas provocat�rias que se encontram no livro de Job para duvidar do sentido da vida. A experi�ncia quotidiana do sofrimento, pessoal e alheio, e a observa��o de muitos factos, que � luz da raz�o se revelam inexplic�veis, bastam para tornar inilud�vel um problema t�o dram�tico como � a quest�o do sentido da vida. (26) A isto se deve acrescentar que a primeira verdade absolutamente certa da nossa exist�ncia, para al�m do facto de existirmos, � a inevitabilidade da morte. Perante um dado t�o desconcertante como este, imp�e-se a busca de uma resposta exaustiva. Cada um quer, e deve, conhecer a verdade sobre o seu fim. Quer saber se a morte ser� o termo definitivo da sua exist�ncia, ou se algo permanece para al�m da morte; se pode esperar uma vida posterior, ou n�o. � significativo que o pensamento filos�fico tenha recebido, da morte de S�crates, uma orienta��o decisiva que o marcou durante mais de dois mil�nios. Certamente n�o � por acaso que os fil�sofos, perante a realidade da morte, sempre voltam a p�r-se este problema, associado � quest�o do sentido da vida e da imortalidade.

27. A tais quest�es, n�o pode esquivar-se ningu�m � nem o fil�sofo, nem o homem comum. E, da resposta que se lhes der, deriva uma orienta��o decisiva da investiga��o: a possibilidade, ou n�o, de alcan�ar uma verdade universal. Por si mesma qualquer verdade, mesmo parcial, se realmente � verdade, apresenta-se como universal e absoluta. Aquilo que � verdadeiro deve ser verdadeiro sempre e para todos. Contudo, para al�m desta universalidade, o homem procura um absoluto que seja capaz de dar resposta e sentido a toda a sua pesquisa: algo de definitivo, que sirva de fundamento a tudo o mais. Por outras palavras, procura uma explica��o definitiva, um valor supremo, para al�m do qual n�o existam, nem possam existir, ulteriores perguntas ou apelos. As hip�teses podem seduzir, mas n�o saciam. Para todos, chega o momento em que, admitam-no ou n�o, h� necessidade de ancorar a exist�ncia a uma verdade reconhecida como definitiva, que forne�a uma certeza livre de qualquer d�vida.

Os fil�sofos procuraram, ao longo dos s�culos, descobrir e exprimir tal verdade, criando um sistema ou uma escola de pensamento. Mas, para al�m dos sistemas filos�ficos, existem outras express�es nas quais o homem procura formular a sua � filosofia �: trata-se de convic��es ou experi�ncias pessoais, tradi��es familiares e culturais, ou itiner�rios existenciais vividos sob a autoridade de um mestre. A cada uma destas manifesta��es, subjaz sempre vivo o desejo de alcan�ar a certeza da verdade e do seu valor absoluto.

2. Os diferentes rostos da verdade do homem

28. H� que reconhecer que a busca da verdade nem sempre se desenrola com a referida transpar�ncia e coer�ncia de racioc�nio. Muitas vezes, as limita��es naturais da raz�o e a inconst�ncia do cora��o ofuscam e desviam a pesquisa pessoal. Outros interesses de v�ria ordem podem sobrepor-se � verdade. Acontece tamb�m que o pr�prio homem a evite, quando come�a a entrev�-la, porque teme as suas exig�ncias. Apesar disto, mesmo quando a evita, � sempre a verdade que preside � sua exist�ncia. Com efeito, nunca poderia fundar a sua vida sobre a d�vida, a incerteza ou a mentira; tal exist�ncia estaria constantemente amea�ada pelo medo e a ang�stia. Assim, pode-se definir o homem como aquele que procura a verdade.

29. � impens�vel que uma busca, t�o profundamente radicada na natureza humana, possa ser completamente in�til e v�. A pr�pria capacidade de procurar a verdade e fazer perguntas implica j� uma primeira resposta. O homem n�o come�aria a procurar uma coisa que ignorasse totalmente ou considerasse absolutamente inating�vel. S� a previs�o de poder chegar a uma resposta � que consegue induzi-lo a dar o primeiro passo. De facto, assim sucede normalmente na pesquisa cient�fica. Quando o cientista, depois de ter uma intui��o, se lan�a � procura da explica��o l�gica e emp�rica dum certo fen�meno, f�-lo porque tem a esperan�a, desde o in�cio, de encontrar uma resposta, e n�o se d� por vencido com os insucessos. Nem considera in�til a intui��o inicial, s� porque n�o alcan�ou o seu objectivo; dir� antes, e justamente, que n�o encontrou ainda a resposta adequada.

O mesmo deve valer tamb�m para a busca da verdade no �mbito das quest�es �ltimas. A sede de verdade est� t�o radicada no cora��o do homem que, se tivesse de prescindir dela, a sua exist�ncia ficaria comprometida. Basta observar a vida de todos os dias para constatar como dentro de cada um de n�s se sente o tormento de algumas quest�es essenciais e, ao mesmo tempo, se guarda na alma, pelo menos, o esbo�o das respectivas respostas. S�o respostas de cuja verdade estamos convencidos, at� porque notamos que n�o diferem substancialmente das respostas a que muitos outros chegaram. Por certo, nem toda a verdade adquirida possui o mesmo valor; todavia, o conjunto dos resultados alcan�ados confirma a capacidade que o ser humano, em princ�pio, tem de chegar � verdade.

30. Conv�m, agora, fazer uma r�pida men��o das diversas formas de verdade. As mais numerosas s�o as verdades que assentam em evid�ncias imediatas ou recebem confirma��o da experi�ncia: esta � a ordem pr�pria da vida quotidiana e da pesquisa cient�fica. N�vel diverso ocupam as verdades de car�cter filos�fico, que o homem alcan�a atrav�s da capacidade especulativa do seu intelecto. Por �ltimo, existem as verdades religiosas, que de algum modo t�m as suas ra�zes tamb�m na filosofia; est�o contidas nas respostas que as diversas religi�es oferecem, nas suas tradi��es, �s quest�es �ltimas. (27)

Quanto �s verdades filos�ficas, � necess�rio especificar que n�o se limitam s� �s doutrinas, por vezes ef�meras, dos fil�sofos profissionais. Como j� disse, todo o homem �, de certa forma, um fil�sofo e possui as suas pr�prias concep��es filos�ficas, pelas quais orienta a sua vida. De diversos modos, consegue formar uma vis�o global e uma resposta sobre o sentido da pr�pria exist�ncia: e, � luz disso, interpreta a pr�pria vida pessoal e regula o seu comportamento. � aqui que deveria colocar-se a quest�o da rela��o entre as verdades filos�fico-religiosas e a verdade revelada em Jesus Cristo. Antes de responder a tal quest�o, � preciso ter em conta outro dado da filosofia.

31. O homem n�o foi criado para viver sozinho. Nasce e cresce numa fam�lia, para depois se inserir, pelo seu trabalho, na sociedade. Assim a pessoa aparece integrada, desde o seu nascimento, em v�rias tradi��es; delas recebe n�o apenas a linguagem e a forma��o cultural, mas tamb�m muitas verdades nas quais acredita quase instintivamente. Entretanto, o crescimento e a matura��o pessoal implicam que tais verdades possam ser postas em d�vida e avaliadas atrav�s da actividade cr�tica pr�pria do pensamento. Isto n�o impede que, uma vez passada esta fase, aquelas mesmas verdades sejam � recuperadas � com base na experi�ncia feita ou em virtude de sucessiva pondera��o. Apesar disso, na vida duma pessoa, s�o muito mais numerosas as verdades simplesmente acreditadas que aquelas adquiridas por verifica��o pessoal. Na realidade, quem seria capaz de avaliar criticamente os inumer�veis resultados das ci�ncias, sobre os quais se fundamenta a vida moderna? Quem poderia, por conta pr�pria, controlar o fluxo de informa��es, recebidas diariamente de todas as partes do mundo e que, por princ�pio, s�o aceites como verdadeiras? Enfim, quem poderia percorrer novamente todos os caminhos de experi�ncia e pensamento, pelos quais se foram acumulando os tesouros de sabedoria e religiosidade da humanidade? Portanto, o homem, ser que busca a verdade, � tamb�m aquele que vive de cren�as.

32. Cada um, quando cr�, confia nos conhecimentos adquiridos por outras pessoas. Neste acto, pode-se individuar uma significativa tens�o: por um lado, o conhecimento por cren�a apresenta-se como uma forma imperfeita de conhecimento, que precisa de se aperfei�oar progressivamente por meio da evid�ncia alcan�ada pela pr�pria pessoa; por outro lado, a cren�a � muitas vezes mais rica, humanamente, do que a simples evid�ncia, porque inclui a rela��o interpessoal, pondo em jogo n�o apenas as capacidades cognoscitivas do pr�prio sujeito, mas tamb�m a sua capacidade mais radical de confiar noutras pessoas, iniciando com elas um relacionamento mais est�vel e �ntimo.

Importa sublinhar que as verdades procuradas nesta rela��o interpessoal n�o s�o primariamente de ordem emp�rica ou de ordem filos�fica. O que se busca � sobretudo a verdade da pr�pria pessoa: aquilo que ela � e o que manifesta do seu pr�prio �ntimo. De facto, a perfei��o do homem n�o se reduz apenas � aquisi��o do conhecimento abstracto da verdade, mas consiste tamb�m numa rela��o viva de doa��o e fidelidade ao outro. Nesta fidelidade que leva � doa��o, o homem encontra plena certeza e seguran�a. Ao mesmo tempo, por�m, o conhecimento por cren�a, que se fundamenta na confian�a interpessoal, tem a ver tamb�m com a verdade: de facto, acreditando, o homem confia na verdade que o outro lhe manifesta.

Quantos exemplos se poderiam aduzir para ilustrar este dado! O primeiro que me vem ao pensamento � o testemunho dos m�rtires. Com efeito, o m�rtir � a testemunha mais genu�na da verdade da exist�ncia. Ele sabe que, no seu encontro com Jesus Cristo, alcan�ou a verdade a respeito da sua vida, e nada nem ningu�m poder� jamais arrancar-lhe esta certeza. Nem o sofrimento, nem a morte violenta poder�o faz�-lo retroceder da ades�o � verdade que descobriu no encontro com Cristo. Por isso mesmo � que, at� agora, o testemunho dos m�rtires atrai, gera consenso, � escutado e seguido. Esta � a raz�o pela qual se tem confian�a na sua palavra: descobre-se neles a evid�ncia dum amor que n�o precisa de longas demonstra��es para ser convincente, porque fala daquilo que cada um, no mais fundo de si mesmo, j� sente como verdadeiro e que h� tanto tempo procurava. Em resumo, o m�rtir provoca em n�s uma profunda confian�a, porque diz aquilo que j� sentimos e torna evidente aquilo que n�s mesmos quer�amos ter a for�a de dizer.

33. Deste modo, foi poss�vel completar progressivamente os dados do problema. O homem, por sua natureza, procura a verdade. Esta busca n�o se destina apenas � conquista de verdades parciais, f�sicas ou cient�ficas; n�o busca s� o verdadeiro bem em cada um das suas decis�es. Mas a sua pesquisa aponta para uma verdade superior, que seja capaz de explicar o sentido da vida; trata-se, por conseguinte, de algo que n�o pode desembocar sen�o no absoluto. (28) Gra�as �s capacidades de que est� dotado o seu pensamento, o homem pode encontrar e reconhecer uma tal verdade. Sendo esta vital e essencial para a sua exist�ncia, chega-se a ela n�o s� por via racional, mas tamb�m atrav�s de um abandono fiducial a outras pessoas que possam garantir a certeza e autenticidade da verdade. A capacidade e a decis�o de confiar o pr�prio ser e exist�ncia a outra pessoa constituem, sem d�vida, um dos actos antropologicamente mais significativos e expressivos.

� bom n�o esquecer que tamb�m a raz�o, na sua busca, tem necessidade de ser apoiada por um di�logo confiante e uma amizade sincera. O clima de suspeita e desconfian�a, que por vezes envolve a pesquisa especulativa, ignora o ensinamento dos fil�sofos antigos, que punham a amizade como um dos contextos mais adequados para o recto filosofar.

Do que ficou dito conclui-se que o homem se encontra num caminho de busca, humanamente infind�vel: busca da verdade e busca duma pessoa em quem poder confiar. A f� crist� vem em sua ajuda, dando-lhe a possibilidade concreta de ver realizado o objectivo dessa busca. De facto, superando o n�vel da simples cren�a, ela introduz o homem naquela ordem da gra�a que lhe consente participar no mist�rio de Cristo, onde lhe � oferecido o conhecimento verdadeiro e coerente de Deus Uno e Trino. Deste modo, em Jesus Cristo, que � a Verdade, a f� reconhece o apelo �ltimo dirigido � humanidade, para que possa tornar realidade o que experimenta como desejo e nostalgia.

34. Esta verdade, que Deus nos revela em Jesus Cristo, n�o est� em contraste com as verdades que se alcan�am filosofando. Pelo contr�rio, as duas ordens de conhecimento conduzem � verdade na sua plenitude. A unidade da verdade j� � um postulado fundamental da raz�o humana, expresso no princ�pio de n�o-contradi��o. A Revela��o d� a certeza desta unidade, ao mostrar que Deus criador � tamb�m o Deus da hist�ria da salva��o. Deus que fundamenta e garante o car�cter intelig�vel e racional da ordem natural das coisas, sobre o qual os cientistas se apoiam confiadamente, (29) � o mesmo que Se revela como Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Esta unidade da verdade, natural e revelada, encontra a sua identifica��o viva e pessoal em Cristo, como recorda o ap�stolo Paulo: � A verdade que existe em Jesus � (Ef 4, 21; cf. Col 1, 15-20). Ele � a Palavra eterna, na qual tudo foi criado, e ao mesmo tempo � a Palavra encarnada que, com toda a sua pessoa,30 revela o Pai (cf. Jo 1, 14.18). Aquilo que a raz�o humana procura � sem o conhecer � (cf. Act 17, 23), s� pode ser encontrado por meio de Cristo: de facto, o que n'Ele se revela � a � verdade plena � (cf. Jo 1, 14-16) de todo o ser que, n'Ele e por Ele, foi criado e, por isso mesmo, n'Ele encontra a sua realiza��o (cf. Col 1, 17).

35. Tendo estas considera��es gerais como pano de fundo, � necess�rio agora examinar, de maneira mais directa, a rela��o entre a verdade revelada e a filosofia. Tal rela��o requer uma dupla considera��o, visto que a verdade que nos vem da Revela��o tem de ser, simultaneamente, compreendida pela luz da raz�o. S� nesta dupla acep��o � que ser� poss�vel especificar a justa rela��o da verdade revelada com o saber filos�fico. Por isso, vamos considerar, em primeiro lugar, as rela��es entre a f� e a filosofia ao longo da hist�ria, donde ser� poss�vel individuar alguns princ�pios, que constituem os pontos de refer�ncia aos quais recorrer para estabelecer a correcta rela��o entre as duas ordens de conhecimento.

CAP�TULO IV
A RELA��O ENTRE A F� E A RAZ�O

1. As etapas significativas do encontro entre a f� e a raz�o

36. Os Actos dos Ap�stolos testemunham que o an�ncio crist�o se encontrou, desde os seus prim�rdios, com as correntes filos�ficas do tempo. L� se refere a discuss�o que S. Paulo teve com � alguns fil�sofos epicuristas e est�icos � (17, 18). A an�lise exeg�tica do discurso no Are�pago evidenciou repetidas alus�es a ideias populares, predominantemente de origem est�ica. Certamente isso n�o se deu por acaso; os primeiros crist�os, para se fazerem compreender pelos pag�os, n�o podiam citar apenas � Mois�s e os profetas � nos seus discursos, mas tinham de servir-se tamb�m do conhecimento natural de Deus e da voz da consci�ncia moral de cada homem (cf. Rom 1, 19-21; 2, 14-15; Act 14, 16-17). Como, por�m, na religi�o pag�, esse conhecimento natural tinha degenerado em idolatria (cf. Rom 1, 21-32), o Ap�stolo considerou mais prudente ligar o seu discurso ao pensamento dos fil�sofos, que desde o in�cio tinham contraposto, aos mitos e cultos mist�ricos, conceitos mais respeitosos da transcend�ncia divina.

De facto, um dos cuidados que mais a peito tiveram os fil�sofos do pensamento cl�ssico, foi purificar de formas mitol�gicas a concep��o que os homens tinham de Deus. Bem sabemos que a religi�o grega, como grande parte das religi�es c�smicas, era polite�sta, chegando a divinizar at� coisas e fen�menos da natureza. As tentativas do homem para compreender a origem dos deuses e, nestes, a do universo tiveram a sua primeira express�o na poesia. As teogonias permanecem, at� hoje, o primeiro testemunho desta investiga��o do homem. Os pais da filosofia tiveram por miss�o mostrar a liga��o entre a raz�o e a religi�o. Estendendo o olhar para os princ�pios universais, deixaram de contentar-se com os mitos antigos e procuraram dar fundamento racional � sua cren�a na divindade. Embocou-se assim uma estrada que, saindo das antigas tradi��es particulares, levava a um desenvolvimento que correspondia �s exig�ncias da raz�o universal. O fim que tal desenvolvimento tinha em vista era a verifica��o cr�tica daquilo em que se acreditava. A primeira a ganhar com esse caminho feito foi a concep��o da divindade. As supersti��es acabaram por ser reconhecidas como tais, e a religi�o, pelo menos em parte, foi purificada pela an�lise racional. Foi nesta base que os Padres da Igreja institu�ram um di�logo fecundo com os fil�sofos antigos, abrindo a estrada ao an�ncio e � compreens�o do Deus de Jesus Cristo.

37. Quando se menciona este movimento de aproxima��o dos crist�os � filosofia, � obrigat�rio recordar tamb�m a cautela com que eles olhavam outros elementos do mundo cultural pag�o, como, por exemplo, a gnose. A filosofia, enquanto sabedoria pr�tica e escola de vida, podia facilmente ser confundida com um conhecimento de tipo superior, esot�rico, reservado a poucos iluminados. �, sem d�vida, a especula��es esot�ricas deste g�nero que pensa S. Paulo, quando adverte os Colossenses: � Vede que ningu�m vos engane com falsas e v�s filosofias, fundadas nas tradi��es humanas, nos elementos do mundo, e n�o em Cristo � (2, 8). Como s�o actuais estas palavras do Ap�stolo, quando as referimos �s diversas formas de esoterismo que hoje se difundem mesmo entre alguns crentes, privados do necess�rio sentido cr�tico! Seguindo as pegadas de S. Paulo, outros escritores dos primeiros s�culos, particularmente Santo Ireneu e Tertuliano, puseram reservas a uma orienta��o cultural que pretendia subordinar a verdade da Revela��o � interpreta��o dos fil�sofos.

38. Como vemos, o encontro do cristianismo com a filosofia n�o foi f�cil nem imediato. A exercita��o desta e a frequ�ncia das respectivas escolas foi vista mais vezes pelos primeiros crist�os como transtorno, do que como uma oportunidade. Para eles, a primeira e mais urgente miss�o era o an�ncio de Cristo ressuscitado, que havia de ser proposto num encontro pessoal, capaz de levar o interlocutor � convers�o do cora��o e ao pedido do Baptismo. De qualquer modo, isso n�o significa que ignorassem a obriga��o de aprofundar a compreens�o da f� e suas motiva��es; antes pelo contr�rio. � injusta e pretextuosa a cr�tica de Celso, quando acusa os crist�os de serem gente � iletrada e rude �. (31) A explica��o deste seu desinteresse inicial tem de ser procurada noutro lado. Na realidade, o encontro com o Evangelho oferecia uma resposta t�o satisfat�ria � quest�o do sentido da vida, at� ent�o insol�vel, que frequentar os fil�sofos parecia-lhes uma coisa sem interesse e, em certos aspectos, superada.

Isto �, hoje, ainda mais claro, se se pensa ao contributo dado pelo cristianismo, quando defende o acesso � verdade como um direito universal. Derrubadas as barreiras raciais, sociais e sexuais, o cristianismo tinha anunciado, desde as suas origens, a igualdade de todos os homens diante de Deus. A primeira consequ�ncia deste conceito registou-se no tema da verdade, ficando decididamente superado o car�cter elitista que a sua busca tinha no pensamento dos antigos: se o acesso � verdade � um bem que permite chegar a Deus, todos devem estar em condi��es de poder percorrer esta estrada. As vias para chegar � verdade continuam a ser muitas; mas, dado que a verdade crist� tem valor salv�fico, cada uma delas s� pode ser percorrida se conduzir � meta final, ou seja, � revela��o de Jesus Cristo.

Como pioneiro dum encontro positivo com o pensamento filos�fico, sempre marcado por um prudente discernimento, h� que recordar S. Justino. Apesar da grande estima que continuava a ter pela filosofia grega depois da sua convers�o, afirmava decidida e claramente que tinha encontrado, no cristianismo, � a �nica filosofia segura e vantajosa �. (32) De forma semelhante, Clemente de Alexandria chamava ao Evangelho � a verdadeira filosofia �, (33) e, em analogia com a lei mosaica, via a filosofia como uma instru��o proped�utica � f� crist� (34) e uma prepara��o ao Evangelho. (35) Uma vez que � a filosofia anela por aquela sabedoria que consiste na rectid�o da alma e da palavra e na pureza da vida, est� aberta � sabedoria e tudo faz para a alcan�ar. No nosso meio, designam-se por fil�sofos os que amam a sabedoria que � criadora e mestra de tudo, isto �, o conhecimento do Filho de Deus �.(36) Segundo este pensador alexandrino, a filosofia grega n�o tem como primeiro objectivo completar ou corroborar a verdade crist�; a sua fun��o �, sobretudo, a defesa da f�: � A doutrina do Salvador � perfeita em si mesma e n�o precisa de apoio, porque � a for�a e a sabedoria de Deus. A filosofia grega n�o torna mais forte a verdade com o seu contributo, mas, porque torna impotente o ataque da sof�stica e desarma os assaltos trai�oeiros contra a verdade, foi justamente chamada sebe e muro de veda��o da vinha �.(37)

39. Entretanto, na hist�ria deste desenvolvimento, � poss�vel constatar a assun��o cr�tica do pensamento filos�fico por parte dos pensadores crist�os. No meio dos primeiros exemplos encontrados, sobressai, sem d�vida, Or�genes. Contra os ataques lan�ados pelo fil�sofo Celso, ele recorre � filosofia plat�nica para argumentar e responder-lhe. Citando v�rios elementos do pensamento plat�nico, come�a a elaborar uma primeira forma de teologia crist�. Naquele tempo, a designa��o mesma de teologia e a sua concep��o como discurso racional sobre Deus ainda estavam ligadas � sua origem grega. Na filosofia aristot�lica, por exemplo, o termo designava a parte mais nobre e o verdadeiro apogeu do discurso filos�fico. Mas, � luz da revela��o crist�, o que anteriormente indicava uma doutrina gen�rica sobre a divindade, passou a assumir um significado totalmente novo, ou seja, a reflex�o que o crente realiza para exprimir a verdadeira doutrina acerca de Deus. Este pensamento crist�o novo, que estava a desenvolver-se, servia-se da filosofia, mas ao mesmo tempo tendia a distinguir-se nitidamente dela. A hist�ria revela que o pr�prio pensamento plat�nico, quando foi assumido pela teologia, sofreu profundas transforma��es, especialmente em conceitos como a imortalidade da alma, a diviniza��o do homem e a origem do mal.

