Announcing: BahaiPrayers.net


More Books by Osmar Mendes

A Felicidade Completa
A Prática da Meditação no Crescimento Espiritual do Ser Humano
Aprendendo a Ensinar a Fé Bahá'í
Consultar para melhor decidir
Família Global
Guia de Estudo do Kitáb-i-Aqdas
Martha Root - No Brasil, no Mundo, na Eternidade
O Alimento Espiritual Diário
O Sacrifício Máximo no Caminho de Deus
Paz Mundial através de uma Fé Mundial
Procuram Longe os Bens
Uma Foto e Quinze Destinos
Free Interfaith Software

Web - Windows - iPhone








Osmar Mendes : Guia de Estudo do Kitáb-i-Aqdas
GUIA DE ESTUDO DO KITÁB-I-AQDAS
O LIVRO SACRATÍSSIMO

Esta publicação contém três compilações e Guias de Estudo

(1) - A VERDADEIRA CONDUTA HUMANA:

25 parágrafos do Kitáb-i-Aqdas diretamente relacionados ao CONVÊNIO ESPIRITUAL de BAHÁ'U'LLÁH com Seus seguidores

(2) - A LEI DA ORAÇÃO OBRIGATÓRIA:
(3) - A LEI DO JEJUM:

Os três trabalhos foram preparados a serem utilizados tanto para leitura e estudo individualmente, como Estudo em grupo nas comunidades!

PRIMEIRA PARTE: Orientações de uso do Guia de Estudo

SEGUNDA PARTE: Seleção dos textos publicados no KITÁB-I-AQDAS em português

EDITORA BAHÁ'Í DO BRASIL
GUIA DE ESTUDO DO KITÁB-I-AQDAS
O LIVRO SACRATÍSSIMO
A VERDADEIRA CONDUTA HUMANA
Seleção de textos do
LIVRO SACRATÍSSIMO,
para leitura e estudo em grupo.

"Dentre os mais de cem volumes que compõem as Escrituras Sagradas de Bahá'u'lláh, o KITÁB-i-AQDAS é de importância inigualável."

"Reedifica o mundo inteiro", é a reivindicação e o desafio de Sua Mensagem, sendo o KITÁB-i-AQDAS a Carta-Magna da futura civilização mundial que Bahá'u'lláh veio eregir."

pg. 1

"Ele incrusta Seus preceitos no bojo de um tratado espiritual, mantendo sempre a mente do leitor atenta ao princípio de que estas leis, independente do assunto ao qual se referem, atendem aos propósitos múltiplos de trazer tranqüilidade à sociedade humana, elevar o padrão de conduta dos homens, ampliar o horizonte da compreensão humana e espiritualizar a vida de todos, sem exceção.

De princípio a fim, a derradeira meta das leis da religião é o relacionamento de cada alma com Deus e o cumprimento de seu destino espiritual."

Pg. 2
A CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA,
na Introdução do Kitáb-i-Aqdas,
edição em português.

* O QUE SIGNIFICA CONVÊNIO ESPIRITUAL COM BAHÁ'U'LLÁH?

A explicação é dada por Adib Taherzadeh, em trecho do livro "Para Ler o Kitáb-i-Aqdas", pgs. 24 / 25.

Adib Taherzadeh cita o 1º parágrafo do Livro Sacratíssimo, que fala do "primeiro dever prescrito por Deus a Seus servos..." que é o "reconhecimento" de Bahá'u'lláh, e que: "Cumpre a cada um que alcança esse mais sublime grau..." ... "observar todos os Mandamentos dAquele que é o Desejo do mundo. Esses deveres gêmeos são inseparáveis. Um não é aceitável sem o outro."

Então, dá o esclarecimento sobre "convênio" espiritual, com relação às leis reveladas por Bahá'u'lláh:

"Esta é a parte que cumpre ao indivíduo realizar no Convênio de Deus com o homem, ou seja, reconhecê-Lo como a Fonte de todo o bem e, então, seguir os Seus mandamentos. À luz desta verdade, vemos que Bahá'u'lláh atribui suprema importância a um dos princípios básicos de Sua Fé - a independente pesquisa da verdade.

Toda pessoa que se torna bahá'í deve investigar a verdade até que obtenha a certeza, em seu coração, de que Bahá'u'lláh é a Manifestação de Deus para esta época. Quando a pessoa alcança este estágio, a obediência aos Mandamentos torna-se por ela desejada.

E, à medida que aprofunda seu conhecimento da Fé e dirige-se a Bahá'u'lláh em busca de Seu poder, seu coração torna-se o recipiente do conhecimento que Deus concede a um fiel. É neste momento que poderá perceber a sabedoria existente em todas as leis e ensinamentos que lhe foram transmitidos.

E é neste instante que a obediência aos mandamentos de Bahá'u'lláh alia-se a um entendimento profundo de seus propósitos, sabedoria, excelência e necessidade. É quando, então, a disseminação dos ensinamentos de Bahá'u'lláh torna-se uma fonte de júbilo para a pessoa e ela descobrirá que seus pensamentos, aspirações, palavras e ações estão em harmonia com as provisões do CONVÊNIO DE DEUS com o homem."

Em outra parte do mesmo livro (pg. 138), Adib Taherzadeh esclarece mais sobre: "NOSSA PARTE NO CONVÊNIO"

"O progresso da Causa de Bahá'u'lláh depende das ações dos fiéis. Cada ato puro atrai as confirmações de Bahá'u'lláh, as quais, por sua vez, trazem vitória para a Causa. Mas, se cada pessoa não der o passo, a ajuda de Deus não poderá alcançar a comunidade bahá'í. Essa é uma das leis irrevogáveis do Convênio de Deus.

Esse Convênio tem dois lados, o de Deus e o do homem.

A parte de Deus no Convênio não pode ser confundida com a parte do homem. Deus despeja Sua generosidade e Sua graça sobre o homem, mas o homem precisa fazer o movimento necessário para recebê-las. Se ele não abrir seu coração e se submeter, as dádivas e generosidades de Deus não conseguirão alcançá-lo. Em AS PALAVRAS OCULTAS, Bahá'u'lláh formulou a lei desse Convênio com estas palavras:

"AMA-ME, A FIM DE QUE EU TE POSSA AMAR. SE NÃO ME AMAS, DE MODO ALGUM PODE O MEU AMOR TE ATINGIR.

SABE ISTO, Ó SERVO."
01. Que textos são estes?

Escreve a CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA na INTRODUÇÃO do livro, pg. 3 da edição em português:

"Quanto às leis propriamente ditas, uma análise cuidadosa revela que governam três áreas:

= o relacionamento de cada pessoa com Deus,

= assuntos de natureza material e espiritual que diretamente beneficiam o indivíduo,

= assim como as relações entre as pessoas e entre cada indivíduo e a sociedade."

Os textos selecionados para esta reunião de estudo comunitário do LIVRO SACRATÍSSIMO enquadram-se em um ou mais das 3 áreas acima.

Portanto, são textos de aplicação prática, imediata, para todos os bahá'ís, individualmente.

Lembremos todos da seguinte exortação da CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA sobre o Kitáb-i-Aqdas:

"...COLOQUEM SUA INTEIRA CONFIANÇA EM SUAS PROVISÕES;

recitem os seus versos;
estudem o seu conteúdo;
observem as suas exortações:
e assim transformem as suas vidas
de acordo com o padrão divino."
A CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA
2. Como estudar?

a. Um dos presentes lê o primeiro texto, com calma, pronunciando bem as palavras.

b. É feita uma segunda leitura, também com as palavras bem pronunciadas.

c. Todos, em silêncio, meditam alguns minutos (dois três minutos) sobre o que

significado do texto.

d. Um máximo de 3 pessoas poderão comentar como entenderam o texto, para não

levar muito tempo num texto só.

e. Passar o texto seguinte com o mesmo procedimento. Não há regra fixa. Por

exemplo:

f. Pela profundidade de algum texto, pode o mesmo ser estudado sem limite de

tempo!
* O QUE VOCÊ VAI ESTUDAR NOS TEXTOS SEGUINTES:

São os seguintes os parágrafos do KITÁB-I-AQDAS selecionados para este estudo:

= No. 1 - "O PRIMEIRO DEVER PRESCRITO POR DEUS A SEUS SERVOS..."

= No. 2 - "...OS PRECEITOS POR ELE ESTABELECIDOS CONSTITUEM OS

INSTRUMENTOS SUPREMOS PARA A MANUTENÇÃO DA ORDEM
NO MUNDO E SEGURANÇA DE SEUS POVOS."

= No. 3 - "... MEUS MANDAMENTOS SÃO AS LÂMPADAS DE MINHA AMOROSA PROVIDÊNCIA ENTRE OS MEUS SERVOS E AS CHAVES DE MINHA CLEMÊNCIA PARA AS MINHAS CRIATURAS."

= No. 33 - "INCUMBE A CADA UM DE VÓS OCUPAR-SE COM ALGUM TRABALHO ... ENALTECEMOS VOSSO EMPENHO NESSE TRABALHO AO GRAU DE ADORAÇÃO A DEUS..."

= No. 35 - "LEVANTAI-VOS PARA SERVIR À CAUSA DE DEUS..."

= No. 58 - "ACAUTELAI-VOS PARA QUE OS DESEJOS DA CARNE E DE UMA INCLINAÇÃO CORRUPTA NÃO PROVOQUEM DIVISÕES ENTRE VÓS."

= No. 59 - "CONSIDERAI A MISERICÓRDIA DE DEUS E SUAS DÁDIVAS...

"NÓS VOS CONVOCAMOS INTEIRAMENTE POR AMOR A DEUS."

= No. 71 - "ACAUTELAI-VOS PARA QUE O MUNDO NÃO VOS ILUDA ASSIM COMO ILUDIU OS QUE VOS ANTECEDERAM."

= No. 73 - "ADORNAI-VOS COM A VESTIMENTA DAS BOAS AÇÕES."

"AUXILIAI O SENHOR DE TODA A CRIAÇÃO COM OBRAS VIRTUOSAS E TAMBÉM POR MEIO DA SABEDORIA E DAS PALAVRAS."

= No. 75 - "VERDADEIRAMENTE, TODAS AS COISAS CRIADAS FORAM IMERSAS NO MAR DA PURIFICAÇÃO QUANDO, AO PRIMEIRO DIA DO RIDVÁN, ESPARGIMOS SOBRE A CRIAÇÃO INTEIRA OS FULGORES DE NOSSOS MAIS SUBLIMES NOMES E EXCELSOS ATRIBUTOS."

= No. 76 - "DEUS VOS ORDENOU O MAIOR ASSEIO..."
"TEMEI-O E SEDE DOS QUE SÃO PUROS."

= No. 116 - "OS QUE RECITAM OS VERSÍCULOS DE TODO-MISERICORDIOSO COM AS MAIS MELODIOSA ENTOAÇÃO, DESCOBRIRÃO NELES AQUILO COM O QUAL O DOMÍNIO SOBRE A TERRA E O CÉU JAMAIS SE PODERÁ COMPARAR."

"ESTES VERSÍCULOS ATRAEM OS CORAÇÕES PUROS AOS MUNDOS ESPIRITUAIS..."

= No. 119 - "É INADMISSÍVEL QUE O HOMEM, TENDO SIDO DOTADO DE RAZÃO, CONSUMA AQUILO QUE LHA ROUBE."

= No. 120 - "ADORNAI VOSSAS CABEÇAS COM ... FIDEDIGNIDADE E DA LEALDADE, VOSSOS CORAÇÕES COM ... O TEMOR A DEUS, VOSSAS LÍNGUAS COM A VERACIDADE ABSOLUTA, VOSSOS CORPOS COM A VESTIMENTA DA CORTESIA."

= No. 122 - "CONSIDERAI A MESQUINHEZ DOS HOMENS, PEDEM O QUE LHES TRAZ DANO E DESPREZAM O QUE LHES É PROVEITOSO."

= No. 123 - "AO FIM, A LIBERDADE CONDUZIRÁ À SEDIÇÃO, CUJAS CHAMAS NINGUÉM PODE EXTINGUIR."

"O QUE CONVÉM AO HOMEM É A SUBMISSÃO ÀQUELAS RESTRIÇÕES QUE O PROTEJAM DE SUA PRÓPRIA IGNORÂNCIA E GUARDEM-NO DO DANO CAUSADO PELOS MALÉVOLOS."

= No. 124 - "CONSIDERAI OS HOMENS COMO UM REBANHO DE OVELHAS QUE NECESSITAM DE UM PASTOR QUE AS PROTEJA."

= No. 125 - "A VERDADEIRA LIBERDADE CONSISTE NA SUBMISSÃO DO HOMEM AOS MEUS MANDAMENTOS."

"A LIBERDADE QUE VOS É PROVEITOSA, SÓ SE ENCONTRA EM COMPLETA SERVITUDE A DEUS, A VERDADE ETERNA."

