Announcing: BahaiPrayers.net


More Books by Compilações

A Assembléia Epiritual Nacional - The National Spiritual Assembly
A Assembléia Espiritual Local - The Local Spiritual Assembly
A Fonte de Todo Bem - The Source of All Good
A Importância da Oração e da Meditação
A Importância da Oração Obrigatória e do Jejum
A Importância das artes na promoção da Fé
A Instituição dos Conselheiros
A Lampada que Guia - Bahá'í Consultation
A Questão mais desafiadora
Aquisição de Sabedoria
Arte e Assuntos Correlatos
Assembléia Espiritual Local - Suplemento
Captando a Centelha da Fé - The Importance of Mass Teaching
Casamento Bahá'í
Conservação dos Recursos da Terra - Conservation of the Earth's Resources
Contribuição aos Fundos
Crise e Vitória
Desencorajando o Divórcio
Educação Bahai - Uma Compilação
Em busca da Luz do Reino - Excellence in all Things
Fidedignidade
Funeral Bahá'í
Huqúqu'lláh - O Direito de Deus
Juventude
Liberando o Poder da Ação Individual - Unlocking The Power of Action
Mulher
No Limiar da Paz - At the Dawn of Peace
O Aprofundamento, o Conhecimento e a Compreensão da Fé
O Convênio
O Indivíduo e o Ensino - Raising the Divine Call
Oposição da Fé
OraçSes Bahá'ís
Padrão de Vida Bahá'í
Por amor à Causa - Pionneiring
Preservando casamentos Bahá'ís
Revelação Bahá'í, A
Sabeísmo
Saúde, Higiene e Cura
Uma Conquista Especial - Proeminent People
Uma Nova Raça de Homens - A New Race of Men
Uma onda de ternura - Family Life
Uma Vida Casta e Santa
Viver a vida - Living the Life
Free Interfaith Software

Web - Windows - iPhone








Compilações : Crise e Vitória
CRISE E VITÓRIA
EXCERTOS DE ESCRITOS DE BAHÁ'U'LLÁH,
DOS ESCRITOS E ELOCUÇÕES DE ABDU'L-BAHÁ,
DOS ESCRITOS DE SHOGHI EFFENDI
E DE CARTAS ESCRITAS EM SEU NOME,
E DA CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA
E DE CARTAS ESCRITAS EM SEU NOME.
EDITORA BAHÁ'Í

Assembléia Espiritual Nacional dos Bahá'ís do Brasil 1990

Título original: CRISIS AND VICTORY

Compilado pelo Departamento de Pesquisa da Casa Universal de Justiça

Tradutor: Rolf von Czékus
Exceto trechos já publicados em língua portuguesa
A CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA
CENTRO MUNDIAL BAHÁ'Í
27 de outubro de 1987.
A todas as Assembléias Espirituais Nacionais
Estimados Amigos Bahá'ís:

Anexamos uma cópia de uma nova compilação intitulada “Crise e Vitória”, que, por instrução nossa, foi preparada pelo Departamento de Pesquisa. A finalidade desta compilação é de orientar os crentes quanto aos processos, dentro e fora da Fé, que acompanharão sua emergência progressiva no cenário do mundo.

Tribulações acompanham e incentivam o desenvolvimento da Fé de Bahá'u'lláh. Ao descrever o fluxo da história bahá'í, o amado Guardião identificou um padrão de crescimento que é caracterizado por “uma série de pulsações, de crises alternadas com triunfos, que a conduz cada vez mais para perto do seu destino divinamente predeterminado.”

À medida que a estatura da Causa de Deus aumenta aos olhos do mundo, o processo de sua emergência para a notoriedade da atenção pública, resultando, em grande parte, dos sacrifícios indescritíveis dos amados amigos no Irã, é acelerado, e a Fé, gradual e inevitavelmente, é projetada ao próximo estágio de seu desenvolvimento, que vem sendo divinamente impulsionado.

A proteção de sua expansão relativamente imperceptível permitiu que as fundações da Fé fossem estabelecidas e consolidadas, e a comunidade alcançasse um nível de estabilidade. Agora, com a entrada da Fé no cenário mundial, exortamos os crentes, em todas as partes, a não se deixarem perturbar, nem por um momento, por qualquer aumento de oposição à Causa. Ao contrário, que aprofundem a sua compreensão da interação criativa entre crise e vitória na evolução da Fé e aumentem sua conscientização do poder inerente à Causa de sobrepujar todos os obstáculos que ameaçam seu progresso. Armados com este conhecimento, que aproveitem as oportunidades que surgem e abracem os desafios dados por Deus, confiantes na invencibilidade da Fé e na progressiva marcha avante de suas Instituições.

Com amorosas saudações bahá'ís,
A Casa Universal de Justiça
Anexo
I
“As hostes do mundo... dão assalto de
todos os lados...”

'Abdu'l-Bahá, citado em “O Advento da Justiça Divina, p. 12

EXCERTOS DOS ESCRITOS DE
BAHÁ’U’LLÁH

1. No princípio de cada Revelação, prevaleceram adversidades, as quais, mais tarde, se transformaram em grande prosperidade.

Citado em “O Advento da Justiça Divina”
(Rio de Janeiro: Editora Bahá'í do Brasil,
1977, p. 124)
* * *

2. Considerai as gerações antigas. Vede como, cada vez que o Sol da graça Divina irradiava a luz de Sua Revelação sobre o mundo, o povo de Seu Dia se levantava contra Ele e Lhe repudiava a verdade. Os que eram considerado os líderes dos homens esforçavam-se, invariavelmente, por impedir que os adeptos se dirigissem Àquele que é o Oceano da graça ilimitada de Deus...

Tu tens sabido quão lastimavelmente foram afligidos os Profetas de Deus, Seus Mensageiros e Eleitos. Medita um pouco sobre o motivo e a razão responsáveis por tal perseguição. Em tempo algum, em nenhuma Era, têm os Profetas de Deus escapado da blasfêmia de seus inimigos, da crueldade de seus opressores e da denúncia por parte dos eruditos da época, que apareciam no disfarce de integridade e piedade. Dia e noite passavam eles por tais angústias como jamais podem ser medidas, salvo pelo conhecimento do Deus Uno e Verdadeiro – exaltada seja Sua glória.

“Seleção dos Escritos de Bahá'u'lláh” (Mogi
Mirim : Editora Bahá'í do Brasil, 2001),
XXIII, p. 53-54

3. Sabei vós que provações e tribulações, desde tempos imemoriais, têm sido a sorte dos Eleitos de Deus e de Seus bem-amados e daqueles de Seus servos que estejam desprendidos de tudo mais, senão d’Ele, daqueles a quem nenhuma mercadoria, nenhum comércio, possa seduzir da lembrança do Onipotente, que não falam antes de Ele haver falado e que agem de acordo com Seu mandamento. Tal é o método de Deus levado a efeito nos tempos antigos e assim permanecerá no futuro.

“Seleção dos Escritos de Bahá'u'lláh” (Mogi
Mirim : Editora Bahá'í do Brasil, 2001),
LXVI, p. 103

4. ...Por Minha vida! Meu coração geme e Meus olhos pranteiam pela Causa de Deus e por aqueles que não compreendem o que dizem, e imaginam o que não podem compreender.

“Seleção dos Escritos de Bahá'u'lláh” (Mogi
Mirim : Editora Bahá'í do Brasil, 2001),
C, p. 155

5. E se um rouxinol1 alçar vôo do barro do ego e, aninhando-se no roseiral do coração, relatar, em melodias árabes e doces canções iranianas, os mistérios de Deus – das quais uma só palavra traz uma vida nova e fresca aos corpos dos mortos e concede o Espírito Santo aos ossos putrefatos desta existência – verás mil garras de inveja, miríades de bicos rancorosos que O perseguem com todas as suas forças, intentando Sua morte...

Ó Meu amigo! Muitos cães perseguem esta gazela do deserto da unicidade; muitas garras agadanham este tordo do jardim eterno. Corvos impiedosos esperam por este pássaro do paraíso de Deus, e o caçador de inveja aproxima-se sorrateiramente deste cervo do prado do amor.

“The Seven Valleys and the Four Valleys”
(Wilmette: Bahá’í Publishing Trust, 1986),
p. 20; p. 41 (1o. parágrafo: “A Revelação
Bahá'í” (Rio de Janeiro: Editora Bahá'í do
Brasil, 1976, 2a. edição), p. 110)

6. É claro e evidente que, todas as vezes que os Manifestantes da Santidade se revelavam, os sacerdotes do tempo impediam o povo de atingir o caminho da verdade. Isso é atestado por todas as Escrituras e todos os Livros Celestiais. Nenhum Profeta de Deus se manifestou

que não caísse vítima do ódio implacável, da calúnia, negação e execração por parte do clero de Seu tempo!...

...Prevemos que em cada cidade se levantarão pessoa paras suprimir a Abençoada Beleza, e que os companheiros desse Senhor da existência, desse Desejo último de todos os homens, fugirão da face do opressor, buscando refúgio no deserto, enquanto outros se resignarão e, com desprendimento absoluto, sacrificarão a vida em Seu caminho.

“O Kitáb-i-Iqán”(Rio de Janeiro: Editora Bahá'í
do Brasil, 1977, 2a. edição), p. 103 e 151
EXCERTOS DOS ESCRITOS DE
BAHÁ’U’LLÁH

7. ...O Prestígio da Fé de Deus tem crescido imensamente. Sua grandeza está agora manifesta. Aproxima-se o dia em que ela terá lançado um enorme tumulto no corações dos homens. Regozijai, portanto, ó habitantes da América; exultai com extrema alegria!

Citado em “The World Order of Bahá'u'lláh: Selected Letter”,

2a. Edição revisada. (Wilmette: Bahá'í Publishing Trust, 1974) p. 79

8. ... Nestes dias a Causa de Deus está crescendo rapidamente em poder pelo mundo inteiro e, dia a dia, está difundindo-se mais e mais, alcançando os derradeiros confins da Terra. Seus inimigos, pertencentes a todos os povos e raças do mundo, estão, conseqüentemente, mostrando-se cada vez mais agressivos, malévolos, invejosos e virulentamente hostis. Incumbe aos amados de Deus exercitarem a maior cautela e prudência em todas as coisas, de grande ou de pequena monta, consultarem juntos e, unidos, resistirem ao furioso assalto dos instigadores de conflito e promotores do mal.

Seleção dos Escritos de 'Abdu'l-Bahá, nº 194 p.212

9. Ó rebento excelso do Lótus divino!... Quando fores desprezado e rejeitado pelos iníquos, não esmoreças; e tampouco fiques contrariado ou desgostoso pelo poder e contumácia dos presunçosos; pois assim agem as almas desatentas, desde tempos imemoriais. "Ai, a miséria dos homens! Nenhum Mensageiro lhes vem que não sofra o riso escarnecedor da parte deles!"2

Na realidade, os ataques e a oposição dos ignorantes simplesmente causam a exaltação do verbo de Deus e a propagação de Seus sinais e provas por todos os quadrantes. Não fora essa oposição dos desdenhosos, essa dureza de coração dos caluniadores, esse vociferar dos púlpitos, esse bramir e lamuriar de grandes como de pequenos, essas acusações de incredulidade assacadas pelos ignorantes, esse alarido dos néscios - como jamais poderiam as novas do advento do Ponto Primaz e do nascer esplêndido do sol de Bahá ter alcançado Oriente e Ocidente? Como poderia o planeta haver sido abalado de um pólo a outro? De que modo poderia a Pérsia ter-se tornado o ponto focal dos esplendores rútilos e a Ásia Menor o núcleo irradiador da beleza do Senhor? Como então haveria sido possível à fama da Manifestação difundir-se até o Sul? Por que meio poderiam os brados de Deus ter sido ouvidos no Norte longínquo? De que forma poderia Seu chamado haver sido escutado nos continentes da América e da África, a negra? Como poderia o cocoricar do Céu haver penetrado aqueles ouvidos? De que outra maneira teria sido possível aos doces papagaios da Índia encontrar este açúcar, ou aos rouxinóis verter seus gorjeios da terra do Iraque? O que mais poderia pôr Leste e Oeste a dançar, ou fazer com que este Lugar Sagrado se tornasse o trono da Beleza de Deus? Como haveria sido capaz de o Sinai contemplar esse fulgor ardente ou a chama do Advento de adornar esse monte? De que modo se poderia fazer da Terra Santa o escabelo da beleza divina, e do vale sagrado de Towa3 o sítio da excelência e graça, o excelso local onde Moisés tirou as sandálias? Como poderiam as brisas do paraíso bafejar através do Vale da Santidade ou as efusões docemente fragrantes e etéreas que emanam dos jardins de Abhá ser porventura sentidas por aqueles que habitam a Ilha Verdejante? De que outra forma jamais poderiam as promessas dos Profetas, as novas jubilosas dos santos Videntes d'outrora e as comovedoras promissões feitas a este Lugar Sagrado haver sido cumpridas?

...Todas essas bênçãos e graças – verdadeiros meios de proclamar a Fé – vieram a ser através da zombaria dos ignorantes, da oposição dos tolos, da pertinácia dos obtusos de espírito e da violência dos agressores. Não fosse por isso, a notícia do advento do Báb não teria ainda hoje sequer alcançado as plagas circunvizinhas. Por conseguinte, nunca deveríamos nos lastimar pela cegueira dos inconscientes, pelos ataques dos insensatos, pela hostilidade dos vis e abjetos, pela negligência dos clérigos ou pelas acusações de infidelidade contra nós formuladas pelos tolos. Procederam também desta forma em épocas passadas. Fossem eles dos que sabem, assim não seria; estão, entretanto, imersos em trevas, e não chegam a apreender o que lhes é dito4.

Seleção dos Escritos de 'Abdu'l-Bahá, nº 195 p.213

10. Já nos pronunciáramos antes aos amigos, tanto por escrito como verbalmente, no sentido de que eles, no Ocidente, terão indubitavelmente sua porção das calamidades sofridas pelos amigos do Oriente. Já que estão trilhando o caminho de Bahá'u'lláh, é inevitável que também se tornem vítimas da perseguição dos opressores...

Vós, agora, do mesmo modo, deveis certamente tornar-vos meus parceiros e aceitar vosso quinhão de provações e pesares. Esses episódios, contudo, hão de passar, ao passo que a glória duradoura e a vida eterna permanecerão imutáveis por todo o sempre. Ademais, essas aflições serão causa de enorme progresso.