40. Nesta obra de cristianiza��o do pensamento plat�nico e neoplat�nico, merecem men��o particular os Padres Capad�cios, Dion�sio chamado o Areopagita e sobretudo Santo Agostinho. O grande Doutor ocidental contactara diversas escolas filos�ficas, mas todas o tinham desiludido. Quando se lhe deparou a verdade da f� crist�, ent�o teve a for�a de realizar aquela convers�o radical a que os fil�sofos anteriormente contactados n�o tinham conseguido induzi-lo. Ele mesmo refere o motivo: � Preferindo a doutrina cat�lica, j� sentia, ent�o, que era mais razo�vel e menos enganoso sermos obrigados a crer o que n�o demonstrava, quer houvesse prova, mesmo que esta n�o estivesse ao alcance de qualquer pessoa, quer a n�o houvesse. Seria isto mais sensato do que zombarem da cren�a os manique�stas, apoiados em temer�ria promessa de ci�ncia, para depois nos mandarem acreditar em in�meras f�bulas t�o absurdas que as n�o podiam provar �. (38) Quanto aos plat�nicos, que ocupavam lugar privilegiado nos pontos de referimento de Agostinho, este censurava-os porque, embora conhecessem o fim para onde se devia tender, tinham, por�m, ignorado o caminho que l� conduzia: o Verbo encarnado. (39) O Bispo de Hipona conseguiu elaborar a primeira grande s�ntese do pensamento filos�fico e teol�gico, nela confluindo correntes do pensamento grego e latino. Tamb�m nele a grande unidade do saber, que tinha o seu fundamento no pensamento b�blico, acabou por ser confirmada e sustentada pela profundidade do pensamento especulativo. A s�ntese feita por Santo Agostinho permanecer� como a forma mais elevada de reflex�o filos�fica e teol�gica que o Ocidente, durante s�culos, conheceu. Com uma hist�ria pessoal intensa e ajudado por uma admir�vel santidade de vida, ele foi capaz de introduzir, nas suas obras, muitos dados que, apelando-se � experi�ncia, antecipavam j� futuros desenvolvimentos de algumas correntes filos�ficas.

41. De diversas formas, pois, os Padres do Oriente e do Ocidente entraram em rela��o com as escolas filos�ficas. Isto n�o significa que tenham identificado o conte�do da sua mensagem com os sistemas a que faziam refer�ncia. A pergunta de Tertuliano: � Que t�m em comum Atenas e Jerusal�m? Ou, a Academia e a Igreja? �, (40) � um sintoma claro da consci�ncia cr�tica com que os pensadores crist�os encararam, desde as origens, o problema da rela��o entre a f� e a filosofia, vendo-o globalmente, tanto nos seus aspectos positivos como nas suas limita��es. N�o eram pensadores ing�nuos. Precisamente porque viviam de forma intensa o conte�do da f�, eles conseguiam chegar �s formas mais profundas da reflex�o. Por isso, � injusto e redutivo limitar o seu trabalho a mera transposi��o das verdades de f� para categorias filos�ficas. Eles fizeram muito mais; conseguiram explicitar plenamente aquilo que resultava ainda impl�cito e preliminar no pensamento dos grandes fil�sofos antigos. (41) Estes, conforme j� disse, tiveram a fun��o de mostrar o modo como a raz�o, livre dos v�nculos externos, podia escapar do beco sem sa�da dos mitos, para melhor se abrir � transcend�ncia. Uma raz�o purificada e recta era capaz de se elevar aos n�veis mais elevados da reflex�o, dando fundamento s�lido � percep��o do ser, do transcendente e do absoluto.

Aqui mesmo se insere a novidade operada pelos Padres. Acolheram a raz�o na sua plena abertura ao absoluto e, nela, enxertaram a riqueza vinda da Revela��o. O encontro n�o foi apenas quest�o de culturas, uma das quais talvez seduzida pelo fasc�nio da outra; mas verificou-se no �ntimo da alma, e foi um encontro entre a criatura e o seu Criador. Ultrapassando o fim mesmo para o qual inconscientemente tendia por for�a da sua natureza, a raz�o p�de alcan�ar o sumo bem e a suma verdade na pessoa do Verbo encarnado. Ao encararem as filosofias, os Padres n�o tiveram medo de reconhecer tanto os elementos comuns como as diferen�as que aquelas apresentavam relativamente � Revela��o. A percep��o das converg�ncias n�o ofuscava neles o reconhecimento das diferen�as.

42. Na teologia escol�stica, o papel da raz�o educada filosoficamente torna-se ainda mais not�vel sob o impulso da interpreta��o anselmiana do intelectus fidei. Segundo o santo Arcebispo de Cantu�ria, a prioridade da f� n�o faz concorr�ncia � investiga��o pr�pria da raz�o. De facto, esta n�o � chamada a exprimir um ju�zo sobre os conte�dos da f�; seria incapaz disso, porque n�o � id�nea. A sua tarefa �, antes, saber encontrar um sentido, descobrir raz�es que a todos permitam alcan�ar algum entendimento dos conte�dos da f�. Santo Anselmo sublinha o facto de que o intelecto deve p�r-se � procura daquilo que ama: quanto mais ama, mais deseja conhecer. Quem vive para a verdade, tende para uma forma de conhecimento que se inflama num amor sempre maior por aquilo que conhece, embora admita que ainda n�o fizera tudo aquilo que estaria no seu desejo: � Ad te videndum factus sum; et nondum feci propter quod factus sum �. (42) Assim, o desejo da verdade impele a raz�o a ir sempre mais al�m; esta fica como que embevecida pela constata��o de que a sua capacidade � sempre maior do que aquilo que alcan�a. Chegada aqui, por�m, a raz�o � capaz de descobrir onde est� o termo do seu caminho: � Penso efectivamente que, quem investiga uma coisa incompreens�vel, se deve contentar de chegar, pela raz�o, a reconhecer com a m�xima certeza a sua exist�ncia real, embora n�o seja capaz de penetrar, pela intelig�ncia, o seu modo de ser (...). Ali�s, que h� de t�o incompreens�vel e inef�vel como aquilo que est� acima de tudo? Portanto, se aquilo de cuja ess�ncia suprema discutimos at� agora, ficou estabelecido sobre raz�es necess�rias, ainda que a intelig�ncia n�o o possa penetrar de forma a conseguir traduzi-lo em palavras claras, nem por isso vacila minimamente o fundamento da sua certeza. Com efeito, se uma reflex�o anterior compreendeu de maneira racional que � incompreens�vel (rationabiliter comprehendit incomprehensibile esse) o modo como a sabedoria suprema sabe aquilo que fez (...) , quem explicar� como ela mesma se conhece e exprime, dado que sobre ela o homem nada ou quase nada pode saber? �. (43)

Confirma-se assim, uma vez mais, a harmonia fundamental entre o conhecimento filos�fico e o conhecimento da f�: a f� requer que o seu objecto seja compreendido com a ajuda da raz�o; por sua vez a raz�o, no apogeu da sua indaga��o, admite como necess�rio aquilo que a f� apresenta.

2. A novidade perene do pensamento de S. Tom�s de Aquino

43. Neste longo caminho, ocupa um lugar absolutamente especial S. Tom�s, n�o s� pelo conte�do da sua doutrina, mas tamb�m pelo di�logo que soube instaurar com o pensamento �rabe e hebreu do seu tempo. Numa �poca em que os pensadores crist�os voltavam a descobrir os tesouros da filosofia antiga, e mais directamente da filosofia aristot�lica, ele teve o grande m�rito de colocar em primeiro lugar a harmonia que existe entre a raz�o e a f�. A luz da raz�o e a luz da f� prov�m ambas de Deus: argumentava ele; por isso, n�o se podem contradizer entre si. (44)

Indo mais longe, S. Tom�s reconhece que a natureza, objecto pr�prio da filosofia, pode contribuir para a compreens�o da revela��o divina. Deste modo, a f� n�o teme a raz�o, mas solicita-a e confia nela. Como a gra�a sup�e a natureza e leva-a � perfei��o, (45) assim tamb�m a f� sup�e e aperfei�oa a raz�o. Esta, iluminada pela f�, fica liberta das fraquezas e limita��es causadas pela desobedi�ncia do pecado, e recebe a for�a necess�ria para elevar-se at� ao conhecimento do mist�rio de Deus Uno e Trino. Embora sublinhando o car�cter sobrenatural da f�, o Doutor Ang�lico n�o esqueceu o valor da racionabilidade da mesma; antes, conseguiu penetrar profundamente e especificar o sentido de tal racionabilidade. Efectivamente, a f� � de algum modo � exercita��o do pensamento �; a raz�o do homem n�o � anulada nem humilhada, quando presta assentimento aos conte�dos de f�; � que estes s�o alcan�ados por decis�o livre e consciente. (46)

Precisamente por este motivo � que S. Tom�s foi sempre proposto pela Igreja como mestre de pensamento e modelo quanto ao recto modo de fazer teologia. Neste contexto, apraz-me recordar o que escreveu o meu Predecessor, o Servo de Deus Paulo VI, por ocasi�o do s�timo centen�rio da morte do Doutor Ang�lico: � Sem d�vida, S. Tom�s possuiu, no m�ximo grau, a coragem da verdade, a liberdade de esp�rito quando enfrentava os novos problemas, a honestidade intelectual de quem n�o admite a contamina��o do cristianismo pela filosofia profana, mas t�o pouco defende a rejei��o aprior�stica desta. Por isso, passou � hist�ria do pensamento crist�o como um pioneiro no novo caminho da filosofia e da cultura universal. O ponto central e como que a ess�ncia da solu��o que ele deu ao problema novamente posto da contraposi��o entre raz�o e f�, com a genialidade do seu intuito prof�tico, foi o da concilia��o entre a secularidade do mundo e a radicalidade do Evangelho, evitando, por um lado, aquela tend�ncia anti-natural que nega o mundo e seus valores, mas, por outro, sem faltar �s exig�ncias supremas e inabal�veis da ordem sobrenatural �. (47)

44. Entre as grandes intui��es de S. Tom�s, conta-se a de atribuir ao Esp�rito Santo o papel de fazer amadurecer, como sapi�ncia, a ci�ncia humana. Desde as primeiras p�ginas da Summa theologi�, (48) o Aquinate quis mostrar o primado daquela sapi�ncia que � dom do Esp�rito Santo e que introduz no conhecimento das realidades divinas. A sua teologia permite compreender a peculiaridade da sapi�ncia na sua liga��o �ntima com a f� e o conhecimento de Deus: conhece por conaturalidade, pressup�e a f� e chega a formular rectamente o seu ju�zo a partir da verdade da pr�pria f�: � A sapi�ncia elencada entre os dons do Esp�rito Santo � distinta da mencionada entre as virtudes intelectuais. De facto, esta segunda adquire-se pelo estudo; aquela, pelo contr�rio, "prov�m do alto", como diz S. Tiago. Mas � tamb�m distinta da f�, porque esta aceita a verdade divina tal como �, enquanto � pr�prio do dom da sapi�ncia julgar segundo a verdade divina �. (49)

Mas, ao reconhecer a prioridade desta sapi�ncia, o Doutor Ang�lico n�o esquece a exist�ncia de mais duas formas complementares de sabedoria: a filos�fica, que se baseia sobre a capacidade que tem o intelecto, dentro dos pr�prios limites naturais, de investigar a realidade; e a sabedoria teol�gica, que se fundamenta na Revela��o e examina os conte�dos da f�, alcan�ando o pr�prio mist�rio de Deus.

Intimamente convencido de que � omne verum a quocumque dicatur a Spiritu Sancto est �, (50) S. Tom�s amou desinteressadamente a verdade. Procurou-a por todo o lado onde pudesse manifestar-se, colocando em relevo a sua universalidade. Nele, o Magist�rio da Igreja viu e apreciou a paix�o pela verdade; o seu pensamento, precisamente porque se mant�m sempre no horizonte da verdade universal, objectiva e transcendente, atingiu � alturas que a intelig�ncia humana jamais poderia ter pensado �.(51) �, pois, com raz�o que S. Tom�s pode ser definido � ap�stolo da verdade �.(52) Porque se consagrou sem reservas � verdade, no seu realismo soube reconhecer a sua objectividade. A sua filosofia � verdadeiramente uma filosofia do ser, e n�o do simples aparecer.

3. O drama da separa��o da f� e da raz�o

45. Quando surgiram as primeiras universidades, a teologia come�ou a relacionar-se mais directamente com outras formas da pesquisa e do saber cient�fico. Santo Alberto Magno e S. Tom�s, embora admitindo uma liga��o org�nica entre a filosofia e a teologia, foram os primeiros a reconhecer � filosofia e �s ci�ncias a autonomia de que precisavam para se debru�ar eficazmente sobre os respectivos campos de investiga��o. Todavia, a partir da baixa Idade M�dia, essa distin��o leg�tima entre os dois conhecimentos transformou-se progressivamente em nefasta separa��o. Devido ao esp�rito excessivamente racionalista de alguns pensadores, radicalizaram-se as posi��es, chegando-se, de facto, a uma filosofia separada e absolutamente aut�noma dos conte�dos da f�. Entre as v�rias consequ�ncias de tal separa��o, sobressai a difid�ncia cada vez mais forte contra a pr�pria raz�o. Alguns come�aram a professar uma desconfian�a geral, c�ptica ou agn�stica, quer para reservar mais espa�o � f�, quer para desacreditar qualquer poss�vel refer�ncia racional � mesma.

Em resumo, tudo o que o pensamento patr�stico e medieval tinha concebido e actuado como uma unidade profunda, geradora dum conhecimento capaz de chegar �s formas mais altas da especula��o, foi realmente destru�do pelos sistemas que abra�aram a causa de um conhecimento racional, separado e alternativo da f�.

46. As radicaliza��es mais influentes s�o bem conhecidas e vis�veis, sobretudo na hist�ria do Ocidente. N�o � exagerado afirmar que boa parte do pensamento filos�fico moderno se desenvolveu num progressivo afastamento da revela��o crist� at� chegar explicitamente � contraposi��o. No s�culo passado, este movimento tocou o seu apogeu. Alguns representantes do idealismo procuraram, de diversos modos, transformar a f� e os seus conte�dos, inclusive o mist�rio da morte e ressurrei��o de Jesus Cristo, em estruturas dial�cticas racionalmente compreens�veis. Mas a esta concep��o, opuseram-se diversas formas de humanismo ateu, elaboradas filosoficamente, que apontaram a f� como prejudicial e alienante para o desenvolvimento pleno do uso da raz�o. N�o tiveram medo de se apresentar como novas religi�es, dando base a projectos que desembocaram, no plano pol�tico e social, em sistemas totalit�rios traum�ticos para a humanidade.

No �mbito da investiga��o cient�fica, foi-se impondo uma mentalidade positivista, que n�o apenas se afastou de toda a refer�ncia � vis�o crist� do mundo, mas sobretudo deixou cair qualquer alus�o � vis�o metaf�sica e moral. Por causa disso, certos cientistas, privados de qualquer referimento �tico, correm o risco de n�o manterem, ao centro do seu interesse, a pessoa e a globalidade da sua vida. Mais, alguns deles, cientes das potencialidades contidas no progresso tecnol�gico, parecem ceder � l�gica do mercado e ainda � tenta��o dum poder demi�rgico sobre a natureza e o pr�prio ser humano.

Como consequ�ncia da crise do racionalismo, apareceu o niilismo. Enquanto filosofia do nada, consegue exercer um certo fasc�nio sobre os nossos contempor�neos. Os seus seguidores defendem a pesquisa como fim em si mesma, sem esperan�a nem possibilidade alguma de alcan�ar a meta da verdade. Na interpreta��o niilista, a exist�ncia � somente uma oportunidade para sensa��es e experi�ncias onde o ef�mero det�m o primado. O niilismo est� na origem duma mentalidade difusa, segundo a qual n�o se deve assumir qualquer compromisso definitivo, porque tudo � fugaz e provis�rio.

47. Por outro lado, � preciso n�o esquecer que, na cultura moderna, foi alterada a pr�pria fun��o da filosofia. De sabedoria e saber universal que era, foi-se progressivamente reduzindo a uma das muitas �reas do saber humano; mais, sob alguns dos seus aspectos, ficou reduzida a um papel completamente marginal. Entretanto, foram-se consolidando sempre mais outras formas de racionalidade, pondo assim em evid�ncia o car�cter marginal do saber filos�fico. Em vez de apontarem para a contempla��o da verdade e a busca do fim �ltimo e do sentido da vida, essas formas de racionalidade s�o orientadas, ou pelo menos orient�veis, como � raz�o instrumental � ao servi�o de fins utilitaristas, de prazer ou de poder.

Quanto seja perigoso absolutizar esta estrada, fi-lo notar j� na minha primeira carta enc�clica, ao escrever: � O homem de hoje parece estar sempre amea�ado por aquilo mesmo que produz, ou seja, pelo resultado do trabalho das suas m�os e, ainda mais, pelo resultado do trabalho da sua intelig�ncia e das tend�ncias da sua vontade. Os frutos desta multiforme actividade do homem, com grande rapidez e de modo muitas vezes imprevis�vel, passam a ser n�o tanto objecto de "aliena��o", no sentido de que s�o simplesmente tirados �queles que os produzem, como sobretudo, pelo menos parcialmente, num c�rculo consequente e indirecto dos seus efeitos, tais frutos voltam-se contra o pr�prio homem. Eles s�o de facto dirigidos, ou podem s�-lo, contra o homem. Nisto parece consistir o acto principal do drama da exist�ncia humana contempor�nea, na sua dimens�o mais ampla e universal. Assim, o homem vive mergulhado cada vez mais no medo. Teme que os seus produtos, naturalmente n�o todos nem a maior parte, mas alguns e precisamente aqueles que encerram uma especial por��o da sua genialidade e da sua iniciativa, possam ser voltados de maneira radical contra si mesmo �. (53)

Na sequ�ncia destas transforma��es culturais, alguns fil�sofos, abandonando a busca da verdade por si mesma, assumiram como �nico objectivo a obten��o da certeza subjectiva ou da utilidade pr�tica. Em consequ�ncia, deu-se o obscurecimento da verdadeira dignidade da raz�o, impossibilitada de conhecer a verdade e de procurar o absoluto.

48. Assim, o dado saliente desta �ltima parte da hist�ria da filosofia � a constata��o duma progressiva separa��o entre a f� e a raz�o filos�fica. � verdade que, observando bem, mesmo na reflex�o filos�fica daqueles que contribu�ram para ampliar a dist�ncia entre f� e raz�o, se manifestam �s vezes g�rmenes preciosos de pensamento que, se aprofundados e desenvolvidos com mente e cora��o recto, podem fazer descobrir o caminho da verdade. Estes g�rmenes de pensamento podem-se encontrar, por exemplo, nas profundas an�lises sobre a percep��o e a experi�ncia, a imagina��o e o inconsciente, sobre a personalidade e a intersubjectividade, a liberdade e os valores, o tempo e a hist�ria. Inclusive o tema da morte pode tornar-se, para todo o pensador, um severo apelo a procurar dentro de si mesmo o sentido aut�ntico da pr�pria exist�ncia. Todavia isto n�o pode fazer esquecer a necessidade que a actual rela��o entre f� e raz�o tem de um cuidadoso esfor�o de discernimento, porque tanto a raz�o como a f� ficaram reciprocamente mais pobres e d�beis. A raz�o, privada do contributo da Revela��o, percorreu sendas marginais com o risco de perder de vista a sua meta final. A f�, privada da raz�o, p�s em maior evid�ncia o sentimento e a experi�ncia, correndo o risco de deixar de ser uma proposta universal. � ilus�rio pensar que, tendo pela frente uma raz�o d�bil, a f� goze de maior incid�ncia; pelo contr�rio, cai no grave perigo de ser reduzida a um mito ou supersti��o. Da mesma maneira, uma raz�o que n�o tenha pela frente uma f� adulta n�o � estimulada a fixar o olhar sobre a novidade e radicalidade do ser.

� luz disto, creio justificado o meu apelo veemente e incisivo para que a f� e a filosofia recuperem aquela unidade profunda que as torna capazes de serem coerentes com a sua natureza, no respeito da rec�proca autonomia. Ao desassombro (parresia) da f� deve corresponder a aud�cia da raz�o.

CAP�TULO V
INTERVEN��ES DO MAGIST�RIO
EM MAT�RIA FILOS�FICA

1. O discernimento do Magist�rio como diaconia da verdade

49. A Igreja n�o prop�e uma filosofia pr�pria, nem canoniza uma das correntes filos�ficas em detrimento de outras. (54) A raz�o profunda desta reserva est� no facto de que a filosofia, mesmo quando entra em rela��o com a teologia, deve proceder segundo os seus m�todos e regras; caso contr�rio, n�o haveria garantia de permanecer orientada para a verdade, tendendo para a mesma atrav�s dum processo racionalmente control�vel. Pouca ajuda daria uma filosofia que n�o agisse � luz da raz�o, segundo princ�pios pr�prios e espec�ficas metodologias. Fundamentalmente, a raiz da autonomia de que goza a filosofia, h� que individu�-la no facto de a raz�o estar orientada, por sua natureza, para a verdade e dotada em si mesma dos meios necess�rios para a alcan�ar. Uma filosofia, ciente deste seu � estatuto constitutivo �, n�o pode deixar de respeitar as exig�ncias e evid�ncias pr�prias da verdade revelada.

E, todavia, vimos, na hist�ria, os extravios e erros em que v�rias vezes incorreu o pensamento filos�fico, sobretudo moderno. N�o � fun��o nem compet�ncia do Magist�rio intervir para colmar as lacunas dum discurso filos�fico carente. Mas, j� � sua obriga��o reagir, de forma clara e vigorosa, quando teses filos�ficas discut�veis amea�am a recta compreens�o do dado revelado e quando se difundem teorias falsas e sect�rias que semeiam erros graves, perturbando a simplicidade e a pureza da f� do povo de Deus.