= No. 134 - "ESTAI ATENTOS PARA QUE OS ASSUNTOS E PREOCUPAÇÕES DESTE MUNDO NÃO VOS IMPEÇAM DE SEGUIR O QUE VOS FOI ORDENADO PELO PODEROSO, O FIEL."

= No. 144 - "CONVIVEI COM TODAS AS RELIGIÕES EM AMIZADE E CONCÓRDIA."

= No. 148 - "NO LIVRO DE DEUS PROIBIU-SE-VOS A CONTENDA E O CONFLITO, A AGRESSÃO AO PRÓXIMO E ATOS SIMILARES QUE POSSAM ENTRISTECER OS CORAÇÕES E AS ALMAS."

= No. 149 - "RECITAI OS VERSÍCULOS DE DEUS A CADA MANHÃ E ANOITECER. QUEM NÃO OS RECITA NÃO É FIEL AO CONVÊNIO DE DEUS E A SEU TESTAMENTO."

= No. 153 - "SE ALGUÉM SE ENCOLERIZAR CONVOSCO, RESPONDEI-LHE COM GENTILEZA; SE VOS INSULTAR, EVITAI INSULTÁ-LO EM REVIDE - DEIXAI-O A SÓS E COLOCAI VOSSA CONFIANÇA EM DEUS."

= No. 182 - "IMERGI-VOS NO OCEANO DE MINHAS PALAVRAS...

"GUARDAI-VOS DE VACILAR EM VOSSA DETERMINAÇÃO DE ABRAÇAR A VERDADE DESTA CAUSA..."

= No. 183 - "EIS A INFALÍVEL BALANÇA NA MÃO DE DEUS, NA QUAL SÃO PESADOS TODOS OS QUE ESTÃO NOS CÉUS E TODOS OS QUE ESTÃO NA TERRA, E LHES É DETEMINADO O DESTINO."

"SEDE TÃO FIRMES QUANTO A MONTANHA INABALÁVEL NA CAUSA DE VOSSO SENHOR, O PODEROSO, O DEUS DE AMOR:"

= São 25 parágrafos do Kitáb-i-Aqdas aqui selecionados, para leitura atenta, estudo, meditação e vivenciamento prático.

= Tão óbvios, claros e evidentes, são a maioria deles, que a CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA apenas 5 deles esclareceu-os em NOTAS.

São os de nos. 33, 75, 134, 148 e 149. Textos das NOTAS, ao final.

* GUIA DE ESTUDO ATRAVÉS DO SISTEMA "PERGUNTAS E PESQUISA DA RESPOSTA:

Pergunta No.:
Texto da pergunta a ser pesquisada:
No. Parágrafo:
(1)

- Qual o primeiro dever prescrito por Deus a Seus servos? ............................................................................

1
(2)

- Quem cumpre esse dever atinge o que? .......................

1
(3)

- E quem dele se priva, mesmo que seja o autor de todos os atos retos, é contado entre que tipo de pessoas?

1
(4)

- Quem se desvia dos preceitos de Deus, é contado entre os ____________ e ________________

- Que palavras devem entrar nesses 2 espaços?
2
(5)

- Que diz Bahá'u'lláh aos "POVOS DO MUNDO!" com relação aos Seus Mandamentos? ............................

3
(6)

- A que grau espiritual compara Bahá'u'lláh o fato de alguém, do povo de Bahá, ocupar-se com algum trabalho, ofício, comércio ou algo semelhante? .............

33
(7)

- Bahá'u'lláh conclama os "servos do Misericordioso" a se levantarem para servir a Causa de Deus. Preocupações e tristezas podem ocorrer. Qual a atitude de Seu servo quando isso ocorre? ...................................

35
(8)

- Desejos da carne e inclinação corrupta podem causar um grande mal à Causa. Que mal é esse, e como devemos ser, no conselho de Bahá'u'lláh? .....................

58
(9)

- O que diz Bahá'u'lláh sobre nossas "más ações" e nossas "boas obras"? .......................................................

- Por amor de quem Ele nos convoca? ............................

59
59
(10)

- Como nos acautelar-nos contra as "ilusões do mundo?" .........................................................................

71
(11)

- Com que "vestimenta devemos nos adornar" ...............

- Como melhor "auxiliar o Senhor?" Bahá'u'lláh destaca 3 formas. Quais são? ..........................................

73
73
(12)

- Bahá'u'lláh aboliu que tipo de "impureza"? ................

Quando imergiu Ele todas as coisas criadas "no mar da purificação"? ...................................................................

75
75
(13)

- Que diz Bahá'u'lláh sobre o "maior asseio"? ...............

- O que ocorre se orarmos com "vestes visivelmente sujas"? .............................................................................

76
76
(14)

- O que acontece aos que "recitam os versículos do Todo-Misericordioso com a mais melodiosa entoação"?

116
(15)

- O homem foi dotado de razão - afirma Bahá'u'lláh - O que pode roubá-la? E como incumbe ao ser humano portar-se-? .......................................................................

119
(16)

- Com que "lauréis" devemos adornar nossas cabeças? .

- E nossos corações? .......................................................

- E nossas línguas? ..........................................................

- E nossos corpos? ..........................................................

120
120
120
120
(17)

- O que nos acontecerá se nos firmarmos "à corda da servitude a Deus"? ..........................................................

120
(18)

- Os parágrafos 122 a 125 tratam do conceito de LIBERDADE:

a) - Que diz Bahá'u'lláh da "mesquinhez do juízo dos homens"? ........................................................................

122
b) - O que é "sedição"? (ver no Dicionário)

Por que suas "chamas ninguém pode extinguir"? ...........

123

c) - O que convém ao homem? ......................................

123

d) - Como coletividade (rebanho de ovelhas) do que os homens precisam? ...........................................................

124

-- Para consulta: Quais as diferenças entre um "pastor" e um "rei", um "ditador", um "líder político" ou mesmo um "filósofo" ou "um grande pensador"? --

(19)

- Em que consiste a verdadeira liberdade? ......................

125
(20)

- Por que devemos estar "atentos" "aos assuntos e preocupações deste mundo"? ..........................................

134
(21)

- Como devemos viver "com todas as religiões"? ..........

- O que devemos "VIGIAR" "quando entre os homens"? ........................................................................

144
144
(22)

- Que tipo de conduta Bahá'u'lláh proibiu fortemente no LIVRO DE DEUS, que pode "entristecer os corações e as almas"? .....................................................

148
(23)

- O que formam "a balança infalível estabelecida por Deus"? .............................................................................

148
(24)

- Quando, em que partes do dia, somos instados a "recitar os versículos de Deus"? .....................................

- E se não o fizermos, o que isso significará? .................

149
149
(25)

- Com que intensidade devemos "recitar os versículos sagrados"? Até a fadiga, p. exemplo? .............................

149
(26)

- Como reagir, quando insultados por alguém? ..............

153
(27)

- Por que devemos "imergimo-nos no oceano" das Palavras reveladas por Bahá'u'lláh? ...............................

182
(28)

- O que a "Infalível Balança na Mão de Deus"? .............

183
(29)

- Por intermédio do quê, "concedeu-se riqueza aos pobres"? ..........................................................................

183
(30)

- E "esclarecimento aos eruditos"? .................................

183
Parágrafos do Kitáb-i-Aqdas.
EM NOME DO SOBERANO SUPREMO
DE TUDO O QUE FOI
E DE TUDO O QUE SERÁ

O PRIMEIRO DEVER PRESCRITO por Deus a Seus servos é o reconhecimento dAquele que é o Alvorecer de Sua Revelação e a Fonte de Suas leis, Aquele que representa a Deidade tanto no Reino de Sua Causa como no mundo da criação. Quem cumpre esse dever atinge todo o bem, e quem dele se priva conta-se entre os extraviados, mesmo que seja o autor de todos os atos retos. Cumpre a cada um que alcança esse mais sublime grau, esse ápice de transcendente glória, observar todos os mandamentos dAquele que é o Desejo do mundo. Esses deveres gêmeos são inseparáveis. Um não é aceitável sem o outro. Assim decretou Aquele que é o Manancial da inspiração divina. (1)

Aqueles que Deus dotou de discernimento prontamente reconhecerão que os preceitos por Ele estabelecidos constituem os instrumentos supremos para a manutenção da ordem no mundo e a segurança de seus povos. Quem deles se desvia conta-se entre os abjetos e insensatos. Verdadeiramente, Nós vos ordenamos resistir aos ditames das vossas más paixões e desejos corruptos e não transpor os limites que a Pena do Altíssimo fixou, pois são o alento de vida para todas as coisas criadas. Os mares da sabedoria divina e das palavras de Deus encapelaram-se ao sopro da brisa do Todo-Misericordioso. Apressai-vos por saciar vossa sede, ó homens de compreensão! (2)

Ó vós, povos do mundo! Sabei com certeza que Meus mandamentos são as lâmpadas de Minha amorosa providência entre os Meus servos e as chaves de Minha clemência para as Minhas criaturas. Eis o que se fez descer do céu da Vontade de vosso Senhor, o Senhor da Revelação. Se algum homem saboreasse a doçura das palavras que os lábios do Todo-Misericordioso decidiram pronunciar, ele renunciaria aos tesouros da terra, mesmo que os possuísse todos, a fim de vindicar a verdade de ao menos um dos Seus mandamentos, os quais se irradiam da Aurora de Sua benevolência e de Seu generoso cuidado. (3)

Ó povo de Bahá! Incumbe a cada um de vós ocupar-se com algum trabalho, seja um ofício, um comércio ou algo semelhante. Enaltecemos vosso empenho nesse trabalho ao grau de adoração ao Deus Uno e Verdadeiro. Ponderai, ó povo, sobre a mercê e as bênçãos do vosso Senhor, e rendei-Lhe graças ao anoitecer e ao raiar do dia. Não desperdiceis vossas horas com indolência e preguiça, mas sim ocupai-vos com aquilo que a vós e aos outros beneficiará. Assim decretou-se nesta Epístola em cujo horizonte brilhou o sol da sabedoria e da explanação. Dentre todos os homens, os mais desprezíveis aos olhos de Deus são os que se sentam e mendigam. Segurai-vos firmemente à corda dos recursos e colocai vossa confiança em Deus, o Provedor de todos os recursos. (33)

Ó vós, servos do Misericordioso! Levantai-vos para servir à Causa de Deus de tal modo que vos não aflijam as preocupações e tristezas causadas pelos que desacreditaram no Alvorecer dos Sinais de Deus. Ao cumprir-se a Promessa e manifestar-Se o Prometido, divergências surgiram entre os povos da terra e cada qual seguiu sua própria fantasia e imaginações fúteis. (35)

Acautelai-vos para que os desejos da carne e de uma inclinação corrupta não provoquem divisões entre vós. Sede como os dedos de uma só mão, os membros do mesmo corpo. Assim vos aconselha a Pena da Revelação - se sois dos que crêem. (58)

Considerai a misericórdia de Deus e Suas dádivas. Ele vos ordena o que vos beneficiará, embora Ele próprio bem possa dispensar todas as criaturas. Vossas más ações jamais Nos haverão de prejudicar, nem podem vossas boas obras Nos trazer proveito. Nós vos convocamos inteiramente por amor a Deus. Todo homem de compreensão e discernimento disso dará testemunho. (59)

Acautelai-vos para que o mundo não vos iluda assim como iludiu os que vos antecederam. Guardai as leis e preceitos de vosso Senhor e seguir este Caminho que vos foi mostrado com retidão e verdade. Os que se afastam da iniqüidade e do erro e aderem à virtude estão, aos olhos de Deus uno e verdadeiro, entre as melhores de Suas criaturas; seus nomes são enaltecidos pela Assembléia dos reinos do alto e por aqueles que habitam nesse Tabernáculo que foi erguido em nome de Deus. (71)

Adornai-vos com a vestimenta das boas ações. Aquele cujas obras agradam a Deus pertence seguramente ao povo de Bahá, e é lembrado ante o Seu trono. Auxiliai o Senhor de toda a criação com obras virtuosas e também por meio da sabedoria e das palavras. Deveras, assim o Todo-Misericordioso vos ordenou na maioria das Epístolas. Ele, verdadeiramente, é ciente do que digo. Cessais as contendas, e que nenhuma alma cause a morte de outra. Isso, veramente, é o que vos foi proibido num Livro que permanecera oculto dentro do Tabernáculo glorioso. Quê?! Mataríeis quem Deus vivificou, quem Ele dotou de espírito com um sopro Seu? Abominável seria o vosso delito ante o Seu trono! Temei a Deus, e não levanteis a mão da injustiça e opressão para destruir o que Ele próprio edificou; não, trilhai a senda de Deus, o Verdadeiro. Nem bem surgiram as hostes do conhecimento verdadeiro, portando os estandartes das palavras Divinas, e as tribos das religiões puseram-se em fuga, exceto aquelas que escolheram beber da fonte da vida eterna num Paraíso criado pelo sopro do Todo-Glorioso. (73)