Seleção dos Escritos de 'Abdu'l-Bahá, nº 196 p. 217

11. ...Neste dia os poderes de todos os líderes da religião têm em mira dispersar a congregação do Todo-Misericordioso e demolir a Estrutura Divina. As hostes do mundo, quer sejam materiais, culturais ou políticas, dão assalto de todos os lados, pois a Causa é grande, muito grande. Sua grandeza está, neste dia, clara e manifesta aos olhos dos homens. Conseqüentemente, incumbe a todos que entraram à sombra da asa protetora da benévola providência de Deus demonstrar, através de Sua ajuda divina e misericordiosa, uma constância e firmeza conspícua tais que prenderá o olhar e estarrecerá as mentes de todos.

Quando da ascensão do Espírito (Jesus Cristo), a companhia daqueles que aceitaram a nova Revelação não somava mias do que umas poucas almas. Tão intenso foi o alarme e a perturbação a que este evento deu origem que, durante algum tempo, estas almas foram completamente dominadas por sua agitação e confusão. Então, alguns dias mais tarde, uma mulher com o nome de Maria Madalena surgiu, e, por seu próprio, exemplo, instilou neles uma constância e firmeza que os capacitou a se levantarem para a propagação da Palavra de Deus. Ainda que aparentemente não fossem mais que pescadores e tintureiros, ainda assim, através da sagrada confirmação da Causa de Deus, levaram as fragrâncias divinas por toda à parte, adoçando o alento de todos que inalavam as suas fragrâncias e trazendo vida nova a todo coração compreensivo.

Tomai coragem, então, ó vós amigos fiéis de Deus, com o aparecimento desta força poderosa e toda dominadora, assemelhando-se a um espírito que permeou o corpo do mundo, tornando-se vibrante com sua energia, e fazendo com que os pilares da idolatria vacilassem e tremessem.

As primeiras três sentenças são, na sua versão inglesa, uma

tradução de Shoghi Effendi e citadas em “O Advento da

Justiça Divina”, p.12. O restante do excerto foi
recentemente traduzido.

12. ...uma grande multidão de pessoas levantar-se-á contra vós, vos oprimindo, vos dirigindo insultos e escárnio, evitando vossa companhia, e cobrindo-vos de ridículo. No entanto, o Pai Celestial vos iluminará a um ponto tal que semelhantes aos raios do sol, dispersareis as negras nuvens da superstição, brilhareis gloriosamente no meio dos Céus e iluminareis a face da terra. Deveis fazer firmes vossos passos por ocasião da emergência destes testes, e demonstrar indulgência e paciência. Deveis resistir a eles com o máximo de amor e bondade; considerai sua opressão e perseguição como o capricho de crianças, e não dai nenhuma importância ao que fazem. Porque no fim, a iluminação do Reino sobrepujará a escuridão do mundo e a exaltação e grandeza de vossa posição se tornará aparente e manifesta; ...Estai seguros.

Citado em “Bahá'í News” [“Star of the West”],
vol. 1, no. 10, 8 de setembro de 1910, p.1-2

13. ...Dentro em pouco os malfeitores naquele país se erguerão para acumular denúncias sobre os crentes verdadeiros e darem vazão a seu rancor sobre a companhia de fiéis. Cada dia infligirão uma ferida mortificante, cada hora um golpe atordoador. Censurando os amigos por causa do amor que têm a Bahá'u'lláh e a 'Abdu'l-Bahá, considerando justificadas as suas denúncias, seu escárnio e malícia, e não pouparão esforços para infligir aos amigos toda e qualquer injúria que esteja dentro de suas possibilidades. Tal conduta está de acordo com os modos e práticas dos povos de outrora: em séculos idos, durante os dias do aparecimento dos santos Manifestantes, o povo agiu exatamente deste modo; e agora, nestes dias, é inevitável que repitam tais ações, ou antes agirão com maior perversidade que anteriormente... Conseqüentemente é certo que serás afligido por adversidades, testes e injúrias por amor a Bahá'u'lláh; no entanto estas aflições serão as mais puras generosidades e dádivas, e um sinal de teu acolhimento no Limiar Divino.

(De uma Epístola recentemente traduzida)

14. Após a minha partida porém, algumas pessoas poderão se levantar em oposição, acumulando perseguições sobre vós em sua amargura, e nos jornais poderá haver artigos publicados contra a Causa. Estais seguros da promessa de firmeza. Sede equilibrados e serenos, recordando que isto é tão somente como o chilreio de pardais e que em breve irá passar...

Portanto, meu propósito é de prevenir e fortalecê-los contra acusações, crítica, insultos e motejo em artigos de jornais ou outras publicações. Não vos perturbeis com os mesmos. Eles são a própria confirmação da Causa, a própria origem de desenvolvimento para o Movimento. Possa Deus sancionar o dia quando um punhado de ministros das igrejas se levantar e, desavergonhadamente, gritar com toda a força de seus pulmões que os bahá'ís são desencaminhados. Gostaria de ver este dia, pois este é o momento em que a Causa de Deus se espalhará. Tais como estes, Bahá'u'lláh considerou estafetas da Causa. Proclamarão dos púlpitos que os bahá'ís são tolos, que são pessoas más e iníquas, porém sede firmes e resolutos na Causa de Deus. Eles divulgarão a mensagem de Bahá'u'lláh.

“The Promulgation of Universal Peace: Talks
Delivered by ‘Abdu’l-Bahá during His Visit to
the United States and Canada In 1912”, 2a. ed.
(Wilmette: Bahá’í Publishing Trust, 1982),
p. 428-430
EXCERTOS DOS ESCRITOS DE
SHOGHI EFFENDI

15. ...Eu estou, contudo, assegurado e sustentado pela convocação, que jamais se obscureceu em minha mente, de que, o que quer que venha a acontecer na Causa de Deus, por mais inquietante que seja em seus efeitos imediatos, reflete uma infinita Sabedoria e tende, em última instância, a promover seus interesses no mundo. Certamente nossas experiências do passado distante, assim como dos acontecimentos recentes, são por demais numerosas e variadas, para permitirem qualquer apreensão ou dúvida quanto à verdade deste princípio básico – um princípio que através das vicissitudes de nossa sagrada missão neste mundo, nunca devemos desconsiderar ou esquecer...

É verdade que a Causa, como todos os outros movimentos, tem seus próprios obstáculos, complicações e dificuldades imprevisíveis, porém ,diferentemente de qualquer outra organização, inspira um espírito de Fé e Devoção que jamais deixa de nos induzir a realizar esforços renovados e sinceros para enfrentar estas dificuldades e remover quaisquer diferenças que possam e devam surgir.

23 de Dezembro de 1922, em “Bahá'í Administration:

Selected Messages 1922-1932”, ed. Revisada (Wilmette:

Bahá’í Publishing Trust, 1974), p.27-28

16. Por um lado, as notáveis revelações da Última Vontade e Testamento de nosso amado, tão espantosas em todos os seus aspectos, tão enfáticas em suas injunções, desafiaram e deixaram perplexas as mentes mais aguçadas, enquanto que a sempre crescente confusão do mundo, ameaçado como nunca antes por forças disruptivas, ferozes rivalidades, renovadas comoções e grave desordem, quase assoberbou o coração e extinguiu o zelo até mesmo do mais entusiástico crente no destino da humanidade.

E , no entanto, quão freqüentemente parecemos esquecer das advertências repetidas e clara de nosso amado Mestre, o qual, especialmente durante os anos finais de Sua missão na terra, enfatizou os “severos testes mentais” que iriam, inevitavelmente, assolar Seus amados do ocidente – testes que iriam purgar, purificar e prepara-los para a sua nobre missão na vida.

14 de Novembro de 1923, em Bahá'í Administration:
Selected Messages 1922-1932”, p.50

17. Que a causa de Deus deverá, nos dias a vir, testemunhar muitos momentos desafiadores e passar por estágios críticos, como preparação para as glórias de sua prometida ascendência do novo mundo, tem sido repetidamente afirmado, de forma incontestável, por nosso falecido Mestre, e é copiosamente provado a todos nós por seu heróico passado e turbulenta história.

23 de Fevereiro de 1924, em ‘Bahá'í Administration:

Selected Messages 1922-1932”, p.60-61

18. Não podemos crer que, à medida que o Movimento cresce com força, autoridade e influência, as perplexidades e os sofrimentos com que teve que se debater no passado venham correspondentemente a diminuir e a desaparecer. Não, antes, à medida que ele cresce em força cada vez mais, os defensores fanáticos das fortalezas da ortodoxia, quaisquer que sejam suas denominações, conscientizando-se da influência penetrante desta Fé em crescimento, levantar-se-ão e envidarão todos os esforços para extinguir sua luz e desacreditar seu nome.

12 de Fevereiro de 1927, em ‘Bahá'í Administration:

Selected Messages 1922-1932”, p.123

19. Que cada diligente defensor da Causa de Bahá'u'lláh se conscientize que as tempestades que a Fé de Deus, ainda se debatendo, deve necessariamente enfrentar, à medida em que o processo de desintegração da sociedade avança, serão mais ferozes do que quaisquer que já tenha conhecido. Que ele esteja cônscio que, tão logo a total medida da estupenda reivindicação da fé de Bahá'u'lláh venha a ser reconhecida por aquelas tradicionais e poderosas fortalezas de ortodoxia, cujo objetivo deliberado é o de manter sua força opressora sobre os pensamentos e consciências dos homens, esta fé nascente terá de contender com inimigos mais poderosos e mais insidiosos do que os mais cruéis torturados profissionais e os mais fanáticos clérigos que a afligiram no passado. Que inimigos, no decorrer das convulsões que se apossarão de uma civilização moribunda, não poderão ser traduzidas à existência? Estes reforçarão as indignidades que já foram acumuladas sobre ela!

Precisamos unicamente nos referir às admoestações proferidas por 'Abdu'l-Bahá, a fim de nos darmos conta do âmbito e caráter das forças que estão destinadas a pelejar com a sagrada Fé de Deus. Nos momentos mais negros de Sua vida, sob o regime de 'Abdu'l-Hamíd, quando estava pronto para ser deportado para as regiões mais inóspitas da África do Norte, e numa época em que a luz auspiciosa da Revelação Bahá'í havia tão somente começado a surgir no Ocidente, Ele, em Sua mensagem de despedida ao primo do Báb, proferiu estas proféticas e ominosas palavras: “Quão grande, quão mui grande é esta Causa! Quão violento o ataque furioso de todos os povos e gentes da terra! Em breve, o clamor da multidão através da África e da América, o grito dos europeus e dos turcos, os gemidos da Índia e China, serão ouvidos tanto de longe quanto de perto. Todos eles se levantarão, com todo o seu poder para resistir à sua Causa. Então os cavaleiros do Senhor, assistidos por Sua graça oriunda do alto, fortalecidos pela Fé, ajudados pelo poder da compreensão, e reforçados pelas legiões do Convênio, levantar-se-ão e tornarão manifesta a verdade do versículo: ‘Vede a confusão que sobreveio às tribos dos derrotados!’”

Por mais estupenda que seja a luta que Suas palavras prenunciam, elas também dão testemunho da completa vitória que os defensores do Máximo Nome estão destinados, finalmente, a alcançar. Povos, nações, aderentes de diversas fés, levantar-se-ão em conjunto e sucessivamente para despedaçar sua unidade, para solapar sua força e para degradar seu sagrado nome. Eles irão atacar, não somente o espírito que ela inculca, como também a administração que é o canal, o instrumento, a corporificação daquele espírito. Pois à medida em que a autoridade com que Bahá'u'lláh investiu a futura Comunidade Mundial Bahá'í se tornar cada vez mais aparente, mais feroz será o desafio que, de todos os lados, será lançado às verdades que ele cultua.

12 de Março de 1930, em “The World Order of Bahá'u'lláh:

Select Letters”, 2a. ed. revisada (Wilmette:
Bahá’í Publishing Trust, 1974), p. 17-18

20. A separação que se estabeleceu entre as instituições da Fé Bahá’í e as organizações eclesiásticas Islâmicas que se lhe opõem – um movimento que se originou no Egito e está agora se alastrando constantemente através do Oriente Médio e, no devido tempo, transmitirá sua influência ao Ocidente – impõem, a cada aderente de Sua Causa, a obrigação de se abster de qualquer palavra ou ação que possa prejudicar a posição que nossos inimigos têm, em anos recentes e espontaneamente, proclamado e estabelecido. Pode-se dizer que este desenvolvimento histórico, cujo começo não poderia ser reconhecido nem mesmo antecipado durante os anos imediatamente anteriores ao falecimento de 'Abdu'l-Bahá, sinalizou o Período Formativo de nossa Fé e preparou o caminho para a consolidação de sua Ordem administrativa. À medida que este movimento ganha impulso e recebe ímpeto adicional da atitude e ação futura das autoridades civis na Pérsia, irá, inevitavelmente, manifestar suas repercussões no Ocidente e incitará os líderes da Igreja e finalmente as autoridades civis a contestarem as reivindicações e eventualmente a reconhecerem o status independente da Religião de Bahá'u'lláh... Nossos adversários no Oriente iniciaram a luta. Nossos futuros oponentes no Ocidente, por sua vez, levantar-se-ão e a levarão a um estágio seguinte. É nosso dever, antecipando esta luta inevitável, manter inequivocamente e com lealdade individida, a integridade de nossa Fé e demonstrar o caráter distinto de suas instituições divinamente nomeadas.

15 de junho de 1935, em “Messages to América: Selected

Letters and Cablegrams Addressed to the Bahá'ís of North

America 1932-1946” Wilmette: Bahá’í Publishing
Committee, 1947), p. 4-5

21. Nenhum observador imparcial pode deixar de admitir que as forças da irreligião, de uma filosofia puramente materialista, do paganismo dilacerado, foram libertadas, estão agora alastrando-se, e, consolidando-se, estão começando a invadir algumas das mais poderosas instituições cristãs do mundo ocidental. Poucos ou nenhum, entre aqueles que estão atentamente observando o progresso de Sua Fé, estariam inclinados a questionar o fato de que estas instituições estão se tornando cada vez mais inquietas, que algumas entre elas já estão vagamente conscientes da influência penetrante da Causa de Bahá'u'lláh, que elas irão, à medida que sua força inerente se deteriora e sua disciplina relaxa, olhar com profundo desalento a ascendência de Sua Nova Ordem Mundial e, gradualmente, irão decidir assediá-la e tal oposição por sua vez, acelerará seus declínios.

A ameaça do secularismo que atacou o islamismo e está solapando suas instituições restantes, que invadiu a Pérsia, que penetrou na Índia, e levantou sua cabeça triunfante na Turquia, já se manifestou tanto na Europa como na América, e está, em graus diversos, e sob várias formas e designações, desafiando a base de toda religião estabelecida...