50. Por conseguinte, o Magist�rio eclesi�stico pode, e deve, exercer com autoridade, � luz da f�, o discernimento cr�tico sobre filosofias e afirma��es que contradigam a doutrina crist�. (55) Ao Magist�rio compete, antes de mais, indicar os pressupostos e as conclus�es filos�ficas que s�o incompat�veis com a verdade revelada, formulando assim as exig�ncias que, do ponto de vista da f�, se imp�em � filosofia. Al�m disso, no desenvolvimento do saber filos�fico, surgiram diversas escolas de pensamento; ora, este pluralismo imp�e ao Magist�rio a responsabilidade de exprimir o seu ju�zo sobre a compatibilidade ou incompatibilidade das concep��es de base, defendidas por essas escolas, com as exig�ncias pr�prias da palavra de Deus e da reflex�o teol�gica.

A Igreja tem o dever de indicar aquilo que pode existir, num sistema filos�fico, de incompat�vel com a sua f�. Na verdade, muitos conte�dos filos�ficos � relativos, por exemplo, a Deus, ao homem, � sua liberdade e ao seu comportamento �tico �, t�m a ver directamente com a Igreja, porque tocam na verdade revelada que ela guarda. Quando n�s, Bispos, realizamos o referido discernimento, temos a obriga��o de ser � testemunhas da verdade �, no cumprimento dum servi�o humilde, mas firme, que todo o fil�sofo devia prezar, em benef�cio da recta ratio, ou seja, da raz�o que reflecte correctamente sobre a verdade.

51. Em todo o caso, tal discernimento n�o deve ser visto primariamente de forma negativa, como se a inten��o do Magist�rio fosse eliminar ou reduzir qualquer possibilidade de media��o; ao contr�rio, as suas interven��es visam em primeiro lugar suscitar, promover e encorajar o pensamento filos�fico. Os fil�sofos s�o, ali�s, os primeiros a compreender a exig�ncia de autocr�tica, de correc��o de eventuais erros, e a necessidade de ultrapassar os limites demasiado estreitos em que a sua reflex�o foi concebida. De modo particular, deve-se considerar que a verdade � uma s�, embora as suas express�es acusem os vest�gios da hist�ria e sejam, al�m disso, obra duma raz�o humana ferida e enfraquecida pelo pecado. Daqui se conclui que nenhuma forma hist�rica da filosofia pode, legitimamente, ter a pretens�o de abra�ar a totalidade da verdade ou de possuir a explica��o cabal do ser humano, do mundo e da rela��o do homem com Deus.

E hoje, com esta multiplica��o de sistemas, m�todos, conceitos e argumentos filos�ficos, muitas vezes extremamente fragment�rios, imp�e-se ainda com maior urg�ncia um discernimento cr�tico � luz da f�. Este discernimento n�o � f�cil, porque, se j� � custoso reconhecer as capacidades naturais e inalien�veis da raz�o com as suas limita��es constitutivas e hist�ricas, mais problem�tico ainda se pode tornar �s vezes o discernimento de cada uma das propostas filos�ficas para verificar, do ponto de vista da f�, o que apresentam de v�lido e fecundo e o que existe nelas de errado ou perigoso. De qualquer modo, a Igreja sabe que os � tesouros da sabedoria e da ci�ncia � est�o escondidos em Cristo (Col 2, 3); por isso, ela interv�m, estimulando a reflex�o filos�fica, para que n�o se obstrua a estrada que leva ao conhecimento do mist�rio.

52. N�o foi s� recentemente que o Magist�rio da Igreja interveio para manifestar o seu pensamento a respeito de determinadas doutrinas filos�ficas. A t�tulo de exemplo, basta recordar, no decurso dos s�culos, as tomadas de posi��o acerca das teorias que defendiam a preexist�ncia das almas, (56) e ainda sobre as diversas formas de idolatria e esoterismo supersticioso, contidas em teses astrol�gicas; (57) sem esquecer os textos mais sistem�ticos contra algumas teses do averro�smo latino, incompat�veis com a f� crist�. (58)

Se a palavra do Magist�rio se fez ouvir mais frequentemente a partir da segunda metade do s�culo passado, foi porque, naquele per�odo, numerosos cat�licos sentiram o dever de contrapor uma filosofia pr�pria �s v�rias correntes do pensamento moderno. Daqui resultou, para o Magist�rio da Igreja, a obriga��o de vigiar a fim de que tais filosofias n�o degenerassem, por sua vez, em formas err�neas e negativas. Acabaram assim censurados os dois extremos: dum lado, o fide�smo (59) e o tradicionalismo radical,(60) pela sua falta de confian�a nas capacidades naturais da raz�o; e, do outro, o racionalismo (61) e o ontologismo, (62) porque atribu�am � raz�o natural aquilo que apenas se pode conhecer pela luz da f�. Os conte�dos positivos deste debate foram formalizados na constitui��o dogm�tica Dei Filius, por meio da qual um conc�lio ecum�nico � o Vaticano I � intervinha, pela primeira vez e de forma solene, sobre as rela��es entre raz�o e f�. A doutrina contida neste texto marcou, intensa e positivamente, a investiga��o filos�fica de muitos crentes e constitui ainda hoje um ponto normativo de refer�ncia para uma correcta e coerente reflex�o crist� neste �mbito particular.

53. Mais do que teses filos�ficas isoladas, as tomadas de posi��o do Magist�rio ocuparam-se da necessidade do conhecimento racional � e por conseguinte, em �ltima an�lise, do conhecimento filos�fico � para a compreens�o da f�. O Conc�lio Vaticano I, sintetizando e confirmando solenemente os ensinamentos que o Magist�rio pontif�cio tinha proposto aos fi�is de maneira ordin�ria e constante, p�s em evid�ncia como s�o insepar�veis e ao mesmo tempo irredut�veis entre si o conhecimento natural de Deus e a Revela��o, a raz�o e a f�. O Conc�lio partia da exig�ncia fundamental � pressuposta tamb�m pela Revela��o � da cognoscibilidade natural da exist�ncia de Deus, princ�pio e fim de todas as coisas, (63) para concluir com a solene afirma��o j� citada: � Existem duas ordens de conhecimento, distintas n�o apenas pelo seu princ�pio, mas tamb�m pelo seu objecto �. (64) � que era preciso afirmar, contra qualquer forma de racionalismo, a distin��o entre os mist�rios da f� e as conclus�es filos�ficas, e ainda a transcend�ncia e preced�ncia daqueles sobre estas; por outro lado, contra as tenta��es fide�stas, tornava-se necess�rio corroborar a unidade da verdade e tamb�m o contributo positivo que o conhecimento racional pode, e deve, dar para o conhecimento da f�: � Mas, embora a f� esteja acima da raz�o, n�o poder� existir nunca uma verdadeira diverg�ncia entre f� e raz�o, porque o mesmo Deus que revela os mist�rios e comunica a f�, foi quem colocou tamb�m, no esp�rito humano, a luz da raz�o. E Deus n�o poderia negar-Se a Si mesmo, pondo a verdade em contradi��o com a verdade �.(65)

54. Neste s�culo, o Magist�rio voltou v�rias vezes ao mesmo assunto, alertando contra a tenta��o racionalista. � neste horizonte que se devem colocar as interven��es do Papa S. Pio X, pondo em relevo como, na base do modernismo, havia posi��es filos�ficas de linha fenomenista, agn�stica e imanentista.(66) E n�o se pode esquecer a import�ncia que teve a rejei��o cat�lica da filosofia marxista e do comunismo ateu.(67)

Sucessivamente, o Papa Pio XII fez ouvir a sua voz quando, na carta enc�clica Humani generis, preveniu contra interpreta��es err�neas que andavam ligadas com as teses do evolucionismo, do existencialismo e do historicismo. Explicava ele que estas teses n�o foram elaboradas nem eram propostas por te�logos, mas tinham a sua origem � fora do redil de Cristo �; (68) acrescentava, por�m, que tais extravios n�o deviam ser liminarmente rejeitados, mas examinados criticamente: � Ora, estas tend�ncias, que se afastam em medida desigual da recta via, n�o podem ser ignoradas ou transcuradas pelos fil�sofos e te�logos cat�licos, que t�m o grave dever de defender a verdade divina e humana, e de faz�-la penetrar na mente dos homens. Pelo contr�rio, devem conhecer bem estas opini�es, quer porque as doen�as n�o podem ser curadas, se primeiro n�o s�o bem conhecidas, quer porque algumas vezes mesmo nas afirma��es falsas se esconde um pouco de verdade, quer finalmente porque os pr�prios erros for�am a nossa mente a investigar e a perscrutar, com maior dilig�ncia, certas verdades filos�ficas e teol�gicas �.(69)

Por �ltimo, tamb�m a Congrega��o da Doutrina da F�, no cumprimento do seu m�nus espec�fico ao servi�o do magist�rio universal do Romano Pont�fice, (70) teve de intervir para sublinhar o perigo que comportava a assun��o acr�tica, feita por alguns te�logos da liberta��o, de teses e metodologias provenientes do marxismo. (71)

Vemos assim que, no passado, o Magist�rio exerceu reiteradamente e sob diversas modalidades o discernimento em mat�ria filos�fica. Aquilo que os meus Venerados Predecessores enunciaram, constitui um contributo precioso que n�o pode ser esquecido.

55. Se observarmos a situa��o actual, constatamos que os problemas retornam, mas com peculiaridades novas. J� n�o se trata de quest�es que interessam apenas a indiv�duos ou grupos, mas de convic��es t�o generalizadas no ambiente que se tornam, em certa medida, mentalidade comum. Tal �, por exemplo, a desconfian�a radical na raz�o, que evidenciam as conclus�es mais recentes de muitos estudos filos�ficos. De v�rias partes ouviu-se falar, a este respeito, de � fim da metaf�sica �: querem que a filosofia se contente com tarefas mais modestas, tais como a mera interpreta��o dos factos ou apenas a investiga��o sobre determinados campos do saber humano ou das suas estruturas.

Tamb�m, na teologia, voltam a assomar as tenta��es de outrora. Por exemplo, em algumas teologias contempor�neas comparece novamente um certo racionalismo, principalmente quando asser��es, consideradas filosoficamente fundadas, s�o tomadas como normativas para a investiga��o teol�gica. Isto sucede sobretudo quando o te�logo, por falta de compet�ncia filos�fica, se deixa condicionar de modo acr�tico por afirma��es que j� entraram na linguagem e cultura corrente, mas carecem de suficiente base racional. (72)

N�o faltam tamb�m perigosas reca�das no fide�smo, que n�o reconhece a import�ncia do conhecimento racional e do discurso filos�fico para a compreens�o da f�, melhor, para a pr�pria possibilidade de acreditar em Deus. Uma express�o, hoje generalizada, desta tend�ncia fide�sta � o � biblicismo �, que tende a fazer da leitura da Sagrada Escritura, ou da sua exegese, o �nico referencial da verdade. Assim, acaba-se por identificar a palavra de Deus s� com a Sagrada Escritura, anulando deste modo a doutrina da Igreja que o Conc�lio Ecum�nico Vaticano II expressamente reafirmou. Com efeito, a constitui��o Dei Verbum, depois de recordar que a palavra de Deus est� presente tanto nos textos sagrados como na Tradi��o, (73) afirma sem rodeios: � A Sagrada Tradi��o e a Sagrada Escritura constituem um s� dep�sito sagrado da palavra de Deus, confiado � Igreja; aderindo a este, todo o Povo santo persevera unido aos seus Pastores na doutrina dos Ap�stolos �.(74) Portanto, a Sagrada Escritura n�o constitui, para a Igreja, a sua �nica refer�ncia; a � regra suprema da sua f� � (75) prov�m efectivamente da unidade que o Esp�rito estabeleceu entre a Sagrada Tradi��o, a Sagrada Escritura e o Magist�rio da Igreja, numa reciprocidade tal que os tr�s n�o podem subsistir de maneira independente.(76)

Al�m disso, n�o se deve subestimar o perigo que existe quando se quer individuar a verdade da Sagrada Escritura com a aplica��o de uma �nica metodologia, esquecendo a necessidade de uma exegese mais ampla que permita o acesso, em uni�o com toda a Igreja, ao sentido pleno dos textos. Os que se dedicam ao estudo da Sagrada Escritura nunca devem esquecer que as diversas metodologias hermen�uticas t�m tamb�m na sua base uma concep��o filos�fica: � preciso examin�-las com grande discernimento, antes de as aplicar aos textos sagrados.

Outras formas de fide�smo latente podem-se identificar na pouca considera��o que � reservada � teologia especulativa, e ainda no desprezo pela filosofia cl�ssica, de cujas no��es provieram os termos para exprimir tanto a compreens�o da f� como as pr�prias formula��es dogm�ticas. O Papa Pio XII, de veneranda mem�ria, alertou contra este esquecimento da tradi��o filos�fica e abandono das terminologias tradicionais. (77)

56. Constata-se, enfim, uma generalizada desconfian�a relativamente a asser��es globais e absolutas sobretudo da parte de quem pensa que a verdade resulte do consenso, e n�o da conformidade do intelecto com a realidade objectiva. Compreende-se que, num mundo subdividido em tantos campos de especializa��es, se torne dif�cil reconhecer aquele sentido total e �ltimo da vida que tradicionalmente a filosofia procurava. Mas nem por isso posso, � luz da f� que reconhece em Jesus Cristo tal sentido �ltimo, deixar de encorajar os fil�sofos, crist�os ou n�o, a terem confian�a nas capacidades da raz�o humana e a n�o prefixarem metas demasiado modestas � sua investiga��o filos�fica. A li��o da hist�ria deste mil�nio, quase a terminar, testemunha que a estrada a seguir � esta: n�o perder a paix�o pela verdade �ltima, nem o anseio de pesquisa, unidos � aud�cia de descobrir novos percursos. � a f� que incita a raz�o a sair de qualquer isolamento e a abra�ar de bom grado qualquer risco por tudo o que � belo, bom e verdadeiro. Deste modo, a f� torna-se advogada convicta e convincente da raz�o.

2. Solicitude da Igreja pela filosofia

57. O Magist�rio, por�m, n�o se limitou a p�r em destaque os erros e desvios das doutrinas filos�ficas. Mas, com igual cuidado, quis confirmar os princ�pios fundamentais para uma genu�na renova��o do pensamento filos�fico, indicando mesmo percursos concretos a seguir. Nesta linha, o Papa Le�o XIII, com a carta enc�clica �terni Patris, realizou um passo de alcance verdadeiramente hist�rico na vida da Igreja. Efectivamente aquela constitui, at� ao dia de hoje, o �nico documento pontif�cio dedicado, a esse n�vel, inteiramente � filosofia. O grande Pont�fice retomou e desenvolveu a doutrina do Conc�lio Vaticano I sobre a rela��o entre f� e raz�o, mostrando como o pensamento filos�fico � um contributo fundamental para a f� e para a ci�ncia teol�gica. (78) Passado mais de um s�culo, muitas indica��es, l� contidas, nada perderam do seu interesse tanto do ponto de vista pr�tico como pedag�gico; a primeira de todas � a que diz respeito ao valor incompar�vel da filosofia de S. Tom�s. A reposi��o do pensamento do Doutor Ang�lico era vista pelo Papa Le�o XIII como a melhor estrada para se recuperar um uso da filosofia conforme �s exig�ncias da f�. S. Tom�s, escrevia ele, � ao mesmo tempo que, como � devido, distingue perfeitamente a f� da raz�o, une-as a ambas com la�os de amizade rec�proca: conserva os direitos pr�prios de cada uma e salvaguarda a sua dignidade �.(79)

58. S�o conhecidas as felizes consequ�ncias que teve este convite pontif�cio. Os estudos sobre o pensamento de S. Tom�s e doutros autores escol�sticos receberam novo incentivo. Foi dado um forte impulso aos estudos hist�ricos, de que resultou uma nova descoberta das riquezas do pensamento medieval, at� ent�o amplamente desconhecidas, e constitu�ram-se novas escolas tomistas. Com a aplica��o da metodologia hist�rica, fizeram-se grandes progressos no conhecimento da obra de S. Tom�s, e muitos foram os estudiosos que corajosamente introduziram a tradi��o tomista nas discuss�es dos problemas filos�ficos e teol�gicos daquele tempo. Os te�logos cat�licos mais influentes deste s�culo, a cuja reflex�o e pesquisa muito deve o Conc�lio Vaticano II, s�o filhos de tal renova��o da filosofia tomista. E assim a Igreja p�de, no decurso do s�culo XX, dispor dum vigoroso grupo de pensadores, formados na escola do Doutor Ang�lico.

59. Contudo, a renova��o tomista e neotomista n�o foi o �nico sinal de retoma do pensamento filos�fico na cultura de inspira��o crist�. J� antes, e contempor�neamente ao convite do Papa Le�o XIII, tinham surgido v�rios fil�sofos cat�licos que, valendo-se de correntes de pensamento mais recentes e com uma metodologia pr�pria, geraram obras filos�ficas de grande influ�ncia e valor duradouro. Houve quem tivesse organizado s�nteses de n�vel t�o alto que nada tinham a invejar aos grandes sistemas do idealismo, e quem pusesse as bases epistemol�gicas para uma nova exposi��o da f�, � luz de uma renovada compreens�o da consci�ncia moral; houve quem tivesse elaborado uma filosofia que, partindo da an�lise da iman�ncia, abria o caminho para o transcendente, e quem tentasse traduzir as exig�ncias da f� no horizonte da metodologia fenomenol�gica. Em suma, partindo de diversas perspectivas, continuou-se a elaborar formas de reflex�o filos�fica, que visavam manter viva a grande tradi��o do pensamento crist�o na unidade de f� e raz�o.

60. O Conc�lio Ecum�nico Vaticano II, por sua vez, apresenta uma doutrina muito rica e fecunda a prop�sito da filosofia. N�o posso esquecer, sobretudo no contexto desta carta enc�clica, que um cap�tulo inteiro da constitui��o Gaudium et spes constitui uma esp�cie de comp�ndio de antropologia b�blica, fonte de inspira��o tamb�m para a filosofia. Naquelas p�ginas, trata-se do valor da pessoa humana criada � imagem de Deus, indicam-se os motivos da sua dignidade e superioridade relativamente ao resto da cria��o, e mostra-se a capacidade transcendente da sua raz�o. (80) Na referida Constitui��o conciliar, considera-se tamb�m o problema do ate�smo e denunciam-se, juntamente com suas causas, os erros desta vis�o filos�fica, sobretudo no que diz respeito � dignidade inalien�vel da pessoa e da sua liberdade. (81) E um profundo significado filos�fico reveste tamb�m o ponto culminante daquelas p�ginas, que transcrevia j� na minha primeira carta enc�clica, a Redemptor hominis, e mantive como um dos pontos de refer�ncia constante no meu magist�rio: � Na realidade, o mist�rio do homem s� no mist�rio do Verbo encarnado se esclarece verdadeiramente. Ad�o, o primeiro homem, era efectivamente figura do futuro, isto �, de Cristo Senhor. Cristo, novo Ad�o, na pr�pria revela��o do mist�rio do Pai e do seu amor, revela o homem a si mesmo e descobre-lhe a sua voca��o sublime �. (82)

O Conc�lio ocupou-se tamb�m do estudo da filosofia, ao qual se devem dedicar os candidatos ao sacerd�cio; s�o recomenda��es que se podem generalizar a todo o ensino crist�o. Afirma-se num dos documentos conciliares: � As disciplinas filos�ficas sejam ensinadas de forma que os alunos possam adquirir, antes de mais, um conhecimento s�lido e coerente do homem, do mundo e de Deus, apoiados num patrim�nio filos�fico perenemente v�lido, tendo em conta as investiga��es filos�ficas dos tempos actuais �(83)

Estas directrizes foram depois retomadas e especificadas noutros documentos do Magist�rio, com o intuito de garantir uma s�lida forma��o filos�fica sobretudo �queles que se preparam para os estudos teol�gicos. Tamb�m eu sublinhei, em v�rias ocasi�es, a import�ncia desta forma��o filos�fica para todos os que, um dia, ter�o de enfrentar, na vida pastoral, as quest�es do mundo actual e individuar as causas de determinados comportamentos, a fim de lhes dar pronta resposta. (84)

61. Se foi necess�rio intervir, em diversas circunst�ncias, sobre este tema, reiterando o valor das intui��es do Doutor Ang�lico e insistindo a favor da aquisi��o do seu pensamento, isso ficou a dever-se tamb�m ao facto de n�o terem sido sempre observadas as directrizes do Magist�rio, com a solicitude desejada. De facto, nos anos posteriores ao Conc�lio Vaticano II, p�de observar-se, em muitas escolas cat�licas, um certo decl�nio nesta mat�ria, devido � menor estima sentida n�o apenas pela filosofia escol�stica, mas pelo estudo da filosofia em geral. Com surpresa e m�goa, tenho de constatar que v�rios te�logos compartilham este desinteresse pelo estudo da filosofia.

Na base desta indiferen�a, h� diversas raz�es. Em primeiro lugar, aquela falta de confian�a na raz�o que se manifesta em grande parte da filosofia contempor�nea, abandonando em larga escala a investiga��o metaf�sica das quest�es �ltimas do homem para concentrar a sua aten��o sobre problemas particulares e regionais, �s vezes puramente formais. Depois, h� que acrescentar o equ�voco que se gerou sobretudo a respeito das � ci�ncias humanas �. O Conc�lio Vaticano II afirmou, v�rias vezes, o valor positivo da pesquisa cient�fica para um conhecimento mais profundo do mist�rio do homem. (85) Mas, o convite dirigido aos te�logos para conhecerem estas ci�ncias e, se vier a prop�sito, aplic�-las correctamente nos seus estudos, n�o deve ser interpretado como uma impl�cita autoriza��o para marginalizar a filosofia, pondo-a de parte na forma��o pastoral e na pr�paratio fidei. E, finalmente, n�o se pode esquecer o interesse novamente sentido pela incultura��o da f�. Em particular, a vida das jovens Igrejas permitiu descobrir, ao lado de formas elevadas de pensamento, a presen�a de m�ltiplas express�es de sabedoria popular. Isto constitui um aut�ntico patrim�nio de cultura e de tradi��es. Todavia, o estudo dos costumes tradicionais deve ser acompanhado simultaneamente pela pesquisa filos�fica. Ser� esta que possibilitar� fazer sobressair os tra�os positivos da sabedoria popular, criando a necess�ria liga��o com o an�ncio do Evangelho.(86)

62. Desejo insistir novamente que o estudo da filosofia reveste um car�cter fundamental e indispens�vel na estrutura dos estudos teol�gicos e na forma��o dos candidatos ao sacerd�cio. N�o � por acaso que o curr�culo dos estudos teol�gicos � antecedido por um per�odo de tempo especialmente consagrado ao estudo da filosofia. Esta decis�o, confirmada pelo Conc�lio Ecum�nico Lateranense V, (87) tem as suas ra�zes na experi�ncia maturada durante a Idade M�dia, quando foi posta em relevo a import�ncia de uma harmonia construtiva entre o saber filos�fico e o teol�gico. Esta organiza��o dos estudos influenciou, facilitou e promoveu, embora de forma indirecta, uma boa parte do progresso da filosofia moderna. Temos um exemplo significativo na influ�ncia exercida pelas Disputationes metaphysic� de Francisco Su�rez, que eram seguidas at� mesmo nas universidades luteranas da Alemanha. Pelo contr�rio, o abandono desta metodologia foi causa de graves car�ncias, tanto na forma��o sacerdotal como na investiga��o teol�gica. Basta considerar, por exemplo, como a sua neglig�ncia no �mbito do pensamento e da cultura moderna levou ao encerramento de toda a forma de di�logo ou � recep��o indiscriminada de qualquer filosofia.