De modo idêntico, Deus, por generosidade Sua, aboliu o conceito de "impureza" pelo qual diferentes coisas e povos foram tidos como impuros. Ele, certamente, é o Sempre-Piedoso, o Generosíssimo. Verdadeiramente, todas as coisas criadas foram imersas no mar da purificação quando, ao primeiro dia do Ridván, espargimos sobre a criação inteira os fulgores de Nossos mais sublimes Nomes e excelsos Atributos. Eis, veramente, um sinal de Minha amorosa providência, a qual abrangeu todos os mundos. Convivei, pois, com os seguidores de todas as religiões, e proclamai a Causa de vosso Senhor, o Mais Compassivo. É esse o próprio diadema de todos os atos, se sois dos que compreendem. (75)

Deus vos ordenou manter o maior asseio, a ponto de lavar mesmo o que esteja maculado de pó, quanto mais sujeira encardida e nódoas semelhantes. Temei-O, e sede dos que são puros. Não ascenderão a Deus as orações de quem tiver as vestes visivelmente sujas, e a Assembléia celestial evitá-lo-á. Fazei uso de água de rosas e essência de perfume; isso, em verdade, é o que Deus estima desde o princípio que não tem princípio, para que se possa difundir de vós o que é do desejo de vosso Senhor, o Incomparável, o Onissapiente. (76)

Os que recitam os versículos do Todo-Misericordioso com a mais melodiosa entoação, descobrirão neles aquilo com o qual o domínio sobre a terra e o céu jamais se poderá comparar. Inalarão nestes versículos a fragrância divina de Meus mundos - mundos que hoje ninguém pode discernir, salvo os que foram dotados de visão por esta Revelação sublime e formosa. Dize: Estes versículos atraem os corações puros aos mundos espirituais que nem as palavras podem descrever nem as alusões insinuar. Bem-aventurados os que refletem. (116)

É inadmissível que o homem, tendo sido dotado de razão, consuma aquilo que lha roube. Não! Incumbe-lhe, sim, portar-se de um modo digno da condição humana, e não conforme as iniqüidades das almas insensatas e inconstantes. (119)

Adornai vossas cabeças com os lauréis da fidedignidade e da lealdade, vossos corações com o atavio do temor a Deus, vossas línguas com a veracidade absoluta, vossos corpos com a vestimenta da cortesia. Esses, em verdade, são adornos dignos do templo humano, se sois dos que ponderam. Ó povo de Bahá, firmai-vos à corda da servitude a Deus, o Verdadeiro, pois assim vossas posições se tornarão manifestas, vossos nomes serão anotados e preservados, vossos graus serão elevados e vossa memória será enaltecida na Epístola Preservada. Acautelai-vos para que os habitantes da terra não vos impeçam de alcançar essa posição gloriosa e excelsa. Assim Nós vos exortamos na maioria de Nossas Epístolas e agora nesta, Nossa Epístola Sagrada, sobre a qual brilhou o Sol das Leis do Senhor vosso Deus, o Poderoso, o Sapientíssimo. (120)

Considerai a mesquinhez do juízo dos homens! Pedem o que lhes traz dano e desprezam o que lhes é proveitoso. São, em verdade, dos que longe se perderam. Vemos alguns desejando a liberdade e vangloriando-se disso. Tais homens estão nas profundezas da ignorância. (122)

Ao fim a liberdade conduzirá à sedição, cujas chamas ninguém pode extinguir. Assim Ele que é o Avaliador, o Onisciente, vos adverte. Sabei vós que a personificação e símbolo da liberdade é o animal. O que convém ao homem é a submissão àquelas restrições que o protejam de sua própria ignorância e guardem-no do dano causado pelos malévolos. A liberdade faz o homem transpor os limites do decoro e violar a dignidade da sua posição. Rebaixa-o à depravação e malícia extremas. (123)

Considerai o homem como um rebanho de ovelhas que necessitam de um pastor que as proteja. Isso realmente é a verdade, a verdade certa. Aprovamos a liberdade em certas circunstâncias e recusamo-Nos a sancioná-la em outras. Nós, em verdade, somos o Onissapiente. (124)

Dize: A verdadeira liberdade consiste na submissão do homem aos Meus mandamentos, conquanto não o percebais. Observassem os homens o que Nós lhes enviamos do Céu da Revelação, eles, com toda certeza, atingiriam a liberdade perfeita. Feliz quem apreende o Desígnio de Deus em tudo o que Ele revelou do Céu de Sua Vontade, a qual permeia todas as coisas criadas. Dize: A liberdade que vos é proveitosa só se encontra em completa servitude a Deus, a Verdade Eterna. Quem experimentar a sua doçura recusará trocá-la por todo o domínio da terra e do céu. (125)

Estai atentos para que os assuntos e preocupações deste mundo não vos impeçam de seguir o que vos foi ordenado pelo Poderoso, o Fiel. Sede a personificação de tal firmeza entre os homens que não sejais apartados de Deus pelas dúvidas dos que descreram nEle quando Ele Se manifestou investido de soberania majestosa. Vigiai para que nada gravado no Livro vos impeça de acatara este, o Livro Vivente, que proclama esta verdade: "Veramente não há outro Deus além de Mim, o Eminentíssimo, o Todo-Louvado". Contemplai com os olhos da eqüidade Aquele que desceu do céu da vontade e do poder divinos, e não sejais dos que agem com injustiça. (134)

Convivei com todas as religiões em amizade e concórdia para que se inale de vós a doce fragrância de Deus. Vigiai para que a chama da tola ignorância não vos domine quando entre os homens. Tudo procede de Deus e a Ele retorna. Ele é a origem de tudo e nEle todas as coisas findam. (144)

No Livro de Deus proibiu-se-vos a contenda e o conflito, a agressão ao próximo e atos similares que possam entristecer os corações e as almas. O Senhor de toda a humanidade anteriormente prescrevera uma multa de dezenove mithqáls de ouro a quem causasse tristeza a outrem. Nesta Dispensação, entretanto, Ele vos isentou disso e vos exorta à retidão e piedade. É este o mandamento que Ele vos impôs nesta Epístola resplandecente. Não desejeis para os outros o que não desejais para vós próprios; temei a Deus e não sejais dos arrogantes. Da água fostes todos criados, e ao pó voltareis. Ponderai sobre o fim que vos aguarda, e não trilheis a vereda dos opressores. Atendei aos versículos de Deus que vos são recitados por Aquele que é a sagrada Árvore Celestial. Eles, seguramente, são a balança infalível estabelecida por Deus, o Senhor deste mundo e do vindouro. Por meio deles a alma humana alça vôo rumo ao Alvorecer da Revelação, e o coração de todo verdadeiro fiel é inundado de luz. São essas as leis que Deus vos impôs - esses os mandamentos que vos foram prescritos na Sua Epístola Sagrada. Obedecei-os com alegria e contentamento, pois é o que vos melhor convém, se apenas o soubésseis. (148)

Recitai os versículos de Deus a cada manhã e anoitecer. Quem não os recita não é fiel ao Convênio de Deus e Seu Testamento, e quem neste Dia se afasta destes versículos sagrados é dos que por toda a eternidade se afastaram de Deus. Temei vós todos a Deus, ó Meus servos! Não vos ufaneis de muito lerdes os versículos, ou da profusão de atos pios realizados noite e dia. Pois ler um único versículo com júbilo e radiância é melhor do que a leitura enfastiada de todos os Livros Sagrados de Deus, o Amparo no perigo, O que existe por Si só. Recitai os versículos sagrados em tal medida que vos não sobrevenha a prostração e o desânimo. Não sujeiteis vossas almas ao que lhes traz fadiga e abatimento, mas sim alívio e ânimo, para que se ergam nas asas dos versículos divinos rumo ao Nascente de Seus sinais manifestos. Assim vos aproximareis de Deus, se o apenas compreendêsseis. (149)

Se alguém se encolerizar convosco, respondei-lhe com gentileza; se vos insultar, evitai insultá-lo em revide - deixai-o a sós, e colocai vossa confiança em Deus, o Vingador Onipotente, o Senhor de Justiça e Poder. (153)

Imergi-vos no oceano de Minhas palavras, para que possais desvendar-lhe os segredos e descobrir todas as pérolas de sabedoria que jazem ocultas em suas profundezas. Guardai-vos de vacilar em vossa determinação de abraçar a verdade desta Causa - uma Causa através da qual se revelaram as potencialidades da grandeza de Deus e se estabeleceu Sua soberania. Apressai-vos a Ele com as faces radiante de júbilo! Esta é a imutável Fé divina, eterna no passado, eterna no futuro. Que seja alcançada por quem busca. Quanto àquele que se recusou a buscá-la - verdadeiramente, Deus é Auto-Suficiente e não carece de nenhuma de Suas criaturas. (182)

Dize: Eis a infalível Balança da Mão de Deus, na qual são pesados todos os que estão nos céus e todos os que estão na terra, e lhes é determinado o destino - se sois dos que reconhecem esta verdade e nela crêem. Dize: Eis o Testemunho Supremo, através do qual se validaram todas as provas ao longo dos séculos, pudésseis vós assegurar-vos disso. Dize: Por seu intermédio concedeu-se riqueza aos pobres, esclarecimento aos eruditos e os que buscavam puderam ascender à presença de Deus. Guardai-vos de fazer dele causa de dissensão entre vós. Sede tão firmes quanto a montanha inabalável na Causa do vosso Senhor, o Poderoso, o Deus de Amor. (183)

NOTAS
56. ocupar-se com algum trabalho ¶ 33

É obrigatório que homens e mulheres se ocupem com algum negócio ou profissão. Bahá'u'lláh enaltece o "empenho nesse trabalho ao grau de adoração" a Deus. Os significados espiritual e prático dessa lei, e a responsabilidade que respectivamente cabe ao indivíduo e à sociedade para sua implementação, são explanados em uma carta escrita em nome de Shoghi Effendi:

Quanto à ordem de Bahá'u'lláh para que os fiéis se ocupem em algum tipo de profissão: os Ensinamentos são extremamente enfáticos nesse sentido, em especial a afirmação contida no Aqdas a propósito disso, que deixa bem claro não haver lugar, na nova Ordem Mundial, para pessoas indolentes, sem vontade de trabalhar. Como corolário desse princípio, Bahá'u'lláh afirma, ademais, que não apenas se deve desencorajar a mendicância, mas também que ela deve ser totalmente eliminada da face da sociedade. Os encarregados de organizar a sociedade têm o dever de oferecer a cada pessoa a oportunidade de adquirir a capacitação necessária a algum tipo de profissão, bem como os meios para colocá-la em prática, tanto por causa dela mesma quanto para que a pessoa possa ganhar seu sustento. Todo indivíduo, não importa quão incapacitado ou limitado possa ser, é obrigado a ocupar-se em algum trabalho ou profissão, pois, o trabalho, especialmente quando realizado em espírito de serviço, é, de acordo com Bahá'u'lláh, uma forma de adoração. Não apenas possui um propósito utilitário, mas contém um valor em si mesmo, porque nos aproxima de Deus e nos capacita a melhor entender o propósito que Ele nos reserva neste mundo. É evidente, portanto, que a herança de riqueza não desobriga ninguém do trabalho diário.

Em uma de Suas Epístolas, 'Abdu'l-Bahá afirma que "se alguém for incapaz de ganhar o próprio sustento, estiver sujeito à pobreza extrema, ou ficar desamparado, então incumbe aos ricos ou aos Mandatários proverem-no de uma pensão mensal para sua subsistência. ... Por 'Mandatários' entendem-se os representantes do povo, ou seja, os membros da Casa de Justiça." (Vide também a nota 162 sobre mendicância.)

Perguntada se a injunção de Bahá'u'lláh também exige que uma mulher, sendo mãe, trabalhe para ganhar a vida, juntamente com o marido, a Casa Universal de Justiça explicou que a instrução de Bahá'u'lláh é que os amigos se ocupem em uma atividade que beneficie a eles mesmos e aos demais, e que os afazeres domésticos são uma forma de trabalho extremamente honrada e responsável, de importância fundamental para a sociedade.

Quanto à aposentaria daqueles que alcançaram determinada idade, Shoghi Effendi, em carta escrita em seu nome, afirmou que "isso é um assunto sobre o qual a Casa Internacional de Justiça terá de legislar, já que o Aqdas preceitua a esse respeito".

162. É ilícito mendigar e proibido dar esmolas ao pedinte. ¶ 147

'Abdu'l-Bahá expõe o sentido desse versículo numa Epístola. Ele afirma que "a mendicância é proibida e que também é ilícito dar esmolas aos que fazem da mendicância uma profissão". Na mesma Epístola, Ele salienta ademais: "O objetivo é que se elimine definitivamente a mendicância. Contudo, se alguém for incapaz de ganhar o próprio sustento, estiver sujeito à pobreza extrema, ou ficar desamparado, então incumbe aos ricos ou aos Mandatários proverem-no de uma pensão mensal para sua subsistência. ... Por 'Mandatários' entendem-se os representantes do povo, ou seja, os membros da Casa de Justiça."