11 de Março de 1936, em “World Order of
Bahá'u'lláh: Select Letters”, p. 180-181

22. …Verdadeiramente fecundo são os anos que assomam à nossa frente. Os processos gêmeos de desintegração interna e caos externo estão sendo acelerados diariamente e estão inexoravelmente rumando em direção a um clímax.

A comunidade do Máximo Nome, o fermento que deve levedar a massa, o remanescente escolhido que deve sobreviver à queda da velha, desacreditada e cambaleante Ordem e ajudar no desdobramento de uma nova em seu lugar, encontra-se pronta, alerta, com visão clara e resoluta... Ferozes e múltiplos, serão os ataques com os quais governos, raças, classes e religiões, invejosos de seu crescente prestígio e temerosos de sua força consolidadora, procurarão silenciar sua voz e solapar suas fundações. Impassível à relativa obscuridade que a rodeia presentemente, e sem se deixar intimidar pelas forças que serão dispostas contra ela no futuro, esta comunidade – não posso deixar de sentir confiança – irá, não importa quão aflitiva as agonias de uma era que sente as dores do parto, persistir em seu destino, sem se desviar de seu curso, imperturbável em sua serenidade, inflexível em seu propósito, inabalada em suas convicções.

5 de Julho de 1938, em Messages to América:
Selected Letters and Cablegrams Addressed to
the Bahá’ís of North America, 1932-1946”, p.14

23. ...Como podem os primórdios de um cataclismo mundial, desenfreando forças que estão perturbando tão gravemente o equilíbrio social, religioso, político e econômica de uma sociedade organizada, levando ao caos e à confusão os sistemas políticos, as doutrinas raciais, os conceitos sociais, os padrões culturais, as associações religiosas e relações comerciais – como podem tais agitações, em tão vasta escala, tão sem precedentes, deixar de produzir qualquer repercussão sobre as instituições de uma Fé de tão terna idade e cujos ensinamentos têm uma relação direta e vital com cada uma dessas esferas de vida e conduta humanas?

Não é de se admirar, pois, se aqueles que estão erguendo a bandeira de uma Fé tão difundida, de uma Causa tão desafiadora, se vêem afetados pelo impacto dessas forças que abalam o mundo. Não é de se admirar se, em meio a esse redemoinho de paixões em contenda, sua liberdade tem sido reduzida, seus princípios desprezados, suas instituições atacadas, seus motivos difamados, sua autoridade posta em perigo, sua pretensão rejeitada.

Nem se deveria deixar passar despercebida nenhuma das múltiplas oportunidades, de ordem totalmente diferente, que a evolução a própria Fé, quer seja em seu centro mundial ou no continente norte-americano, ou mesmo nas mais remotas regiões da Terra, há de criar, instando mais uma vez aos crentes americanos que desempenhem um papel não menos conspícuo do que a sua participação prévia, com suas contribuições coletivas para a propagação da Causa de Bahá’u’lláh. Só posso no momento citar, ao acaso, certas dessas oportunidades que sobressaem preeminentemente, em qualquer tentativa de examinar as possibilidades do futuro... a libertação das comunidades bahá’ís dos grilhões da ortodoxia religiosa em tais países islâmicos como a Pérsia, o Iraque e o Egito, e o conseqüente reconhecimento, pelas autoridades civis nesses estados, da condição independente e do caráter religioso das Assembléias Bahá’ís Nacionais e Locais; as medidas precatórias e defensivas a serem planejadas, coordenadas e executadas a fim de neutralizar a plena força dos inevitáveis ataques que os esforços organizados das organizações eclesiásticas das várias seitas desencadearão progressivamente e prosseguirão inexoravelmente; e, em último lugar, porém não da menor importância, as numerosas questões que devem ser enfrentadas, os obstáculos que devem ser vencidos, e as responsabilidades que hão de ser assumidas, para que uma Fé severamente opressa possa atravessar as sucessivas etapas da obscuridade completa, da repressão ativa, da emancipação total, conduzindo então ao seu reconhecimento como Fé independente, gozando da mesma condição de plena igualdade com as religiões irmãs, a ser seguida por seu estabelecimento e reconhecimento como religião de Estado, a qual, por sua vez, deverá ceder à sua assunção dos direitos e prerrogativas associadas ao Estado Bahá’í, funcionando na plenitude de seus poderes – etapa essa que há de culminar, finalmente, na emergência do Estado Bahá’í mundial, animado inteiramente pelo espírito e operando unicamente de conformidade direta com as leis e os princípios de Bahá’u’lláh...

Na prossecução desta dupla cruzada os guerreiros valorosos que lutam em nome de Bahá’u’lláh e em prol de Sua Causa haverão, forçosamente, de encontrar obstinada resistência e sofrer muitos reveses. Seus próprios instintos, não menos que a fúria das forças conservadoras, a oposição dos interesses consumados e as objeções de uma geração corrupta, em busca do prazer, devem ser levados em conta, resistidos resoluta e superados completamente. Enquanto suas medidas defensivas para a luta iminente forem organizadas e ampliadas, tempestades de abuso e de ridículo, bem como campanhas de condenação e deturpação serão, possivelmente, desenfreadas contra eles. Breve, talvez, verifiquem que sua Fé haja sido atacada, sendo mal interpretados seus motivos, difamados seus objetivos, ridicularizadas suas aspirações, zombadas suas instituições, menosprezada sua influência, e que, algumas vezes, sua Causa tenha sido abandonada por alguns poucos incapazes de apreciar a natureza de seus ideais, ou que não se dispunham a enfrentar o peso das sempre crescentes críticas envolvidas, seguramente, em tal contenda. “Por causa de ‘Abdu’l-Bahá”, predisse o bem-amado Mestre, “passareis por muitas provações. Tribulações haverão de vos sobrevir e sofrimento vos afligir”.

Que o exército invencível de Bahá’u’lláh, entretanto, que há de combater num dos epicentros potenciais do Ocidente, em Seu Nome e por Sua Causa, numa das batalhas mais ferozes e gloriosas, não tema qualquer crítica que lhe possa ser dirigida. Que não seja detido por qualquer condenação com que a língua do caluniador possa tentar deturpar-lhe os motivos. Que não recue diante do avanço ameaçador das forças do fanatismo, da ortodoxia, da corrupção e do preconceito que se possam aliar contra ele. A voz da crítica é uma voz que, indiretamente, reforça a proclamação de sua Causa. A impopularidade apenas serve para por em mais alto relevo o contraste entre ele e seus adversários; enquanto o desprezo é em si o poder magnético que haverá de atrair à sua causa, afinal, os mais vociferantes e inveterados dentre seus inimigos.

25 de Dezembro de 1938, “O Advento da Justiça

Divina” (Rio de Janeiro: Editora Bahá'í do Brasil,

1977), p. 7-8; p. 24-25; p. 64-66

24. Uma mecha das características salientes de tão abençoado e frutífero ministério não deve deixar de mencionar as profecias que a pena infalível do designado Centro do Convênio de Bahá'u'lláh registrou. Estas prognosticam a impetuosidade da investida que a irresistível marcha da Fé haverá de provocar no Ocidente, na Índia e no Extremo Oriente ao confrontar-se com as veneráveis ordens sacerdotais da religião cristã, budista e hindu. Pressagiam o tumulto que sua emancipação dos grilhões da ortodoxia religiosa causará nos continentes de América, Europa, Ásia e África.

1944, “A Presença de Deus” (Rio de Janeiro:
Editora Bahá'í do Brasil, 1981) p. 124

25. Não importa quão longo seja o período que os separa da vitória final: por mais árdua que seja a tarefa; por mais formidáveis que sejam os esforços que lhes são exigidos; por mais sombrios que sejam os dias que a humanidade, perplexa e dolorosamente testada, deve atravessar em sua hora de sofrimento; por mais severos que sejam os testes com os quais aqueles que devem redimir seu destino serão confrontados; por mais aflitivos que sejam os dardos que seus inimigos atuais, assim como aqueles a quem a Divina Providência fará surgir de dentro ou de fora através de Suas dispensações misteriosas, farão chover sobre eles, por mais penosa que seja a provação de uma separação temporária do coração e centro nervoso de sua Fé que futuros distúrbios imprevisíveis possam lhe impor, eu lhes suplico, pelo sangue precioso que flui em tão grande profusão, pelas vidas dos inumeráveis santos e heróis que foram imolados, pelo supremo, glorioso sacrifício do Profeta-Arauto de nossa Fé, pelas tribulações às quais seu Próprio Fundador voluntariamente se submeteu, a fim de que Sua Causa pudesse viver, Sua Ordem possa redimir um mundo despedaçado e sua glória possa inundar todo o planeta – eu lhes suplico, à medida em que esta hora solene se aproxima, a que se decidam a nunca se retrair, nunca hesitar, nunca descansar, até que todos os objetivos nos Planos a serem proclamados, em data posterior, tenham sido totalmente realizados.

30 de Junho de 1952, em “Messages to the Bahá'í
World 1950-1957” (Wilmette: Bahá’í Publishing
Trust, 1971), p. 38-39

26. …que prossigam vigorosamente, sem serem dissuadidos pelo clamor que os expoentes da ortodoxia religiosa seguramente levantarão, ou pelas medidas restritivas que os líderes políticos possam impor; impávidos apesar da pequenez de seus números e a multitude de seus adversários potenciais, munidos com as armas eficazes que suas próprias mãos vagarosa e laboriosamente forjaram antecipando este encontro glorioso e inevitável com as forças organizadas da superstição, da corrupção e da descrença; pondo sua inteira confiança na potência inigualável dos ensinamentos de Bahá'u'lláh, na força de Seu poder que a tudo conquista e na infalibilidade de Suas gloriosas e muitas vezes repetidas promessas.

18 de Julho de 1953, em “Citadel of Faith,
Messages to America 1947-1957” (Wilmette:
Bahá’í Publishing Trust, 1980), p.120

27. Os problemas administrativos que enfrentam são diversos e complexos. A oposição que uma Fé nascente deve necessariamente encara, especialmente de parte dos líderes da ortodoxia religiosa nos países islâmicos do norte, irá se tornar mais aparente e crescer em severidade à medida que as instituições desta Fé se multiplicarem.

Do punho de Shoghi Effendi, apensada a
uma carta datada de 2 de Julho de 1956,
escrita em seu nome a uma Assembléia
Espiritual Nacional da África
EXCERTOS DE CARTAS ESCRITAS EM
NOME DE SHOGHI EFFENDI

28. ... Pois a história da Causa, especialmente na Pérsia, é uma ilustração clara da verdade de que tais perseguições servem invariavelmente para fortalecer os crentes em sua fé, ao estimular os poderes espirituais latentes em seus corações e ao despertar neles uma nova e mais profunda consciência de seus deveres e responsabilidades para com a Fé. De fato, o mero progresso da Causa, ao provocar os ódios e ciúmes de povos e nações, cria para si mesma tais dificuldades e obstáculos como apenas seu espírito divino pode sobrepujar. 'Abdu'l-Bahá afirmou enfaticamente que a inimizade e oposição do mundo irá aumentar em proporção direta ao âmbito e progresso da Fé. Quanto maior o zelo dos crentes e quanto mais surpreendente o efeito de suas realizações, tanto mais feroz será a oposição do inimigo.

20 de Janeiro de 1935, a uma Assembléia
Espiritual Nacional

29. Ele está, realmente, completamente cônscio das dificuldades que os amigos, não somente no seu centro mas em todas as partes do mundo, estão diariamente encontrando em suas tentativas para estabelecer e aperfeiçoar o mecanismo administrativo da Fé. Estas dificuldades e obstáculos, entretanto, ele considera serem inevitáveis, desde que são inerentes ao próprio processo através do qual a Causa de Bahá'u'lláh está destinada a desenvolver e eventualmente estabelecer sua ascendência no mundo. Estas dificuldades não só são inevitáveis, mas deveriam ser vistas, na realidade, como um teste dado por Deus através do qual os amigos podem, e seguramente irão, enriquecer e aperfeiçoar as energias espirituais e morais neles latentes, e desta forma ajudar no estabelecimento daquela civilização Divina prometida por Deus.

Provações e sofrimentos, conforme Bahá'u'lláh repetidamente nos advertiu em Suas epístolas, são como o óleo que alimenta a lâmpada. A Causa não pode revelar a totalidade de seu esplendor a menos que a até que se defronte e supere com sucesso os obstáculos que de tempo em tempo estão em seu caminho e por algum tempo parecem ameaçar suas próprias fundações. Tais obstáculos, testes e provações são na realidade bênçãos disfarçadas e assim sendo estão fadadas a ajudar na promoção da Fé.

31 de Julho de 1935, a um crente individual

30. ...embora ele tenha ficado verdadeiramente entristecido ao tomar conhecimento da contínua e maligna oposição que os inimigos da Causa em..., e especialmente o elemento clerical, estão dirigindo contra os crentes naquele centro. Entretanto, ele deseja que urjas os amigos a que não se sintam nem um pouco desanimados ou desencorajados, mas sim, que continuem com renovada determinação, unidade e vigor sua tarefa sagrada de difundir e estabelecer a Fé, confiantes no glorioso futuro que os aguarda. Quanto maior o número de perseguições, e quanto mais intenso se tornem em caráter, tanto mais profunda deveria ser sua Fé na missão incomparável que lhes foi confiada por Bahá'u'lláh, e tanto maior seu zelo em ajudar a apressar seu completo cumprimento.

Esta Causa, como toda Causa Divina, não pode ser efetivamente estabelecida a menos que enfrente e triunfe corajosamente sobre as forças de oposição pelas quais é atacada. A história da Fé é por si mesma uma prova suficiente disso. Provas e perseguições sempre foram, e continuarão a ser, o quinhão dos escolhidos de Deus. Estas, no entanto, deveriam ser consideradas como bênçãos disfarçadas, pois através delas sua fé será estimulada, purificada e fortalecida. Bahá'u'lláh compara tais provas aflitivas ao óleo que alimenta a lâmpada da Causa de Deus.

Portanto, os amigos não deveriam assumir uma atitude de mera resignação em face das perseguições. Ao contrário, deveriam saudá-las, e utilizá-las como meios para seu próprio soerguimento espiritual, assim como para a promoção a Causa. À medida que a Fé se torna mais forte e atrai a atenção séria e a consideração do mundo externo, os amigos devem esperar um aumento similar, se não maior, das forças de oposição que de todas as direções, tanto seculares como religiosas, serão reunidas em massa para solapar a própria base de sua existência. O resultado final de tal batalha, que certamente será gigantesca, é clara para nós crentes. Uma Fé nascida de Deus e guiada por Seu espírito Divino e todo-penetrante, não pode deixar de, finalmente, triunfar e firmemente se estabelecer, não importando quão persistentes e insidiosos as forças com que tem de batalhar. Os amigos deveriam ser confiantes e agir com a máxima sabedoria e moderação e deveriam especialmente se absterem de qualquer ato provocativo. O futuro certamente é deles.