Nutro profunda esperan�a de que estas dificuldades ser�o superadas merc� de uma s�bia forma��o filos�fica e teol�gica, que nunca deve faltar na Igreja.

63. Em virtude das raz�es aduzidas, senti a urg�ncia de confirmar, por meio desta carta enc�clica, o grande interesse que a Igreja tem pela filosofia; ou melhor, a liga��o �ntima do trabalho teol�gico com a investiga��o filos�fica da verdade. Daqui nasce o dever que o Magist�rio tem de discernir e estimular um pensamento filos�fico que n�o esteja em disson�ncia com a f�. A minha miss�o � propor alguns princ�pios e pontos de refer�ncia, que considero necess�rios para se poder instaurar uma rela��o harmoniosa e eficaz entre a teologia e a filosofia. � luz deles, ser� poss�vel discernir com maior clareza se e como deve a teologia relacionar-se com os diversos sistemas ou asser��es filos�ficas que o mundo actual apresenta.

CAP�TULO VI
INTERAC��O DA TEOLOGIA
COM A FILOSOFIA

1. A ci�ncia da f� e as exig�ncias da raz�o filos�fica

64. A palavra de Deus destina-se a todo o homem, de qualquer �poca e lugar da terra; e o homem, por natureza, � fil�sofo. Por sua vez, a teologia, enquanto elabora��o reflexiva e cient�fica da compreens�o da palavra divina � luz da f�, n�o pode deixar de recorrer �s filosofias que v�o surgindo ao longo da hist�ria, tanto para algumas das suas formas de proceder como para realizar fun��es mais espec�ficas. Sem pretender indicar aos te�logos metodologias particulares � porque tal n�o compete ao Magist�rio �, desejo, por�m, lembrar algumas fun��es pr�prias da teologia, onde, por causa da pr�pria natureza da Palavra revelada, se exige o recurso ao pensamento filos�fico.

65. A teologia est� organizada, enquanto ci�ncia da f�, � luz dum duplo princ�pio metodol�gico: auditus fidei e intellectus fidei. Com o primeiro, recolhe os conte�dos da Revela��o tal como se foram explicitando progressivamente na Sagrada Tradi��o, na Sagrada Escritura e no Magist�rio vivo da Igreja. (88) Pelo segundo, a teologia quer responder �s exig�ncias pr�prias do pensamento, atrav�s da reflex�o especulativa.

Quanto � prepara��o para um correcto auditus fidei, a filosofia proporciona � teologia a sua ajuda peculiar, quando examina a estrutura do conhecimento e da comunica��o pessoal, e sobretudo as v�rias formas e fun��es da linguagem. Igualmente importante � a contribui��o da filosofia para uma compreens�o mais coerente da Tradi��o eclesial, das interven��es do Magist�rio e das senten�as dos grandes mestres da teologia: estes, de facto, exprimem-se frequentemente por conceitos e formas de pensamento conotados com determinada tradi��o filos�fica. Neste caso, pede-se ao te�logo n�o s� que exponha conceitos e termos atrav�s dos quais a Igreja possa reflectir e elaborar a sua doutrina, mas que conhe�a profundamente tamb�m os sistemas filos�ficos que tenham, porventura, influenciado as no��es e a terminologia, a fim de se chegar a interpreta��es correctas e coerentes.

66. Relativamente ao intellectus fidei, importa considerar, antes de mais, que a Verdade divina, � que nos � proposta nas Sagradas Escrituras, interpretadas correctamente pela doutrina da Igreja �, (89) goza de uma inteligibilidade pr�pria, logicamente t�o coerente que se deve propor como um aut�ntico saber. O intellectus fidei explicita esta verdade, n�o s� quando investiga as estruturas l�gicas e conceptuais das proposi��es em que se articula a doutrina da Igreja, mas tamb�m e sobretudo quando p�e em realce o significado salv�fico de tais proposi��es para o indiv�duo e para a humanidade. � pelo conjunto destas proposi��es que o crente chega a conhecer a hist�ria da salva��o, que culmina na pessoa de Jesus Cristo e no seu mist�rio pascal; ele participa deste mist�rio, com a sua ades�o de f�.

A teologia dogm�tica deve ser capaz de articular o sentido universal do mist�rio de Deus, Uno e Trino, e da economia da salva��o, quer de modo narrativo, quer sobretudo de forma argumentativa. Por outras palavras, deve faz�-lo mediante express�es conceptuais, formuladas de modo cr�tico e universalmente acess�vel. De facto, sem o contributo da filosofia n�o seria poss�vel ilustrar certos conte�dos teol�gicos como, por exemplo, a linguagem sobre Deus, as rela��es pessoais no seio da Sant�ssima Trindade, a ac��o criadora de Deus no mundo, a rela��o entre Deus e o homem, a identidade de Cristo que � verdadeiro Deus e verdadeiro homem. E o mesmo se diga de diversos temas da teologia moral, onde � preciso recorrer, de imediato, a conceitos como lei moral, consci�ncia, liberdade, responsabilidade pessoal, culpa, etc., cuja defini��o prov�m da �tica filos�fica.

Por isso, � necess�rio que a raz�o do crente tenha um conhecimento natural, verdadeiro e coerente das coisas criadas, do mundo e do homem, que s�o tamb�m objecto da revela��o divina; mais ainda, ela deve ser capaz de articular este conhecimento de maneira conceptual e argumentativa. Assim, a teologia dogm�tica especulativa pressup�e e implica uma filosofia do homem, do mundo e, mais radicalmente, do pr�prio ser, fundada sobre a verdade objectiva.

67. A teologia fundamental, pelo seu pr�prio car�cter de disciplina que tem por fun��o dar raz�o da f� (cf. 1 Ped 3, 15), dever� procurar justificar e explicitar a rela��o entre a f� e a reflex�o filos�fica. J� o Conc�lio Vaticano I, reafirmando o ensinamento paulino (cf. Rom 1, 19-20), chamara a aten��o para o facto de existirem verdades que se podem conhecer de modo natural e, consequentemente, filos�fico. O seu conhecimento constitui um pressuposto necess�rio para acolher a revela��o de Deus. Quando a teologia fundamental estuda a Revela��o e a sua credibilidade com o relativo acto de f�, dever� mostrar como emergem, � luz do conhecimento pela f�, algumas verdades que a raz�o, autonomamente, j� encontra ao longo do seu caminho de pesquisa. A essas verdades, a Revela��o confere-lhes plenitude de sentido, orientando-as para a riqueza do mist�rio revelado, onde encontram o seu fim �ltimo. Basta pensar, por exemplo, ao conhecimento natural de Deus, � possibilidade de distinguir a revela��o divina de outros fen�menos, ou ao conhecimento da sua credibilidade, � capacidade que tem a linguagem humana de falar, de modo significativo e verdadeiro, mesmo do que ultrapassa a experi�ncia humana. Por todas estas verdades, a mente � levada a reconhecer a exist�ncia duma via realmente proped�utica � f�, que pode desembocar no acolhimento da Revela��o, sem faltar minimamente aos seus pr�prios princ�pios e autonomia. (90)

Da mesma forma, a teologia fundamental dever� manifestar a compatibilidade intr�nseca entre a f� e a sua exig�ncia essencial de se explicitar atrav�s de uma raz�o capaz de dar com plena liberdade o seu consentimento. Assim, a f� saber� � mostrar plenamente o caminho a uma raz�o em busca sincera da verdade. Deste modo a f�, dom de Deus, apesar de n�o se basear na raz�o, decerto n�o pode existir sem ela; ao mesmo tempo, surge a necessidade de que a raz�o se fortifique na f�, para descobrir os horizontes aos quais, sozinha, n�o poderia chegar �. (91)

68. A teologia moral tem, possivelmente, uma necessidade ainda maior do contributo filos�fico. Na Nova Alian�a, a vida humana est� efectivamente muito menos regulada por prescri��es do que na Antiga. A vida no Esp�rito conduz os crentes a uma liberdade e responsabilidade que ultrapassam a pr�pria Lei. No entanto, o Evangelho e os escritos apost�licos n�o deixam de propor ora princ�pios gerais de conduta crist�, ora ensinamentos e preceitos espec�ficos; para aplic�-los �s circunst�ncias concretas da vida individual e social, o crist�o tem necessidade de valer-se plenamente da sua consci�ncia e da for�a do seu racioc�nio. Por outras palavras, a teologia moral deve recorrer a uma vis�o filos�fica correcta tanto da natureza humana e da sociedade, como dos princ�pios gerais duma decis�o �tica.

69. Talvez se possa objectar que, na situa��o actual, o te�logo, mais do que � filosofia, deveria recorrer � ajuda de outras formas do saber humano, concretamente � hist�ria e sobretudo �s ci�ncias, de que todos admiram os progressos extraordin�rios recentemente alcan�ados. Outros, impelidos por uma maior sensibilidade � rela��o entre f� e culturas, defendem que a teologia deveria dar prefer�ncia �s sabedorias tradicionais, em vez de uma filosofia de origem grega e euroc�ntrica. Outros ainda, partindo duma concep��o errada do pluralismo de culturas, negam simplesmente o valor universal do patrim�nio filos�fico abra�ado pela Igreja.

Os aspectos sublinhados, j� presentes ali�s na doutrina conciliar, (92) cont�m uma parte de verdade. O referimento �s ci�ncias, �til em muitos casos porque permite um conhecimento mais completo do objecto de estudo, n�o deve, por�m, fazer esquecer a necessidade que h� da media��o duma reflex�o tipicamente filos�fica, cr�tica e aberta ao universal, solicitada tamb�m por um fecundo interc�mbio entre as culturas. A minha preocupa��o � p�r em destaque o dever de n�o se ficar pelo caso isolado e concreto, descuidando assim a tarefa prim�ria que � manifestar o car�cter universal do conte�do de f�. Al�m disso, n�o se deve esquecer que a peculiar contribui��o do pensamento filos�fico permite discernir, tanto nas diversas concep��es da vida como nas culturas, � n�o o que os homens pensam, mas qual � a verdade objectiva �. (93) N�o as diversas opini�es humanas, mas somente a verdade pode servir de ajuda � filosofia.

70. Al�m do mais, o tema da rela��o com as culturas merece uma reflex�o espec�fica, apesar de necessariamente n�o exaustiva, pelas implica��es que da� derivam para as vertentes filos�fica e teol�gica. O processo de encontro e compara��o com as culturas � uma experi�ncia que a Igreja viveu desde os come�os da prega��o do Evangelho. O mandato de Cristo aos disc�pulos para irem, a toda a parte � at� aos confins do mundo � (Act 1, 8), transmitir a verdade revelada por Ele, fez com que a comunidade crist� pudesse bem cedo dar-se conta da universalidade do an�ncio e dos obst�culos resultantes da diversidade das culturas. Um trecho da carta de S. Paulo aos crist�os de �feso oferece uma v�lida ajuda para compreender como a Comunidade Primitiva enfrentou este problema. Escreve o Ap�stolo: � Agora por�m, v�s, que outrora est�veis longe, pelo Sangue de Cristo vos aproximastes. Ele � a nossa paz, Ele que de dois povos fez um s�, destruindo o muro de inimizade que os separava � (2, 13-14).

Iluminada por este texto, a nossa reflex�o pode debru�ar-se sobre a transforma��o que se operou nos gentios quando abra�aram a f�. As barreiras que separam as diversas culturas caem diante da riqueza da salva��o, realizada por Cristo. Agora, em Cristo, a promessa de Deus torna-se uma oferta universal: n�o limitada j� � dimens�o particular de um povo, da sua l�ngua ou dos seus costumes, mas alargada a todos, como um patrim�nio ao qual cada um pode livremente ter acesso. Dos mais diversos lugares e tradi��es, todos s�o chamados, em Cristo, a participar na unidade da fam�lia dos filhos de Deus. Cristo faz com que dois povos se tornem � um s� �. Os que � estavam longe � ficaram � pr�ximo �, gra�as � novidade gerada pelo mist�rio pascal. Jesus abate os muros de divis�o e realiza a unifica��o, de um modo original e supremo, por meio da participa��o no seu mist�rio. Esta unidade � t�o profunda que a Igreja pode dizer com S. Paulo: � J� n�o sois h�spedes nem peregrinos, mas sois concidad�os dos santos e membros da fam�lia de Deus � (Ef 2, 19).

Nesta asser��o t�o simples, est� contida uma grande verdade: o encontro da f� com as diversas culturas deu vida a uma nova realidade. Na verdade, quando as culturas est�o profundamente radicadas na natureza humana, cont�m em si mesmas o testemunho da abertura, pr�pria do homem, ao universal e � transcend�ncia. � por isso que elas apresentam perspectivas distintas da verdade, que s�o de evidente utilidade para o homem, porque lhe fazem vislumbrar valores capazes de tornar a sua exist�ncia sempre mais humana. (94) Por outro lado, na medida em que evocam os valores das tradi��es antigas, as culturas trazem consigo � embora de modo impl�cito, mas nem por isso menos real � a refer�ncia � manifesta��o de Deus na natureza, como se viu antes nos textos sapienciais e no ensinamento de S. Paulo.

71. Uma vez que as culturas est�o intimamente relacionadas com os homens e a sua hist�ria, partilham das mesmas din�micas do tempo humano. E, consequentemente, registam transforma��es e progressos com os encontros que os homens promovem e com as rec�procas transmiss�es dos seus modelos de vida. As culturas alimentam-se com a comunica��o de valores, e a sua vitalidade e subsist�ncia dependem da sua capacidade de permanecerem abertas para acolher a novidade. Como se explicam tais din�micas? Todo o homem est� integrado numa cultura; depende dela, e sobre ela influi. � simultaneamente filho e pai da cultura onde est� inserido. Em cada manifesta��o da sua vida, o homem traz consigo algo que o caracteriza no meio da cria��o: a sua constante abertura ao mist�rio e o seu desejo inexaur�vel de conhecimento. Em consequ�ncia, cada cultura traz gravada em si mesma e deixa transparecer a tens�o para uma plenitude. Pode-se, portanto, dizer que a cultura cont�m em si pr�pria a possibilidade de acolher a revela��o divina.

Tamb�m o modo como os crist�os vivem a f�, est� imbu�do da cultura do ambiente circundante, e vai progressivamente contribuindo, por sua vez, para modelar as caracter�sticas do mesmo. Os crist�os transmitem, a cada cultura, a verdade imut�vel que Deus revelou na hist�ria e na cultura dum povo. Ao longo dos s�culos, continua a reproduzir-se o mesmo fen�meno testemunhado pelos peregrinos presentes em Jerusal�m, no dia de Pentecostes. Ao escutarem os Ap�stolos, perguntavam-se: � Mas qu�! Essa gente que est� a falar n�o � da Galileia? Que se passa, ent�o, para que cada um de n�s os oi�a falar na nossa l�ngua materna? Partos, medos, elamitas, habitantes da Mesopot�mia, da Judeia e da Capad�cia, do Ponto e da �sia, da Fr�gia e da Panf�lia, do Egipto e das regi�es da L�bia, vizinha de Cirene, colonos de Roma, judeus e pros�litos, cretenses e �rabes, ouvimo-los anunciar nas nossas l�nguas as maravilhas de Deus! � (Act 2, 7-11). O an�ncio do Evangelho nas diversas culturas, ao exigir de cada um dos destinat�rios a ades�o da f�, n�o os impede de conservar a pr�pria identidade cultural. Isto n�o provoca qualquer divis�o, pois o povo dos baptizados distingue-se por uma universalidade que � capaz de acolher todas as culturas, fazendo com que aquilo que nelas est� impl�cito se desenvolva at� � sua explana��o plena na verdade.

Em consequ�ncia disto, uma cultura nunca pode servir de crit�rio de ju�zo e, menos ainda, de crit�rio �ltimo de verdade a respeito da revela��o de Deus. O Evangelho n�o � contr�rio a esta ou �quela cultura, como se quisesse, ao encontrar-se com ela, priv�-la daquilo que lhe pertence, e a obrigasse a assumir formas extr�nsecas que lhe s�o estranhas. Pelo contr�rio, o an�ncio que o crente leva ao mundo e �s culturas � uma forma real de liberta��o de toda a desordem introduzida pelo pecado e, simultaneamente, uma chamada � verdade plena. Neste encontro, as culturas n�o s�o privadas de nada, antes s�o estimuladas a abrirem-se � novidade da verdade evang�lica, de que recebem impulso para novos progressos.

72. O facto da miss�o evangelizadora ter encontrado em primeiro lugar no seu caminho a filosofia grega, n�o constitui de forma alguma impedimento para outros relacionamentos. Hoje, � medida que o Evangelho entra em contacto com �reas culturais que estiveram at� agora fora do �mbito de irradia��o do cristianismo, novas tarefas se abrem � incultura��o. Colocam-se � nossa gera��o problemas an�logos aos que a Igreja teve de enfrentar nos primeiros s�culos.

O meu pensamento vai espontaneamente at� �s terras do Oriente, t�o ricas de tradi��es religiosas e filos�ficas muito antigas. Entre elas, ocupa um lugar especial a �ndia. Um grande �mpeto espiritual leva o pensamento indiano a procurar uma experi�ncia que, libertando o esp�rito dos condicionamentos de tempo e espa�o, tenha valor de absoluto. No dinamismo desta busca de liberta��o, situam-se grandes sistemas metaf�sicos.

Compete aos crist�os de hoje, sobretudo aos da �ndia, a tarefa de extrair deste rico patrim�nio os elementos compat�veis com a sua f�, para se obter um enriquecimento do pensamento crist�o. Nesta obra de discernimento, que tem a sua fonte de inspira��o na declara��o conciliar Nostra aetate, dever�o ter em considera��o um certo n�mero de crit�rios. O primeiro � a universalidade do esp�rito humano, cujas exig�ncias fundamentais s�o id�nticas nas mais distintas culturas. O segundo, derivado do anterior, consiste no seguinte: quando a Igreja entra em contacto com grandes culturas que nunca tinha encontrado antes, n�o pode p�r de parte o que adquiriu pela incultura��o no pensamento greco-latino. Rejeitar uma tal heran�a seria contrariar o des�gnio providencial de Deus, que conduz a sua Igreja pelos caminhos do tempo e da hist�ria. Ali�s, este crit�rio � v�lido para a Igreja de todos os tempos � tamb�m para a Igreja de amanh�, que se sentir� enriquecida com as aquisi��es resultantes do encontro em nossos dias com as culturas orientais, e desta heran�a h�-de tirar, por sua vez, indica��es novas para entrar frutuosamente em di�logo com as culturas que a humanidade fizer florir no seu caminho rumo ao futuro. Em terceiro lugar, h�-de precaver-se por n�o confundir a leg�tima reivindica��o de especificidade e originalidade do pensamento indiano, com a ideia de que uma tradi��o cultural deve enclausurar-se na sua diferen�a e afirmar-se pela sua oposi��o �s outras tradi��es � ideia essa que seria contr�ria precisamente � natureza do esp�rito humano.

O que fica dito para a �ndia, vale tamb�m para a heran�a das grandes culturas da China, do Jap�o e demais pa�ses da �sia, bem como das riquezas das culturas tradicionais da �frica, transmitidas sobretudo por via oral.

73. � luz destas considera��es, a justa rela��o que se deve instaurar entre a teologia e a filosofia h�-de ser pautada por uma reciprocidade circular. Quanto � teologia, o seu ponto de partida e fonte primeira ter� de ser sempre a palavra de Deus revelada na hist�ria, ao passo que o objectivo final s� poder� ser uma compreens�o cada vez mais profunda dessa mesma palavra por parte das sucessivas gera��es. Visto que a palavra de Deus � Verdade (cf. Jo 17, 17), uma melhor compreens�o dela s� tem a beneficiar com a busca humana da verdade, ou seja, o filosofar, no respeito das leis que lhe s�o pr�prias. N�o se trata simplesmente de utilizar, no racioc�nio teol�gico, qualquer conceito ou parcela dum sistema filos�fico; o facto decisivo � que a raz�o do crente exerce as suas capacidades de reflex�o na busca da verdade, dentro dum movimento que, partindo da palavra de Deus, procura alcan�ar uma melhor compreens�o da mesma. � claro, de resto, que a raz�o, movendo-se dentro destes dois p�los � palavra de Deus e melhor conhecimento desta �, encontra-se prevenida, e de algum modo guiada, para evitar percursos que poderiam conduzi-la fora da Verdade revelada e, em �ltima an�lise, fora pura e simplesmente da verdade; mais ainda, ela sente-se estimulada a explorar caminhos que, sozinha, nem sequer suspeitaria de poder percorrer. Esta rela��o de reciprocidade circular com a Palavra de Deus enriquece a filosofia, porque a raz�o descobre horizontes novos e inesperados.

74. A prova da fecundidade de tal rela��o � oferecida pela pr�pria vida de grandes te�logos crist�os que se distinguiram tamb�m como grandes fil�sofos, deixando escritos de tamanho valor especulativo que justificam ser colocados ao lado dos grandes mestres da filosofia antiga. Isto � v�lido tanto para os Padres da Igreja, de entre os quais h� que citar pelo menos os nomes de S. Greg�rio Nazianzeno e S. Agostinho, como para os Doutores medievais entre os quais sobressai a grande tr�ade formada por S. Anselmo, S. Boaventura e S. Tom�s de Aquino. A rela��o entre a filosofia e a palavra de Deus manifesta-se fecunda tamb�m na investiga��o corajosa realizada por pensadores mais recentes, de entre os quais me apraz mencionar, no �mbito ocidental, personagens como John Henry Newman, Ant�nio Rosmini, Jacques Maritain, �tienne Gilson, Edith Stein, e, no �mbito oriental, estudiosos com a estatura de Vladimir S. Solov'ev, Pavel A. Florenskij, Petr J. Caadaev, Vladimir N. Losskij. Ao referir estes autores, ao lado dos quais outros nomes poderiam ser citados, n�o tenciono obviamente dar aval a todos os aspectos do seu pensamento, mas apenas prop�-los como exemplos significativos dum caminho de pesquisa filos�fica que tirou not�veis vantagens da sua confronta��o com os dados da f�. Uma coisa � certa: a considera��o do itiner�rio espiritual destes mestres n�o poder� deixar de contribuir para o avan�o na busca da verdade e na utiliza��o dos resultados conseguidos para o servi�o do homem. Espera-se que esta grande tradi��o filos�fico-teol�gica encontre, hoje e no futuro, os seus continuadores e estudiosos para bem da Igreja e da humanidade.