A proibição de se dar esmolas aos mendicantes não impede que as pessoas e as Assembléias ofereçam ajuda financeira aos pobres e necessitados, ou que lhes propiciem oportunidades de adquirir as habilidades que lhes permitam ganhar a vida (vide nota 56).

106. Deus ... aboliu o conceito de "impureza" pelo qual diferentes coisas e povos foram tidos como impuros. ¶ 75

O conceito de "impureza" ritual, como foi entendido e praticado em algumas sociedades tribais e nas comunidades religiosas de certas Dispensações do passado, foi abolido por Bahá'u'lláh. Ele afirma que, através de Sua Revelação, "todas as coisas criadas foram imersas no mar da purificação". (Vide também as notas 12, 20 e 103).

107. primeiro dia do Ridván ¶ 75

Isso refere-se à chegada de Bahá'u'lláh e Seus companheiros ao Jardim de Najíbíyyih, que ficava fora da cidade de Bagdá e que mais tarde os bahá'ís passaram a chamar de Jardim de Ridván. Esse evento, que ocorreu trinta e um dias após o Náw-Rúz, em abril de 1863, deu início ao período no qual Bahá'u'lláh declarou Sua Missão a Seus companheiros. Numa Epístola, Ele refere-Se à Sua Declaração como "o Dia da suprema felicidade" e descreve o Jardim de Ridván como "o Lugar de onde Ele espargiu sobre a criação inteira os esplendores de Seu Nome, o Todo-Misericordioso". Bahá'u'lláh passou doze dias nesse Jardim antes de partir para Istambul, para onde fora banido.

A Declaração de Bahá'u'lláh é celebrada anualmente durante os doze dias do Festival de Ridván, descrito por Shoghi Effendi como "o mais santo e mais significativo de todos os festivais bahá'ís".

155. Vigiai para que nada gravado no Livro vos impeça de acatar este, o Livro Vivente ¶ 134

O "Livro" é o registro da Palavra revelada pelas Manifestações de Deus.

O "Livro Vivente" refere-se à Pessoa do Manifestante.

Essas palavras aludem a uma declaração do Báb no Bayán Persa a respeito do "Livro Vivente", identificado por Ele como Aquele que Deus tornará manifesto. Em uma de Suas Epístolas o próprio Bahá'u'lláh declara: "O Livro de Deus se fez descer na forma deste Jovem."

Neste versículo do Aqdas, como também no parágrafo 168, Bahá'u'lláh refere-Se a Si mesmo como o "Livro Vivente". Ele adverte "os seguidores de todas as outras Fés" para que não busquem, "em seus Livros Sagrados, razões para renegar" os pronunciamentos do "Livro Vivente". Ele admoesta o povo a não permitir que aquilo registrado no "Livro" os impeça de reconhecer Sua Posição e de firmar-se àquilo estabelecido nesta nova Revelação.

163. uma multa ... a quem causasse tristeza a outrem ¶ 148

Bahá'u'lláh ab-roga a lei do Bayán Persa referente ao pagamento de uma multa como reparação por se ter causado tristeza ao próximo.

164. a sagrada Árvore Celestial ¶ 148

A "sagrada Árvore Celestial" é uma alusão ao Sadratu'l-Muntahá, a "Árvore além da qual não há passagem" (vide nota 128). A expressão aqui simboliza o próprio Bahá'u'lláh.

165. Recitai os versículos de Deus a cada manhã e anoitecer. ¶ 149

Bahá'u'lláh afirma que o "requisito" essencial para a recitação dos "versículos de Deus" é "o anseio e o amor" dos crentes em "ler a Palavra de Deus" (P&R 68).

No tocante à definição de "versículos de Deus", Bahá'u'lláh declara que ela se refere "a tudo o que desceu do Firmamento da Elocução Divina". Em uma carta escrita em seu nome aos crentes do Oriente, Shoghi Effendi esclareceu que o termo "versículos de Deus" não inclui os escritos de 'Abdu'l-Bahá; também afirmou que o termo não se aplica a seus próprios escritos.

GUIA DE ESTUDO DO KITÁB-I-AQDAS
O LIVRO SACRATÍSSIMO
A LEI DA ORAÇÃO OBRIGATÓRIA

PRIMEIRA PARTE: Orientações de uso do Guia de Estudo

SEGUNDA PARTE: Textos do KITÁB-I-AQDAS, "Perguntas e Respostas", e "NOTAS", da Casa Universal de Justiça.

APRESENTAÇÃO:

Esta seleção de textos do KITÁB-I-AQDAS sobre as ORAÇÕES OBRIGATÓRIAS inclui todas as referências constantes a essa Lei sagrada de Bahá'u'lláh publicadas na edição em português do Livro Sacratíssimo.

Nesta parte que antecede a seleção dos textos, publicamos também o resumo geral da Lei da Oração Obrigatória, conforme consta da SINOPSE E CODIFICAÇÃO preparada pela Casa Universal de Justiça.

Sobre a importância da Lei da Oração Diária Obrigatória, leiamos o que diz Adib Taherzadeh no livro, publicado em português, "PARA LER O KITÁB-I-AQDAS":

"Bahá'u'lláh revelou três orações obrigatórias para o indivíduo e ordenou-lhe recitar uma delas. São conhecidas como as orações obrigatórias: longa, média e curta.

Nas duas primeiras, Bahá'u'lláh ordenou certas genuflexões destinadas a intensificar a devoção e a servidão do homem ao seu Criador.

Bahá'u'lláh atribui a mais extrema importância à ORAÇÃO OBRIGATÓRIA. 'Abdu'l-Bahá, em uma de Suas Epístolas, descreve-a como "o próprio alicerce da Causa de Deus" e a "origem da vida espiritual do indivíduo".

Sobre a importância da obediência individual às leis de Deus, revelou Bahá'u'lláh:

"As leis de Deus foram enviadas do céu de Sua mais augusta Revelação. Todos devem observá-las com diligência.

A suprema distinção do homem, seu verdadeiro progresso, sua vitória final, delas sempre têm dependido e continuarão a depender."

A seguir, para motivação do estudo e para auto-avaliação do conhecimento que o leitor julga ter sobre essa Lei, apresentamos um questionário didático para melhor aproveitamento do estudo deste Guia. Ele foi preparado para estudo-em-grupo, nas comunidades, mas pode perfeitamente ser utilizado individualmente, no lar, para estudo pessoal.

Esclarecimento: Obviamente, além das orações obrigatórias diárias, existem centenas de orações reveladas pelo Báb, por Bahá'u'lláh e por 'Abdu'l-Bahá, que são de natureza diferente das orações obrigatórias. Sua recitação é voluntária e pode ser feita sempre que a pessoa sentir-se motivada a isso, seja em particular ou na companhia de outras pessoas.

A ORAÇÃO OBRIGATÓRIA DIÁRIA

Auto-avalie seus conhecimentos sobre esta sagrada Lei do Kitáb-i-Aqdas:

CONFIRME SUA RESPOSTA COM O TEXTO ORIGINAL.

PARA ISSO, AO FINAL DE CADA PERGUNTA ENCONTRARÁ A REFERÊNCIA À PÁGINA DESTE GUIA ONDE VOCÊ TERÁ A RESPOSTA CERTA.

APRENDA, AGUÇANDO SUA CURIOSIDADE TENTANDO RESPONDER ANTES DE IR DIRETO AO TEXTO COM A RESPOSTA.

(1) - Bahá'u'lláh fala em nove rak'ahs, que seria o número de vezes da oração obrigatória original. E diz, logo em seguida: "DISPENSAMO-VOS DE UM MAIOR NÚMERO POR MEIO DE UM DECRETO DE DEUS." (K-6)

Perguntas:
a - O que é um rak'ah? (Nota 4 pg. 8 do Guia)

b - O que aconteceu com a Oração Obrigatória original, prevista para os

nove rak'ahs? (Nota 4, p. 8 e Nota 9, p. 9)

c - Em substituição à Oração Obrigatória original, que orações obrigatórias

temos atualmente? (Nota 9, p. 9)

(2) - Ainda no parágrafo 6 (K-6) do Kitáb-i-Aqdas, Bahá'u'lláh afirma que quando "DESEJARDES OFERTAR ESSA PRECE, VOLVEI-VOS À CORTE DE MINHA SACRATÍSSIMA PRESENÇA, ESTE LUGAR CONSAGRADO QUE DEUS FEZ O CENTRO EM CUJO REDOR CIRCULA A ASSEMBLÉIA DO ALTO E DECRETOU COMO O PONTO DE ADORAÇÃO..."

Perguntas:

a - Como se chama "O PONTO DE ADORAÇÃO" mencionado por Bahá'u'lláh? (Nota 7, p. 9)

b - Onde se localiza, hoje, esse Ponto de Adoração? (Nota 8, p. 9)

c - Em quais orações bahá'ís deve o fiel voltar-se ao QIBLIH quando ora:

1. toda e qualquer oração?
2. alguma das orações obrigatórias?
3. qual delas?

4. como você identifica a direção do QIBLIH ao orar?

(3) - No parágrafo 12 (K-12), Bahá'u'lláh orienta como o fiel deve fazer a oração obrigatória:

Perguntas:

a - sozinho ou em companhia da família? (K-12, p. 2)

b - ou durante uma reunião comunitária? (K-12, p. 2, e Nota 19)

c - em que horários devem ser feitas as orações:
1. a longa? (Nota 5, p. 8,
2. a média? P/R Perguntas e
3. a curta? Respostas no. 83 p. 7)

(4) - As orações obrigatórias, das quais pelo menos uma deve ser escolhida e recitada diariamente, estão publicadas na edição em português do KITÁB-I-AQDAS, nas páginas 74 a 81.

Muitos bahá'ís sabem de cor as orações obrigatórias:

Vamos ver se você, querido leitor, identifica de cor a que oração obrigatória pertence o texto dentre os vários que passaremos a citar, inclusive para você meditar na beleza e profundidade das Palavras utilizadas por Bahá'u'lláh:

Para confirmar sua resposta, busque a referência dada, no próprio Kitáb-i-Aqdas, edição em português:

(a) - ... "Tu me criaste para Te conhecer e adorar." p. 81

(b) - "Vês, ó meu Deus, quanto meu espírito se agita dentro deste corpo em seu anseio de Te adorar, em seu ardente desejo de Te lembrar e louvar." p. 75

(c) - "Faze de minha prece, ó meu Senhor, uma fonte de águas vivas pelas quais eu possa viver enquanto Tua soberania durar, fazendo menção de Ti em cada mundo dos Teus mundos." p. 75

(d) - "Fortalece minha mão, ó meu Deus, para que possa segurar Teu Livro com tal firmeza que as hostes do mundo não tenham sobre ela poder algum." p. 79

(e) - "Em verdade, revelaste Tua Causa, cumpriste Teu Convênio, e abriste de par em par a porta de Tua graça para todos os que habitam o céu e a terra." p. 80

(f) - "Tua clemência tornou-me audaz, e Tua misericórdia me fortaleceu; com Teu chamado despertei, e por Tua graça fui ressuscitado e conduzido a Ti." p. 76

(g) - "Bênção e paz, saudação e glória, estejam sobre Teus amados, aos quais nenhuma vicissitude ou eventualidade do mundo impediu de se dirigirem a Ti, e que deram tudo na esperança de obter o que está Contigo." p. 76

(h) - "Não há outro Deus além de Ti, o Amparo no perigo, O que subsiste por Si próprio." (81)

Mais algumas perguntas, para finalizar este estudo:

(5) - Quando em viagem, estamos dispensados da Oração Obrigatória? (Nota 21, p. 11 deste Guia de Estudo)

(6) - E se não encontrar "um lugar seguro" para recitá-la, o que deve fazer? (K-14, p. 3. P/R 58 e 59, p. 4)

(7) - Exige-se a recitação de todas as 3 Orações obrigatórias, ou não? (P/R 65, p. 5)

(8) - A partir de que idade ordenou Bahá'u'lláh "orar e jejuar"? (Nota 13, p. 10)

(9) - A partir de que idade está o bahá'í liberado de fazer a oração obrigatória e observar o jejum? (Nota 14, p. 10)

(10) - Em que parágrafo do AQDAS Bahá'u'lláh exime as mulheres de oração obrigatória e do jejum, durante o período das suas regras menstruais? (K-13 - leia o texto no Livro)

a) = o que devem as mulheres fazer, em substituição à Oração Obrigatória, quando desobrigadas de recitá-la? (K-13, p. 2)

"BEM-AVENTURADOS OS QUE O LÊEM ATENTAMENTE!
BEM-AVENTURADOS OS QUE ASSIMILAM!
BEM-AVENTURADOS OS QUE SOBRE ELE MEDITAM!

BEM-AVENTURADOS OS QUE PONDERAM SOBRE O SEU SIGNIFICADO."

