Announcing: BahaiPrayers.net


More Books by Debbie D. Witterman

Como Nasceu a Fé Bahá'í
Free Interfaith Software

Web - Windows - iPhone








Debbie D. Witterman : Como Nasceu a Fé Bahá'í
Como Nasceu a Fé Bahá'í
by Debbie D. Wittman
Título Original em Inglês
THE BIRTH OF THE BAHÁ'Í FAITH
Tradução de Iradj Roberto Eghrari
Editora Bahá'í do Brasil

No início do século dezenove o mundo esperava um milagre.

Cristãos no Ocidente esperavam a volta de Cristo das nuvens.

Aos muçulmanos no Oriente foi prometido o Dia do Julgamento.

Da Pérsia dois homens santos Shaykh Ahmad, e seu discípulo, Siyyid Kázim, sabiam que um Profeta havia nascido.

Eles dedicaram suas vidas para preparar os corações dos homens para aceitarem os ensinamentos do Profeta.

Antes de Siyyid Kázim morrer, ele disse aos seus discípulos que achassem o Prometido e lhes deu muitos sinais através dos quais eles O reconheceriam. Mullá Husayn foi um que iniciou a busca.

Inicialmente ele orou por 40 dias para purificar seu coração e pedir a ajuda de Deus.

Misteriosamente ele foi guiado à cidade de Shíráz.

No portão de Shíráz ele foi saudado por um Jovem que usava um turbante verde. Ele tratou Mullá Husayn como se fosse um velho amigo.

Ele convidou Mullá Husayn para sua casa a fim de que descansasse após sua longa viagem.

Aqui num pequeno quarto o Jovem despejou água sobre as mãos de Mullá Husayn, para limpá-las da poeira da jornada.

Eles rezaram juntos e Mullá Husayn disse:

"Eu tenho me esforçado de toda minha alma, ó meu Deus, e até agora falhei em achar o Seu Mensageiro Prometido"

Aquela noite depois do por do sol, dia 22 de maio, o Jovem proclamou:

"Verdadeiramente digo: Eu sou o Báb, a Porta de Deus..."

O Báb tinha apenas 25 anos.

Ele era descendente da família de Muhammad, o Profeta.

O conhecimento do Báb era divino em sua origem.

Esses e outros sinais provaram a Mullá Husayn que Ele era o Prometido.

Mullá Husayn tornou-se o primeiro seguidor do Báb. Logo após, 17 outras pessoas por esforço próprio acharam o Báb, e acreditaram nEle.

O Báb veio preparar o caminho para um Profeta de Deus ainda Maior, que iria unir a humanidade numa só religião e trazer paz ao mundo.

O Báb disse aos Seus seguidores: "cruzem o país de ponta a ponta... Levantem o chamado: "Despertai, despertai, pois eis! A Porta de Deus está aberta... O Prometido tornou-Se manifesto..."

O Báb enviou Mullá Husayn a Teerã, dizendo:

"Um segredo se encontra oculto nesta cidade. Quando tornar-se manifesto, tornará a terra num paraíso."

Em Teerã, Mullá Husayn conheceu Bahá'u'lláh.

Seu pai era um nobre que morreu quando Bahá'u'llá era jovem. Da mesma forma que o Báb, Bahá'u'lláh tinha um conhecimento divino.

Seu nome significa a "Glória de Deus"

Bahá'u'lláh era conhecido como Aquele que protegia "os pobres e forasteiros".

Bahá'u'lláh difundiu os ensinamentos do Báb e conquistou os corações de muitas pessoas.

Os seguidores do Báb ficaram conhecidos como Bábís.

Enquanto isso, o Báb seguiu de barco até Meca para anunciar Sua mensagem no Lugar Sagrado dos muçulmanos.

Milhares de persas acreditaram no Báb.

O xá enviou o mais erudito dos sábios para se encontrar com o Báb.

O sábio tornou-se um bábí dizendo: "Sua palavra é verdadeiramente a voz da Verdade".

Devido ao fato de alguns líderes muçulmanos estarem temerosos de perderem seu poder se muitas pessoas se tornassem bábís, eles odiavam a nova Fé do Báb. Os muçulmanos mataram e torturaram milhares de bábís.

O Báb foi capturado e aprisionado no Castelo de Makú. Aqui Ele escreveu Seu livro de leis e mandou Seus seguidores buscarem "Aquele que Deus tornará Manifesto".

Depois Seus inimigos colocaram o Báb em Chihríq, uma prisão na fronteira da Pérsia.

Seus seguidores viajavam centenas de quilômetros para vê-Lo. Os montanheses que viviam próximos da prisão amavam o Báb. Eles pediam Suas bênçãos todas as manhãs antes de começarem a trabalhar.

Mírzá Taqí Khán, o grão-vizir do xá, decidiu que a única maneira de parar a disseminação da Fé Bábí era matar o Báb.

O Báb sabia que iria morrer.

Ele enviou Suas canetas e escrituras a Bahá'u'lláh para que Ele as guardasse.

O Báb foi levado a Tabríz para ser morto por um pelotão de fuzilamento. 10.000 pessoas assistiram à execução. Um dos jovens seguidores do Báb, Anis, recusou-se a se separar dEle, e assim foram martirizados juntos.

Grande parte dos seguidores do Báb foram mortos ou dispersados. Dois anos após a morte do Báb, Bahá'u'lláh foi jogado numa masmorra em Teerã chamada "A Cova Negra". Acorrentado neste lugar horrível, Ele sofreu por quatro meses.

Uma noite, num sonho, Bahá'u'lláh ouviu estas palavras: "Verdadeiramente Nós o faremos vitorioso..."