2. Diferentes est�dios da filosofia

75. Como consta da hist�ria das rela��es entre a f� e a filosofia, apontada acima brevemente, podem distinguir-se diversos est�dios da filosofia relativamente � f� crist�. O primeiro � a filosofia totalmente independente da revela��o evang�lica: � o est�dio da filosofia, existente historicamente nas �pocas que precederam o nascimento do Redentor, e, mesmo depois dele, nas regi�es onde o Evangelho ainda n�o chegou. Nesta situa��o, a filosofia apresenta a leg�tima aspira��o de ser um empreendimento aut�nomo, ou seja, que procede segundo as suas pr�prias leis, valendo-se simplesmente das for�as da raz�o. Embora cientes dos graves limites devidos � debilidade cong�nita da raz�o humana, uma tal aspira��o deve ser apoiada e fortalecida. De facto, o trabalho filos�fico, como busca da verdade no �mbito natural, pelo menos implicitamente permanece aberto ao sobrenatural.

E, mesmo quando � o pr�prio discurso teol�gico que se serve de conceitos e argumenta��es filos�ficas, a exig�ncia de correcta autonomia do pensamento h�-de ser respeitada. Com efeito, a argumenta��o conduzida segundo rigorosos crit�rios racionais � garantia para a obten��o de resultados universalmente v�lidos. Tamb�m aqui se verifica o princ�pio segundo o qual a gra�a n�o destr�i, mas aperfei�oa a natureza: a anu�ncia de f�, que envolve a intelig�ncia e a vontade, n�o destr�i mas aperfei�oa o livre arb�trio do crente, que acolhe em si pr�prio o dado revelado.

Desta exig�ncia em si mesma correcta, afasta-se nitidamente a teoria da chamada filosofia � separada �, sustentada por v�rios fil�sofos modernos. Mais do que afirma��o da justa autonomia do filosofar, ela constitui a reivindica��o duma auto-sufici�ncia do pensamento que � claramente ileg�tima: rejeitar as contribui��es de verdade vindas da revela��o divina significa efectivamente impedir o acesso a um conhecimento mais profundo da verdade, danificando precisamente a filosofia.

76. Um segundo est�dio da filosofia � aquilo que muitos designam com a express�o filosofia crist�. A denomina��o, em si mesma, � leg�tima, mas n�o deve dar margem a equ�vocos: com ela, n�o se pretende aludir a uma filosofia oficial da Igreja, j� que a f� enquanto tal n�o � uma filosofia. Com aquela designa��o, deseja-se sobretudo indicar um modo crist�o de filosofar, uma reflex�o filos�fica concebida em uni�o vital com a f�. Por conseguinte, n�o se refere simplesmente a uma filosofia elaborada por fil�sofos crist�os que, na sua pesquisa, quiseram n�o contradizer a f�. Quando se fala de filosofia crist�, pretende-se abra�ar todos aqueles importantes avan�os do pensamento filos�fico que n�o seriam alcan�ados sem a contribui��o, directa ou indirecta, da f� crist�.

Assim, a filosofia crist� cont�m dois aspectos: um subjectivo, que consiste na purifica��o da raz�o por parte da f�. Esta, enquanto virtude teologal, liberta a raz�o da presun��o � uma t�pica tenta��o a que os fil�sofos facilmente est�o sujeitos. J� S. Paulo e os Padres da Igreja, e mais recentemente fil�sofos, como Pascal e Kierkegaard, a estigmatizaram. Com a humildade, o fil�sofo adquire tamb�m a coragem para enfrentar algumas quest�es que dificilmente poderia resolver sem ter em considera��o os dados recebidos da Revela��o. Basta pensar, por exemplo, aos problemas do mal e do sofrimento, � identidade pessoal de Deus e � quest�o acerca do sentido da vida, ou, mais diretamente, � pergunta metaf�sica radical: � Porque existe o ser? �.

Temos, depois, o aspecto objectivo, que diz respeito aos conte�dos: a Revela��o prop�e claramente algumas verdades que, embora sejam acess�veis � raz�o por via natural, possivelmente nunca seriam descobertas por ela, se tivesse sido abandonada a si pr�pria. Colocam-se, neste horizonte, quest�es como o conceito de um Deus pessoal, livre e criador, que tanta import�ncia teve para o progresso do pensamento filos�fico e, de modo particular, para a filosofia do ser. Pertence ao mesmo �mbito a realidade do pecado, tal como � vista pela luz da f�, e que ajuda a filosofia a enquadrar adequadamente o problema do mal. Tamb�m a concep��o da pessoa como ser espiritual � uma originalidade peculiar da f�: o an�ncio crist�o da dignidade, igualdade e liberdade dos homens influiu seguramente sobre a reflex�o filos�fica, realizada pelos fil�sofos modernos. Nos tempos mais recentes, pode-se mencionar a descoberta da import�ncia que tem, tamb�m para a filosofia, o acontecimento hist�rico, centro da revela��o crist�. N�o foi por acaso que aquele se tornou perne de uma filosofia da hist�ria, que se apresenta como um novo cap�tulo da busca humana da verdade.

Entre os elementos objectivos da filosofia crist�, inclui-se tamb�m a necessidade de explorar a racionalidade de algumas verdades expressas pela Sagrada Escritura, tais como a possibilidade de uma voca��o sobrenatural do homem, e tamb�m o pr�prio pecado original. S�o tarefas que induzem a raz�o a reconhecer que existe a verdade e o racional, muito para al�m dos limites estreitos onde ela seria tentada a encerrar-se. Estas tem�ticas ampliam, de facto, o �mbito do racional.

Ao reflectirem sobre estes conte�dos, os fil�sofos n�o se tornaram te�logos, j� que n�o procuraram compreender e ilustrar as verdades da f� a partir da Revela��o; continuaram a trabalhar no seu pr�prio terreno e com a sua metodologia puramente racional, mas alargando a sua investiga��o a novos �mbitos da verdade. Pode-se dizer que, sem este influxo estimulante da palavra de Deus, boa parte da filosofia moderna e contempor�nea n�o existiria. O dado mant�m toda a sua relev�ncia, mesmo diante da constata��o decepcionante de n�o poucos pensadores destes �ltimos s�culos que abandonaram a ortodoxia crist�.

77. Outro est�dio significativo da filosofia verifica-se quando � a pr�pria teologia que chama em causa a filosofia. Na verdade, a teologia sempre teve, e continua a ter, necessidade da contribui��o filos�fica. Realizado pela raz�o cr�tica � luz da f�, o trabalho teol�gico pressup�e e exige, ao longo de toda a sua pesquisa, uma raz�o conceptual e argumentativamente educada e formada. Al�m disso, a teologia precisa da filosofia como interlocutora, para verificar a inteligibilidade e a verdade universal das suas afirma��es. N�o foi por acaso que os Padres da Igreja e os te�logos medievais assumiram, para tal fun��o explicativa, filosofias n�o crist�s. Este facto hist�rico indica o valor da autonomia que a filosofia conserva mesmo neste terceiro est�dio, mas mostra igualmente as transforma��es necess�rias e profundas que ela deve sofrer.

� precisamente no sentido de uma contribui��o indispens�vel e nobre que a filosofia foi chamada, desde a Idade Patr�stica, ancilla theologi�. De facto, o t�tulo n�o foi atribu�do para indicar uma submiss�o servil ou um papel puramente funcional da filosofia relativamente � teologia; mas no mesmo sentido em que Arist�teles falava das ci�ncias experimentais como � servas � da � filosofia primeira �. A express�o, hoje dificilmente utiliz�vel devido aos princ�pios de autonomia antes mencionados, foi usada ao longo da hist�ria para indicar a necessidade da rela��o entre as duas ci�ncias e a impossibilidade de uma sua separa��o.

Se o te�logo se recusasse a utilizar a filosofia, arriscar-se-ia a fazer filosofia sem o saber e a fechar-se em estruturas de pensamento pouco id�neas � compreens�o da f�. Se o fil�sofo, por sua vez, exclu�sse todo o contacto com a teologia, ver-se-ia na obriga��o de apoderar-se por conta pr�pria dos conte�dos da f� crist�, como aconteceu com alguns fil�sofos modernos. Tanto num caso como noutro, surgiria o perigo da destrui��o dos princ�pios b�sicos de autonomia que cada ci�ncia justamente quer ver garantidos.

O est�dio da filosofia agora considerado, devido �s implica��es que comporta na compreens�o da Revela��o, est�, como acontece com a teologia, mais directamente colocado sob a autoridade do Magist�rio e do seu discernimento, como expus mais acima. Das verdades de f� derivam, efectivamente, determinadas exig�ncias que a filosofia deve respeitar, quando entra em rela��o com a teologia.

78. � luz destas reflex�es, � f�cil compreender porque tenha o Magist�rio louvado reiteradamente os m�ritos do pensamento de S. Tom�s, e o tenha proposto como guia e modelo dos estudos teol�gicos. O que interessava n�o era tomar posi��o sobre quest�es propriamente filos�ficas, nem impor a ades�o a teses particulares; o objectivo do Magist�rio era, e continua a ser, mostrar como S. Tom�s � um aut�ntico modelo para quantos buscam a verdade. De facto, na sua reflex�o, a exig�ncia da raz�o e a for�a da f� encontraram a s�ntese mais elevada que o pensamento jamais alcan�ou, enquanto soube defender a novidade radical trazida pela Revela��o, sem nunca humilhar o caminho pr�prio da raz�o.

79. Ao explicitar melhor os conte�dos do Magist�rio precedente, � minha inten��o, nesta �ltima parte, indicar algumas exig�ncias que a teologia � e, ainda antes, a palavra de Deus � coloca, hoje, ao pensamento filos�fico e �s filosofias actuais. Como j� assinalei, o fil�sofo deve proceder segundo as pr�prias regras e basear-se sobre os pr�prios princ�pios; todavia, a verdade � uma s�. A Revela��o, com os seus conte�dos, n�o poder� nunca humilhar a raz�o nas suas descobertas e na sua leg�tima autonomia; a raz�o, por sua vez, n�o dever� perder nunca a sua capacidade de interrogar-se e de interrogar, consciente de n�o poder arvorar-se em valor absoluto e exclusivo. A verdade revelada, projectando plena luz sobre o ser a partir do esplendor que lhe vem do pr�prio Ser subsistente, iluminar� o caminho da reflex�o filos�fica. Em resumo, a revela��o crist� torna-se o verdadeiro ponto de enlace e confronto entre o pensar filos�fico e o teol�gico, no seu rec�proco interc�mbio. Espera-se, pois, que te�logos e fil�sofos se deixem guiar unicamente pela autoridade da verdade, para que seja elaborada uma filosofia de harmonia com a palavra de Deus. Esta filosofia ser� o terreno de encontro entre as culturas e a f� crist�, o espa�o de entendimento entre crentes e n�o crentes. Ajudar� os crentes a convencerem-se mais intimamente de que a profundidade e a autenticidade da f� saem favorecidas quando esta se une ao pensamento e n�o renuncia a ele. Mais uma vez, encontramos nos Padres a li��o que nos guia nesta convic��o: � Crer, nada mais � sen�o pensar consentindo [...]. Todo o que cr�, pensa; crendo pensa, e pensando cr� [...]. A f�, se n�o for pensada, nada � �. (95) Mais: � Se se tira o assentimento, tira-se a f�, pois, sem o assentimento, realmente n�o se cr� �. (96)

CAP�TULO VII
EXIG�NCIAS E TAREFAS ACTUAIS

1. As exig�ncias irrenunci�veis da palavra de Deus

80. A Sagrada Escritura cont�m, de forma expl�cita ou impl�cita, toda uma s�rie de elementos que permite alcan�ar uma perspectiva de not�vel densidade filos�fica acerca do homem e do mundo. Os crist�os foram gradualmente tomando consci�ncia da riqueza contida naquelas p�ginas sagradas. Delas se conclui que a realidade que experimentamos, n�o � o absoluto: n�o � incriada, nem se autogerou. S� Deus � o Absoluto. Nas p�ginas da B�blia, o homem � visto como imago Dei, que cont�m indica��es precisas sobre o seu ser, a sua liberdade e a imortalidade do seu esp�rito. Uma vez que o mundo criado n�o � autosuficiente, qualquer ilus�o de autonomia que ignore a essencial depend�ncia de Deus de toda criatura � incluindo o homem � leva a dramas que destroem a busca racional da harmonia e do sentido da exist�ncia humana.

Tamb�m o problema do mal moral � a forma mais tr�gica do mal � � considerado na B�blia, dizendo-nos que este n�o pode ser reduzido a uma mera defici�ncia devida � mat�ria, mas � uma ferida que prov�m de uma manifesta��o desordenada da liberdade humana. Finalmente, a palavra de Deus apresenta o problema do sentido da exist�ncia e revela a resposta para o mesmo, encaminhando o homem para Jesus Cristo, o Verbo de Deus encarnado, que realiza em plenitude a exist�ncia humana. Poder-se-iam ainda explicitar outros aspectos da leitura do texto sagrado; de qualquer modo, o que sobressai � a rejei��o de toda a forma de relativismo, materialismo, pante�smo.

A convic��o fundamental desta � filosofia � presente na B�blia � que a vida humana e o mundo t�m um sentido e caminham para a sua plenitude, que se verifica em Jesus Cristo. O mist�rio da Encarna��o permanecer� sempre o centro de refer�ncia para se poder compreender o enigma da exist�ncia humana, do mundo criado, e mesmo de Deus. A filosofia encontra, neste mist�rio, os desafios extremos, porque a raz�o � chamada a assumir uma l�gica que destr�i as barreiras onde ela mesma corre o risco de se fechar. Somente aqui, por�m, o sentido da exist�ncia alcan�a o seu ponto culminante. Com efeito, torna-se intelig�vel a ess�ncia �ntima de Deus e do homem: no mist�rio do Verbo encarnado, s�o salvaguardadas a natureza divina e a natureza humana, com sua respectiva autonomia, e simultaneamente manifesta-se aquele v�nculo �nico que as coloca em m�tuo relacionamento, sem confus�o. (97)

81. Deve ter-se em conta que um dos dados mais salientes da nossa situa��o actual consiste na � crise de sentido �. Os pontos de vista, muitas vezes de car�cter cient�fico, sobre a vida e o mundo multiplicaram-se tanto que estamos efectivamente assistindo � afirma��o crescente do fen�meno da fragmenta��o do saber. � precisamente isto que torna dif�cil e frequentemente v� a procura de um sentido. E, mais dram�tico ainda, neste emaranhado de dados e de factos, em que se vive e que parece constituir a pr�pria trama da exist�ncia, tantos se interrogam se ainda tem sentido p�r-se a quest�o do sentido. A pluralidade das teorias que se disputam a resposta, ou os diversos modos de ver e interpretar o mundo e a vida do homem n�o fazem sen�o agravar esta d�vida radical, que facilmente desemboca num estado de cepticismo e indiferen�a ou nas diversas express�es do niilismo.

Em consequ�ncia disto, o esp�rito humano fica muitas vezes ocupado por uma forma de pensamento amb�guo, que o leva a encerrar-se ainda mais em si pr�prio, dentro dos limites da pr�pria iman�ncia, sem qualquer refer�ncia ao transcendente. Privada da quest�o do sentido da exist�ncia, uma filosofia incorreria no grave perigo de relegar a raz�o para fun��es meramente instrumentais, sem uma aut�ntica paix�o pela busca da verdade.

Para estar em conson�ncia com a palavra de Deus ocorre, antes de mais, que a filosofia volte a encontrar a sua dimens�o sapiencial de procura do sentido �ltimo e global da vida. Esta primeira exig�ncia, por sinal, constitui um est�mulo util�ssimo para a filosofia se conformar com a sua pr�pria natureza. Deste modo, ela n�o ser� apenas aquela inst�ncia cr�tica decisiva que indica, �s v�rias partes do saber cient�fico, o seu fundamento e os seus limites, mas representar� tamb�m a inst�ncia �ltima de unifica��o do saber e do agir humano, levando-os a convergirem para um fim e um sentido definitivos. Esta dimens�o sapiencial � ainda mais indispens�vel hoje, uma vez que o imenso crescimento do poder t�cnico da humanidade requer uma renovada e viva consci�ncia dos valores �ltimos. Se viesse a faltar a estes meios t�cnicos a sua orienta��o para um fim n�o meramente utilitarista, poderiam rapidamente revelar-se desumanos e transformar-se mesmo em potenciais destrutores do g�nero humano. (98)

A palavra de Deus revela o fim �ltimo do homem, e d� um sentido global � sua ac��o no mundo. Por isso, ela convida a filosofia a empenhar-se na busca do fundamento natural desse sentido, que � a religiosidade constitutiva de cada pessoa. Uma filosofia que quisesse negar a possibilidade de um sentido �ltimo e global, seria n�o apenas impr�pria, mas err�nea.

82. De resto, este papel sapiencial n�o poderia ser desempenhado por uma filosofia que n�o fosse, ela pr�pria, um aut�ntico e verdadeiro saber, isto �, debru�ado n�o s� sobre os aspectos particulares e relativos � sejam eles funcionais, formais ou �teis � da realidade, mas sobre a verdade total e definitiva desta, ou seja, sobre o pr�prio ser do objecto de conhecimento. Daqui, uma segunda exig�ncia: verificar a capacidade do homem chegar ao conhecimento da verdade; mais, um conhecimento que alcance a verdade objectiva por meio daquela ad�quatio rei et intellectus, a que se referem os Doutores da Escol�stica. (99) Esta exig�ncia, pr�pria da f�, foi explicitamente reafirmada pelo Conc�lio Vaticano II: � A intelig�ncia, de facto, n�o se limita ao dom�nio dos fen�menos; embora, em consequ�ncia do pecado, esteja parcialmente obscurecida e debilitada, ela � capaz de atingir com certeza a realidade intelig�vel �. (100)

Uma filosofia, radicalmente fenomenista ou relativista, revelar-se-ia inadequada para ajudar no aprofundamento da riqueza contida na palavra de Deus. De facto, a Sagrada Escritura sempre pressup�e que o homem, mesmo quando culp�vel de duplicidade e mentira, � capaz de conhecer e captar a verdade clara e simples. Nos Livros Sagrados, e de modo particular no Novo Testamento, encontram-se textos e afirma��es de alcance propriamente ontol�gico. Os autores inspirados, com efeito, quiseram formular afirma��es verdadeiras, isto �, capazes de exprimir a realidade objectiva. N�o se pode dizer que a tradi��o cat�lica tenha cometido um erro, quando entendeu alguns textos de S. Jo�o e de S. Paulo como afirma��es sobre o ser mesmo de Cristo. Ora, quando a teologia procura compreender e explicar estas afirma��es, tem necessidade do aux�lio duma filosofia que n�o renegue a possibilidade de um conhecimento objectivamente verdadeiro, embora sempre pass�vel de aperfei�oamento. Isto vale tamb�m para os ju�zos da consci�ncia moral, que a Sagrada Escritura sup�e ser objectivamente verdadeiros. (101)

83. As duas exig�ncias, j� referidas, implicam uma terceira: ocorre uma filosofia de alcance autenticamente metaf�sico, isto �, capaz de transcender os dados emp�ricos para chegar, na sua busca da verdade, a algo de absoluto, definitivo, b�sico. Trata-se duma exig�ncia impl�cita tanto no conhecimento de tipo sapiencial, como de car�cter anal�tico; de modo particular, � uma exig�ncia pr�pria do conhecimento do bem moral, cujo fundamento �ltimo � o sumo Bem, o pr�prio Deus. N�o � minha inten��o falar aqui da metaf�sica enquanto escola espec�fica ou particular corrente hist�rica; desejo somente afirmar que a realidade e a verdade transcendem o elemento fact�vel e emp�rico, e quero reivindicar a capacidade que o homem possui de conhecer esta dimens�o transcendente e metaf�sica de forma verdadeira e certa, mesmo se imperfeita e anal�gica. Neste sentido, a metaf�sica n�o deve ser vista como alternativa � antropologia, pois � precisamente ela que permite dar fundamento ao conceito da dignidade da pessoa, assente na sua condi��o espiritual. De modo particular, a pessoa constitui um �mbito privilegiado para o encontro com o ser e, consequentemente, com a reflex�o metaf�sica.

Em toda a parte onde o homem descobre a presen�a dum apelo ao absoluto e ao transcendente, l� se abre uma fresta para a dimens�o metaf�sica do real: na verdade, na beleza, nos valores morais, na pessoa do outro, no ser, em Deus. Um grande desafio, que nos espera no final deste mil�nio, � saber realizar a passagem, t�o necess�ria como urgente, do fen�meno ao fundamento. N�o � poss�vel deter-se simplesmente na experi�ncia; mesmo quando esta exprime e manifesta a interioridade do homem e a sua espiritualidade, � necess�rio que a reflex�o especulativa alcance a subst�ncia espiritual e o fundamento que a sustenta. Portanto, um pensamento filos�fico que rejeitasse qualquer abertura metaf�sica, seria radicalmente inadequado para desempenhar um papel de media��o na compreens�o da Revela��o.

A palavra de Deus alude continuamente a realidades que ultrapassam a experi�ncia e at� mesmo o pensamento do homem; mas, este � mist�rio � n�o poderia ser revelado, nem a teologia poderia de modo algum torn�-lo intelig�vel, (102) se o conhecimento humano se limitasse exclusivamente ao mundo da experi�ncia sens�vel. Por isso, a metaf�sica constitui uma intermedi�ria privilegiada na pesquisa teol�gica. Uma teologia, privada do horizonte metaf�sico, n�o conseguiria chegar al�m da an�lise da experi�ncia religiosa, n�o permitindo ao intellectus fidei exprimir coerentemente o valor universal e transcendente da verdade revelada.

Se insisto tanto na componente metaf�sica, � porque estou convencido de que este � o caminho obrigat�rio para superar a situa��o de crise que aflige actualmente grandes sectores da filosofia e, desta forma, corrigir alguns comportamentos errados, difusos na nossa sociedade.