Bahá'u'lláh, sobre o KITÁB-I-AQDAS. (p. 14 do livro)

O KITÁB-I-AQDAS
SINOPSE E CODIFICAÇÃO
LEIS, MANDAMENTOS E EXORTAÇÕES
A. Oração

1. A posição sublime ocupada pelas Orações Obrigatórias na Revelação Bahá'í.

2. O Qiblih:

a. Identificado pelo Báb como "Aquele que Deus tornará manifesto".

b. A designação feita pelo Báb é confirmada por Bahá'u'lláh.

c. Bahá'u'lláh institui o Seu sepulcro como o Qiblih, após Seu falecimento.

d. Volver-se para o Qiblih é mandatório enquanto se recitam as Orações Obrigatórias.

3. As Orações Obrigatórias são compulsórias para homens e mulheres ao atingirem a idade da maturidade, que se fixa em 15 anos de idade.

4. Dispensa de realizar as Orações Obrigatórias é concedida:

a. Àqueles que estão doentes.
b. Àqueles que têm mais de 70 anos.

c. Às mulheres durante as regras, contando que façam suas abluções e repitam, 95 vezes ao dia, um versículo especificamente revelado.

5. As Orações Obrigatórias devem ser realizadas individualmente.

6. A escolha de uma das três Orações Obrigatórias é permissível.

7. O significado de "manhã", "meio-dia" e "anoitecer", mencionados com

relação às Orações Obrigatórias, é, respectivamente, os intervalos entre o

nascer do sol e o meio-dia, entre o meio-dia e o pôr-do-sol, e do pôr-do-sol

até duas horas depois.

8. É suficiente recitar a primeira Oração Obrigatória (a longa) uma vez em vinte

e quatro horas.

9. É preferível recitar a terceira Oração Obrigatória (a curta) em pé.

10. Abluções:

a. A recitação das Orações Obrigatórias tem de ser precedida de abluções.

b. Novas abluções têm de ser feitas para cada Oração Obrigatória.

c. Se duas Orações Obrigatórias forem realizadas ao meio-dia, uma só ablução para ambas as orações é suficiente.

d. Se não houver água disponível, ou se o seu uso for prejudicial ao rosto ou às mãos, prescreve-se a repetição, cinco vezes, de um versículo especificamente revelado.

e. Se o tempo estiver demasiadamente frio, recomenda-se o uso de água morna.

f. Se abluções tiverem sido feitas para outros fins, não é exigido renová-las antes da recitação da Oração Obrigatória.

g. As abluções são essenciais, quer se haja tomado banho previamente, quer não.

11. Determinação dos horários especificados para a Oração:

a. É permissível a utilização de relógios para determinar os horários nos quais ofertar as Orações Obrigatórias.

b. Em países situados no extremo Norte ou Sul, onde a duração dos dias e das noites varia consideravelmente, deve-se empregar relógios e outros instrumentos para medir o tempo, sem consideração ao nascer ou ao pôr-do-sol.

12. Em caso de perigo, quer seja em viagem, quer não, para cada Oração

Obrigatória não realizada é prescrita uma prostração e a recitação de um versículo específico, a ser seguida pela repetição, dezoito vezes, de outro versículo específico.

13. A oração congregacional é proibida, exceto no caso da Oração de Finados.

14. É prescrita a recitação, na íntegra, da Oração de Finados, salvo por aqueles

que não sabem ler, aos quais é ordenado repetir as seis passagens específicas desta Oração.

15. A Oração Obrigatória a ser repetida três vezes ao dia, pela manhã, ao meio-

dia e ao anoitecer, foi substituída por três Orações Obrigatórias subseqüentemente reveladas.

GUIA DE ESTUDO DO LIVRO SACRATÍSSIMO
A LEI DA ORAÇÃO OBRIGATÓRIA
Textos do LIVRO SACRATÍSSIMO
o KITÁB-i-AQDAS
A LEI DA ORAÇÃO OBRIGATÓRIA
Parágrafo do KITÁB-I-AQDAS:
6, 8, 12, 13, 14
PERGUNTAS E RESPOSTAS:
58, 59, 60, 61, 62, 63, 64, 65, 66, 67, 68,
77, 81, 82, 83, 86.
Notas:
4, 5, 6, 7, 8, 9, 13, 14, 16, 17.
20, 21, 22, 128 e 164
O KITÁB-I-AQDAS

Nós vos ordenamos a Oração Obrigatória, com nove rak'ahs, a ser oferecida a Deus, o Revelador de Versículos, ao meio-dia e pela manhã e ao anoitecer. Dispensamo-vos de um maior número por meio de um decreto do Livro de Deus. Ele, veramente, é o Ordenador, o Onipotente, o Irrestrito. Quando desejardes ofertar essa prece, volvei-vos à Corte de Minha Sacratíssima Presença, este Lugar Consagrado que Deus fez o Centro em cujo redor circula a Assembléia do alto, e decretou como o Ponto de Adoração para os habitantes das Cidades da Eternidade e a Fonte de Comando para todos no céu e na terra. E quando o Sol do Verbo e da Verdade Se puser, volveu as faces ao Lugar que vos ordenamos. Ele é, em verdade, Poderosíssimo e Onisciente. (6)

Expusemos os detalhes da oração obrigatória em outra Epístola. Bem-aventurado quem observa o que lhe foi ordenado por Aquele que rege toda a humanidade. Na Oração de Finados seis passagens específicas desceram da parte de Deus, o Revelador de Versículos. Quem souber ler, recite o que foi revelado para anteceder tais passagens; quem não puder fazê-lo é dispensado por Deus dessa exigência. Em verdade Ele é o Poderoso, o Indulgente. (8)

Ordenou-se que a oração obrigatória seja recitada individualmente. Com exceção da Oração de Finados, a prática da oração congregacional foi anulada. Ele, em verdade, é o Ordenador, o Onissapiente. (12)

Deus eximiu as mulheres, durante as suas regras, da oração obrigatória e do jejum. Que elas, em vez disso, façam as suas abluções e então rendam louvores a Deus repetindo noventa e cinco vezes "Glorificado seja Deus, o Senhor de Esplendor e Beleza" entre um meio-dia e outro. Assim foi decretado no Livro, se sois dos que compreendem. (13)

Quando em viagem, caso pareis para descansar em um pouso seguro, prostrai-vos, homens ou mulheres, uma vez para cada Oração Obrigatória não proferida e enquanto prostrados dizei: "Glorificado seja Deus, o Senhor de Majestade e Poder, de Graça e Generosidade". Quem não puder fazê-lo, basta que diga: "Glorificado seja Deus". Seguramente, mais que isso não lhe é necessário. Em verdade, Ele é o Deus todo-suficiente, sempiterno, perdoador e compassivo. Findadas as prostrações, sentai-vos, homens ou mulheres, com as pernas entrecruzadas, e dezoito vezes repeti: "Glorificado seja Deus, o Senhor dos reinos da terra e do céu". Dessa maneira o Senhor torna claras as veredas da verdade e da guia, veredas que conduzem a uma única via, a qual é este Caminho Reto. Agradecei a Deus por esse favor generosíssimo; louvai-O por essa graça que abarcou os céus e a terra; exaltai-O por essa mercê que permeou toda a criação. (14)

PERGUNTAS E RESPOSTAS

Pergunta: No que se refere ao sagrado versículo, "Quando em viagem, caso pareis para descansar em um pouso seguro, prostrai-vos ... uma vez para cada Oração Obrigatória não proferida": é isso para compensar a Oração Obrigatória perdida devido a circunstâncias de insegurança, ou é a Oração Obrigatória completamente suspensa durante viagens, ficando a prostração no seu lugar?

Resposta: Se ao chegar a hora da oração obrigatória não houver segurança, então, alcançando-se um lugar seguro, deve-se efetuar uma prostração para cada Oração Obrigatória não dita e, após a última prostração, sentar-se com as pernas entrecruzadas e recitar o versículo designado. Se houver um lugar seguro, a Oração Obrigatória não é suspensa durante as viagens. (58)

Pergunta: Se, após o viajante ter parado e descansado, chegar a hora da Oração Obrigatória, deveria ele oferecer a oração, ou realizar ao invés disso a prostração?

Resposta: Exceto em condições de insegurança, a omissão da Oração Obrigatória não é permissível. (59)

Pergunta: Se várias prostrações forem necessárias devido a Oração Obrigatória não recitadas, deve-se repetir o versículo após cada prostração compensatória ou não?

Resposta: Basta que se recite o versículo designado depois da última prostração. Cada uma das diversas prostrações não exige uma repetição separada do versículo. (60)

Pergunta: Se se omitir uma Oração Obrigatória no lar, deve ela ser compensada por uma prostração ou não?

Resposta: Em resposta a perguntas anteriores foi escrito: "Essa disposição a respeito da prostração compensatória aplica-se tanto para o lar como para viagens." (61)

Pergunta: Se, por algum outro motivo, alguém já tiver feito abluções, chegando então a hora da Oração Obrigatória, são aquelas abluções suficientes ou devem ser renovadas?

Resposta: Aquelas mesmas abluções são suficientes e não há necessidade de renová-las. (62)

Pergunta: No Kitáb-i-Aqdas foi ordenada a Oração Obrigatória que consiste de nove rak'ahs, a ser executada ao meio-dia, pela manhã e ao anoitecer, todavia a Epístola das Orações Obrigatórias* parece diferir disso.

Resposta: O que foi revelado no Kitáb-i-Aqdas refere-se a uma Oração Obrigatória distinta. Há alguns anos, um certo número de preceitos do Kitáb-i-Aqdas, incluindo aquela Oração Obrigatória, foram, por motivo de sabedoria, registrados separadamente e despachados juntamente com outros escritos sagrados, objetivando-se a sua preservação e proteção. Mais tarde essas três Orações Obrigatórias foram reveladas. (63)

Pergunta: Para determinarem-se os horários, é permissível fazer uso de relógios?

Resposta: É lícito utilizar relógios. (64)

Pergunta: Na Epístola das Orações Obrigatórias, três orações foram reveladas, exige-se a realização de todas as três, ou não?

Resposta: É ordenado que se oferte uma dessas três orações; qualquer uma delas é suficiente. (65)

Pergunta: São as abluções para a oração matinal ainda válidas para a oração do meio-dia? E, do mesmo modo, sãos as abluções realizadas ao meio-dia ainda válidas ao anoitecer?

Resposta: As abluções estão ligadas à Oração Obrigatória para a qual são realizadas, e precisam ser renovadas para cada oração. (66)

Pergunta: Concernente à Oração Obrigatória longa, há o requisito de pôr-se de pé e "volver-se a Deus". Isso parece indicar que não é necessário volver-se para o Qiblih; é correto esse entendimento, ou não?

Resposta: O intuito é o Qiblih. (67)

Pergunta: Referente ao versículo sagrado: "Recitai os versículos de Deus a cada manhã e anoitecer".

Resposta: O intuito é tudo aquilo que desceu do Firmamento da Elocução Divina. O requisito primário é o anseio e o amor das almas santificadas em ler a Palavra de Deus. A leitura de um só versículo, ou mesmo de uma única palavra, em espírito de alegria e radiância é preferível à leitura de muitos Livros. (68)

Pergunta: As abluções executadas para a Oração Obrigatória são suficientes também para as noventa e cinco repetições do Nome Supremo?

Resposta: É desnecessário repetir as abluções. (70 ? )

Pergunta: Deve-se realizar a terceira Oração Obrigatória sentado ou em pé?

Resposta: É preferível e mais apropriado que se fique em pé, em atitude de humilde reverência. (81)

Pergunta: Com relação à primeira Oração Obrigatória foi ordenado que "deve-se ofertá-la a qualquer tempo em que o servo se encontre em um estado de humildade e anelante adoração": deve ser ela oferecida uma vez a cada vinte e quatro horas, ou com maior freqüência?

Resposta: Uma vez a cada vinte e quatro horas é suficiente; assim foi pronunciado pela Língua do Comando Divino. (82)

Pergunta: Com referência à definição de "manhã", "meio-dia" e "anoitecer".

Resposta: Correspondem ao nascer do sol, meio-dia e pôr-do-sol. Os períodos admissíveis para as Orações Obrigatórias são: de manhã ao meio-dia, do meio-dia ao pôr-do-sol e do pôr-do-sol até duas horas depois. A autoridade está na mão de Deus, o Portador dos Dois Nomes. (83)

Pergunta: O meio-dia é horário para duas das Orações Obrigatórias - a oração curta do meio-dia e a oração que deve ser ofertada pela manhã, meio-dia e anoitecer. É necessário, nesse caso, efetuar duas abluções, ou uma só é suficiente?

Resposta: Repetir as abluções é desnecessário. (84)

NOTAS
4. nove rak'ahs ¶ 6

Um rak'ah consiste na recitação de versículos especificamente revelados acompanhados por um conjunto prescrito os genuflexões e outros movimentos.

A Oração Obrigatória originalmente ordenada por Bahá'u'lláh a Seus seguidores consistia de nove rak'ahs. Desconhece-se as características exatas dessa oração e as instruções específicas para a sua recitação, pois a oração foi perdida. (Vide nota 9.)