24 de Junho de 1935, a um crente individual

31. ...Seus temores são mais exatamente por aqueles amigos que, em virtude de sua percepção insuficiente do poder divino que opera misteriosamente na Fé, estão inclinados a ver tais desdobramentos como os sinais do fim da Causa. Em sua comunicação aos amigos de... durante as últimas poucas semanas, ele sempre enfatizou, e ele deseja que faças o mesmo em todas tuas conversações e correspondências com eles, o fato de que a Causa está fadada, mais cedo ou mais tarde, a sofrer todos os tipos de ataques e perseguições, que estas nas realidade constituem o sangue vital de suas instituições, e assim sendo constituem uma parte inseparável e intrínseca de seu desenvolvimento e crescimento. Provas e tribulações, como diz Bahá'u'lláh, são o óleo que alimenta a lâmpada da Causa e, de fato, são bênçãos disfarçadas. Os amigos, portanto, deveriam ter confiança em que todos estes ataques aos quais a Causa agora está sujeita em... são uma parte necessária do desenvolvimento da Causa e que seu resultado final será salutar aos seus melhores interesses.

31 de Agosto de 1937, a um crente individual

32. ...Mais tarde, quando o próprio progresso da Causa, por um lado, e o correspondente declínio das organizações eclesiásticas, por outro, inevitavelmente incitarem os lideres eclesiásticos cristãos a oporem-se veementemente e a solapar a Fé, então os crentes terão uma chance real para defender e vindicar a Causa.

25 de Maio de 1983, a uma Assembléia
Espiritual Nacional

33. ...Parece ao mesmo tempo estranho e lamentável que a Igreja e o clero devam ser sempre, em todas as épocas, os mais implacáveis oponentes da própria Verdade que estão continuamente admoestando seus seguidores a estarem preparados para receber! Tornaram-se tão violentamente presos à forma que a própria substância lhes escapa!

No entanto, tais acusações como as que seu ministro fez publicamente contra a sua pessoa e a Fé Bahá'í não podem trazer dano algum à Causa; pelo Contrario, servem tão somente para difundir seu nome no exterior e distingui-la como uma religião independente.

17 de Fevereiro de 1945, a um crente individual

34. É uma pena que alguns dos amigos deixaram a Fé em virtude da pressão dos líderes da Igreja. Naturalmente, era inevitável que os líderes da Igreja se nos opusessem. O Mestre predisse que isto ocorreria; e, igualmente, a própria natureza dos eventos através dos quais a Fé cresce e se desenvolve, tirando membros da Igreja, causará uma reação da Igreja contra nós. Devemos ter em mente que todo ataque dos líderes religiosos no passado, tem sido um meio para o desenvolvimento da própria Fé desde que aqueles que ouvem os ataques não podem deixar de ser afetados pela pureza e sinceridade da Fé.

19 de Junho de 1957, a um crente individual
EXCERTOS DE CARTAS ESCRITAS PELA
CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA

35. As maravilhosas vitórias ganhas em nome de Bahá'u'lláh,... e os triunfos que são progressivamente alcançados por Seus dedicados e ardentes amantes em todas as terras, irão, sem dúvida, servir para incitar os inimigos internos e externos da Fé a novas tentativas de ataca-la e diminuir o entusiasmo de seus membros... o desenvolvimento progressivo e a marcha avante da Fé de Deus estão fadados a fazer levantar adversários, prenunciando indubitavelmente a oposição de âmbito mundial que virá, e dando inequivocamente a certeza da vitória final.

Sentimos fortemente que... é chegado o tempo para que eles (os amigos) captem claramente a inevitabilidade das contendas críticas que estão à frente, lhes dêem o seu total apoio para repelirem com confiança e determinação “os dardos” que serão lançados contra eles por “seus inimigos atuais, assim como aqueles que a Divina Providência irá fazer surgir, de dentro ou de fora, através de Suas dispensações misteriosas”, e ajudar e capacitar a Fé de Deus a escalar alturas mais sublimes, conquistar triunfos mais marcantes, e atravessar estágios mais vitais em seu curso predestinado para a vitória completa e ascendência mundial.

26 de Novembro de 1974, a todas as
Assembléias Espirituais Nacionais
EXCERTOS DE CARTAS ESCRITAS EM
NOME DA CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA

36. ...a Casa Universal de Justiça nos instrui a dizer que é de se esperar que livros sejam escritos contra a Fé, numa tentativa de distorcer seus ensinamentos, menosprezar suas realizações, vilipendiar seus Fundadores e líderes, e destruir suas próprias fundações. Os amigos não deveriam ficar indevidamente preocupados quando estes livros surgem e, seguramente, não se deveria fazer disto um problema.

30 de Março de 1976, a uma Assembléia
Espiritual Nacional

37. À medida que seu trabalho de ensino e proclamação progride, fatalmente haverá cada vez mais confrontações com as instituições religiosas mais antiga em..., e é o tipo de firmeza manifestado por... que trará respeito à Causa e atrairá as confirmações de Bahá'u'lláh.

7 de Junho de 1981, a uma Assembléia
Espiritual Nacional

38. ...Nestes dias os bahá'ís podem esperar que a chama do fanatismo seja acesa entre os inimigos da Fé em países muçulmanos. Ao defrontarem-se com ataques, os amigos devem aprender a combinar o espírito de firmeza e coragem com amor e sabedoria. Devem evitar o argumento e o conflito e se conduzirem de tal maneira a não provocarem retaliação. Isto inclui o uso de discrição em suas atividades de ensino.

22 de Agosto de 1983 a uma Assembléia
Espiritual Nacional

39. Dado o surgimento, na maioria das partes do mundo de intolerância religiosa e fundamentalismo, pode ser oportuno que sua Assembléia Nacional tente fortificar os bahá'ís contra tais ataques como os que aparecem neste livro5, que é uma abordagem tão típica das igrejas cristãs. Mais cedo ou mais tarde, como sabem, estas igrejas se levantarão contra a Causa.

Solicita-se, portanto, a vocês que considerem pedir a uma pessoa qualificada ou a um grupo de pessoas, para preparar materiais adequados, possivelmente para um livreto, que os amigos possam usar ao tratarem de deturpações dos Ensinamentos Bahá'ís por cristãos.

18 de Outubro de 1984, a uma Assembléia
Espiritual Nacional
II
“A marcha sem resistência da Fé de
Bahá'u'lláh”
Shoghi Effendi, “Messages to America: Selected
Letters and Cablegrams Addressed To the Bahá’ís
of North America 1932-1946, p. 51
EXCERTOS DOS ESCRITOS DE
BAHÁ’U’LLÁH

40. Dize: A tribulação é um horizonte para Minha Revelação. O sol da graça sobre ele resplandece, difundindo uma luz que nem as nuvens da vã fantasia dos homens nem as fúteis imaginações do agressor podem obscurecer.

Segue tu as pegadas de teu Senhor e lembra te de Seus servos assim como Ele se lembra de ti, não te deixando ser impedido pelo clamor dos desatentos nem pela espada do inimigo... Difunde em toda parte os doces sabores de teu Senhor e não hesites, ainda que seja por menos de um momento, em servir a Sua Causa. Aproxima se o dia em que a vitória de teu Senhor, o Sempre Clemente, o Mais Generoso, será proclamada.

“Seleção dos Escritos de Bahá'u'lláh”,
(Mogi Mirim: Editora Bahá'í do Brasil,
2001, XVII, p. 43-44

41. Vede como, nesta Era, os desprezíveis e insensatos têm imaginado tolamente que, por tais instrumentos como o massacre, a pilhagem e o desterro, possam extinguir a Lâmpada que a Mão do poder divino acendeu, ou eclipsar o Sol do esplendor eterno. Como parecem estar de todo inconscientes da verdade de ser esse infortúnio o óleo que alimenta a chama desta Lâmpada! Tal é o poder transformador possuído por Deus. Ele muda o que deseja; Ele, verdadeiramente, tem poder sobre todas as coisas...

“Seleção dos Escritos de Bahá'u'lláh”,
(Mogi Mirim: Editora Bahá'í do Brasil,
2001, XXIX, p. 64

42. ...Dize: Os tempestuosos vendavais e remoinhos do mundo e seus povos jamais poderão abalar o alicerce sobre o qual se baseia a estabilidade pétrea de Meus eleitos. Deus Bondoso! Que poderia ter instigado essas pessoas a escravizar e encarcerar os bem amados d’Aquele que é a Verdade Eterna?... Aproxima se, entretanto, o dia em que os fiéis verão o Sol da justiça irradiando do Alvorecer da glória seu pleno esplendor. Assim te instrui o Senhor de toda a existência, nesta, Sua penosa Prisão.

“Seleção dos Escritos de Bahá'u'lláh”,
(Mogi Mirim: Editora Bahá'í do Brasil,
2001, CLXII, p.252

43. ...Com cada nova tribulação Ele manifestou uma medida mais plena de Tua Causa e enalteceu ainda mais altamente Tua palavra.

“Prayers and Meditations by Bahá'u'lláh”
(Wilmette: Bahá’í Publishing Trust, 1979),
p.37

44. …Se tentarem ocultar Sua luz no continente, Ele, com toda a certeza, levantará a cabeça no próprio âmago do oceano e, alçando Sua voz, proclamará: “Eu sou quem dá vida ao mundo!...” E se O arrojarem dentro de um fosso escuro, encontrá-Lo-ão sentado nos cumes mais elevados da terra, exclamando a toda a humanidade: “Veio o Desejo do mundo! Ei-Lo em Sua majestade, Sua soberania e Seu domínio transcendente!” E Se O sepultarem nas profundezas da terra, Seu espírito, remontando ao ápice do céu, fará ressoar este chamado: “Eis o advento da Glória; vede o Reino de Deus, o Santíssimo, o Clemente, o Todo-Poderoso!”

Citado em “A Dispensação de Bahá'u'lláh,
2a. edição (Editora Bahá’í do Brasil, 1985),
p. 22

45. Neste momento lembramo-nos de Nossos bem-amados e lhes trazemos as jubilosas novas da infalível graça de Deus e das coisas para eles providenciadas em Meu Livro lúcido. Vós tendes tolerado a censura dos inimigos por causa de Meu amor, e com constância suportado em Meu Caminho as lastimáveis crueldades que os ímpios vos infligiram. Disso Eu Próprio dou testemunho, e sou o Onisciente. Quão vasto é o número de lugares que por amor a Deus foram enobrecidos com vosso sangue. Como são numerosas as cidades em que se levantou a voz de vossa lamentação e se ergueram os gemidos de vossa angústia. Quantas as prisões nas quais fostes jogados pelas hostes da tirania. Sabei vós com certeza que Ele vos fará vitoriosos, vos exaltará entre os povos do mundo e, diante dos olhos de todas as nações, demonstrará a excelsitude de vosso grau. Seguramente, não permitirá Ele que a recompensa de Seus favorecidos se perca.

“Epístolas de Bahá'u'lláh reveladas após o
Kitáb-i-Aqdas” (Rio de Janeiro: Editora
Bahá'í do Brasil, 1983), p. 270

46. ...Verdadeiramente, Deus, numa ocasião, fez com que Sua Causa se tornasse vitoriosa através da ajuda de Seus inimigos e, em outra, em virtude do auxílio de Seus escolhidos. Em relação àquelas almas puras e abençoadas, Nossa Pena de Glória revelou aquilo que excede ao mundo inteiro, seus tesouros e o que quer que nele exista. Em breve os negligentes e os perpetrados de iniqüidade receberão a retribuição daquilo que suas mãos forjaram.

(De uma Epístola recentemente traduzida)

47. O que quer que ocorra no mundo da existência é luz para Seus amados e fogo para o povo da sedição e contenda. Mesmo que todas as perdas do mundo tivessem que ser suportadas por um dos amigos de Deus, ainda assim ele lucraria por meio disso, enquanto que a perda verdadeira seria suportada por aqueles que são desobedientes, ignorantes e desdenhosos. Ainda que o autor do seguinte ditado tenha tido outra intenção, todavia Nós o achamos pertinente à operação da Vontade imutável de Deus: “Par ou ímpar, ganharás a aposta”. Os amigos de Deus ganharão e lucrarão sob todas as condições e obterão verdadeira riqueza. No fogo permanecem frios e da água emergem secos. Seus assuntos divergem dos assuntos dos homens. Sua sorte é ganhar, independente do negócio. A isto dá testemunho todo sábio com vista discernente, e toda pessoa imparcial com um ouvido que ouve.

(De uma Epístola recentemente traduzida)
EXCERTOS DE ESCRITOS E ELOCUÇÕES
DE 'ABDU'L-BAHÁ

48. Os amigos de Deus têm a apoiá-los o Reino das alturas, e conquistam as vitórias por meio das hostes arregimentadas da guia suprema. Destarte, toda dificuldade lhes será mitigada, e qualquer problema será resolvido com a maior facilidade.

“Seleção dos Escritos de 'Abdu'l-Bahá” (Mogi
Mirim: Editora Bahá'í do Brasil, 1993), p. 254

49. ...Breve as regiões ocidentais se tornarão radiantes como os horizontes do Oriente, e o Sol da Verdade brilhará com uma refulgência que fará a escuridão do erro desvanecer e desaparecer. Grande é a multidão que se levantará para se opor a vós, que vos oprimirá acumulará de faltas, se regozijará com vosso infortúnio, vos considerará pessoas a serem evitadas, vos infligirá injúrias; no entanto, vosso Pai Celestial, vos conferirá tal iluminação espiritual que vos tornareis iguais aos raios do sol, os quais ao afugentarem as nuvens sombrias, irrompem para inundar a face da terra de luz. Incumbe-vos, quando quer que vos sobrevenham estes testes, permanecer firmes e ser pacientes e resignados. Em lugar de retribuir na mesma moeda, deveis retribuir oposição com a máxima benevolência e bondade, e, de forma alguma, dar importância à crueldade e injúrias porém, preferivelmente, considerá-las como os atos irresponsáveis de crianças. Pois, finalmente, a radiância do Reino irá sobrepujar a escuridão do mundo da existência, e o sagrado, sublime caráter de vossos objetivos se tornará inquestionavelmente aparente. Nada permanecerá oculto: o azeite de oliva, ainda que armazenado dentro da mais profunda abóbada, um dia irá queimar brilhantemente na lâmpada em cima do farol. Os pequenos serão transformados em grandes, e aos impotentes será dado força; aqueles que são de tenra idade se tornarão os filhos do Reino, e aqueles que se desviaram serão guiados ao seu lar celestial.