84. A import�ncia da inst�ncia metaf�sica torna-se ainda mais evidente, quando se considera o progresso actual das ci�ncias hermen�uticas e das diferentes an�lises da linguagem. Os resultados alcan�ados por estes estudos podem ser muito �teis para a compreens�o da f�, enquanto manifestam a estrutura do nosso pensar e falar, e o sentido presente na linguagem. Existem, por�m, especialistas destas ci�ncias que tendem, nas suas pesquisas, a deter-se no modo como se compreende e exprime a realidade, prescindindo de verificar a possibilidade de a raz�o descobrir a ess�ncia da mesma. Como n�o individuar neste comportamento uma confirma��o da crise de confian�a, que a nossa �poca est� a atravessar, acerca das capacidades da raz�o? Al�m disso, quando estas teses, baseando-se em convic��es aprior�sticas, tendem a ofuscar os conte�dos da f� ou a negar a sua validade universal, ent�o n�o s� humilham a raz�o, mas colocam-se por si mesmas fora de jogo. De facto, a f� pressup�e claramente que a linguagem humana seja capaz de exprimir de modo universal � embora em termos anal�gicos, mas nem por isso menos significativos � a realidade divina e transcendente. (103) Se assim n�o fosse, a palavra de Deus, que � sempre palavra divina em linguagem humana, n�o seria capaz de exprimir nada sobre Deus. A interpreta��o desta Palavra n�o pode remeter-nos apenas de uma interpreta��o para outra, sem nunca nos fazer chegar a uma afirma��o absolutamente verdadeira; caso contr�rio, n�o haveria revela��o de Deus, mas s� a express�o de no��es humanas sobre Ele e sobre aquilo que presumivelmente Ele pensa de n�s.

85. Bem sei que, aos olhos de muitos dos que actualmente se entregam � pesquisa filos�fica, podem parecer �rduas estas exig�ncias postas pela palavra de Deus � filosofia. Por isso mesmo, retomando aquilo que, j� h� algumas gera��es, os Sumos Pont�fices n�o cessam de ensinar e que o pr�prio Conc�lio Vaticano II confirmou, quero exprimir vigorosamente a convic��o de que o homem � capaz de alcan�ar uma vis�o unit�ria e org�nica do saber. Esta � uma das tarefas que o pensamento crist�o dever� assumir durante o pr�ximo mil�nio da era crist�. A subdivis�o do saber, enquanto comporta uma vis�o parcial da verdade com a consequente fragmenta��o do seu sentido, impede a unidade interior do homem de hoje. Como poderia a Igreja deixar de preocupar-se? Os Pastores recebem esta fun��o sapiencial directamente do Evangelho, e n�o podem eximir-se do dever de concretiz�-la.

Considero que todos os que actualmente desejam responder, como fil�sofos, �s exig�ncias que a palavra de Deus p�e ao pensamento humano, deveriam elaborar o seu racioc�nio sobre a base destes postulados, numa coerente continuidade com aquela grande tradi��o que, partindo dos antigos, passa pelos Padres da Igreja e os mestres da escol�stica at� chegar a englobar as conquistas fundamentais do pensamento moderno e contempor�neo. Se conseguir recorrer a esta tradi��o e inspirar-se nela, o fil�sofo n�o deixar� de se mostrar fiel � exig�ncia de autonomia do pensamento filos�fico.

Neste sentido, � muito importante que, no contexto actual, alguns fil�sofos se fa�am promotores da descoberta do papel determinante que tem a tradi��o para uma forma correcta de conhecimento. De facto, o recurso � tradi��o n�o � uma mera lembran�a do passado; mas constitui sobretudo o reconhecimento dum patrim�nio cultural que pertence a toda a humanidade. Poder-se-ia mesmo dizer que somos n�s que pertencemos � tradi��o, e por isso n�o podemos dispor dela a nosso bel-prazer. � precisamente este enraizamento na tradi��o que hoje nos permite poder exprimir um pensamento original, novo e aberto para o futuro. Esta observa��o � ainda mais pertinente para a teologia, n�o s� porque ela possui a Tradi��o viva da Igreja como fonte origin�ria, (104) mas tamb�m porque ela, em virtude disso mesmo, deve ser capaz de recuperar quer a profunda tradi��o teol�gica que marcou as �pocas precedentes, quer a tradi��o perene daquela filosofia que, pela sua real sabedoria, conseguiu superar as fronteiras do espa�o e do tempo.

86. A insist�ncia sobre a necessidade duma estreita rela��o de continuidade entre a reflex�o filos�fica actual e a reflex�o elaborada na tradi��o crist� visa prevenir do perigo que se esconde em algumas correntes de pensamento, hoje particularmente difusas. Embora brevemente, considero oportuno deter-me sobre elas, para p�r em relevo os seus erros e consequentes riscos para a actividade filos�fica.

A primeira aparece sob o nome de ecletismo, termo com o qual se designa o comportamento de quem, na pesquisa, na doutrina e na argumenta��o, mesmo teol�gica, costuma assumir ideias tomadas isoladamente de distintas filosofias, sem se preocupar com a sua coer�ncia e conex�o sistem�tica, nem com o seu contexto hist�rico. Deste modo, a pessoa fica impossibilitada de discernir entre a parte de verdade dum pensamento e aquilo que nele pode ser errado ou inadequado. Tamb�m � poss�vel individuar uma forma extrema de ecletismo no abuso ret�rico dos termos filos�ficos, �s vezes praticado por alguns te�logos. Este g�nero de instrumentaliza��o n�o favorece a busca da verdade, nem educa a raz�o � tanto teol�gica, como filos�fica � a argumentar de forma s�ria e cient�fica. O estudo rigoroso e profundo das doutrinas filos�ficas, da linguagem que lhes � peculiar, e do contexto onde surgiram, ajuda a superar os riscos do ecletismo e permite uma adequada integra��o daquelas na argumenta��o teol�gica.

87. O ecletismo � um erro de m�todo, mas poderia tamb�m ocultar em si as teses pr�prias do historicismo. Para compreender correctamente uma doutrina do passado, � necess�rio que esteja inserida no seu contexto hist�rico e cultural. Diversamente, o historicismo toma como sua tese fundamental estabelecer a verdade duma filosofia com base na sua adequa��o a um determinado per�odo e fun��o hist�rica. Deste modo nega-se, pelo menos implicitamente, a validade perene da verdade. O que era verdade numa �poca, afirma o historicista, pode j� n�o s�-lo noutra. Em resumo, a hist�ria do pensamento, para ele, reduz-se a uma esp�cie de achado arqueol�gico, a que recorre a fim de p�r em evid�ncia posi��es do passado, em grande parte j� superadas e sem significado para o tempo presente. Ora, apesar de a formula��o estar de certo modo ligada ao tempo e � cultura, deve-se considerar que a verdade ou o erro nela expressos podem ser, n�o obstante a dist�ncia esp�cio-temporal, reconhecidos e avaliados como tais.

Na reflex�o teol�gica, o historicismo tende a maior parte das vezes a apresentar-se sob uma forma de � modernismo �. Com a justa preocupa��o de tornar o discurso teol�gico actual e assimil�vel para o homem contempor�neo, faz-se apenas uso das asser��es e termos filos�ficos mais recentes, descuidando exig�ncias cr�ticas que, � luz da tradi��o, dever-se-iam eventualmente colocar. Esta forma de modernismo, pelo simples facto de trocar a actualidade pela verdade, revela-se incapaz de satisfazer as exig�ncias de verdade a que a teologia � chamada a dar resposta.

88. Outro perigo a ser considerado � o cientificismo. Esta concep��o filos�fica recusa-se a admitir, como v�lidas, formas de conhecimento distintas daquelas que s�o pr�prias das ci�ncias positivas, relegando para o �mbito da pura imagina��o tanto o conhecimento religioso e teol�gico, como o saber �tico e est�tico. No passado, a mesma ideia aparecia expressa no positivismo e no neopositivismo, que consideravam destitu�das de sentido as afirma��es de car�cter metaf�sico. A cr�tica epistemol�gica desacreditou esta posi��o; mas, vemo-las agora renascer sob as novas vestes do cientificismo. Na sua perspectiva, os valores s�o reduzidos a simples produtos da emotividade, e a no��o de ser � posta de lado para dar lugar ao facto puro e simples. A ci�ncia, prepara-se assim para dominar todos os aspectos da exist�ncia humana, atrav�s do progresso tecnol�gico. Os sucessos ineg�veis no �mbito da pesquisa cient�fica e da tecnologia contempor�nea contribu�ram para a difus�o da mentalidade cientificista, que parece n�o conhecer fronteiras, quando vemos como penetrou nas diversas culturas e as mudan�as radicais que a� provocou.

Infelizmente, deve-se constatar que o cientificismo considera tudo o que se refere � quest�o do sentido da vida como fazendo parte do dom�nio do irracional ou da fantasia. Ainda mais decepcionante � a perspectiva apresentada por esta corrente de pensamento a respeito dos outros grandes problemas da filosofia que, quando n�o passam simplesmente ignorados, s�o analisados com base em analogias superficiais, destitu�das de fundamenta��o racional. Isto leva ao empobrecimento da reflex�o humana, subtraindo-lhe aqueles problemas fundamentais que o animal rationale se tem colocado constantemente, desde o in�cio da sua exist�ncia sobre a terra. Na mesma linha, ao p�r de lado a cr�tica que nasce da avalia��o �tica, a mentalidade cientificista conseguiu fazer com que muitos aceitassem a ideia de que aquilo que se pode realizar tecnicamente, torna-se por isso mesmo tamb�m moralmente admiss�vel.

89. Portador de perigos n�o menores � o pragmatismo, atitude mental pr�pria de quem, ao fazer as suas op��es, exclui o recurso a reflex�es abstractas ou a avalia��es fundadas sobre princ�pios �ticos. As consequ�ncias pr�ticas, que derivam desta linha de pensamento, s�o not�veis. De modo particular, tem vindo a ganhar terreno uma concep��o da democracia que n�o contempla o referimento a fundamentos de ordem axiol�gica e, por isso mesmo, imut�veis: a admissibilidade, ou n�o, de determinado comportamento � decidida com base no voto da maioria parlamentar. (105) A consequ�ncia de semelhante posi��o � clara: as grandes decis�es morais do homem ficam efectivamente subordinadas �s delibera��es que os �rg�os institucionais v�o assumindo pouco a pouco. Mais, a pr�pria antropologia fica fortemente condicionada com a proposta duma vis�o unidimensional do ser humano, da qual se excluem os grandes dilemas �ticos e as an�lises existenciais sobre o sentido do sofrimento e do sacrif�cio, da vida e da morte.

90. As teses examinadas at� aqui conduzem, por sua vez, a uma concep��o mais geral, que parece constituir, hoje, o horizonte comum de muitas filosofias que n�o querem saber do sentido do ser. Estou a referir-me � leitura niilista, que � a rejei��o de qualquer fundamento e simultaneamente a nega��o de toda a verdade objectiva. O niilismo, antes mesmo de estar em contraste com as exig�ncias e os conte�dos pr�prios da palavra de Deus, � nega��o da humanidade do homem e tamb�m da sua identidade. De facto, � preciso ter em conta que o olvido do ser implica inevitavelmente a perda de contacto com a verdade objectiva e, consequentemente, com o fundamento sobre o qual se apoia a dignidade do homem. Deste modo, abre-se espa�o � possibilidade de apagar, da face do homem, os tra�os que revelam a sua semelhan�a com Deus, conduzindo-o progressivamente a uma destrutiva ambi��o de poder ou ao desespero da solid�o. Uma vez que se privou o homem da verdade, � pura ilus�o pretender torn�-lo livre. Verdade e liberdade, com efeito, ou caminham juntas, ou juntas miseravelmente perecem. (106)

91. Ao comentar as correntes de pensamento acima lembradas, n�o foi minha inten��o apresentar um quadro completo da situa��o actual da filosofia: ali�s, esta dificilmente poderia ser integrada numa vis�o unit�ria. Fa�o quest�o de assinalar que a heran�a do saber e da sabedoria se enriqueceu efectivamente em diversos campos. Basta citar a l�gica, a filosofia da linguagem, a epistemologia, a filosofia da natureza, a antropologia, a an�lise profunda das vias afectivas do conhecimento, a perspectiva existencial aplicada � an�lise da liberdade. Por outro lado, a afirma��o do princ�pio de iman�ncia, que est� no �mago da pretens�o racionalista, suscitou, a partir do s�culo passado, reac��es que levaram a p�r radicalmente em quest�o postulados considerados indiscut�veis. Nasceram assim correntes irracionalistas, ao mesmo tempo que a cr�tica punha em evid�ncia a inutilidade da exig�ncia de auto-fundamenta��o absoluta da raz�o.

A nossa �poca foi definida por certos pensadores como a �poca da � p�s-modernidade �. Este termo, n�o raramente usado em contextos muito distanciados entre si, designa a apari��o de um conjunto de factores novos, que, pela sua extens�o e efic�cia, se revelaram capazes de determinar mudan�as significativas e duradouras. Assim, o termo foi primeiramente usado no campo de fen�menos de ordem est�tica, social, tecnol�gica. Depois, estendeu-se ao �mbito filos�fico, permanecendo, por�m, marcado por certa ambiguidade, quer porque a avalia��o do que se define como � p�s-moderno � � umas vezes positivo e outras negativo, quer porque n�o existe consenso sobre o delicado problema da delimita��o das v�rias �pocas hist�ricas. Uma coisa, todavia, � certa: as correntes de pensamento que fazem refer�ncia � p�s-modernidade merecem adequada aten��o. Segundo algumas delas, de facto, o tempo das certezas teria irremediavelmente passado, o homem deveria finalmente aprender a viver num horizonte de aus�ncia total de sentido, sob o signo do provis�rio e do ef�mero. Muitos autores, na sua cr�tica demolidora de toda a certeza e ignorando as devidas distin��es, contestam inclusivamente as certezas da f�.

De algum modo, este niilismo encontra confirma��o na terr�vel experi�ncia do mal que caracterizou a nossa �poca. O optimismo racionalista que via na hist�ria o avan�o vitorioso da raz�o, fonte de felicidade e de liberdade, n�o p�de resistir face � dramaticidade de tal experi�ncia, a ponto de uma das maiores amea�as, neste final de s�culo, ser a tenta��o do desespero.

Verdade � que uma certa mentalidade positivista continua a defender a ilus�o de que, gra�as �s conquistas cient�ficas e t�cnicas, o homem, como se fosse um demiurgo, poder� chegar por si mesmo a garantir o dom�nio total do seu destino.

2. Tarefas actuais da teologia

92. Enquanto compreens�o da Revela��o, a teologia, nas sucessivas �pocas hist�ricas, sempre sentiu como pr�prio dever escutar as solicita��es das v�rias culturas, para perme�-las depois, atrav�s duma coerente conceptualiza��o, com o conte�do da f�. Tamb�m hoje lhe compete uma dupla tarefa. Por um lado, deve cumprir a miss�o que o Conc�lio Vaticano II lhe confiou: renovar as suas metodologias, tendo em vista um servi�o mais eficaz � evangeliza��o. Nesta perspectiva, como n�o pensar �s palavras pronunciadas pelo Sumo Pont�fice Jo�o XXIII, na abertura do Conc�lio? Dizia ele: � Correspondendo � viva expectativa de quantos amam sinceramente a religi�o crist�, cat�lica e apost�lica, � necess�rio que esta doutrina seja conhecida mais ampla e profundamente e que nela sejam instru�das e formadas mais plenamente as consci�ncias; � preciso que esta doutrina certa e imut�vel, que deve ser fielmente respeitada, seja aprofundada e apresentada segundo as exig�ncias do nosso tempo �. (107)

Mas, por outro lado, a teologia deve manter o olhar fixo sobre a verdade �ltima que lhe foi confiada por meio da Revela��o, n�o se contentando nem se detendo em etapas interm�dias. O te�logo recorde-se de que o seu trabalho corresponde � ao dinamismo interior pr�prio da f� � e que o objecto espec�fico da sua indaga��o � � a Verdade, o Deus vivo e o seu des�gnio de salva��o revelado em Jesus Cristo �. (108) Esta tarefa, que diz respeito em primeiro lugar � teologia, interpela tamb�m a filosofia. De facto, a quantidade imensa de problemas, que hoje aparece, requer um trabalho comum, embora desenvolvido com metodologias diversas, para que a verdade possa novamente ser conhecida e anunciada. A Verdade, que � Cristo, imp�e-se como autoridade universal que rege, estimula e faz crescer (cf. Ef 4, 15) tanto a teologia como a filosofia.

O facto de acreditar na possibilidade de se conhecer uma verdade universalmente v�lida n�o � de forma alguma fonte de intoler�ncia; pelo contr�rio, � condi��o necess�ria para um di�logo sincero e aut�ntico entre as pessoas. S� com esta condi��o ser� poss�vel superar as divis�es e percorrer juntos o caminho que conduz � verdade total, seguindo por sendas que s� Esp�rito do Senhor ressuscitado conhece. (109) O modo como se configura hoje concretamente a exig�ncia de unidade, tendo em vista as tarefas actuais da teologia, � o que desejo agora indicar.

93. O objectivo fundamental, que a teologia persegue, � apresentar a compreens�o da Revela��o e o conte�do da f�. Assim, o verdadeiro centro da sua reflex�o h�-de ser a contempla��o do pr�prio mist�rio de Deus Uno e Trino. E a este chega-se reflectindo sobre o mist�rio da encarna��o do Filho de Deus: sobre o facto de Ele Se fazer homem e, depois, caminhar at� � paix�o e � morte, mist�rio este que desembocar� na sua gloriosa ressurrei��o e ascens�o � direita do Pai, donde enviar� o Esp�rito de verdade para constituir e animar a sua Igreja. Neste horizonte, a obriga��o primeira da teologia � a compreens�o da kenosi de Deus, mist�rio verdadeiramente grande para a mente humana, porque lhe parece insustent�vel que o sofrimento e a morte possam exprimir o amor que se d� sem pedir nada em troca. Nesta perspectiva, imp�e-se como exig�ncia fundamental e urgente uma an�lise atenta dos textos: os textos b�blicos primeiro, e depois os que exprimem a Tradi��o viva da Igreja. A este respeito, surgem hoje alguns problemas, novos s� em parte, cuja solu��o coerente n�o poder� ser encontrada sem o contributo da filosofia.

94. Um primeiro aspecto problem�tico refere-se � rela��o entre o significado e a verdade. Como qualquer outro texto, tamb�m as fontes que o te�logo interpreta transmitem, antes de mais, um significado, que tem de ser individuado e exposto. Ora, este significado apresenta-se como a verdade acerca de Deus, que � comunicada pelo pr�prio Deus por meio do texto sagrado. Assim, a linguagem de Deus toma corpo na linguagem humana, comunicando a verdade sobre Ele mesmo com aquela � condescend�ncia � admir�vel que reflecte a l�gica da Encarna��o. (110) Por isso, ao interpretar as fontes da Revela��o, � necess�rio que o te�logo se interrogue sobre qual seja a verdade profunda e genu�na que os textos querem comunicar, embora dentro dos limites da linguagem.

Quanto aos textos b�blicos, e em particular os Evangelhos, a sua verdade n�o se reduz seguramente � narra��o de simples acontecimentos hist�ricos ou � revela��o de factos neutros, como pretendia o positivismo historicista. (111) Pelo contr�rio, esses textos exp�em acontecimentos, cuja verdade est� para al�m da mera ocorr�ncia hist�rica: est� no seu significado para e dentro da hist�ria da salva��o. Esta verdade adquire a sua plena explicita��o na leitura perene que a Igreja faz dos referidos textos ao longo dos s�culos, mantendo inalterado o seu significado origin�rio. Portanto, � urgente que se interroguem, filosoficamente tamb�m, sobre a rela��o que h� entre o facto e o seu significado; rela��o essa que constitui o sentido espec�fico da hist�ria.

95. A palavra de Deus n�o se destina apenas a um povo ou s� a uma �poca. De igual modo, tamb�m os enunciados dogm�ticos formulam uma verdade permanente e definitiva, ainda que �s vezes se possa notar neles a cultura do per�odo em que foram definidos. Surge, assim, a pergunta sobre como seja poss�vel conciliar o car�cter absoluto e universal da verdade com o inevit�vel condicionamento hist�rico e cultural das f�rmulas que a exprimem. Como disse anteriormente, as teses do historicismo n�o s�o defend�veis. Pelo contr�rio, a aplica��o duma hermen�utica aberta � quest�o metaf�sica � capaz de mostrar como se passa das circunst�ncias hist�ricas e contingentes, onde maturaram os textos, � verdade por eles expressa que est� para al�m desses condicionalismos.

Com a sua linguagem hist�rica e limitada, o homem pode exprimir verdades que transcendem o fen�meno lingu�stico. De facto, a verdade nunca pode estar limitada a um tempo, nem a uma cultura; � conhecida na hist�ria, mas supera a pr�pria hist�ria.

96. Esta considera��o permite vislumbrar a solu��o de outro problema: o da perene validade dos conceitos usados nas defini��es conciliares. J� o meu venerado Predecessor Pio XII enfrentara a quest�o, na carta enc�clica Humani generis. (112)

A reflex�o sobre este assunto n�o � f�cil, porque tem-se de atender cuidadosamente ao sentido que as palavras adquirem nas diversas culturas e nas diferentes �pocas. Entretanto, a hist�ria do pensamento mostra que certos conceitos b�sicos mant�m, atrav�s da evolu��o e da variedade das culturas, o seu valor cognoscitivo universal e, consequentemente, a verdade das proposi��es que os exprimem. (113) Se assim n�o fosse, a filosofia e as ci�ncias n�o poderiam comunicar entre si, nem ser recebidas por culturas diferentes daquelas onde foram pensadas e elaboradas. O problema hermen�utico � real, mas tem solu��o. O valor objectivo de muitos conceitos n�o exclui, ali�s, que o seu significado frequentemente seja imperfeito. A reflex�o filos�fica poderia ser de grande ajuda neste campo. Possa ela prestar o seu contributo particular no aprofundamento da rela��o entre linguagem conceptual e verdade, e na proposta de caminhos adequados para uma sua correcta compreens�o.