Comentando, em uma Epístola, sobre as Orações Obrigatórias atualmente em vigor, 'Abdu'l-Bahá esclarece que "em cada palavra e movimento da Oração Obrigatória existem alusões, mistérios e uma sabedoria que o homem é incapaz de compreender, e que cartas e pergaminhos não podem conter".

Shoghi Effendi explica que as poucas e simples instruções dadas por Bahá'u'lláh para a recitação de certas orações não apenas têm significação espiritual, mas que também auxiliam a pessoa a "concentrar-se totalmente enquanto ora e medita".

5. ao meio-dia e pela manhã e ao anoitecer ¶ 6

Concernente à definição dos termos "manhã", "meio-dia" e "anoitecer", períodos nos quais a Oração Obrigatória média atualmente em vigor deve ser recitada, Bahá'u'lláh declarou que estes correspondem "ao nascer do sol, meio-dia e pôr-do-sol" (P&R 83). Ele especifica que os "períodos admissíveis para as Orações Obrigatórias são: da manhã ao meio-dia, do meio-dia ao pôr-do-sol, e do pôr-do-sol até duas horas depois". Além disso, 'Abdu'l-Bahá afirmou que a Oração Obrigatória matinal pode ser dita desde o alvorecer.

A definição de "meio-dia" como o período "do meio-dia ao pôr-do-sol" aplica-se tanto à recitação da Oração Obrigatória curta quanto da média.

6. Dispensamo-vos de um maior número ¶ 6

Os requisitos para a oração obrigatória que as Dispensações Bábí e Islâmica exigiam eram mais severos do que aqueles necessários à Oração Obrigatória composta de nove rak'ahs ordenada no Kitáb-i-Aqdas (vide nota 4.)

No Bayán, o Báb ordenou uma Oração Obrigatória composta de dezenove rak'ahs, que deveria ser ofertada uma vez em cada período de vinte e quatro horas - de um meio-dia ao meio-dia seguinte.

A oração muçulmana é recitada cinco vezes ao dia, a saber: cedo pela manhã, ao meio-dia, à tarde, ao anoitecer e à noite. Embora o número de rak'ahs varie de acordo com o horário da recitação, um total de dezessete rak'ahs é oferecido ao longo do dia.

7. Quando desejardes ofertar essa prece, volvei-vos à Corte de Minha Sacratíssima Presença, este Lugar Consagrado que Deus ... decretou como o Ponto de Adoração para os habitantes das Cidades da Eternidade ¶ 6

O "Ponto de Adoração", isto é, o ponto para o qual o devoto se deve volver quando oferece uma oração obrigatória, chama-se Qiblih. O conceito de Qiblih já existia em religiões anteriores. No passado, Jerusalém fora escolhida para esse fim. Maomé mudou o Qiblih para Meca. As instruções do Báb no Bayán árabe eram:

O Qiblih é, em verdade, Aquele que Deus tornará manifesto: toda vez que Ele Se mover, o Qiblih também mover-se-á, até que Ele encontre repouso.

Essa passagem é citada por Bahá'u'lláh no Kitáb-i-Aqdas (¶137) e confirmada por Ele no versículo acima anotado. Ele também assinalou que volver-se em direção ao Qiblih "é uma exigência permanente para a recitação da Oração Obrigatória" (P&R 14 e 67). Contudo, em outras preces e orações pode-se dirigir a face em qualquer direção.

8. e quando o Sol do Verbo e da Verdade Se puser, volvei as faces ao Lugar que vos ordenamos ¶ 6

Bahá'u'lláh ordena Seu sepulcro como o Qiblih após Seu passamento. O Sacratíssimo Sepulcro fica em Bahjí, 'Akká. 'Abdu'l-Bahá descreve aquele local como o "Santuário luminoso", "o lugar ao redor do qual circunvaga a Assembléia nas Alturas".

Em carta escrita em seu nome, Shoghi Effendi emprega a analogia da planta que se volve ao sol para explicar a significação espiritual do ato de volver-se ao Qiblih:

... assim como a planta estende-se em direção à luz do sol - da qual recebe vida e crescimento - do mesmo modo nós volvemos nossos corações para o Manifestante de Deus, Bahá'u'lláh, quando oramos; ... dirigimos as faces ... ao lugar onde jaz o Seu pó aqui na terra, como um símbolo de nosso gesto interior."

9. Expusemos os detalhes da Oração Obrigatória em outra Epístola. ¶ 8

A Oração Obrigatória original fora, "por motivo de sabedoria", revelada por Bahá'u'lláh em uma Epístola separada (P&R 63). Ela não foi divulgada aos crentes durante a Sua vida, tendo sido substituída pelas três Orações Obrigatórias agora em uso.

Pouco depois da Ascensão de Bahá'u'lláh, o texto dessa oração, junto com várias outras Epístolas, foi roubado por Muhammad-'Alí, o Arqui-Violador de Seu Convênio.

13. Nós vos ordenamos orar e jejuar desde o início da maturidade ¶ 10

Bahá'u'lláh define a "idade da maturidade para os deveres religiosos" como sendo "quinze anos tanto para homens como para mulheres" (P&R 20). Para detalhes sobre o período de jejum, vide nota 25.

14. Ele disso isentou os debilitados por doença ou idade ¶ 10

A dispensa das Orações Obrigatórias e do Jejum concedida aos que estão debilitados devido a doença ou idade avançada é explicada em Perguntas e Respostas. Bahá'u'lláh orienta que em "tempos de saúde abalada não é permissível observar tais obrigações" (P&R 93). Ele define que a idade avançada, neste contexto, começa aos setenta anos (P&R 74). Shoghi Effendi, em resposta a uma pergunta, esclareceu que ao atingir s setenta anos de idade as pessoas ficam dispensadas, quer estejam fracas, quer não.

16. Se não encontrardes água para a ablução, repeti cinco vezes as palavras "Em Nome de Deus, o Mais Puro, o Mais Puro", prosseguindo então o vosso ato devocional. ¶ 10

Cada fiel deve realizar as abluções ao se preparar para a realização da Oração Obrigatória. Consistem elas em lavar-se as mãos e o rosto. Se não houver água disponível, ordenam-se cinco repetições do versículo especificamente revelado. Vide na nota 34 um comentário geral sobre abluções.

Antecedentes para essa preceituação de procedimentos substitutos que se observam quando não há água disponível podem ser encontrados, em Dispensações anteriores, no Alcorão e no Bayán árabe.

17. Nas regiões onde os dias e as noites se alongam, determinem-se os horários de oração através de relógios e outros instrumentos que marcam o passar das horas. ¶ 10

Isso se refere aos territórios situados no extremo Norte ou Sul, onde a duração dos dias e noites varia de forma pronunciada (P&R 64 e 103). Esse preceito também vale para o jejum.

20. Deus eximiu as mulheres, durante as regras, da oração obrigatória e do jejum. ¶ 13

As mulheres são dispensadas de realizar a oração obrigatória e o jejum durante a menstruação; em vez disso, devem realizar suas abluções (vide nota 34) e repetir 95 vezes por dia, entre um meio-dia e o próximo, o verso: "Glorificado seja Deus, o Senhor de Esplendor e Beleza". Esse preceito tem antecedente no Bayán árabe, onde isenção similar era concedida.

Em algumas Dispensações religiosas do passado as mulheres eram consideradas ritualmente impuras durante as regras e era-lhes vedado observar os deveres da oração e do jejum. O conceito de impureza ritual foi abolido por Bahá'u'lláh (vide nota 106).

A Casa Universal de Justiça esclareceu que as disposições do Kitáb-i-Aqdas que concedem isenção de certos deveres e responsabilidades são, como a palavra indica, isenções, e não proibições. Qualquer fiel, portanto, homem ou mulher, pode tirar proveito de uma isenção que se lhe aplique, se o desejar. Entretanto, a Casa de Justiça aconselha que, ao tomar tal decisão, o crente faça uso da sabedoria e se conscientize de que Bahá'u'lláh concedeu tais isenções por bons motivos.

A dispensa da oração obrigatória, preceituada originalmente para a Oração Obrigatória composta de nove rak'ahs, agora se aplica às três Orações Obrigatórias que a substituíram.

21. Quando em viagem, caso pareis para descansar em um pouso seguro, prostrai-vos, homens ou mulheres, uma vez para cada Oração Obrigatória não proferida ¶ 14

Aqueles que se vêem numa condição de insegurança tal que impossibilita a recitação das Orações Obrigatórias estão dela dispensados de sua realização. A isenção se aplica tanto se a pessoa estiver viajando quanto em casa, e oferece um meio pelo qual se podem compensar as Orações Obrigatórias que não foram ditas devido a essas circunstâncias de insegurança.

Bahá'u'lláh deixou claro que a prática de oração obrigatória "não é suspensa durante as viagens" se se puder encontrar um "lugar seguro" onde realizá-la (P&R 58).

Mais subsídios sobre esse preceito encontram-se nos números 21, 58, 59, 60 e 61 de Perguntas e Respostas.

33. Ordena-se a cada um dos fiéis em Deus ... que todos os dias ... repita "Alláh'u'Abhá" noventa e cinco vezes. ¶ 18

"Alláh'u'Abhá" é uma frase árabe que significa "Deus, o Todo-Glorioso". É uma das formas do Nome Supremo de Deus (vide nota 137). No Islã há uma tradição segundo a qual há um nome supremo dentre os muitos nomes de Deus; contudo, a identidade desse Nome Supremo estava oculta. Bahá'u'lláh confirmou que o Nome Supremo é "Bahá".

Considera-se também como o Nome Supremo os diversos derivados da palavra "Bahá". O secretário de Shoghi Effendi, escrevendo em seu nome, explica que:

O Nome Supremo é o Nome de Bahá'u'lláh. "Yá Bahá'u'l-Abhá" é uma invocação que significa: "Ó Tu, Glória das Glórias!". "Alláh'u'Abhá" é uma saudação que quer dizer: "Deus, o Todo-Glorioso". Ambas referente-se a Bahá'u'lláh. Entende-se, por Nome Supremo, que Bahá'u'lláh apareceu com o Nome Supremo de Deus, em outras palavras, que Ele é a suprema Manifestação de Deus.

A saudação "Alláh'u'Abhá" foi adotada durante o período do exílio de Bahá'u'lláh em Adrianópolis.

A repetição de "Alláh'u'Abhá" noventa e cinco vezes deve ser precedida por abluções (vide nota 34).

34. efetuai abluções para a Oração Obrigatória ¶ 18

As abluções relacionam-se especificamente a certas orações. Elas devem preceder a realização das três Orações Obrigatórias e da recitação diária de "Alláh'u'Abhá" noventa e cinco vezes, bem como a recitação do versículo que substitui a oração obrigatória e o jejum para as mulheres durante as regras (vide nota 20).

As abluções prescritas consistem em lavar-se as mãos e a face em preparação para a oração. No caso da Oração Obrigatória média, isso é acompanhado pela recitação de certos versículos (vide Alguns Textos Suplementares ao Kitáb-i-Aqdas Revelados por Bahá'u'lláh).

Mesmo que alguém se tenha banhado logo antes de recitar a Oração Obrigatória, ainda assim é necessário efetuar as abluções (P&R 18), donde apreende-se terem elas um significado que transcende o simples ato de lavar-se.

Quando não há água disponível para as abluções, prescreve-se cinco repetições de um versículo (vide nota 16), e esse preceito aplica-se também àqueles para quem o uso de água prejudicaria o corpo (P&R 51).

Os preceitos detalhados da lei referente às abluções encontra-se na Sinopse e Codificação, seção IV.A.10.a.g., assim como em Perguntas e Respostas, número 51, 62, 66, 77 e 86.

128. Sadratu'l-Muntahá ¶ 100

Literalmente, "a árvore mais remota", que Shoghi Effendi traduziu para o inglês como "a árvore além da qual não há passagem". A expressão é empregada no Islã como um símbolo - por exemplo, nos relatos sobre a Viagem Noturna de Maomé - para delimitar nos céus o ponto além do qual nem homens nem anjos podem passar em sua aproximação de Deus, assim demarcando os limites do conhecimento divino revelado à humanidade. Daí o seu emprego costumeiro nas Escrituras Bahá'ís para designar o próprio Manifestante de Deus. (Vide também a nota 164).

164. a sagrada Árvore Celestial ¶ 148

A "sagrada Árvore Celestial" é uma alusão ao Sadratu'l-Muntahá, a "Árvore além da qual não há passagem" (vide nota 128). A expressão aqui simboliza o próprio Bahá'u'lláh.

GUIA DE ESTUDO DO KITÁB-I-AQDAS
O LIVRO SACRATÍSSIMO
A LEI DO JEJUM

PRIMEIRA PARTE: Orientações de uso do Guia de Estudo

SEGUNDA PARTE: Textos do livro KITÁB-I-AQDAS:
= Sinopse e Codificação
= Parágrafos do Livro Sacratíssimo
= Notas
= Perguntas e Respostas

"Permite, ó meu Senhor, que este jejum se torne um rio de águas vivificadoras e dele provenha a virtude da qual Tu o dotaste."