Quando o governo finalmente libertou Bahá'u'lláh da prisão, Ele e Sua família foram obrigados a deixar a Pérsia. Bahá'u'lláh estava muito doente. Os pertences da família foram roubados. Eles viajaram com frio e fome, através das montanhas até a cidade de Bagdá.

Eles viviam em Bagdá há um ano quando Bahá'u'lláh foi sozinho ao deserto onde podia orar e ficar em paz. Aqui Ele ficou por dois anos.

Quando Sua família ouviu as estórias de um homem santo que vivia nas montanhas, eles sabiam que Ele devia ser Bahá'u'lláh. Eles enviaram um mensageiro pedindo a Bahá'u'lláh para voltar. Pouco depois ele voltou para Sua casa em Bagdá.

Muitas pessoas ouviram a mensagem de fraternidade dada por Bahá'u'lláh. Ele tinha tantos seguidores que Seus inimigos ficaram invejosos.

Eles pediram que o Governo mandasse Bahá'u'lláh embora.

Em 1963 o governo concordou.

Bahá'u'lláh passou 12 dias num jardim fora de Bagdá que Seus seguidores chamaram "O Jardim do Ridván"

Ali, Bahá'u'lláh anunciou aos Seus seguidores que Ele era o Prometido de todas as religiões, predito pelo Báb.

"O Mais amado chegou...feliz é o homem que para Ele se volve..."

Agora Bahá'u'lláh e Sua família tinham de partir para Constantinopla. Depois viajaram para Adrianópolis onde viveram 5 anos.

Aqui Bahá'u'lláh escreveu aos reis e líderes religiosos do mundo.

Ele advertiu os reis a se unirem e trabalharem pela paz mundial. Ele disse aos reis que parassem com a escravidão e que cuidassem dos pobres.

Ele disse aos líderes religiosos e reis que a hora da justiça havia chegado.

Eles não deram ouvido a Bahá'u'lláh.

Bahá'u'lláh e Sua família, junto com alguns seguidores, foram exilados na cidade-prisão de Akká na terra santa. Os inimigos de Bahá'u'lláh esperavam que Ele morresse devido ao péssimo ar e doenças de Akká.

Por 9 anos Bahá'u'lláh não pôde sair da cidade-prisão. Seus seguidores andavam centenas de quilômetros da Pérsia até Akká para poder vê-Lo. Eles eram impedidos de ultrapassar os portões de Akká.

Um dia, o filho mais novo de Bahá'u'lláh, Mírzá Mihdí, estava rezando no telhado da prisão, quando ele caiu no chão através de uma clarabóia. Enquanto estava caído no chão, agonizando, Bahá'u'lláh lhe perguntou qual o pedido que desejava fazer.

Mírzá Mihdí pediu que sua vida fosse um sacrifício para que aos crentes fosse permitido ver Bahá'u'lláh.

Em pouco tempo, os guardas da prisão abriram os portões para os visitantes.

Os seguidores de Bahá'u'lláh eram conhecidos como bahá'ís.

Por ensinarem a Fé, muitos bahá'ís foram torturados e mortos.

Em 1890 o professor E. G. Browne, veio da Inglaterra e se encontrou com Bahá'u'lláh.

O professor Browne recorda: "Jamais me esquecerei da fisionomia dAquele para quem olhava... Aqueles olhos penetrantes pareciam ler-nos a própria alma..."

Bahá'u'lláh disse: "Vieste ver um prisioneiro e exilado... só desejamos o bem do mundo... que todas as nações se unam em uma mesma Fé, e todos os homens sejam irmãos... não foi o que Cristo predisse?"

Bahá'u'lláh faleceu em 29 de maio de 1892. Em seu testamento Bahá'u'lláh disse aos crentes que seguissem 'Abdu'l-Bahá, Seu filho mais velho.

Bahá'u'lláh disse: "Nós O fizemos ('Abdu'l-Bahá) um refúgio para toda a humanidade..."

'Abdu'l-Bahá cuidava dos pobres e dos doentes. Desde Seus 8 anos de idade 'Abdu'l-Bahá serviu Seu Pai. Através do exemplo de Sua vida 'Abdu'l-Bahá nos mostrou como sermos bahá'ís.

'Abdu'l-Bahá disse: "Quando um homem volve sua face a Deus, ele vê luz em todas as partes. Todos os homens são seus melhores irmãos". A melhor forma de louvar a Deus é nos amarmos uns aos outros".

'Abdu'l-Bahá permaneceu preso por 40 anos, quando o governo turco O libertou, 'Abdu'l-Bahá já era velho.

'Abdu'l-Bahá viajou à Europa e aos Estados Unidos para ensinar a Fé Bahá'í.

'Abdu'l-Bahá disse:

A base dos ensinamentos de Bahá'u'lláh é a unidade da humanidade..."

Todos os povos e nações são como uma só família, os filhos de um mesmo Pai..."

Se encontrardes com pessoas de diferentes raças e cores que a vossa... pensem neles como se fossem rosas de diferentes cores, brotando no belo jardim da humanidade.

Antes de 'Abdu'l-Bahá falacer em 28 de novembro de 1921, Ele escreveu aos bahá'ís:

"A árvore da vida está começando a crescer. Em breve, irá produzir botões, folhas e frutos, e lançar sua sombra sobre o Oriente e o Ocidente"


Table of Contents: Albanian :Arabic :Belarusian :Bulgarian :Chinese_Simplified :Chinese_Traditional :Danish :Dutch :English :French :German :Hungarian :Italian :Japanese :Korean :Latvian :Norwegian :Persian :Polish :Portuguese :Romanian :Russian :Spanish :Swedish :Turkish :Ukrainian :