97. Se uma tarefa importante da teologia � a interpreta��o das fontes, mais delicado e exigente ainda � o trabalho seguinte: a compreens�o da verdade revelada, ou seja, a elabora��o do intellectus fidei. Como j� aludi, o intellectus fidei requer o contributo duma filosofia do ser que, antes de mais, permita � teologia dogm�tica realizar adequadamente as suas fun��es. O pragmatismo dogm�tico dos in�cios deste s�culo, segundo o qual as verdades da f� nada mais seriam do que regras de comportamento, foi j� refutado e rejeitado; (114) apesar disso, persiste sempre a tenta��o de compreender estas verdades de forma puramente funcional. Neste caso, cair-se-ia num esquema inadequado, redutivo e desprovido da necess�ria incisividade especulativa. Por exemplo, uma cristologia que partisse unilateralmente � de baixo �, como hoje se costuma dizer, ou uma eclesiologia elaborada unicamente a partir do modelo das sociedades civis dificilmente poderiam evitar o perigo de tal reducionismo.

Se o intellectus fidei quer integrar toda a riqueza da tradi��o teol�gica, tem de recorrer � filosofia do ser. Esta dever� ser capaz de propor o problema do ser segundo as exig�ncias e as contribui��es de toda a tradi��o filos�fica, incluindo a mais recente, evitando cair em est�reis repeti��es de esquemas antiquados. No quadro da tradi��o metaf�sica crist�, a filosofia do ser � uma filosofia din�mica que v� a realidade nas suas estruturas ontol�gicas, causais e inter-relacionais. A sua for�a e perenidade derivam do facto de se basear precisamente sobre o acto do ser, o que lhe permite uma abertura plena e global a toda a realidade, superando todo e qualquer limite at� alcan�ar Aquele que tudo leva � perfei��o. (115) Na teologia, que recebe os seus princ�pios da Revela��o como nova fonte de conhecimento, esta perspectiva � confirmada atrav�s da rela��o �ntima entre f� e racionalidade metaf�sica.

98. Id�nticas considera��es podem ser feitas a prop�sito da teologia moral. A recupera��o da filosofia � urgente tamb�m para a compreens�o da f� que diz respeito ao agir dos crentes. Diante dos desafios que se levantam actualmente no campo social, econ�mico, pol�tico e cient�fico, a consci�ncia �tica do homem desorientou-se. Na carta enc�clica Veritatis splendor, pus em evid�ncia que muitos problemas do mundo contempor�neo derivam de uma � crise em torno da verdade. Perdida a ideia duma verdade universal sobre o bem, cognosc�vel pela raz�o humana, mudou tamb�m inevitavelmente a concep��o de consci�ncia: esta deixa de ser considerada na sua realidade original, ou seja, como um acto da intelig�ncia da pessoa, a quem cabe aplicar o conhecimento universal do bem a uma determinada situa��o e exprimir assim um ju�zo sobre a conduta justa a ter aqui e agora; tende-se a conceder � consci�ncia do indiv�duo o privil�gio de estabelecer autonomamente os crit�rios do bem e do mal, e de agir em consequ�ncia. Esta vis�o identifica-se com uma �tica individualista, na qual cada um se v� confrontado com a sua verdade, diferente da verdade dos outros �. (116)

Ao longo de toda a enc�clica agora citada, sublinhei claramente o papel fundamental que compete � verdade no campo da moral. Ora esta verdade, na maior parte dos problemas �ticos mais urgentes, requer, da teologia moral, uma cuidadosa reflex�o que saiba p�r em evid�ncia as suas ra�zes na palavra de Deus. Para poder desempenhar esta sua miss�o, a teologia moral deve recorrer a uma �tica filos�fica que tenha em vista a verdade do bem, isto �, uma �tica que n�o seja subjectivista nem utilitarista. Tal �tica implica e pressup�e uma antropologia filos�fica e uma metaf�sica do bem. A teologia moral, valendo-se desta vis�o unit�ria que est� necessariamente ligada � santidade crist� e � pr�tica das virtudes humanas e sobrenaturais, ser� capaz de enfrentar os v�rios problemas que lhe dizem respeito � tais como a paz, a justi�a social, a fam�lia, a defesa da vida e do ambiente natural � de forma mais adequada e eficaz.

99. Na Igreja, o trabalho teol�gico est�, primariamente, ao servi�o do an�ncio da f� e da catequese. (117) O an�ncio, ou querigma, chama � convers�o, propondo a verdade de Cristo que tem o seu ponto culminante no Mist�rio Pascal: na verdade, s� em Cristo � poss�vel conhecer a plenitude da verdade que salva (cf. Act 4, 12; 1 Tim 2, 4-6).

Neste contexto, � f�cil compreender a raz�o por que, al�m da teologia, assuma tamb�m grande relevo a refer�ncia � catequese: � que esta possui implica��es filos�ficas que t�m de ser aprofundadas � luz da f�. A doutrina ensinada na catequese pretende formar a pessoa. Por isso a catequese, que � tamb�m comunica��o lingu�stica, deve apresentar a doutrina da Igreja na sua integridade, (118) mostrando a liga��o que ela tem com a vida dos crentes. (119) Realiza-se, assim, uma singular uni�o entre doutrina e vida, que � imposs�vel conseguir de outro modo. De facto, aquilo que se comunica na catequese n�o � um corpo de verdades conceptuais, mas o mist�rio do Deus vivo. (120)

A reflex�o filos�fica muito pode contribuir para esclarecer a rela��o entre verdade e vida, entre acontecimento e verdade doutrinal, e sobretudo a rela��o entre verdade transcendente e linguagem humanamente intelig�vel. (121) A reciprocidade que se cria entre as disciplinas teol�gicas e os resultados alcan�ados pelas diversas correntes filos�ficas, pode traduzir-se numa real fecundidade para a comunica��o da f� e para uma sua compreens�o mais profunda.

CONCLUS�O

100. Passados mais de cem anos da publica��o da enc�clica �terni Patris de Le�o XIII, � qual me referi v�rias vezes nestas p�ginas, pareceu-me necess�rio abordar novamente e de forma mais sistem�tica o discurso sobre o tema da rela��o entre a f� e a filosofia. � �bvia a import�ncia que o pensamento filos�fico tem no progresso das culturas e na orienta��o dos comportamentos pessoais e sociais. Embora isso nem sempre se note de forma expl�cita, ele exerce tamb�m uma grande influ�ncia sobre a teologia e suas diversas disciplinas. Por estes motivos, considerei justo e necess�rio sublinhar o valor que a filosofia tem para a compreens�o da f�, e as limita��es em que aquela se v�, quando esquece ou rejeita as verdades da Revela��o. De facto, a Igreja continua profundamente convencida de que f� e raz�o � se ajudam mutuamente �, (122) exercendo, uma em prol da outra, a fun��o tanto de discernimento cr�tico e purificador, como de est�mulo para progredir na investiga��o e no aprofundamento.

101. Se detivermos o nosso olhar sobre a hist�ria do pensamento, sobretudo no Ocidente, � f�cil constatar a riqueza que sobreveio, para o progresso da humanidade, do encontro da filosofia com a teologia e do interc�mbio das suas respectivas conquistas. A teologia, que recebeu o dom duma abertura e originalidade que lhe permite existir como ci�ncia da f�, fez seguramente com que a raz�o permanecesse aberta diante da novidade radical que a revela��o de Deus traz consigo. E isto foi, sem d�vida alguma, uma vantagem para a filosofia, que, assim, viu abrirem-se novos horizontes apontando para sucessivos significados que a raz�o est� chamada a aprofundar.

Precisamente � luz desta constata��o, tal como reafirmei o dever que tem a teologia de recuperar a sua genu�na rela��o com a filosofia, da mesma forma sinto a obriga��o de sublinhar que � conveniente para o bem e o progresso do pensamento que tamb�m a filosofia recupere a sua rela��o com a teologia. Nesta, encontrar� n�o a reflex�o dum mero indiv�duo, que, embora profunda e rica, sempre traz consigo as limita��es de perspectiva pr�prias do pensamento de um s�, mas a riqueza duma reflex�o comum. De facto, quando indaga sobre a verdade, a teologia, por sua natureza, � sustentada pela nota da eclesialidade (123) e pela tradi��o do Povo de Deus, com sua riqueza multiforme de conhecimentos e de culturas na unidade da f�.

102. Com tal insist�ncia sobre a import�ncia e as aut�nticas dimens�es do pensamento filos�fico, a Igreja promove a defesa da dignidade humana e, simultaneamente, o an�ncio da mensagem evang�lica. Ora, para estas tarefas, n�o existe, hoje, prepara��o mais urgente do que esta: levar os homens � descoberta da sua capacidade de conhecer a verdade (124) e do seu anseio pelo sentido �ltimo e definitivo da exist�ncia. � luz destas exig�ncias profundas, inscritas por Deus na natureza humana, aparece mais claro tamb�m o significado humano e humanizante da palavra de Deus. Gra�as � media��o de uma filosofia que se tornou tamb�m verdadeira sabedoria, o homem contempor�neo chegar� a reconhecer que ser� tanto mais homem quanto mais se abrir a Cristo, acreditando no Evangelho.

103. Al�m disso, a filosofia � como que o espelho onde se reflecte a cultura dos povos. Uma filosofia que se desenvolve de harmonia com a f� aceitando o est�mulo das exig�ncias teol�gicas, faz parte daquela � evangeliza��o da cultura � que Paulo VI prop�s como um dos objectivos fundamentais da evangeliza��o. (125) Pensando na nova evangeliza��o, cuja urg�ncia n�o me canso de recordar, fa�o apelo aos fil�sofos para que saibam aprofundar aquelas dimens�es de verdade, bem e beleza, a que d� acesso a palavra de Deus. Isto torna-se ainda mais urgente, ao considerar os desafios que o novo mil�nio parece trazer consigo: eles tocam de modo particular as regi�es e as culturas de antiga tradi��o crist�. Este cuidado deve considerar-se tamb�m um contributo fundamental e original para o avan�o da nova evangeliza��o.

104. O pensamento filos�fico � frequentemente o �nico terreno comum de entendimento e di�logo com quem n�o partilha a nossa f�. O movimento filos�fico contempor�neo exige o empenhamento sol�cito e competente de fil�sofos crentes que sejam capazes de individuar as expectativas, possibilidades e problem�ticas deste momento hist�rico. Discorrendo � luz da raz�o e segundo as suas regras, o fil�sofo crist�o, sempre guiado naturalmente pela leitura superior que lhe vem da palavra de Deus, pode criar uma reflex�o que seja compreens�vel e sensata mesmo para quem ainda n�o possua a verdade plena que a revela��o divina manifesta. Este terreno comum de entendimento e di�logo � ainda mais importante hoje, se se pensa que os problemas mais urgentes da humanidade � como, por exemplo, o problema ecol�gico, o problema da paz ou da conviv�ncia das ra�as e das culturas � podem ter solu��o � luz duma colabora��o clara e honesta dos crist�os com os fi�is doutras religi�es e com todos os que, mesmo n�o aderindo a qualquer cren�a religiosa, t�m a peito a renova��o da humanidade. Afirmou-o o Conc�lio Vaticano II: � Por nossa parte, o desejo de um tal di�logo, guiado apenas pelo amor pela verdade e com a necess�ria prud�ncia, n�o exclui ningu�m: nem aqueles que cultivam os altos valores do esp�rito humano, sem ainda conhecerem o seu Autor, nem aqueles que se op�em � Igreja e, de v�rias maneiras, a perseguem �. (126) Uma filosofia, na qual j� resplande�a algo da verdade de Cristo, �nica resposta definitiva aos problemas do homem, (127) ser� um apoio eficaz para aquela �tica verdadeira e simultaneamente universal de que, hoje, a humanidade tem necessidade.

105. N�o posso concluir esta carta enc�clica sem dirigir um �ltimo apelo, em primeiro lugar aos te�logos, para que prestem particular aten��o �s implica��es filos�ficas da palavra de Deus e realizem uma reflex�o onde sobressaia a densidade especulativa e pr�tica da ci�ncia teol�gica. Desejo agradecer-lhes o seu servi�o eclesial. A estrita conex�o entre a sabedoria teol�gica e o saber filos�fico � uma das riquezas mais originais da tradi��o crist� no aprofundamento da verdade revelada. Por isso, exorto-os a recuperarem e a porem em evid�ncia o melhor poss�vel a dimens�o metaf�sica da verdade, para desse modo entrarem num di�logo cr�tico e exigente quer com o pensamento filos�fico contempor�neo, quer com toda a tradi��o filos�fica, esteja esta em sintonia ou contradi��o com a palavra de Deus. Tenham sempre presente a indica��o dum grande mestre do pensamento e da espiritualidade, S. Boaventura, que, ao introduzir o leitor na sua obra Itinerarium mentis in Deum, convidava-o a ter consci�ncia de que � a leitura n�o � suficiente sem a compun��o, o conhecimento sem a devo��o, a investiga��o sem o arrebatamento do enlevo, a prud�ncia sem a capacidade de abandonar-se � alegria, a actividade separada da religiosidade, o saber separado da caridade, a intelig�ncia sem a humildade, o estudo sem o suporte da gra�a divina, a reflex�o sem a sabedoria inspirada por Deus �. (128)

Dirijo o meu apelo tamb�m a quantos t�m a responsabilidade da forma��o sacerdotal, tanto acad�mica como pastoral, para que cuidem, com particular aten��o, da prepara��o filos�fica daquele que dever� anunciar o Evangelho ao homem de hoje, e mais ainda se se vai dedicar � investiga��o e ao ensino da teologia. Procurem organizar o seu trabalho � luz das prescri��es do Conc�lio Vaticano II (129) e sucessivas determina��es, que mostram a tarefa indeclin�vel e urgente, que cabe a todos n�s, de contribuir para uma genu�na e profunda comunica��o das verdades da f�. N�o se esque�a a grave responsabilidade de uma prepara��o pr�via e condigna do corpo docente, destinado ao ensino da filosofia nos Semin�rios e nas Faculdades Eclesi�sticas. (130) � necess�rio que uma tal doc�ncia possua a conveniente prepara��o cient�fica, proponha de maneira sistem�tica o grande patrim�nio da tradi��o crist�, e seja efectuada com o devido discernimento face �s exig�ncias actuais da Igreja e do mundo.

106. O meu apelo dirige-se ainda aos fil�sofos e a quantos ensinam a filosofia, para que, na esteira duma tradi��o filos�fica perenemente v�lida, tenham a coragem de recuperar as dimens�es de aut�ntica sabedoria e de verdade, inclusive metaf�sica, do pensamento filos�fico. Deixem-se interpelar pelas exig�ncias que nascem da palavra de Deus, e tenham a for�a de elaborar o seu discurso racional e argumentativo de resposta a tal interpela��o. Vivam em permanente tens�o para a verdade e atentos ao bem que existe em tudo o que � verdadeiro. Poder�o, assim, formular aquela �tica genu�na de que a humanidade tem urgente necessidade, sobretudo nestes anos. A Igreja acompanha com aten��o e simpatia as suas investiga��es; podem, pois, estar seguros do respeito que ela nutre pela justa autonomia da sua ci�ncia. De modo particular, quero encorajar os crentes empenhados no campo da filosofia para que iluminem os diversos �mbitos da actividade humana, gra�as ao exerc�cio de uma raz�o que se torna mais segura e perspicaz com o apoio que recebe da f�.

N�o posso, enfim, deixar de dirigir uma palavra tamb�m aos cientistas, que nos proporcionam, com as suas pesquisas, um conhecimento sempre maior do universo inteiro e da variedade extraordinariamente rica dos seus componentes, animados e inanimados, com suas complexas estruturas de �tomos e mol�culas. O caminho por eles realizado atingiu, especialmente neste s�culo, metas que n�o cessam de nos maravilhar. Ao exprimir a minha admira��o e o meu encorajamento a estes valorosos pioneiros da pesquisa cient�fica, a quem a humanidade muito deve do seu progresso actual, sinto o dever de exort�-los a prosseguir nos seus esfor�os, permanecendo sempre naquele horizonte sapiencial onde aos resultados cient�ficos e tecnol�gicos se unem os valores filos�ficos e �ticos, que s�o manifesta��o caracter�stica e imprescind�vel da pessoa humana. O cientista est� bem c�nscio de que � a busca da verdade, mesmo quando se refere a uma realidade limitada do mundo ou do homem, jamais termina; remete sempre para alguma coisa que est� acima do objecto imediato dos estudos, para os interrogativos que abrem o acesso ao Mist�rio �. (131)

107. A todos pe�o para se debru�arem profundamente sobre o homem, que Cristo salvou no mist�rio do seu amor, e sobre a sua busca constante de verdade e de sentido. Iludindo-o, v�rios sistemas filos�ficos convenceram-no de que ele � senhor absoluto de si mesmo, que pode decidir autonomamente sobre o seu destino e o seu futuro, confiando apenas em si pr�prio e nas suas for�as. Ora, esta nunca poder� ser a grandeza do homem. Para a sua realiza��o, ser� determinante apenas a op��o de viver na verdade, construindo a pr�pria casa � sombra da Sabedoria e nela habitando. S� neste horizonte da verdade poder� compreender, com toda a clareza, a sua liberdade e o seu chamamento ao amor e ao conhecimento de Deus como suprema realiza��o de si mesmo.

108. Por �ltimo, o meu pensamento dirige-se para Aquela que a ora��o da Igreja invoca como Sede da Sabedoria. A sua vida � uma verdadeira par�bola, capaz de iluminar a reflex�o que desenvolvi. De facto, pode-se entrever uma profunda analogia entre a voca��o da bem-aventurada Virgem Maria e a voca��o da filosofia genu�na. Como a Virgem foi chamada a oferecer toda a sua humanidade e feminilidade para que o Verbo de Deus pudesse encarnar e fazer-Se um de n�s, tamb�m a filosofia � chamada a dar o seu contributo racional e cr�tico para que a teologia, enquanto compreens�o da f�, seja fecunda e eficaz. E como Maria, ao prestar o seu consentimento ao an�ncio de Gabriel, nada perdeu da sua verdadeira humanidade e liberdade, assim tamb�m o pensamento filos�fico, quando acolhe a interpela��o que recebe da verdade do Evangelho, nada perde da sua autonomia, antes v� toda a sua indaga��o elevada � mais alta realiza��o. Os santos monges da antiguidade crist� tinham compreendido bem esta verdade, quando designavam Maria como � a mesa intelectual da f� �. (132) N'Ela, viam a imagem coerente da verdadeira filosofia, e estavam convencidos de que deviam philosophari in Maria.

Que a Sede da Sabedoria seja o porto seguro para quantos consagram a sua vida � procura da sabedoria! O caminho para a sabedoria, fim �ltimo e aut�ntico de todo o verdadeiro saber, possa ver-se livre de qualquer obst�culo por intercess�o d'Aquela que, depois de gerar a Verdade e t�-La conservado no seu cora��o, comunicou-A para sempre � humanidade inteira.

Dado em Roma, junto de S. Pedro, no dia 14 de Setembro � Festa da Exalta��o da Santa Cruz � de 1998, vig�simo ano de Pontificado.

(1) Na minha primeira enc�clica, a Redemptor hominis, j� tinha escrito: � Torn�mo-nos participantes de tal miss�o de Cristo profeta, e, em virtude desta mesma miss�o e juntamente com Ele, servimos a verdade divina na Igreja. A responsabilidade por esta verdade implica tamb�m am�-la e procurar obter a sua mais exacta compreens�o, a fim de a tornarmos mais pr�xima de n�s mesmos e dos outros, com toda a sua for�a salv�fica, com o seu esplendor, com a sua profundidade e simultaneamente a sua simplicidade � [N. 19: AAS 71 (1979), 306].

(2) Cf. Conc. Ecum. Vat. II, Const. past. sobre a Igreja no mundo contempor�neo Gaudium et spes, 16.

(3) Const. dogm. sobre a Igreja Lumen gentium, 25.

(4) N. 4: AAS 85 (1993), 1136.

(5) Conc. Ecum. Vat. II, Const. dogm. sobre a revela��o divina Dei Verbum, 2.

(6) Cf. Const. dogm. sobre a f� cat�lica Dei Filius, III: DS 3008.

(7) Ibid., IV: DS 3015; citado tamb�m em Conc. Ecum. Vat. II, Const. past. sobre a Igreja no mundo contempor�neo Gaudium et spes, 59.

(8) Const. dogm. sobre a revela��o divina Dei Verbum, 2.

(9) Jo�o Paulo II, Carta ap. Tertio millennio adveniente (10 de Novembro de 1994), 10: AAS 87 (1995), 11.

(10) N. 4.
(11) N. 8.
(12) N. 22.

(13) Cf. Conc. Ecum. Vat. II, Const. dogm. sobre a revela��o divina Dei Verbum, 4.

(14) Ibid., 5.

(15) O Conc�lio Vaticano I, ao qual se refere a senten�a anteriormente citada, ensina que a obedi�ncia da f� exige o empenhamento da intelig�ncia e da vontade: � Dado que o homem depende totalmente de Deus, enquanto seu Criador e Senhor, e a raz�o criada est� submetida completamente � verdade incriada, somos obrigados, quando Deus Se revela, a prestar-Lhe, mediante a f�, a plena submiss�o da nossa intelig�ncia e da nossa vontade � [Const. dogm. sobre a f� cat�lica Dei Filius, III: DS 3008].

(16) Sequ�ncia, na Solenidade do Sant�ssimo Corpo e Sangue de Cristo.

(17) Pens�es (ed. L. Brunschvicg), 789.

(18) Conc. Ecum. Vat. II, Const. past. sobre a Igreja no mundo contempor�neo Gaudium et spes, 22.

(19) Cf. Conc. Ecum. Vat. II, Const. dogm. sobre a revela��o divina Dei Verbum, 2.

(20) Pro�mio e nn. 1 e 15: PL 158, 223-224.226.235.

(21) De vera religione, XXXIX, 72: CCL 32, 234.

(22) � Ut te semper desiderando qu�rerent et inveniendo quiescerent �: Missale Romanum.

(23) Arist�teles, Metaf�sica, I, 1.
(24) Confessiones, X, 23, 33: CCL 27,173.
(25) N. 34: AAS 85 (1993), 1161.

(26) Cf. Jo�o Paulo II, Carta ap. Salvifici doloris (11 de Fevereiro de 1984), 9: AAS 76 (1984), 209-210.

(27) Cf. Conc. Ecum. Vat. II, Decl. sobre a rela��o da Igreja com as religi�es n�o-crist�s Nostra �tate, 2.