(De uma Epístola recentemente traduzida)

50. ...Escrevestes a respeito do crescimento em estatura da Causa de Deus em teu país. Não há dúvida de que a Fé de Deus progredirá dia a dia naquele país, visto que será ajudada pelo poder fortalecedor do Espírito Santo e pela confirmação da Palavra de Deus. Nem há qualquer dúvida que membros do clero cristão se levantarão contra ela com hostilidade implacável, almejando injuriar e oprimi-los, e procurando atacá-los com dúvidas; pois a difusão da Causa de Deus conduzirá ao declínio da prosperidade deles – do mesmo modo como a prosperidade dos fariseus declinou antes deles – e envolverá a perda da dignidade e posição que agora desfrutam entre os homens.

Ponderai a respeito do tempo de Jesus e sobre as ações realizadas pelos sacerdotes judeus e pelos fariseus. Tais ações serão repetidas, neste dia, através das mãos destes cléricos cristãos. Todavia, não vos perturbeis, sede firmes e constantes, pois é certo que uma companhia de almas se levantará, com infinito amor, para entrar no Reino de Deus. Estas almas os recompensarão pelos vexames, as humilhações e o desprezo ao qual estão sendo sujeitos pelo clero: às injurias infligidas por estes últimos responderão com atos de bondade, até que, eventualmente, como a experiência de tempos passados demonstrou, os filhos do Reino alcançarão a ascendência e lhes será dada à vitória. Estai seguros disto.

(De uma Epístola recentemente traduzida)

51. Todos que se levantam para servir a Causa de Deus serão perseguidos e mal compreendidos. Sempre foi assim e sempre assim será. Não permitais que inimigo nem amigo perturbe vossa compostura, destrua vossa felicidade, impeça vossas realizações. Ponde vossa confiança totalmente em Deus. Então, a perseguição e calúnia vos tornarão mais radiantes. Os desígnios de vossos inimigos se voltarão contra eles mesmos. Eles, e não vós, é que sofrerão. A opressa é o vento que sopra o fogo do Amor de Deus. Dai as boas-vindas à perseguição e amargura. Um soldado pode carregar armas, porém até que tenha enfrentado o inimigo em batalha ele não ganhou seu lugar no exército do rei. Que nada vos derrote. Deus é vosso ajudante. Deus é invencível. Sede firmes no Convênio Celestial. Orai pedindo força. Vos será dada, não importa quão difíceis às condições.

“Star of the West”, vol. 4, no. 5 (5 de Junho
de 1913, p. 88 – tradução revisada

52. E assim sendo, se agirdes de acordo com os ensinamentos de Bahá'u'lláh, podeis ter certeza que sereis ajudados e confirmados. Alcançareis a vitória em tudo que fizerdes e todos os habitantes da terra serão incapazes de vos resistir. Sois conquistadores, porque o poder do Espírito Santo vos assiste. Acima e além de todas as forças físicas e fenomenais, o próprio Espírito Santo vos ajudará.

“Star of the West”, vol. 8, no. 31 (1o. de Agosto
de 1917, p. 103 – tradução revisada
EXCERTOS DOS ESCRITOS DE
SHOGHI EFFENDI

53. ...Se, em dias por vir, este país vier a ser tomado por diversas aflições e calamidades; se, aos rigores das épocas atuais vier a ser acrescida a eclosão de levantes civis por vastas áreas; se os horizontes já obscurecidos do país, vierem a se tornar ainda mais melancólicos e pressagiosos, não vos deveis encher de medo e desânimo, nem permitir que sejais desviados, ainda que seja na medida de um fio de cabelo, do caminho sólido e bem estudado que tendes estado a seguir até agora – em outras palavras, de continuar vossos esforços persistentes, incansáveis e ininterruptos para aumentar o número de instituições administrativas bahá'ís, fortalecer suas fundações, realçar o bom nome de que gozam, e consolidar o respeito e a reputação desta comunidade inocente e injustiçada dos grilhões do cativeiro, e sua libertação das garras do inimigo e opressor, seja acompanhada por comoções e distúrbios gerais; do mesmo modo, a obtenção pelo povo de Bahá de uma posição em que gozarão de verdadeira honra, conforto e tranqüilidade, deve gerar, inevitavelmente, hostilidade, resistência, oposição clamorosa e protestos tumultuosos de todos aqueles que nutrem inimizade e rancor para com eles. Conseqüentemente, se as águas agitadas do mar da adversidade vierem a se tornar ainda mais turbulentas, se a tempestade da tribulação crescer em veemência e atacar essa comunidade dolorosamente testada de todos os seis lados com novas calamidades, sabei então, sem a mínima hesitação e com convicção inabalável, que a hora da libertação, o tempo designado quando as promessas de tempos antigos estarão para alcançar seu glorioso cumprimento, se aproxima, e que os meios para a consumação da vitória suprema e esmagadora dos duramente pressionados seguidores do Máximo Nome neste país foram preparados e colocados de prontidão. A fixidez de propósito e resolução determinada são as qualidades que devem necessariamente ser manifestadas pelo povo de Bahá a fim de que possam atravessar estas últimas etapas restantes e testemunhar, nos mais altos níveis, e de uma maneira que os encherá de admiração, a realização de suas esperanças mais profundas e de seus desejos mais intensamente acalentados. Assim é à maneira de Deus – “e nenhuma mudança podes tu encontrar na maneira de Deus”6.

11 de Janeiro de 1928, aos membros da Assembléia
Espiritual Nacional da Pérsia – traduzida
do persa para o inglês

54. ...Cumpre-nos enquanto observamos expectantemente e à distância o espetáculo da pugnadora Fé de Bahá'u'lláh, procurar consolo e força duradoura na reflexão de que quaisquer coisas que sobrevenham a esta Causa, por mais dolorosas e humilhantes que sejam as ocorrências que de tempos em tempos parecem afligir a vida orgânica ou interferir com as funções do mecanismo administrativo da Fé Bahá'í, tais calamidades certa e eventualmente se revelarão bênçãos disfarçadas, destinadas, por uma Sabedoria inescrutável a todos nós, a estabelecer e consolidar a soberania de Bahá'u'lláh nesta terra.

1o. de Janeiro de 1929, em “Bahá'í Adminstration:
Selected Messages 1922-1932”, edição revisada
(Wilmette: Bahá'í Publishing Trust, 1974), p. 164

55. …Numerosas e poderosas têm sido as forças que tramaram, tanto de dentro como de fora, em terras longínquas e próximas, extinguir sua luz e abolir seu nome santo. Alguns apostataram dos seus princípios e traíram ignominiosamente sua causa. Outros lançaram contra ela os anátemas mais violentos que os lideres amargurados de qualquer instituição eclesiástica são capazes de pronunciar. Outros ainda acumularam sobre ela as aflições e humilhações que somente a autoridade soberana, na plenitude de seu poder, pode infligir.

O máximo que seus inimigos declarados e secretos poderiam esperar alcançar era retardar seu crescimento e obscurecer momentaneamente seu propósito. O que na realidade conseguiram foi purgar e purificar sua vida, incitá-la a atingir profundezas ainda maiores, galvanizar sua alma, podar suas instituições e cimentar sua unidade. Jamais conseguiram criar um cisma, uma divisão permanente no vasto corpo de seus aderentes.

Aqueles que traíram sua causa, seus membros sem entusiasmo e medrosos, murcharam e caíram como folhas mortas, impotentes para nublar sua radiância ou colocar em perigo sua estrutura. Seus mais implacáveis adversários, aqueles que a atacaram de fora, foram arremessados do poder, e, da maneira mais assombrosa, tiveram seu fim. A Pérsia foi a primeira a reprimi-la e a ela se opor. Seus monarcas haviam caído miseravelmente, sua dinastia havia caído em colapso, o nome deles foi execrado, a hierarquia que havia sido a aliada deles, sustentando o seu estado em declínio, havia sido totalmente desacreditada. A Turquia, que havia por três vezes banido o seu Fundador e Lhe havia infligido aprisionamento cruel e perpétuo, havia passado por uma das mais severas provações e revoluções de maiores conseqüências que a sua história tem registro, havia sido reduzida de um dos mais poderosos impérios a uma diminuta república asiática, seu Sultanato obliterado, sua dinastia deposta, seu Califado, a mais poderosa instituição do islamismo, abolido.

Enquanto isto, a Fé que havia sido o objeto de traições tão monstruosas, e o alvo de assaltos tão deploráveis, estava aumentando sempre suas forças, avançando rapidamente, indômita e indivisa apesar das injúrias que havia sofrido. Em meio às provas, havia inspirado seus seguidores leais com uma coragem que nenhum obstáculo, por mais formidável, podia solapar. Havia aceso em seus corações uma fé que nenhum infortúnio, por mais negro, podia extinguir. Havia infundido em seus corações uma esperança que nenhuma força não importa quão determinada, podia despedaçar.

11 de Março de 1936, em “The World
Order of Bahá'u'lláh”, p. 195-196

56. ...cada aparente provação com a qual a insondável sabedoria do Todo-Poderoso julga necessário afligir Sua comunidade eleita, serve apenas para demonstrar novamente sua solidariedade essencial e firmar sua força interior...

Por tais provas da intervenção de uma Providência sempre-vigilante, os que se identificam com a Comunidade do Nome Supremo devem sentir-se eternamente gratos. De cada novo sinal de Sua infalível graça, por um lado, e da revelação de Sua cólera por outro, não podem senão derivar imensa esperança e coragem.

Não obstante ser pequeno vosso número e circunscritas vossas experiências, vossos poderes e recursos, a Força, entretanto, que vigora vossa missão é de âmbito ilimitado e de potência incalculável. Apesar de serem ferozes, numerosos e inexoráveis os inimigos que cada aumento no progresso de vossa missão fará surgirem, as Hostes invisíveis, porém, as quais, se vós perseverardes, haverão de se apressar a auxiliar-vos segundo prometeram, capacitar-vos-ão, finalmente, a frustrar suas esperanças e aniquilar suas forças. Embora sejam indubitáveis as bênçãos que hão de coroar, afinal, a consumação de vossa missão, e firmes e irrevogáveis as promessas Divinas que vos foram dadas, a medida, no entanto, da boa recompensa que cada um de vós é destinado a colher, deverá depender do grau de vossos esforços diários em prol da expansão dessa missão e da aceleração de seu triunfo.

25 de Dezembro de 1938, “O Advento da Justiça Divina”

(Rio de Janeiro: Editora Bahá'í, 1977), p. 6-7; p. 26-27

57. Queridos amigos! Múltiplas, variadas e às vezes extremamente perigosas têm sido as crises trágicas que o ódio cego, a presunção ilimitada, a insensatez incrível, a perfídia abjeta, e a ambição desmedida do inimigo tem engendrado dentro do seio da Fé. De alguns de seus partidários mais poderosos e renomados, pela mão dos que haviam sido outrora seus propagadores, campeões e administradores de maior confiança e mais capazes, das fileiras de seus fideicomissários mais reverenciados e nas mais altas posições – quer como companheiros, amanuenses ou nomeados lugar-tenentes do Arauto da Fé, de seus Autor e do Centro de Seu Convênio – mesmo daqueles que se achavam entre os parentes do Manifestante, sem excluir o irmão, os filhos e filhas de Bahá'u'lláh, e a pessoa nomeada pelo próprio Báb, uma Fé, de tão tenra idade, e entesourando uma promessa tão inestimável, tem suportado golpes tais quais os mais medonhos e traiçoeiros registrados na história religiosa do mundo.

Dos registros de sua história tumultuosa onde quase toda página retrata uma nova crise, está oprimida com a descrição de uma nova calamidade, relata a narrativa de uma traição vil e é manchada com o relato de atrocidades indizíveis, ali emerge, clara e incontrovertivelmente, a verdade suprema de que com toda nova manifestação de hostilidade para com a Fé, quer originária de dentro ou de fora, uma medida correspondente de efusão de graças, sustentando seus defensores e confundindo seus adversários, tem sido liberada providencialmente, transmitindo um novo impulso à marcha avante da Fé, ao passo que este ímpeto, por sua vez provocou, através de suas manifestações, nova hostilidade em áreas até então desapercebidas de suas implicações desafiadoras – esta hostilidade aumentada sendo acompanhada por uma revelação ainda mais impressionante de Poder Divino e uma efusão ainda mais abundante de graça celestial que capacitando os defensores da Fé ao registro de vitórias ainda mais brilhantes, provocou questões de implicações ainda mais vitais e fez surgir inimigos ainda mais formidáveis contra uma Causa que, eventual e certamente, irá solucionar essas questões e esmagar a resistência desses inimigos, através de uma revelação ainda mais gloriosa de seu poder inerente.

A marcha sem resistência da Fé de Bahá'u'lláh, vista dessa maneira e impelida pelas influências estimulantes que são geradas tanto pela força de sabedoria de seus inimigos como pela força latente nela mesma, transforma-se numa série de pulsações rítmicas, provocadas, de um lado, pelos acessos explosivos de seus adversários, e por outro, pelas vibrações do Poder Divino, que a aceleravam, com ímpeto sempre crescente, ao longo daquele curso predestinado, traçado para ela pela Mão do Todo-Poderoso.

Desde que a oposição à Fé, qualquer que seja a fonte de onda possa manar, qualquer que seja a forma que possa assumir, por mais violentas que sejam suas explosões, é, admitidamente, a força motriz que galvaniza, por um lado, as almas de seus valorosos defensores, e, por outro, lhes liga a novas fontes daquela Energia Divina e inexaurível, nós, que somos chamados a representar, defender e promover seus interesses, deveríamos, longe de considerar qualquer manifestação de hostilidade como uma evidência do enfraquecimento dos pilares da Fé, aclama-la como sendo uma dádiva de Deus assim como uma oportunidade enviada por Ele que, se permanecermos destemidos, podemos utilizar para a promoção de Sua Fé e a dispersão e completa eliminação de seus adversários.

A Idade Heróica da Fé, nascida na angústia, criada em adversidade, e terminando em provações tão tristes como aquelas que saudaram seu nascimento, foi sucedida pelo Período Formativo que deverá testemunhar a gradual cristalização daquelas energias criativas que a Fé liberou e a conseqüente emergência daquela Ordem Mundial para a qual aquelas forças foram colocadas em funcionamento.