BAHÁ'U'LLÁH

"Nós vos ordenamos orar e jejuar desde o início da maturidade. É esse o mandamento de Deus, vosso Senhor e Senhor de vossos antepassados."

"Abstendo-vos de alimento e de bebida do nascer ao pôr-do-sol, e acautelai-vos para que o desejo não vos prive dessa graça prescrita no Livro."

"Ó povos do mundo!

Nós vos ordenamos jejuar durante breve período, e vos destinamos ao seu término o Naw-Rúz como uma festa."

"Nem o viajante, nem o enfermo, nem a mulher grávida ou a que amamenta são obrigados a guardar o Jejum. Deus dispensou-os em sinal de Sua graça. Deveras, Ele é o Onipotente, o Mais-Generoso."

"São essas as prescrições de Deus que a Sua Pena Excelsa assentou nos Livros e Epístolas. Fazei-vos firmes em Suas leis e mandamentos e não sejais daqueles que, por seguirem suas vãs fantasias e imaginações fúteis, se aferraram aos padrões por eles mesmos fixados e lançaram ao pó os estabelecidos por Deus."

BAHÁ'U'LLÁH
(trechos do Kitáb-i-Aqdas sobre o JEJUM)

Nota: Bahá'u'lláh define a "idade da maturidade para os deveres religiosos" como sendo "quinze anos, tanto para homens como para mulheres". (p. 142 do livro) Nota no. 13.

A IMPORTÂNCIA DA LEI DO JEJUM

Texto da Mão da Causa de Deus, Amatu'l-Bahá Ruhiyyih Khánum.

Bahá'u'lláh dá extraordinária importância ao período do JEJUM e às virtudes com que o JEJUM foi dotado por Deus desde tempos imemoriais - e é redotado, por assim dizer, pelo próprio BAHÁ'U'LLÁH. Em uma de Suas Epístolas, declara que "o jejum... prescrito a todos" é um período especial durante o qual os servos de Deus se seguram à corda de Seus mandamentos e se apoderam do punho de Seus preceitos.

O JEJUM está entre as "leis e preceitos maravilhosos". Dever-se-ia jejuar, diz Ele, por amor a Deus e de conformidade com Suas injunções, afirmando: "Abençoado seja aquele que observa o jejum inteiramente por Teu amor"; e ora a Deus para ajudar Seus servos a "Te obedecermos e guardaremos Teus preceitos", e coloca esta súplica na boca de Seus servos: - que esta obediência do jejum:

"nos purifique dos repugnante odor das nossas transgressões, ó Tu que Te tens chamado o Deus de Misericórdia."

Tão grandioso, afirma Bahá'u'lláh, é o JEJUM que Ele adorna o "preâmbulo do Livro das Tuas Leis", e, continuando, diz que Deus tem "dotado de uma virtude especial cada hora destes dias."

(do livro O DESEJO DO MUNDO, pg. 140)

O JEJUM - Texto de John E. Esslemont, em "Bahá'u'lláh e a Nova Era".

"O décimo nono mês, que segue imediatamente à hospitalidade dos Dias Intercalares, é o mês do jejum. (2 a 20 de março). Durante dezenove dias o jejum é observado através da abstinência de alimentos e bebidas do nascer ao pôr-do-sol."

"Há muita evidência que indica ser um jejum periódico, como o adotado pelos ensinamentos bahá'ís, benéfico como medida de higiene física, mas, justamente como a realidade da Festa Bahá'í (a Festa de 19 Dias) não reside no consumo de alimentos físicos, e sim na comemoração de Deus, a qual é o nosso alimento espiritual, da mesma maneira a realidade do jejum bahá'í não consiste apenas na abstinência do alimento físico, embora isso concorra para a purificação do corpo, e, sim, na abstinência dos desejos e luxúrias carnais, e no desprendimento de tudo, salvo de Deus." (pg. 176)

Nota: A Editora Bahá'í tem à disposição dos interessados um livro especial para leitura diária e meditação durante os 19 dias do jejum. São compilações de orações e textos sobre 19 virtudes humanas, uma para ser meditada e absorvida cada dia do mês do JEJUM, e que são, verdadeiramente, um ALIMENTO ESPIRITUAL para esse período tão sagrado e importante.

O QUE VOCÊ VAI ESTUDAR NESTA COMPILAÇÃO SOBRE O JEJUM

Sendo uma das leis do Kitáb-i-Aqdas já em vigor universalmente, para todos os bahá'ís entre os 15 anos de idade aos 70, algo que ocupa uma posição sublime na Revelação Bahá'í, a Casa Universal de Justiça, em "SINOPSE E CODIFICAÇÃO" (página ), destaca os pontos principais desta Lei, conforme determinada no Livro Sacratíssimo.

Referências sobre o JEJUM, no texto dor próprio AQDAS, encontram-se nos parágrafos nos. 10, 13, 16 e 17 - aqui transcritos.

Para que o amigo leitor se dê conta da importância que a Casa Universal de Justiça dá à Lei do JEJUM, bem como às inúmeras e variadas injunções de sua aplicação, observe ter o Corpo Supremo e Infalível da Causa escrito nada menos que 12 NOTAS para esclarecer os 4 parágrafos do Kitáb-i-Aqdas que tratam especificamente do JEJUM. (Tais NOTAS são reproduzidas nesta Compilação).

Na parte PERGUNTAS E RESPOSTAS, Bahá'u'lláh responde a quatro pedidos de esclarecimentos que Lhe fizeram, publicadas no LIVRO SACRATÍSSIMO sob nos 71, 74, 75 e 76 - que também transcrevemos.

Em resumo, você tem à sua disposição nesta COMPILAÇÃO e GUIA DE ESTUDO sobre a Lei do JEJUM:

= "Sinopse e Codificação" ............................................................... pg. 6

= "Parágrafos nos 10, 13, 16 e 17 do Kitáb-i-Aqdas" ...................... pg. 7/8

= "NOTAS" nos 13, 14, 17, 20, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31 e 32 ...... pgs. 9/12

= "Perguntas e Respostas" nos 71, 74, 75 e 76 ................................ pg. 13

E, em seguida, para motivação de estudo e avaliação do * quanto você sabe sobre a Lei do Jejum *, você terá um total de 21 perguntas importantes sobre as diferentes referências sobre o JEJUM constantes da COMPILAÇÃO ......................................... pgs. 4/5

AUTO-MOTIVAÇÃO PARA ESTUDO E PESQUISA
E AVALIAÇÃO DE SEUS CONHECIMENTOS SOBRE O JEJUM
No:
Pergunta
Resposta em:
(1)

- Em que parágrafo do AQDAS, Bahá'u'lláh ordena "orar e jejuar desde o início da maturidade"? ............

pg. 7 e Nota 13
(2)

- Qual é a idade do "início da maturidade"? ..............

pg. 9 Nota 13
(3)

- Bahá'u'lláh concedeu isenção do jejum em 7 condições, que estão resumidas no item B-5, do SINOPSE E CODIFICAÇÃO. Quais são?

pg. 6
(4)

- Aos viajantes, existem 5 condições para a isenção do jejum. - Quais são? ...............................................

pg. 6
(5)

- Cite 3 condições durante as quais as mulheres estão isentas do jejum:

pg. 6
a- ________________________________________
b- ________________________________________
c- ________________________________________
(6)

Durante o período das regras menstruais as mulheres estão isentas do jejum. O que devem fazer em vez de jejuar? .......................................................

pg. 7 e Nota 20
(7)

- O que foi determinado como "festa" ao término do período do jejum? ......................................................

pg. 8 e Nota 26
(8)

- Bahá'u'lláh também menciona no AQDAS os dias que "devem antepor-se ao mês do jejum". Que dias são esses? ...................................................................

pg. 8 e Nota 27
(9)

- Manifestações do quê são esses dias? ......................

pg. 8 e Nota 28
(10)

- O que "incumbe ao povo prover" durante esses dias? ...........................................................................

pg. 8 e Nota 29
(11)

- Com que espírito devem "aclamar e glorificar o Senhor"? .....................................................................

pg. 8 Parágr. 16
(12)

- Em que parágrafo do AQDAS Bahá'u'lláh determina o horário do jejum? ...................................

pg. 9 Parágr. 17
(13)

- Que período do dia, especificamente, é esse horário? ......................................................................

pg. 10 Nota 25
(14)

- Quais são os 2 pilares que sustentam a Lei revelada por Deus? ...................................................................

pg. 10 Nota 25
(15)

- Shoghi Effendi, referindo-se ao período do jejum, diz que ele é "essencialmente um período de":

pg. 10 Nota 25
a- ________________________________________
b- ________________________________________
c- ________________________________________
(16)

- Como se chama (em árabe e em português) o nome do mês do jejum? .......................................................

pg. 10 Nota 26
(17)

- Dependendo do "horário do equinócio", o dia do NAW-RUZ (ANO NOVO BAHÁ'Í) pode cair em 3 dias diferentes.

- Que dias são esses? ..................................................

pg. 11 Nota 26
pg. 11 Nota 26
(18)

- O que declarou o Guardião com relação à "implementação, a nível mundial, da lei referente ao período do Naw-Rúz? ................................................

- Que instituição irá tomar tal decisão? ....................

pg. 11 Nota 26
pg. 11 Nota 26
(19)

- Pode alguém observar o jejum em outro mês que não o determinado oficialmente para ele - o mês de Alá? ............................................................................

pg. 13 P/R 71
(20)

- Para quem viaja a pé, qual é o limite de tempo estabelecido para a quebra do jejum? ........................

pg. 13 P/R 75
(21)

- Uma pessoa engajada em trabalho pesado pode desobrigar-se do jejum. Mas por respeito à lei de Deus e à excelsa posição do jejum - como é "louvável e adequado" alimentar-se? .........................

pg. 13 P/R 76

*********************************************************************

EXTRA: No novo livro de ORAÇÕES E MEDITAÇÕES, da Editora Bahá'í do Brasil (edição 1995) estão publicadas seis orações especiais (páginas 188 a 202), todas de autoria de Bahá'u'lláh.

* Normalmente, antes do jejum, e ao seu término, orações devem ser feitas, conforme a referência de Shoghi Effendi na Nota no. 25. Igualmente, com relação à leitura de textos sagrados para meditação, no objetivo da "recuperação espiritual" "e para refrescar e revigorar as forças espirituais latentes em sua alma."

O KITÁB-I-AQDAS
SINOPSE E CODIFICAÇÃO
B. Jejum

1. A posição sublime ocupada pelo Jejum na Revelação Bahá'í.

2. O período de jejum principia com o término dos Dias Intercalares e finda com o Festival de Naw-Rúz.

3. A abstenção de alimento e de bebida desde o nascer até o pôr-do-sol é obrigatória.

4. O jejum é compulsório para homens e mulheres ao atingirem a idade da maturidade, que se fixa em 15 anos de idade.

5. Isenção de jejuar é concedida a:
a. Viajantes
i. Contando que a viagem exceda 9 horas.

ii. Aos que viajam a pé, contanto que a viagem exceda 2 horas.

iii. Aos que interrompem sua viagem por menos de 19 dias.

iv. Os que interrompem sua viagem durante o Jejum em um lugar onde vão permanecer 19 dias estão isentos de jejuar somente nos três primeiros dias depois da chegada.

v. Os que retornam ao lar durante o Jejum devem começar a jejuar a partir do dia da chegada.

b. Enfermos.
c. Os que têm mais de 70 anos.
d. Mulheres grávidas.
e. Mulheres que amamentam.

f. Mulheres, durante as regras, contanto que façam suas abluções e repitam, 95 vezes ao dia, um versículo especificamente revelado.

g. Aqueles que realizam trabalho pesado, os quais são aconselhados a mostrar respeito pela lei, usando de discrição e moderação ao valerem-se da isenção.

6. É permissível fazer voto de jejuar (em um mês que não seja aquele prescrito para o Jejum). Votos que sejam de proveito à humanidade são, porém, preferíveis aos olhos de Deus.