(28) Desenvolvo, h� muito tempo, esta argumenta��o, tendo-a expresso em diversas ocasi�es: � "Quem � o homem, e para que serve? E que bem ou que mal pode ele fazer?" (Sir 18, 8) (...) Estas perguntas est�o no cora��o de cada homem, como bem demonstra o g�nio po�tico de todos os tempos e de todos os povos, que, quase como profecia da humanidade, reprop�e continuamente a s�ria pergunta que torna o homem verdadeiramente tal. Exprimem a urg�ncia de encontrar um porqu� da exist�ncia, de todos os seus instantes, tanto das suas etapas salientes e decisivas como dos seus momentos mais comuns. Em tais perguntas, � testemunhada a raz�o profunda da exist�ncia humana, pois nelas a intelig�ncia e a vontade do homem s�o solicitadas a procurar livremente a solu��o capaz de oferecer um sentido pleno � vida. Estes interrogativos, portanto, constituem a express�o mais elevada da natureza do homem; por conseguinte, a resposta a eles mede a profundidade do seu empenho na pr�pria exist�ncia. Em particular, quando o porqu� das coisas � procurado a fundo em busca da resposta �ltima e mais exauriente, ent�o a raz�o humana atinge o seu v�rtice e abre-se � religiosidade. De facto, a religiosidade representa a express�o mais elevada da pessoa humana, porque � o �pice da sua natureza racional. Brota da profunda aspira��o do homem � verdade, e est� na base da busca livre e pessoal que ele faz do divino � [Alocu��o da Audi�ncia Geral de quarta-feira, 19 de Outubro de 1983, 1-2: L'Osservatore Romano (ed. portuguesa, de 23 de Outubro de 1983), 12].

(29) � [Galileu] declarou explicitamente que as duas verdades, de f� e de ci�ncia, n�o podem nunca contradizer-se, "procedendo igualmente do Verbo divino a Escritura santa e a natureza, a primeira como ditada pelo Esp�rito Santo, a segunda como executora fidel�ssima das ordens de Deus", segundo ele escreveu na sua carta ao Padre Benedetto Castelli, a 21 de Dezembro de 1613. O Conc�lio Vaticano II n�o se exprime diferentemente; retoma mesmo express�es semelhantes, quando ensina: "A investiga��o met�dica em todos os campos do saber, quando levada a cabo (...) segundo as normas morais, nunca ser� realmente

oposta � f�, j� que as realidades profanas e as da f� t�m origem no mesmo Deus" (Gaudium et spes, 36). Galileu manifesta, na sua investiga��o cient�fica, a presen�a do Criador que o estimula, que Se antecipa �s suas intui��es e as ajuda, operando no mais profundo do seu esp�rito � [Jo�o Paulo II, Discurso � Pontif�cia Academia das Ci�ncias, a 10 de Novembro de 1979: L'Osservatore Romano (ed. portuguesa, de 25 de Novembro de 1979), 6].

(30) Cf. Conc. Ecum. Vat. II, Const. dogm. sobre a revela��o divina Dei Verbum, 4.

(31) Or�genes, Contra Celso 3, 55: SC 136, 130.
(32) Di�logo com Trif�o, 8, 1: PG 6, 492.
(33) Stromata I, 18, 90, 1: SC 30, 115.
(34) Cf. ibid. I, 16, 80, 5: SC 30, 108.
(35) Cf. ibid. I, 5, 28, 1: SC 30, 65.
(36) Ibid., VI, 7, 55, 1-2: PG 9, 277.
(37) Ibid., I, 20, 100, 1: SC 30, 124.

(38) Santo Agostinho, Confessiones VI, 5, 7: CCL 27, 77-78.

(39) Cf. ibid. VII, 9, 13-14: CCL 27, 101-102.

(40) � Quid ergo Athenis et Hierosolymis? Quid academi� et ecclesi�? � [De pr�scriptione hereticorum, VII, 9: SC 46, 98].

(41) Cf. Congr. da Educa��o Cat�lica, Instr. sobre o estudo dos Padres da Igreja na forma��o sacerdotal (10 de Novembro de 1989), 25: AAS 82 (1990), 617-618.

(42) Santo Anselmo, Proslogion, 1: PL 158, 226.
(43) Idem, Monologion, 64: PL 158, 210.

(44) Cf. S. Tom�s de Aquino, Summa contra gentiles, I, VII.

(45) � Cum enim gratia non tollat naturam, sed perficiat � [Idem, Summa theologi�, I, 1, 8 ad 2].

(46) Cf. Jo�o Paulo II, Discurso aos participantes no IX Congresso Tomista Internacional (29 de Setembro de 1990): L'Osservatore Romano (ed. portuguesa de 28 de Outubro de 1990), 9.

(47) Carta ap. Lumen Ecclesi� (20 de Novembro de 1974), 8: AAS 66 (1974), 680.

(48) � Pr�terea, h�c doctrina per studium acquiritur. Sapientia autem per infusionem habetur, unde inter septem dona Spiritus Sancti connumeratur � [Summa theologi�, I, 1, 6].

(49) Ibid., II, II, 45, 1 ad 2; cf. tamb�m II, II, 45, 2.

(50) Ibid., I, II, 109, 1 ad 1, que cita a conhecida frase do Ambrosiaster, In prima Cor 12,3: PL 17, 258.

(51) Le�o XIII, Carta enc. �TERNI PATRIS (4 de Agosto de 1879): ASS 11 (1878-1879), 109.

(52) Paulo VI, Carta ap. Lumen Ecclesi� (20 de Novembro de 1974), 8: AAS 66 (1974), 683.

(53) Carta enc. Redemptor hominis (4 de Mar�o de 1979), 15: AAS 71 (1979), 286.

(54) Cf. Pio XII, Carta enc. Humani generis (12 de Agosto de 1950): AAS 42 (1950), 566.

(55) Cf. Conc. Ecum. Vat. I, Primeira const. dogm. sobre a Igreja de Cristo Pastor TERNUS: DS 3070; Conc. Ecum. Vat. II, Const. dogm. sobre a Igreja Lumen gentium, 25c.

(56) Cf. S�nodo de Constantinopla, DS 403.

(57) Cf. Conc�lio de Toledo I, DS 205; Conc�lio de Braga I, DS 459-460; Sisto V, Bula C�li et terr� Creator (5 de Janeiro de 1586): Bullarium Romanum 44 (Roma, 1747), 176-179; Urbano VIII, Inscrutabilis iudiciorum (1 de Abril de 1631): Bullarium Romanum 61 (Roma, 1758), 268-270.

(58) Cf. Conc. Ecum. de Viena, Decr. Fidei catholic�: DS 902; Conc. Ecum. Lateranense V, Bula Apostolici regiminis: DS 1440.

(59) Cf. Theses a Ludovico Eugenio Bautain iussu sui Episcopi subscript� (8 de Setembro de 1840): DS 2751-2756; Theses a Ludovico Eugenio Bautain ex mandato S. Congr. Episcoporum et Religiosorum subscript� (26 de Abril de 1844): DS 2765-2769.

(60) Cf. S. Congr. Indicis, Decr. Theses contra traditionalismum Augustini Bonnety (11 de Junho de 1855): DS 2811-2814.

(61) Cf. Pio IX, Breve Eximiam tuam (15 de Junho de 1857): DS 2828-2831; Breve Gravissimas inter (11 de Dezembro de 1862): DS 2850-2861.

(62) Cf. S. Congr. do Santo Of�cio, Decr. Errores ontologistarum (18 de Setembro de 1861): DS 2841-2847.

(63) Cf. Conc. Ecum. Vat. I, Const. dogm. sobre a f� cat�lica Dei Filius, II: DS 3004; e c�n. 2-�1: DS 3026.

(64) Ibid., IV: DS 3015, citado em Conc. Ecum. Vat. II, Const. past. sobre a Igreja no mundo contempor�neo Gaudium et spes, 59.

(65) Conc. Ecum. Vat. I, Const. dogm. sobre a f� cat�lica Dei Filius, IV: DS 3017.

(66) Cf. Carta enc. Pascendi dominici gregis (8 de Setembro de 1907): ASS 40 (1907), 596-597.

(67) Cf. Pio XI, Carta enc. Divini Redemptoris (19 de Mar�o de 1937): AAS 29 (1937), 65-106.

(68) Carta enc. Humani generis (12 de Agosto de 1950): AAS 42 (1950), 562-563.

(69) Ibid.: o.c., 563-564.

(70) Cf. Jo�o Paulo II, Const. ap. Pastor Bonus (28 de Junho de 1988) arts. 48-49: AAS 80 (1988), 873; Congr. da Doutrina da F�, Instr. sobre a voca��o eclesial do te�logo Donum veritatis (24 de Maio de 1990), 18: AAS 82 (1990), 1558.

(71) Cf. Instr. sobre alguns aspectos da � teologia da liberta��o � Libertatis nuntius (6 de Agosto de 1984), VII-X: AAS 76 (1984), 890-903.

(72) Com sua palavra clara e de grande autoridade, o Conc�lio Vaticano I tinha j� condenado este erro, ao afirmar, por um lado, que, � relativamente � f� (...), a Igreja Cat�lica preconiza que � uma virtude sobrenatural pela qual, sob a inspira��o divina e com a ajuda da gra�a, acreditamos que s�o verdadeiras as coisas por Ele reveladas, n�o por causa da verdade intr�nseca das coisas percebida pela luz natural da raz�o, mas por causa da autoridade do pr�prio Deus que as revela, o qual n�o pode enganar-Se nem enganar � [Const. dogm. sobre a doutrina cat�lica Dei Filius, III: DS 3008; e c�n. 3-� 2: DS 3032]. E, por outro lado, o Conc�lio declarava que a raz�o nunca � chega a ser capaz de penetrar [tais mist�rios], nem as verdades que formam o seu objecto espec�fico � [ibid., IV: DS 3016]. Daqui tirava a seguinte conclus�o pr�tica: � Os fi�is crist�os n�o s� n�o t�m o direito de defender, como leg�timas conclus�es da ci�ncia, as opini�es reconhecidas contr�rias � doutrina da f�, especialmente quando est�o condenadas pela Igreja, mas s�o estritamente obrigados a consider�-las como erros, que apenas t�m uma ilus�ria apar�ncia de verdade � [ibid., IV: DS 3018].

(73) Cf. nn. 9-10.

(74) Const. dogm. sobre a revela��o divina Dei Verbum, 10.

(75) Ibid., 21.
(76) Cf. ibid., 10.

(77) Cf. Carta enc. Humani generis (12 de Agosto de 1950): AAS 42 (1950), 565-567.571-573.

(78) Cf. Carta enc. �TERNI PATRIS (4 de Agosto de 1879): ASS 11 (1878-1879), 97-115.

(79) Ibid.: o.c., 109.
(80) Cf. nn. 14-15.
(81) Cf. ibid., 20-21.

(82) Ibid., 22; cf. Jo�o Paulo II, Carta enc. Redemptor hominis (4 de Mar�o de 1979), 8: AAS 71 (1979), 271-272.

(83) Decr. sobre a forma��o sacerdotal Optatam totius, 15.

(84) Cf. Jo�o Paulo II, Const. ap. Sapientia christiana (15 de Abril de 1979), arts. 79-80: AAS 71 (1979), 495-496; Exort. ap. p�s-sinodal Pastores dabo vobis (25 de Mar�o de 1992), 52: AAS 84 (1992), 750-751. Vejam-se tamb�m algumas reflex�es sobre a filosofia de S. Tom�s: Discurso na Pontif�cia Universidade de S. Tom�s (17 de Novembro de 1979): L'Osservatore Romano (ed. portuguesa de 25 de Novembro de 1979), 1; Discurso aos participantes no VIII Congresso Tomista Internacional (13 de Setembro de 1980): L'Osservatore Romano (ed. portuguesa de 28 de Setembro de 1980), 4; Discurso aos participantes no Congresso Internacional da Sociedade S. Tom�s de Aquino sobre � A doutrina tomista da alma � (4 de Janeiro de 1986): L'Osservatore Romano (ed. portuguesa de 12 de Janeiro de 1986), 9. E ainda: S. Congr. da Educa��o Cat�lica, Ratio fundamentalis institutionis sacerdotalis (6 de Janeiro de 1970), 70-75: AAS 62 (1970), 366-368; Decr. Sacra theologia (20 de Janeiro de 1972): AAS 64 (1972), 583-586.

(85) Cf. Const. past. sobre a Igreja no mundo contempor�neo Gaudium et spes, 57.62.

(86) Cf. ibid., 44.

(87) Cf. Bula Apostolici regimini sollicitudo, Sess�o VIII: Conc. Rcum. Decreta (1991), 605-606.

(88) Cf. Conc. Ecum. Vat. II, Const. dogm. sobre a revela��o divina Dei Verbum, 10.

(89) S. Tom�s de Aquino, Summa theologi�, II-II, 5, 3 ad 2.

(90) � A busca das condi��es, nas quais o homem faz por si pr�prio as primeiras perguntas fundamentais acerca do sentido da vida, do fim que lhe deseja dar e daquilo que o espera depois da morte, constitui para a Teologia Fundamental o pre�mbulo necess�rio, para que, tamb�m hoje, a f� possa mostrar plenamente o caminho a uma raz�o em busca sincera da verdade � [Jo�o Paulo II, Carta aos participantes no Congresso Internacional de Teologia Fundamental por ocasi�o do 125o anivers�rio da promulga��o da Const. dogm. � Dei Filius � (30 de Setembro de 1995), 4: L'Osservatore Romano, (ed. portuguesa de 7 de Outubro de 1995), 10].

(91) Ibid., 4: o.c., 10.

(92) Cf. Conc. Ecum. Vat. II, Const. past. sobre a Igreja no mundo contempor�neo Gaudium et spes, 15; Decr. sobre a actividade mission�ria da Igreja Ad gentes, 22.

(93) S. Tom�s de Aquino, De C�lo 1, 22.

(94) Cf. Conc. Ecum. Vat. II, Const. past. sobre a Igreja no mundo contempor�neo Gaudium et spes, 53-59.

(95) S. Agostinho, De pr�destinatione Sanctorum 2, 5: PL 44, 963.

(96) Idem, De fide, spe et caritate, 7: CCL 64, 61.

(97) Cf. Conc. Ecum. de Calced�nia, Symbolum, definitio: DS 302.

(98) Cf. Jo�o Paulo II, Carta enc. Redemptor hominis (4 de Mar�o de 1979), 15: AAS 71 (1979), 286-289.

(99) Veja-se, por exemplo, S. Tom�s de Aquino, Summa theologi�, I, 16, 1; S. Boaventura, Coll. in Hex., 3, 8, 1.

(100) Const. past. sobre a Igreja no mundo contempor�neo Gaudium et spes, 15.

(101) Cf. Jo�o Paulo II, Carta enc. Veritatis splendor (6 de Agosto de 1993), 57-61: AAS 85 (1993), 1179-1182.

(102) Cf. Conc. Ecum. Vat. I, Const. dogm. sobre a f� cat�lica Dei Filius, IV: DS 3016.

(103) Cf. Conc. Ecum. Lateranense IV, De errore abbatis Ioachim, II: DS 806.

(104) Cf. Conc. Ecum. Vat. II, Const. dogm. sobre a revela��o divina Dei Verbum, 24; Decr. sobre a forma��o sacerdotal Optatam totius, 16.

(105) Cf. Jo�o Paulo II, Carta enc. Evangelium vit� (25 de Mar�o de 1995), 69: AAS 87 (1995), 481.

(106) Neste mesmo sentido, escrevi na minha primeira enc�clica, comentando a frase � conhecereis a verdade, e a verdade tornar-vos-� livres � do Evangelho de S. Jo�o (8, 32): � Estas palavras encerram em si uma exig�ncia fundamental e, ao mesmo tempo, uma advert�ncia: a exig�ncia de uma rela��o honesta para com a verdade, como condi��o de uma aut�ntica liberdade; e a advert�ncia, ademais, para que seja evitada qualquer verdade aparente, toda a liberdade superficial e unilateral, toda a liberdade que n�o compreenda cabalmente a verdade sobre o homem e sobre o mundo. Ainda hoje, depois de dois mil anos, Cristo continua a aparecer-nos como Aquele que traz ao homem a liberdade baseada na verdade, como Aquele que liberta o homem daquilo que limita, diminui e como que despeda�a pelas pr�prias ra�zes essa liberdade, na alma do homem, no seu cora��o e na sua consci�ncia � [Carta enc. Redemptor hominis (4 de Mar�o de 1979), 12: AAS 71 (1979), 280-281].

(107) Discurso de abertura do Conc�lio (11 de Outubro de 1962): AAS 54 (1962), 792.

(108) Congr. da Doutrina da F�, Instr. sobre a voca��o eclesial do te�logo Donum veritatis (24 de Maio de 1990), 7-8: AAS 82 (1990), 1552-1553.

(109) Escrevi na enc�clica Dominum et vivificantem, comentando Jo 16, 12-13: � Jesus apresenta o Consolador, o Esp�rito da Verdade, como Aquele que "ensinar� e recordar�", como Aquele que "dar� testemunho" d'Ele; agora diz: "Ele vos guiar� para a verdade total". Este "guiar para a verdade total", em rela��o com aquilo que "os Ap�stolos por agora n�o est�o em condi��es de compreender", est� necessariamente em liga��o com o despojamento de Cristo, por meio da sua paix�o e morte de cruz, que ent�o, quando Ele pronunciava estas palavras, j� estava iminente. Mas, em seguida, torna-se bem claro que aquele "guiar para a verdade total" tem a ver n�o apenas com o scandalum crucis, mas tamb�m com tudo o que Cristo "fez e ensinou" (Act 1, 1). Com efeito, o mysterium Christi na sua globalidade exige a f�, porquanto � ela que introduz o homem oportunamente na realidade do mist�rio revelado. O "guiar para a verdade total" realiza-se, pois, na f� e mediante a f�: � obra do Esp�rito da verdade e � fruto da sua ac��o no homem. O Esp�rito Santo deve ser em tudo isso o guia supremo do homem, a luz do esp�rito humano � [n. 6: AAS 78 (1986), 815-816].

(110) Cf. Conc. Ecum. Vat. II, Const. dogm. sobre a revela��o divina Dei Verbum, 13.

(111) Cf. Pontif�cia Comiss�o B�blica, Instr. sobre a verdade hist�rica dos Evangelhos (21 de Abril de 1964): AAS 56 (1964), 713.

(112) � � claro que a Igreja n�o pode estar ligada a qualquer sistema filos�fico ef�mero; aquelas no��es e termos que, segundo o consenso geral, foram compostos ao longo de v�rios s�culos pelos doutores cat�licos para se chegar a um certo conhecimento e compreens�o do dogma, sem d�vida que n�o se apoiam sobre fundamento t�o caduco. Apoiam-se, ao contr�rio, em princ�pios e no��es ditadas por um verdadeiro conhecimento da cria��o; e, para deduzirem estes conhecimentos, a verdade revelada, como se fosse uma estrela, iluminou a mente humana por meio da Igreja. Por isso, n�o h� de que maravilhar-se se alguma destas no��es acabou n�o apenas por ser usada em Conc�lios Ecum�nicos, mas foi a� de tal modo ratificada que n�o � l�cito abandon�-la � [Carta enc. Humani generis (12 de Agosto de 1950): AAS 42 (1950), 566-567; cf. Comiss�o Teol�gica Internacional, Doc. Interpretationis problema (Outubro de 1989): Enchiridion Vaticanum, XI, nn. 2717-2811].

(113) � Quanto ao pr�prio significado das f�rmulas dogm�ticas, este permanece, na Igreja, sempre verdadeiro e coerente, mesmo quando se torna mais claro e melhor compreendido. Por isso, os fi�is devem rejeitar a opini�o segundo a qual as f�rmulas dogm�ticas (ou uma parte delas) n�o podem manifestar exactamente a verdade, mas apenas aproxima��es vari�veis que, de certa forma, n�o passam de deforma��es e altera��es da mesma � [S. Congr. da Doutrina da F�, Decl. sobre a defesa da doutrina cat�lica acerca da Igreja Mysterium Ecclesi� (24 de Junho de 1973), 5: AAS 65 (1973), 403].

(114) Cf. Congr. S. Officii, Decr. Lamentabili (3 de Julho de 1907), 26: ASS 40 (1907), 473.

(115) Cf. Jo�o Paulo II, Discurso na Pontif�cia Universidade de S. Tom�s (17 de Novembro de 1979), 6: L'Osservatore Romano (ed. portuguesa de 25 de Novembro de 1979), 8.

(116) N. 32: AAS 85 (1993), 1159-1160.

(117) Cf. Jo�o Paulo II, Exort. ap. Catechesi tradend� (16 de Outubro de 1979), 30: AAS 71 (1979), 1302-1303; Congr. da Doutrina da F�, Instr. sobre a voca��o eclesial do te�logo Donum veritatis (24 de Maio de 1990), 7: AAS 82 (1990), 1552-1553.

(118) Cf. Jo�o Paulo II, Exort. ap. Catechesi tradend� (16 de Outubro de 1979), 30: AAS 71 (1979), 1302-1303.

(119) Cf. ibid., 22: o.c., 1295-1296.
(120) Cf. ibid., 7: o.c., 1282.
(121) Cf. ibid., 59: o.c., 1325.

(122) Conc. Ecum. Vat. I, Const. dogm. sobre a f� cat�lica Dei Filius, IV: DS 3019.

(123) � Ningu�m pode tratar a teologia como se fosse uma simples colect�nea dos pr�prios conceitos pessoais; mas cada um deve ter a consci�ncia de permanecer em �ntima uni�o com aquela miss�o de ensinar a verdade, de que � respons�vel a Igreja � [Jo�o Paulo II, Carta enc. Redemptor hominis (4 de Mar�o de 1979), 19: AAS 71 (1979), 308].

(124) Cf. Conc. Ecum. Vat. II, Decl. sobre a liberdade religiosa Dignitatis human�, 1-3.

(125) Cf. Exort. ap. Evangelii nuntiandi (8 de Dezembro de 1975), 20: AAS 68 (1976), 18-19.

(126) Const. past. sobre a Igreja no mundo contempor�neo Gaudium et spes, 92.

(127) Cf. ibid., 10.

(128) Pr�logo, 4: Opera omnia, t. V (Floren�a 1891), 296.

(129) Cf. Decr. sobre a forma��o sacerdotal Optatam totius, 15.

(130) Cf. Jo�o Paulo II, Const. ap. Sapientia christiana (15 de Abril de 1979), arts. 67-68: AAS 71 (1979), 491-492.

(131) Jo�o Paulo II, Discurso na Universidade de Crac�via, por ocasi�o dos 600 anos da Alma Mater Jaghel�nica (8 de Junho de 1997), 4: L'Osservatore Romano (ed. portuguesa de 21 de Junho de 1997), 6.

(132) � 'e noer� tes p�steos tr�peza � [Pseudo-Epif�nio, Homilia em louvor de Santa Maria M�e de Deus: PG 43, 493] .


Table of Contents: Albanian :Arabic :Belarusian :Bulgarian :Chinese_Simplified :Chinese_Traditional :Danish :Dutch :English :French :German :Hungarian :Italian :Japanese :Korean :Latvian :Norwegian :Persian :Polish :Portuguese :Romanian :Russian :Spanish :Swedish :Turkish :Ukrainian :