Feroz e inexorável será a oposição que esta cristalização e emergência deverão provocar. O abalo que deverá e irá despertar, a inveja que seguramente provocará, a deturpação a que estará sujeita impiedosamente, os reveses que, mais cedo ou mais tarde, irá ter de sustentar, as comoções a que eventualmente deverá dar origem, os frutos que finalmente deverá colher, as bênçãos que inevitavelmente deverá conceder e, a gloriosa, a Idade Áurea que deverá fatalmente introduzir, estão apenas começando a ser vagamente discernidos, e se tornarão, à medida que a velha Ordem se fragmenta sob o peso de uma Revelação tão estupenda, cada vez mais aparentes e impressionantes.

12 de Agosto de 1941, em Messages to America:
Selected Letters and Cablegrams Addressed to the
Bahá’ís of North America 1932-1946” (Wilmette:
Bahá’í Publishing Comitte, 1947), p. 50-52

58. …Podemos descobrir uma gradação não menos distinta no caráter da oposição que a Fé tem tido de enfrentar ...uma oposição que agora, mediante o início de uma Ordem divinamente designada no Ocidente cristão e seu primeiro impacto nas instituições civis e eclesiásticas, oferece probabilidade de incluir entre seus defensores, governos estabelecidos e sistemas associados com as hierarquias sacerdotais mais antigas e mais profundamente entrincheiradas da Cristandade. Ao mesmo tempo podemos perceber, em meio à bruma de uma sempre crescente hostilidade, como certas comunidades dentro de sua órbita têm progredido, dolorosa mas persistentemente, através das etapas da obscuridade, da proscrição, da emancipação e do reconhecimento – etapas essas que, forçosamente, no decorrer dos séculos que se sucedem, haverão de culminar no estabelecimento da Fé e na fundação – na plenitude de seu poder e de sua autoridade – de uma Comunidade Bahá'í que abarca o mundo...

A despeito dos golpes vibrados contra sua força nascente, quer externamente pelos detentores da autoridade temporal e espiritual, quer pelos nefandos inimigos internos, a Fé Bahá’í, longe de romper-se ou curvar-se, fortificara-se cada vez mais, ganhando vitória após vitória. Sua história, se for lida devidamente, pode, em verdade, ser considerada uma série de pulsações, de crises alternadas de triunfos, que a conduz cada vez mais para perto do seu destino divinamente predeterminado...

As atribulações que acompanharam o desenvolvimento progressivo da Fé Bahá’í foram de tal modo que excederam em gravidade as sofridas pelas religiões do passado. Ao contrário daquelas religiões, contudo, essas atribulações falharam totalmente quanto a prejudicar-lhe a unidade, ou criar uma brecha, ainda que temporária, nas fileiras dos seus adeptos. Não só sobreviveu a essas provações, como emergiu, purificada e inviolada, dotada de maior capacidade para arrostar e triunfar sobre qualquer crise que sua marcha irresistível possa engendrar no futuro...

Aconteça o que acontecer a essa incipiente Fé Divina nas décadas futuras ou nos séculos vindouros, quaisquer que sejam os pesares, os perigos e as adversidades que a próxima etapa do seu desenvolvimento universal venha a gerar, de qualquer setor que sejam lançados os assaltos contra ela pelos seus adversários presentes ou futuros, por maiores que sejam os revezes e empecilhos a suportar, nós, que tivemos o privilegio de apreender, até onde nossas mentes finitas podem alcançar, o significado destes fenômenos maravilhosos associados com o seu nascimento e consolidação, não podemos alimentar dúvidas quanto ao fato de que o já realizado nos seus cem primeiros anos de vida constitui uma garantia suficiente de que continuará a progredir celeremente, conquistando alturas mais elevadas, eliminando todos os obstáculos, abrindo novas horizontes e ganhando vitórias ainda mais importantes, até que a sua missão gloriosa, estendendo-se pelos escuros recôncavos dos tempos vindouros, esteja totalmente cumprida.

1944, “A Presença de Deus” (Rio de Janeiro:
Editora Bahá’í do Brasil, 1981), Prefácio
p. 24; p. 548; p. 550; p. 552

59. Tais reflexões, longe de engendrar em nossas mentes e corações o menor traço de perplexidade, de desencorajamento ou dúvida, deveriam esforçar as bases de nossas convicções e nos demonstrar a incorruptibilidades, a sabedoria oculta e a invencibilidade de uma Fé que, a despeito dos ataques que inimigos malignos e terríveis das fileiras de reis, príncipes e eclesiásticos têm repetidamente lançado contra ela, das violentas provações internas que a abalaram por mais de um século, da obscuridade relativa de seus campeões, dos tempos desfavoráveis e da perversidade das gerações contemporâneas com seu surgimento e crescimento, tem aumentado sua força constantemente, tem preservado sua unidade e integridade, tem difundido sua luz sobre cinco continentes, criado as instituições de sua Ordem Administrativa e espalhado suas ramificações aos quatro cantos da terra, e lançado suas campanhas sistemáticas tanto no Hemisfério Ocidental como Oriental.

Por tais benefícios, por uma vindicação tão majestosa e impressionante dos poderes invencíveis inerentes à nossa preciosa Fé, podemos apenas curvar nossas cabeças em humildade, admiração e agradecimento, renovar nossa promessa de fidelidade a ela, e, cada um assumindo o compromisso em seu próprio coração, estar determinados a nos mantermos fiéis a essa promessa e perseverar até o fim, até que nossa parcela terrena de servitude a uma Causa tão transcendente e inestimável tenha sido total e completamente cumprida.

12 de Agosto de 1941, em Messages to America:
Selected Letters and Cablegrams Addressed to the
Bahá’ís of North America 1932-1946” (Wilmette:
Bahá’í Publishing Comitte, 1947), p. 50-52

60. Na verdade, esta nova provação que tem afligido a Fé nesta hora inesperada, de conformidade com as misteriosas dispensações da Providência, longe de desferir um golpe fatal às suas instituições ou própria existência, deveria ser considerada como uma bênção disfarçada, não uma “calamidade” e sim uma “providência” de Deus, não uma enchente devastadora mas sim uma “chuva suave” num “verde prado”, um “pavio” e “óleo” para a “lâmpada” de Sua Fé, um “alimento” para Sua Causa, “água para aquilo que foi plantado nos corações dos homens”, uma “coroa colocada na cabeça” de Seu Mensageiro para este Dia.

Qualquer que seja o seu resultado, esta comoção repentina que tomou conta do mundo Bahá'í, que reavivou as esperanças e encorajou a hoste dos adversários da Fé que estão decididos a abafar sua luz e a obliterá-la da face da terra, serviu como um toque de clarim em cujo soar uniram-se a imprensa do mundo, os brados de seus inimigos vociferantes, os protestos públicos tanto de homens de boa-vontade como daqueles em posições de autoridade, proclamando amplamente sua existência, dando publicidade a sua história, defendendo suas verdades, desvelando suas realidades, demonstrando o caráter de suas instituições e divulgando suas metas e propósitos...

Pois ainda que a Cruzada Espiritual Mundial recentemente lançada – constituindo, na melhor das hipóteses, somente o Plano Menor na execução dos desígnios do Todo-Poderoso para a redenção da humanidade – tenha sofrido um severo revés, em conseqüência dessa perturbação que paralisou temporariamente a vasta maioria dos seguidores organizados de Bahá'u'lláh dentro de Sua terra natal, mesmo assim, o Plano global de Deus, movendo-se misteriosamente e em contraste ao processo notório e ordeiro de um Plano claramente projetado, tem recebido um ímpeto cuja força somente a posteridade pode adequadamente avaliar.

20 de Agosto de 1954, “Citadel of Faith, Messages to

America 1947-1957” (Wilmette: Bahá’í Publishing
Trust, 1980), p. 139; p.140

61. Por mais severas que sejam sua provações, e por mais desalentadora que sua situação presente possa se apresentar, devem se lembrar que a Fé, à qual devem sua fidelidade, venceu, não faz muito tempo, tempestades de uma severidade muito maior, que pareciam, às vezes ser capazes de engolfar e de obliterar suas instituições nascentes. O rebento recém-plantado de uma ordem administrativa divinamente concebida, tendo lançado profundamente suas raízes em solo alemão, dobrou-se momentaneamente sob o tufão que tão violentamente o assolava, soerguendo-se tão logo a tempestade o assolava, soerguendo-se tão logo a tempestade havia despendido suas forças, e, crescendo com novo vigor, lançou novos galhos e ramos que agora sombreiam todo o país, estendendo-se até mesmo ao coração da Áustria.

A experiência de uma recuperação tão miraculosa de uma provação assim devastadora, por si só, deveria ser suficiente para infundir um espírito revigorado naqueles que a ela estiveram sujeitos, assim como na nova geração que ainda está suficientemente próxima daqueles eventos para apreciar sua violência extrema, de tal espécie que não só os capacitará a resistir a ataques de severidade ainda maior, mas os impelirá, tanto jovens como velhos, homens e mulheres, a lutarem, com vigor redobrado e consagração mais plena, para estarem à altura das prementes e múltiplas exigências da hora presente.

Do punho de Shoghi Effendi, apensado a uma carta
datada de 14 de Agosto de 1957, escrita em seu
nome a uma Assembléia Espiritual Nacional, em
“The Light of Divine Guidance”, volume 1
(Hofheim-Langenhain: Bahá’í-Verlag
GmbH, 1982), p. 303-304
EXCERTOS DE CARTAS ESCRITAS EM
NOME DE SHOGHI EFFENDI

62. Há sempre uma diferença importante entre crentes e crentes testados. Não importa quão importante o primeiro tipo possa ser, o futuro da Causa se respalda no segundo. Até agora os crentes alemães eram considerados como carinhosos bahá'ís, doravante podem tomar posição como crentes testados.

Em todo país onde tais dificuldades surgem, eles geralmente terminam criando energia adicional e serviço mais intenso para a Causa.

4 de Abril de 1930, a um crente individual,
em “The Light of Divine Guidance”,
vol. 1, p. 34-35

63. Os amigos … não devem se sentir desnorteados, pois têm a promessa de Bahá'u'lláh de que qualquer que seja a natureza e o caráter das forças de oposição defrontando Sua Causa seu triunfo final é indubitavelmente certo.

30 e Agosto de 1937, a um crente individual

64. ...Que saibam, entretanto, seguramente, que os violentos ataques tanto dos descrentes como dos opressores se tornarão um meio para promulgar esta Causa Divina, para proclamar a Palavra de Deus e consolidar as fundações de Sua santa Fé; e que seus inimigos serão, em última instância, completamente sobrepujados, que a Causa de Deus emergirá vitoriosa, e que Sua Palavra reinará suprema.

21 de Outubro de 1946, a um crente individual,
de uma carta anteriormente não traduzida

65. Ele aprecia profundamente a asseveração de permanente lealdade, de parte da sua assembléia, a ele e à Última Vontade e Testamento do Mestre. Como podem bem imaginar esta dissidência da Família do Mestre tem sido um golpe muito triste e duro para ele; porém, ainda que por muitos anos ele os tenha escudado com o seu silêncio, eventualmente ele foi forçado a falar abertamente a fim de proteger a Fé. Por cem anos nossa amada Causa tem sofrido destas aflições internas, e a maneira como os crentes, geração após geração, têm enfrentado este teste com fé constante, lealdade e devoção, é um dos sinais de que esta é a Causa de Deus, protegida divinamente através dos Convênios de Bahá'u'lláh e do Mestre.

30 de Junho de 1949, a uma Assembléia
Espiritual Nacional, em “The Light of
Divine Guidance”, volume 1, p.149

66. …Ele os urge a não ficarem desencorajados ou deprimidos, mas permanecerem confiantes em Bahá'u'lláh os ajudará. Todo revés que esta Causa sofre é, invariavelmente, um meio de assegurar uma vitória futura, pois Deus jamais permitirá que Sua Fé seja apagada ou erradicada.

26 de janeiro de 1950, a uma Assembléia
Espiritual Local

67. Ainda que isto possa mostrar-se temporariamente um empecilho a seu trabalho, e um revés, não há dúvida que assinala um passo avante na ascensão da Fé; pois sabemos que nossa amada Fé deve eventualmente entrar em choque com as entrincheiradas ortodoxias do passado; e que este conflito pode tão somente levar a vitória maiores, e finalmente à emancipação, reconhecimento e ascendência.

8 de Abril de 1951, a um crente individual

68. A Fé está se movendo com velocidade e força tremendas na época atual. Seguramente, se for reprimida em um lugar, o poder da Causa é tal que irá erguer-se com força maior em outro lugar; e assim as perseguições dos bahá'ís persas deram motivo a que a Fé se avolumasse na África. Isto certamente deve ser um alívio para o sofrimento dos bahá'ís da Pérsia.

26 de Setembro de 1955, a um crente individual
EXCERTOS DE CARTAS ESCRITAS PELA
CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA

69. ...Não se deveria presumir que os eventos que tiveram lugar em todos os cantos do globo, incluindo a sagrada terra do Irã, tenham ocorrido como incidentes isolados sem qualquer objetivo e propósito. De acordo com as palavras de nosso amado Guardião: “A mão invisível está operando e as convulsões que estão ocorrendo na terra são um prelúdio à proclamação da Causa de Deus’. Esta é tão somente uma das forças misteriosas desta Revelação suprema que está fazendo com que os membros do corpo da humanidade tremam e aqueles que estão intoxicados com o orgulho e a negligência fiquem estupefatos e abalados...

Num tempo tão aflitivo, quando a humanidade está desnorteada e os mais sábios dos homens estão desorientados quanto ao remédio, o povo de Bahá, que tem confiança em Sua graça infalível e guia divina, devem ficar seguros que cada uma destas provações atormentadoras tem uma causa, um propósito, e um resultado definitivo, e todos são instrumentos essenciais para o estabelecimento da imutável Vontade de Deus na terra. Em outras palavras, por um lado à humanidade está sendo atingida pelo flagelo de Sua punição que inevitavelmente reunirá as tribos espalhadas e subjugadas da terra; os fracos poucos que Ele nutriu sob a proteção de Sua amorosa guia estão continuando, nesta idade formativa e período de transição, a construir entre estas ondas tumultuosas uma fortaleza inexpugnável que será o único refúgio restante para aquelas multidões perdidas. Conseqüentemente, os amigos de Deus têm uma visão tão ampla e clara ante eles não serão perturbados por tais eventos, nem serão tomados de pânico por tais sons ribombantes, nem enfrentarão tais convulsões com medo e trepidação, nem serão impedidos, por um momento sequer, de cumprirem com suas responsabilidades sagradas.

10 de fevereiro de 1980, aos crentes iranianos
residentes em outros países através do mundo

70. Os inimigos inveterados da Fé imaginam que com suas perseguições romperão os pilares da Fé e mancharão sua glória. Ai! Como é lamentável sua ignorância e insensatez. Tais atos de opressão, longe de debilitar a resolução dos amigos, sempre serviram para avivar a chama de seu zelo e galvanizar seus seres. Nas palavras de 'Abdu'l-Bahá: “...pensaram que a violência e a interferência causariam extinção e silêncio e levariam à supressão e esquecimento; porém, a interferência em questões de consciência causa estabilidade e firmeza e atrai a atenção do olhar e das almas dos homens; o que tem sido comprovado com provas experimentais, repetidas vezes.”