O KITÁB-I-AQDAS

Nós vos ordenamos orar e jejuar desde o início da maturidade. É esse o mandamento de Deus, vosso Senhor e Senhor de vossos antepassados. Por dádiva Sua, Ele disso isentou os debilitados por doença ou idade. Ele é o Poderoso, o Generoso. Deus consentiu que vos prostrásseis sobre qualquer superfície limpa, pois no tocante a isso revogamos a restrição que fora estabelecida no Livro. Deveras, Deus conhece aquilo do qual nada sabeis. Se não encontrardes água para a ablução, repeti cinco vezes as palavras: "Em Nome de Deus, o Mais Puro, o Mais Puro", prosseguindo então o vosso ato devocional. Assim ordena o Senhor de todos os mundos. Nas regiões onde os dias e as noites se alongam, determinem-se os horários de oração através de relógios e de outros instrumentos que marcam o passar das horas. Ele, verdadeiramente, é o Explanador, o Sábio. (10)

Deus eximiu as mulheres, durante as suas regras, da oração obrigatória e do jejum. Que elas, em vez disso, façam as suas abluções e então rendam louvores a Deus repetindo noventa e cinco vezes "Glorificado seja Deus, o Senhor de Esplendor e Beleza" entre um meio-dia e outro. Assim foi decretado no Livro, se sois dos que compreendem. (13)

Ó Pena do Altíssimo! Dize: Ó povos do mundo! Nós vos ordenamos jejuar durante breve período, e vos destinamos ao seu término o Naw-Rúz como uma festa. Assim brilhou o Sol da Expressão sobre o horizonte do Livro, conforme determinara Aquele que é o Senhor do princípio e do fim. Os dias que excedem aos meses devem antepor-se ao mês do jejum. Nós ordenamos que eles, entre todos os dias e noites, sejam as manifestações da letra Há; por essa razão não foram confinados aos limites do ano e de seus meses. Ao longo desses dias, incumbe ao povo de Bahá prover festivamente alimento para si e para os seus, e também para os pobres e necessitados; incumbe-lhes aclamar e glorificar o Senhor com regozijo e júbilo, e entoar o Seu louvor e exaltar o Seu Nome. E quando findarem - esses dias de doação que precedem o período de abstinência - iniciem eles o Jejum. Assim ordenou Aquele que é o Senhor de toda a humanidade. Nem o viajante, nem o enfermo, nem a mulher grávida ou a que amamenta são obrigados a guardar o Jejum. Deus dispensou-os em sinal de Sua graça. Deveras, Ele é o Onipotente, o Mais Generoso. (16)

São essas as prescrições de Deus que a Sua Pena Excelsa assentou nos Livros e Epístolas. Fazei-vos firmes em Suas leis e mandamentos e não sejais daqueles que, por seguirem suas vãs fantasias e imaginações fúteis, se aferraram aos padrões por eles mesmos fixados e lançaram ao pó os estabelecidos por Deus. Abstende-vos de alimento e de bebida do nascer ao pôr-do-sol, e acautelai-vos para que o desejo não vos prive dessa graça prescrita no Livro. (17)

O KITÁB-I-AQDAS
NOTAS

13. Nós vos ordenamos orar e jejuar desde o início da maturidade ¶ 10

Bahá'u'lláh define a "idade da maturidade para os deveres religiosos" como sendo "quinze anos tanto para homens como para mulheres" (P&R 20). Para detalhes sobre o período de jejum, vide nota 25.

14. Ele disso isentou os debilitados por doença ou idade ¶ 10

A dispensa das Orações Obrigatórias e do Jejum concedida aos que estão debilitados devido a doença ou idade avançada é explicada em Perguntas e Respostas. Bahá'u'lláh orienta que em "tempos de saúde abalada não é permissível observar tais obrigações" (P&R 93). Ele define que a idade avançada, neste contexto, começa aos setenta anos (P&R 74). Shoghi Effendi, em resposta a uma pergunta, esclareceu que ao atingir os setenta anos de idade as pessoas ficam dispensadas, quer estejam fracas, quer não.

A isenção do jejum também se estende a outras categorias específicas de pessoas, conforme listadas em Sinopse e Codificação, seção IV.B.5. Vide análise adicional nas notas 20, 30 e 31.

17. Nas regiões onde os dias e as noites se alongam, determinem-se os horários de oração através de relógios e outros instrumentos que marcam o passar das horas ¶ 10

Isso se refere aos territórios situados no extremo Norte ou Sul, onde a duração dos dias e noites varia de forma pronunciada (P&R 64 e 103). Esse preceito também vale para o jejum.

20. Deus eximiu as mulheres, durante as regras, da oração obrigatória e do jejum. ¶ 13

As mulheres são dispensadas de realizar a oração obrigatória e o jejum durante a menstruação; em vez disso, devem realizar suas abluções (vide nota 34) e repetir 95 vezes por dia, entre um meio-dia e o próximo, o verso: "Glorificado seja Deus, o Senhor de Esplendor e Beleza". Esse preceito tem antecedente no Bayán árabe, onde isenção similar era concedida.

Em algumas Dispensações religiosas do passado as mulheres eram consideradas ritualmente impuras durante as regras e era-lhes vedado observar os deveres da oração e do jejum. O conceito de impureza ritual foi abolido por Bahá'u'lláh (vide nota 106).

A Casa Universal de Justiça esclareceu que as disposições do Kitáb-i-Aqdas que concedem isenção de certos deveres e responsabilidades são, como a palavra indica, isenções, e não proibições. Qualquer fiel, portanto, homem ou mulher, pode tirar proveito de uma isenção que se lhe aplique, se o desejar. Entretanto, a Casa de Justiça aconselha que, ao tomar tal decisão, o crente faça uso da sabedoria e se conscientize de que Bahá'u'lláh concedeu tais isenções por bons motivos.

25. Nós vos ordenamos jejuar durante um breve período ¶ 16

O Jejum e a Oração Obrigatória constituem os dois pilares que sustentam a Lei revelada por Deus. Em uma de Suas Epístolas Bahá'u'lláh afirma ter revelado as leis da oração obrigatória e do jejum a fim de que, através delas, os crentes pudessem aproximar-se de Deus.

Shoghi Effendi observa que o período de jejum, o qual demanda total abstenção de comida e de bebida do nascer ao pôr-do-sol, é:

... essencialmente um período de meditação e oração, de recuperação espiritual, durante o qual cada fiel deve esforçar-se por fazer os ajustes necessários em sua vida interior, e para refrescar e revigorar as forças espirituais latentes em sua alma. Sua significação e propósito, portanto, são de caráter fundamentalmente espiritual. O ato de jejuar é um símbolo, e serve para nos lembrar da abstinência dos desejos mundanos e egoístas.

O jejum é ordenado a todos os fiéis, desde os 15 anos de idade até os 70.

Uma síntese dos preceitos detalhados referentes à lei do jejum, e às isenções concedidas a certas categorias de pessoas, pode ser encontrada na Sinopse e Codificação, seção IV.B.1.-6. Comentários sobre as isenções do jejum encontram-se nas notas 14, 20,30 e 31.

O período de dezenove dias de Jejum coincide com o mês bahá'í de 'Alá' (usualmente entre 2 e 20 de março). Ele vem imediatamente após o término dos Dias Intercalares (vide notas 27 e 147) e é seguido pela festa de Naw-Rúz (vide nota 26).

26. e vos destinamos ao seu término o Naw-Rúz como uma festa ¶ 16

O Báb inaugurou um novo calendário, agora conhecido como calendário Badí' ou Bahá'í (vide notas 27 e 147). De acordo com esse calendário, o dia é o período que decorre de um pôr-do-sol ao outro. No Bayán o Báb ordenou o mês de 'Alá' como o mês do jejum, decretou que o dia de Naw-Rúz assinala o término daquele período, e designou o Naw-Rúz como o Dia de Deus. Bahá'u'lláh ratifica o calendário Badí', apontando o Naw-Rúz como uma festa.

O Naw-Rúz é o primeiro dia do ano novo. Ele coincide com o equinócio vernal no hemisfério norte, que usualmente ocorre em 21 de março. Bahá'u'lláh explica que essa festa deve ser celebrada sempre no dia em que o sol entra na constelação de Áries (i.e. o equinócio de primavera), mesmo que isso ocorra um minuto antes do pôr do sol (P&R 35). Dessa forma, o Naw-Rúz pode cair nos dias 20, 21 ou 22 de março, dependendo do horário do equinócio.

Bahá'u'lláh delegou à Casa Universal de Justiça a definição dos detalhes de muitas leis. Entre eles está uma série de assuntos a respeito do calendário bahá'í. O Guardião declarou que a implementação, a nível mundial, da lei referente ao período de Naw-Rúz implicará a escolha de um ponto específico da terra que sirva de padrão para que se fixe o horário do equinócio vernal. Também assinalou que a escolha deste local foi deixada à decisão da Casa Universal de Justiça.

27. Os dias que excedem aos meses devem antepor-se ao mês do jejum. ¶ 16

O calendário Badí' é baseado no ano solar de 365 dias, 5 horas e 50 e poucos minutos. O ano consiste de 19 meses com 19 dias cada (i.e. 361 dias), com a adição de quatro dias extras (cinco em anos bissextos). O Báb não definiu exatamente a posição dos dias intercalares no novo calendário. O Kitáb-i-Aqdas resolve essa questão, consignando ao dias "que excedem" uma posição fixa no calendário, imediatamente antes do mês de 'Alá', o período de jejum. Para maiores detalhes, vide a seção sobre o calendário bahá'í no The Bahá'í World, volume XVIII (também em Leis, História e Administração da Fé Bahá'í, p. 91-3 e Bahá'u'lláh e a Nova Era. N.T.).

28. Nós ordenamos que eles ... sejam as manifestações da letra Há ¶ 16

Conhecidos como os Ayyám-i-Há (os Dias do Há), os Dias Intercalares têm a distinção de estar associados à "letra Há". O valor numérico abjad (vide Glossário) desta letra árabe é cinco, que corresponde ao número potencial de dias intercalares.

À letra "Há" foram atribuídos alguns significados espirituais nas Escrituras Sagradas, entre os quais o de símbolo da Essência de Deus.

29. esses dias de doação que precedem o período de abstinência ¶ 16

Bahá'u'lláh instruiu Seus seguidores a devotarem esses dias a festividades, regozijo e caridade. Numa carta escrita em nome de Shoghi Effendi, explica-se que "os dias intercalares são especialmente reservados a hospitalidade, ao oferecimento de presentes, etc.".

30. (Nem os viajantes) ... são obrigados a guardar o Jejum ¶ 16

Bahá'u'lláh definiu a duração mínima da viagem que isenta o crente de jejuar (P&R 22 e 75). Os detalhes dessa determinação estão sumarizados na Sinopse e Codificação, seção IV.B.5.a.i.-v.

Shoghi Effendi esclareceu que, embora os viajantes estejam dispensados do jejum, eles podem jejuar se assim o desejarem. Ele também fez notar que a dispensa se aplica a todo o período de viagem, e não apenas às horas em que se esteja num trem, carro, etc.

31. Nem o viajante, nem o enfermo, nem a mulher grávida ou a que amamenta são obrigados a guardar o Jejum. Deus dispensou-os em sinal de Sua graça. ¶ 16

A dispensa de jejum é concedida àqueles que estão doente ou com idade avançada (vide nota 14), às mulheres durante as regras (vide nota 20), aos viajantes (vide nota 30) e às mulheres grávidas ou que estejam amamentando. Esta isenção estende-se também aos que se ocupam em trabalhos pesados, os quais, ao mesmo tempo, são exortados a "demonstrar respeito à lei de Deus e à excelsa posição do Jejum", alimentando-se "com frugalidade e em reservado" (P&R 76). Shoghi Effendi afirmou que a Casa Universal de Justiça definirá quais os tipos de trabalho que dispensam alguém do Jejum.

32. Abstende-vos de alimento e de bebida do nascer ao pôr-do-sol ¶ 17

Isso se refere ao período de jejum. Em uma de Suas Epístolas, 'Abdu'l-Bahá, depois de explicar que o jejum consiste na abstenção de comida e de bebida, aponta, ademais, que o fumo é uma espécie de "bebida". Em árabe o verbo "beber" aplica-se igualmente ao ato de fumar.

PERGUNTAS E RESPOSTAS

Pergunta: Se uma pessoa deseja jejuar em outro período que não o mês de 'Alá', é isso permissível, ou não; e se houver feito voto ou promessa de tal jejum, é isso válido e aceitável?

Resposta: O mandamento do jejum é conforme já foi revelado. Contudo, se alguém fizer voto de consagrar um jejum a Deus, dessa forma buscando o cumprimento de um desejo, ou a concretização de algum outro desígnio, isso, como o fora antes, é agora permissível. Entretanto, o desejo de Deus, exaltada seja Sua glória, é que os votos e as promessas sejam encaminhados àqueles propósitos que beneficiarão a humanidade. (71)

Pergunta: A respeito da definição de idade avançada.

Resposta: Para os árabes isso denota os limites extremos da ancianidade, mas para o povo de Bahá conta-se a partir dos setenta anos. (74)

Pergunta: No tocante ao limite do jejum para quem viaja a pé.

Resposta: Duas horas é o limite estabelecido. Excedendo-se esse tempo é permissível quebrar o jejum. (75)

Pergunta: No que concerne à observância do Jejum por pessoas engajadas em trabalho pesado durante o mês de jejum.

Resposta: Tais pessoas estão desobrigadas do jejum; contudo, a fim de demonstrar respeito à lei de Deus e à excelsa posição do Jejum, é muito louvável e adequado comer com frugalidade e em reservado. (76)

* A Epístola que contém as três Orações Obrigatórias agora em uso.


Table of Contents: Albanian :Arabic :Belarusian :Bulgarian :Chinese_Simplified :Chinese_Traditional :Danish :Dutch :English :French :German :Hungarian :Italian :Japanese :Korean :Latvian :Norwegian :Persian :Polish :Portuguese :Romanian :Russian :Spanish :Swedish :Turkish :Ukrainian :