Cada gota de sangue derramada pelos valentes mártires, cada suspiro exalado pelas vítimas silentes da opressão, cada súplica por ajuda divina feita pelos fiéis, tem liberado, e continuará misteriosamente a liberar, forças sobre as quais nenhum antagonista da Fé tem qualquer controle, forças essas que, encabeçadas por uma Providência que mantém vigilância sobre tudo, têm servido para apregoar o nome e a fama da Fé às massas da humanidade em todos os continentes, milhões dos quais anteriormente ignoravam por completo a existência da Fé e não tinham senão um entendimento superficial, e freqüentemente errôneo, de seus ensinamentos e de sua história.

A atual perseguição conseguiu levar o nome e o caráter de nossa Fé à atenção do mundo como nunca antes em sua história. Resultado direto dos protestos enviados pela comunidade mundial do Maior Nome aos governantes do Irã, e das declarações feitas aos meios de comunicação quando se fez caso omissão desses protestos, dos contatos diretos feitos por instituições bahá'ís em nível nacional e internacional junto a governos, comunidades de nações, agências internacionais e as próprias Nações Unidas, a Fé de Bahá'u'lláh não somente recebeu atenção amigável nos conselhos mundiais, como também tem havido consulta sobre seus méritos e direitos violados, e resoluções de protestos têm sido enviados às autoridades iranianas por governos soberanos, em forma individual e coletiva. Os jornais mais importantes do mundo, seguidos pela imprensa local, têm apresentado artigos amistosos sobre a Fé a milhões de leitores, enquanto que os canais de televisão e emissoras de rádio cada vez mais fazem das perseguições no Irã os temas de seus programas. Editoras comerciais estão começando a providenciar a publicação de livros sobre a Fé...

Na realidade, esta nova onda de perseguição que varre o Berço da Fé pode bem ser vista como uma bênção disfarçada, uma “providência” cuja “calamidade”, como sempre, é suportada heroicamente pela amada comunidade persa. Pode-se entende-la como o mais recente passo à frente no Grande Plano de Deus, outro toque de trombeta para despertar os desatentos de seu sono e uma oportunidade de ouro oferecida aos bahá'ís para demonstrarem mais uma vez sua unidade e companheirismo diante dos olhos de um mundo cético e em declínio, a fim de proclamar com força total a Mensagem de Bahá'u'lláh para grandes e pequenos igualmente, para estabelecer a reverência de nossa Fé pelo Islã e por seu Profeta, para sustentar os princípios de não-interferência em atividades políticas e obediência ao governo, que se encontram na própria estrutura de nossa Fé, e de prover conforto e consolo ao coração dos serenos sofredores e firmes heróis na vanguarda de uma comunidade perseguida.

26 de Janeiro de 1982, aos Bahá'ís do Mundo

71. Shoghi Effendi percebeu na vida orgânica da Causa uma dialética de vitória e crise. Os triunfos sem precedentes, gerados pela firmeza inabalável dos amigos iranianos, inevitavelmente irão provocar oposição para testar e aumentar nossa força. Que cada Bahá'í no mundo tenha certeza de que o quer que possa ocorrer a esta crescente Fé de Deus, nada mais será que incontrovertível evidência do cuidado amoroso com o qual o Rei da Glória e Seu Arauto martirizado, através do incomparável Centro de Seu Convênio e de nosso bem amado Guardião, estão preparando Seus humildes seguidores para um definitivo e magnífico triunfo.

2 de Janeiro de 1986, aos Bahá'ís do Mundo

72. A abertura daquele Plano coincidiu com o recrudescimento de uma perseguição selvagem à comunidade bahá'í no Irã, um esforço deliberado para eliminar a Causa de Deus da terra de seu nascimento. A firmeza heróica dos amigos persas tem sido o motivo principal de uma tremenda atenção internacional concentrada sobre a Causa, trazendo-a finalmente à agenda da Assembléia Geral das Nações Unidas, e, junto com uma publicidade mundial em toda a mídia, causando a sua emergência da obscuridade que a caracterizou e abrigou no primeiro período de sua vida. Este processo dramático impeliu a Casa Universal de Justiça a dirigir uma Declaração sobre a Paz aos Povos do Mundo e preparar sua entrega aos Chefes de Estado e governantes em geral.

Ridván de 1986, aos Bahá'ís do Mundo
III
“A segurança de nossa preciosa Fé...”
Shoghi Effendi, “Messages to the
Bahá'í World 1950-1957”, p. 123
EXCERTOS DOS ESCRITOS DE
BAHÁ’U’LLÁH

73. “Dize: - Ó povo de Deus! Acautelai-vos para que os poderes da Terra não vos alarmem, a força das nações não vos enfraqueça, o tumulto do povo da discórdia não vos detenha, nem os expoentes da glória terrena vos entristeça. Sede como uma montanha na Causa de vosso Senhor, o Onipotente, o Todo-Glorioso, o Irrestrito.” “Dizei: Acautelai-vos, Ó povo de Bahá, para que os fortes da Terra não vos roubem a força, nem aqueles que governam o mundo vos encham de medo. Ponde vossa confiança em Deus e entregai a Seu cuidado vossos interesses. Verdadeiramente, Ele, através do poder da verdade, vos fará vitoriosos; Ele, em verdade, é poderoso para fazer o que Ele queira; em Suas mãos estão as rédeas da onipotência.”

Citado em “O Advento da Justiça Divina” (Rio
de Janeiro: Editora Bahá'í, 1977), p. 124-125

74. ...Incumbe a todos os homens, cada um de acordo com sua capacidade, refutarem os argumentos dos que têm atacado a Fé de Deus. Assim foi decretado por Aquele que é o Todo Poderoso, o Onipotente. Quem deseja promover a Causa do Deus Uno e Verdadeiro, deve promovê la através de sua pena e língua, em vez de recorrer à espada ou à violência. ... Fosse algum homem se levantar para, em seus escritos, defender a Causa de Deus contra aqueles que a atacam, tal homem, por insignificante que fosse sua parte, haveria de ser tão honrado no mundo vindouro que a Assembléia nas alturas lhe invejaria a glória. Nenhuma pena pode descrever a sublimidade de seu grau, nem pode língua alguma expressar seu esplendor. Pois a qualquer um que se mantenha firme e constante nesta sagrada Revelação, nesta Revelação gloriosa e excelsa, será dado tamanho poder que ele enfrentará e resistirá a tudo o que está no céu e na terra. Disto é o próprio Deus testemunha.

“Seleção dos Escritos de Bahá'u'lláh”,
(Mogi Mirim: Editora Bahá'í do Brasil,
2001, CLIV, p. 243-4

75. Exortamos aos homens da Casa de Justiça e lhes ordenamos que assegurem a proteção e preservação de homens, mulheres e crianças. Incumbe-lhes ter a maior consideração pelos interesses dos povos em todos os tempos e sob todas as condições. Bem-aventurados são o governante que socorre o cativo e o rico que cuida do pobre e o homem justo que protege contra o malfeitor os direitos dos espezinhados, e feliz o fideicomissário que observa o que lhe prescreveu Aquele que ordena, o Ancião dos Dias.

“Epístolas de Bahá'u'lláh reveladas após o
Kitáb-i-Aqdas” (Rio de Janeiro: Editora
Bahá'í do Brasil, 1983), p. 81

76. E do mesmo modo Ele diz: “Diz àqueles cujo coração é temeroso: sede fortes, não temais, contemplai vosso Deus.”7 Este verso abençoado é uma prova da grandeza da Revelação, e da grandeza da Causa, porquanto o clamor da trombeta precisa necessariamente espalhar a confusão pelo mundo todo, e o medo e o tremor entre todos os homens. Bem-aventurado aquele que foi iluminado com a luz da confiança e do desapego. As tribulações daquele Dia não o retardarão em alarmá-lo-ão. Assim falou a Língua da Elocução, conforme ordenado por Aquele que é o Todo-Misericordioso. Ele, em verdade, é o Forte, o Todo-Poderoso, o Todo-Dominador, o Onipotente.

Epístola ao Filho do Lobo, edição 1997, pág 132

77. Deveis exortar todos amigos a serem pacientes, aquiescentes e calmos, dizendo: Ó vós amados de Deus naquela terra! Sois glorificados em todos os mundos de Deus em virtude de vossa ligação com Aquele que é a Verdade Eterna, porém em vossas vidas neste plano terreno, que transcorrem como um momento fugaz, sois afligidos por degradação. Por amor ao Deus uno e verdadeiro, tendes sido ultrajados e perseguidos, tendes sido aprisionados, e tendes entregado vossas vidas em Seu caminho. Entretanto, não deveis, em virtude dos atos tirânicos de algumas almas negligentes, transgredir os limites dos mandamentos de Deus contendendo com qualquer pessoa.

O que quer que vos tenha ocorrido, tem sido por amor a Deus. Isto, sem dúvida, é a verdade. Conseqüentemente, deveis deixar todos vossos assuntos em Suas Mãos, colocar vossa confiança Nele, e contra com Ele. Ele seguramente não vos desamparará. Disto, igualmente, não há dúvida. Nenhum pai entregará seus filhos e feras devoradoras; nenhum pastor deixará seu rebanho para lobos vorazes. Com toda a certeza ele fará o máximo para proteger o que lhe pertence.

Entretanto, se por alguns dias, conforme a sabedoria de Deus que a tudo abarca, circunstâncias exteriores venham a transcorrer de maneira contrária ao desejo que se acalenta, isto nada significa e não deveria ter importância. Nossa intenção é que todos os amigos fixem seu olhar no Horizonte Supremo e se segurem àquilo que tem sido revelado nas Epístolas. Devem evitar rigorosamente a sedição e absterem-se de trilhar o caminho da dissensão e contenda. Devem apoiar seu Deus uno e verdadeiro, exaltado seja Ele, através das hostes da paciência, da submissão, de um caráter íntegro, de ações louváveis e de palavras escolhidas e refinadas.

“The Bahá'í World” volume XVIII (Haifa:
Bahá'í World Centre, 1986) p. 10-11
EXCERTOS DOS ESCRITOS DE
ABDU’L-BAHÁ

78. Ó exército de Deus! Quando a calamidade ataca, sede pacientes e serenos. Por mais aflitivos que sejam os sofrimentos, mantende-vos tranqüilos e, com perfeita confiança na abundante graça de Deus, enfrentai a tempestade de tribulações e provações causticantes.

“Seleção dos Escritos de 'Abdu'l-Bahá” (Mogi
Mirim: Editora Bahá'í do Brasil, 1993), p. 66

79. Por conseguinte, devem os amador de Deus, diligentemente, com as águas de seus esforços, cultivar e nutrir e fomentar essa árvore de esperança. Em qualquer plaga onde vivam, que sejam, de todo coração, amigos e companheiros de toda alma, quer vizinha, quer remota. Que eles, com qualidades celestiais, promovam as instituições e a religião de Deus. Que jamais os deixe a coragem, e nunca esmoreçam, e jamais se sintam aflitos. Quanto mais intenso o antagonismo que encontrarem, mais demonstrem eles sua própria boa fé; quanto mais tormentos e calamidades tenham de enfrentar, tanto mais generosamente ofereçam a todos o cálice dadivoso. Eis o espírito que virá a ser a vida do mundo; tal é a luz que em seu coração se dissemina - e quem assim não é ou age diversamente não é digno de servir no Limiar Sagrado do Senhor.

“Seleção dos Escritos de 'Abdu'l-Bahá” (Mogi
Mirim: Editora Bahá'í do Brasil, 1993), p. 235

80. Ó vós, amados do Senhor! A maior de todas as coisas é a proteção da Verdadeira Fé Divina; consiste em preservar Sua Lei, salvaguardar Sua Causa e servir à Sua Palavra...

...Minha suprema obrigação, no entanto, impele-me, forçosamente, a guardar e preservar a Causa de Deus. Assim, com o maior pesar, vos aconselho, dizendo: “Guardai a Causa de Deus protegei Sua Lei, e tende receio profundo de qualquer discórdia. É esse o fundamento da crença do povo de Bahá (seja minha vida sacrificada por ele)...

“Á Última Vontade e Testamento de 'Abdu'l-Bahá,
(Rio de Janeiro: Editora Bahá'í do Brasil, 1982),
p. 4; p. 24
EXCERTOS DOS ESCRITOS DE SHOGHI EFFENDI

81. Incumbe-lhes [as Assembléias] ser vigilantes e cautelosas, discretas e atentas, e proteger sempre o Templo da Causa dos dardos dos perpetrados de dano e dos violentos ataques do inimigo.

12 de Março de 1923, em “Bahá'í Administration:
Selected Messages 1922-1932”, p. 38

82. …À medida que o Movimento cresce em prestigio, fama e influência, à medida que a ambição, malícia e má vontade de estranhos e de inimigos aumentam do modo correspondente, torna-se cada vez mais importante que todo indivíduo e toda Assembléia Espiritual esteja de sobreaviso a fim de que não se tornem vítimas inocentes dos desígnios perversos dos malevolentes, dos egoístas e dos gananciosos.

No tocante à publicação de artigos e folhetos relacionados às questões polemicas e políticas da atualidade, desejo lembrar a meus ternamente amados co-trabalhadores que no presente estágio, quando a Causa ainda está em sua infância, qualquer análise minuciosa e detalhada, feita pelos amigos, de assuntos que estão em primeiro plano nas discussões correntes, seria, freqüentemente, interpretada erroneamente em certos lugares e daria lugar a suspeitas e mal-entendidos que teriam efeitos negativos sobre a Causa. Tenderiam a criar um conceito errôneo do objetivo real, da verdadeira missão, e do caráter fundamental da Fé Bahá'í. Deveríamos nos assegurar, enquanto nos esforçamos para defender lealmente e expor conscientemente nossos princípios sociais e morais em toda a sua essência e pureza, em todas as suas relações com as diversas fases da sociedade humana, que nenhuma referência direta ou crítica específica em nossa exposição dos princípios da Fé propendesse a antagonizar qualquer instituição existente, ou ajudasse a identificar um movimento puramente espiritual com os alaridos vis e disputas de seitas, facções e nações antagônicas. Devemos nos esforçar em todos os nossos pronunciamentos para combinar a discrição e a nobre reticência do sábio com a franqueza e lealdade apaixonada do ardente defensor de uma Fé inspiradora. Embora nos recusando a pronunciar a palavra que iria alienar ou afastar desnecessariamente qualquer indivíduo, governo ou povo, deveríamos corajosamente e sem hesitar apoiar e declarar em sua totalidade tais verdades cujo conhecimento cremos ser vital e urgentemente necessitado para o bem e melhoramento da humanidade.

10 de Janeiro de 1926, em “Bahá'í Administration;
Selected Messages 1922-1932”, p. 102

83. Somente nos podemos mostrar dignos de nossa Causa se em nossa conduta individual e vida coletiva imitarmos diligentemente o exemplo de nosso amado Mestre, a Quem os terrores da tirania, as tormentas do incessante abuso, a opressividade da humilhação, jamais fizeram com que se desviasse, nem pela espessura de um fio de cabelo, da Lei revelada de Bahá’u’lláh.

12 de Abril de 1927, em “Bahá'í Administration;
Selected Messages 1922-1932”, p. 132

84. …Ademais, estejam assegurados, alem de qualquer sombra de dúvida, que não importando quão tenazmente os inimigos da Fé de Deus possam se esforçar para extinguir seu fogo, tão somente farão com que sua chama queime mais impetuosamente, sua luz cintile de modo ainda mais brilhante, e seu calor se torne ainda mais intenso. Pessoas de sabedoria e discernimento, que estiverem examinando de perto porém reservadamente o progresso da Fé, e estiverem decididos a sujeita-la ao mais cuidadoso exame e pesquisa, não serão nem abalados nem desviados em virtude destas pretensões absurdas e sem fundamento, estas publicações grosseiras e declarações autocontraditórias. Assim, longe de ficarem cegos às verdades da Causa em Virtude de tal propaganda, serão movidos, por ela, a continuar suas investigações e averiguações com maior meticulosidade e entusiasmo do que até então; a se familiarizarem completamente com os ensinamentos, princípios e aspirações dos seguidores de Bahá'u'lláh; e até, através da benevolência e guia de um Senhor Onipotente e Onisciente, a se levantarem em tempo de necessidade em defesa e proteção da Causa, a por em debandada as hostes da suspeita, dúvida e concepção errônea, a arrasar até as fundações o edifício da calúnia e falsidade, e a demonstrar e estabelecer, ante os olhos do mundo, a realidade sagrada, exaltada e indômita da irresistível Fé de Deus. Estas diversas ocorrências aflitivas, planejadas e instigadas pelos inimigos e pelos que desejam mal à Causa – seus rumores insidiosos, seus relatórios difamatórios, seus ataques flagrantes e inescrupulosos – devem ser entendidas como disposições e meios da Providência, designados a apressar o advento daquele dia prometido, daquela vitória poderosa e obrigatória, e daquele triunfo perspícuo, que tão claramente foram preditos nas escrituras, e tão explícita e enfaticamente declarados pela Pena do Altíssimo.

Agosto de 1927, aos membros da Assembléia
Espiritual Nacional da Pérsia – traduzido do
Persa (para o inglês)

85. ...A continuidade e a estabilidade alcançadas por qualquer associação, grupo ou nação é o resultado – e depende – da integridade e valor dos princípios sobre os quais baseia o curso de seus assuntos e a direção de suas atividades. Os princípios que norteiam os bahá'ís são: honestidade, amor, caridade e fidedignidade; a colocação do bem comum acima dos interesses particulares; e a prática de religiosidade, virtude e moderação. Em última análise, portanto, a sua preservação e felicidade estão assegurados. Quaisquer infortúnios que possam encontrar, forjadas pelos ardis dos maquinadores e desejosos do mal, passarão como as ondas, e as dificuldades serão seguidas de alegria. Os amigos estão sob a proteção do poder irresistível e da providência inescrutável de Deus. Não há dúvida que toda alma abençoada que harmoniza sua vida com este poder que a tudo influencia dará brilho a suas obras e ganhará uma ampla recompensa. As ações daqueles que optam por colocar-se contra o mesmo não deveriam provocar antipatia de nossa parte mas, sim, orações para a sua orientação. Tal foi à atitude dos bahá'ís em dias passados e assim deve ser, agora e sempre.

18 de Dezembro de 1928, a uma
Assembléia Espiritual Nacional

86. Que se abstenham de associar-se, quer por palavras ou por ações, com as finalidades políticas de suas respectivas nações, com os planos de ação de seus governos e os esquemas e programas de partidos ou facções. Em tais controvérsias eles não deveriam atribuir culpa, tomar partido, promover objetivos, ou se identificarem com qualquer sistema prejudicial aos melhores interesses dessa Confraternidade mundial cuja proteção e promoção é seu objetivo. Que se acautelem a fim de não virem a se tornar instrumentos de políticos inescrupulosos ou de serem pegos nas armadilhas de estratagemas traiçoeiros dos conspiradores e dos pérfidos entre seus concidadãos. Quem moldam suas vidas e regulem suas condutas de tal modo que nenhuma acusação de sigilo, de fraude, de suborno ou de intimidação possa, por mais infundada que seja, ser levantada contra eles. Que se elevem acima de todo particularismo e partidarismo, acima das disputas vãs, dos cômputos insignificantes, das paixões transitórias que agitam a face de um mundo em transformação e lhe prendem a atenção. É seu dever esforçarem-se para distinguir, tão claramente quanto possam, e se necessário com a ajuda de seus representantes eleitos, tais postos e funções que são os diplomáticas ou políticas, daquelas que são puramente administrativas em caráter e que sob nenhuma circunstância são afetadas pelas mudanças e oportunidades que as atividades políticas e o governo partidário, em todos os países, necessariamente têm que envolver. Que afirmem sua inexorável determinação de apoiarem, firme e francamente, a lei de Bahá'u'lláh, de evitarem as confusões e disputas inseparáveis aos objetivos dos políticos, e de se tornarem instrumentos dignos daquela Ordem Divina que encarna o Propósito imutável de Deus para todos os homens...

À medida que o número das comunidades bahá'ís nas várias partes do mundo se multiplica e seu poder, como uma força social, se torna cada vez mais aparente, encontrar-se-ão, sem dúvida, cada vez mais sujeitos às pressões que homens com autoridade e influência, no domínio político, exercerão na esperança de obterem o apoio que necessitam para o avanço de seus objetivos. Além disso, estas comunidades irão sentir uma crescente necessidade da boa vontade e ajuda de seus respectivos governos em seus esforços para ampliarem o escopo e consolidarem as fundações das instituições confiadas a seus cuidados. Que se acautelem a fim de que, em sua ânsia de promoverem os objetivos de sua amada Causa, não sejam levados, inconscientemente, a barganhar a sua Fé, a comprometer os seus princípios essenciais, ou a sacrificar, em retribuição a qualquer vantagem material que suas instituições possam ter, a integridade de seus ideais espirituais. Que proclamem que em qualquer país onde residam, e por mais desenvolvidas que sejam suas instituições, ou profundo o seu desejo de colocar em vigor as leis e aplicar os princípios enunciados por Bahá'u'lláh, irão, sem hesitação, subordinar a operação de tais leis e a aplicação de tais princípios às exigências e determinações legais de seus respectivos governos. Não é o propósito deles, embora se esforcem para conduzir e aperfeiçoar os assuntos administrativos de sua Fé, violar, sob quaisquer circunstâncias, as disposições da constituição de seu país, muito menos de permitir que o mecanismo de sua administração substitua o governo de seus respectivos países.

Deve-se também ter em mente que a própria extensão das atividades nas quais estamos envolvidos, bem como a variedade das comunidades que trabalham sob as diversas formas de governo, essencialmente tão diferentes em seus padrões, planos de ação e métodos, torna absolutamente essencial para aqueles que são os membros declarados de qualquer destas comunidades evitar qualquer ação que, ao despertar a suspeita ou excitar o antagonismo de qualquer governo, possa envolver seus irmãos em novas perseguições ou complicar a natureza de sua tarefa. De que outro modo, permito-me perguntar, poderia uma Fé tão vasta, que transcende fronteiras políticas e sociais, que inclui em seu seio uma variedade tão grande de raças e nações, que terá que depender cada vez mais, à medida que toma a dianteira, da boa-vontade e do apoio dos diversificados e antagônicos governos da terra – de que outro modo poderia uma Fé como esta ter sucesso na preservação de sua unidade, na salvaguarda de seus interesses, e em assegurar-se do progressivo e constante desenvolvimento de suas instituições?

Tal atitude, entretanto, não é ditada pelas considerações de conveniências egoísticas, mas é acionada, primeiro e principalmente, pelo princípio amplo de que os seguidores de Bahá'u'lláh, de maneira nenhuma, permitirão que venham a ser envolvidos, quer como indivíduo quer em suas capacidades coletivas, em assuntos que impliquem no mais ligeiro desvio das verdades fundamentais e idéias de sua Fé. As acusações que os desinformados e os maliciosos podem ser levados a levantar contra eles, ou as tentações de honras e recompensas, jamais os induzirão a entregar o que lhes foi confiado ou a se desviarem de seu caminho. Que suas palavras proclamem, e sua conduta testifique, que aqueles que seguem a Bahá'u'lláh, qualquer que seja a terra onde residam, não são motivados por ambições egoísticas, nem estão sedentos de poder, nem se importam com qualquer onda de impopularidade, de desconfiança ou crítica, que uma estreita aderência a seus padrões possa provocar.

21 de Março de 1932, em “The World Order
of Bahá'u'lláh: Selected Letters”, 2a edição
revisada (Wilmette: Bahá’í Publishing
Trust, 1974), p. 64-67

87. Tal retidão de conduta deve manifestar-se, com potência cada vez maior, em todos os veredictos que os representantes eleitos da Comunidade Bahá’í, em qualquer capacidade em que se encontrem, possam ter de pronunciar. Deve ser constantemente refletida nas transações comerciais de todos os seus membros, em suas vidas domésticas, em toda espécie de emprego e em qualquer serviço que possam prestar futuramente a seu governo ou seu povo. Deve ser exemplificada na conduta de todos os eleitores bahá’ís quando caracterizar a atitude de todo seguidor leal da Fé no que diz respeito à sua obrigação de não aceitar encargos políticos, nem se identificar com qualquer partido político, nem participar de controvérsias políticas, e de não se afiliar a organizações políticas ou instituições eclesiásticas. Deve revelar-se na aderência incondicional de todos, sejam moços ou velhos, aos princípios fundamentais claramente enunciados e estabelecidos por ‘Abdu’l-Bahá em Seus discursos, e às leis e preceitos revelados por Bahá’u’lláh em Seu Sacratíssimo Livro. E essa retidão deve ser demonstrada pela imparcialidade de qualquer um que defenda a Fé contra seus inimigos, pela sua eqüidade em reconhecer quaisquer méritos que o inimigo talvez possua e pela sua honradez em cumprir qualquer obrigação que possa ter para com ele...

...Para os povos de ambos os continentes, não pode haver maior demonstração da vitalidade juvenil e do poder vibrante que animam a vida e as instituições da Fé nascente instituída por Bahá’u’lláh, do que esta: a participação inteligente, persistente e efetiva da Juventude Bahá’í – oriunda de todas as raças, nacionalidades e classes – nas atividades bahá’ís, tanto no setor do ensino como no da administração. Tal participação há de impressionar os críticos e inimigos da Fé enquanto observam, com graus variáveis de ceticismo e ressentimento, os processos evolucionários da Causa de Deus e suas instituições, e será este o melhor modo de convencê-los da verdade indubitável de que esta Causa está intensamente viva, está sã até o próprio âmago, e que seu destino está salvaguardado.

25 de Dezembro de 1938, “O Advento da
Justiça Divina” (Rio de Janeiro: Editora
Bahá'í, 1977), p. 42-43; p. 106

88. Obstáculos, diversos e numerosos, sem dúvida surgirão para impedir a marcha avante desta comunidade [Austrália]. Reveses poderão temporariamente obscurecer o fulgor de sua missão. As forças da ortodoxia religiosa bem poderão, em uma época futura, aliar-se contra ela. Os expoentes de teorias e doutrinas fundamentalmente opostas a seus dogmas religiosos e princípios sociais poderão desafiar sua força incipiente com persistência e severidade. Os membros desta comunidade devem voltar a sua atenção, sem demora, sem exceção, à Ordem Administrativa – a Arca destinada a preservar sua integridade e a leva-la à segurança – cujos ideais devem ser continuamente guardados em seus corações, seus propósitos estudados e mantidos constantemente em vista, suas necessidades dedicadamente providas, suas leis escrupulosamente obedecidas, suas instituições irrestritamente apoiadas, sua gloriosa missão propalada no exterior, e seu espírito transformado no único propósito motivador de suas vidas.

Do punho de Shoghi Effendi, apenso a uma carta
datada de 22 de Agosto de 1942, em “Letters
from the Guardian to Australia and New
Zealand, 1923-1957” (Sidney: National
Assembly of Australia, 1970), p. 80-81

89. …A disputa e o derramamento de sangue, acompanhado pela miséria, tristeza e confusão, que têm afligido a totalidade do subcontinente da Índia, em meses recentes, me têm causado as maiores inquietações. As desordens, que se seguiram logo após esta grande crise na vida de seu povo, constituem um desafio, que a Comunidade dos firmes seguidores de Bahá'u'lláh naquele país deve enfrentar resolutamente, e demonstrar ao enfrenta-lo a qualidade de sua fé, a profundidade de sua devoção, a força de sua unidade, a solidez de suas instituições e o caráter heróico de sua resolução. Não devem se sentir alarmados, nem vacilar ou hesitar na execução de seu Plano. Resguardados pelas instituições que suas mãos ergueram, subsistindo seguramente na fortaleza de seu amor por Bahá'u'lláh e devoção à Sua Fé, mantendo com vigilância firme e unicidade de propósito o curso determinado pelo Plano que eles mesmos iniciaram encorajados pelo sucesso inicial já alcançado desde o lançamento desse plano, eles, embora golpeados pelas circunstâncias presentes, e por mais perigoso que seja o caminho que agora trilham, devem seguir avançando, sem medo de perseguições, escárnio ou calúnia, em direção às brilhantes metas que decidiram a alcançar.

Do punho de Shoghi Effendi, apenso a uma Carta
datada de 24 de outubro de 1947, Escrita em seu
nome à Assembléia Espiritual Nacional da Índia,
em “Dawn of a New Day” (New Delhi: Bahá’í
Publishing Trust, 1970), p. 127

90. …RECENTES EVENTOS TRIUNFANTES CONCLUSÃO SÉRIE EMPREENDIMENTO HISTÓRICOS TAIS COMO CONSTRUÇÃO SUPERESTRUTURA SEPULCRO DO BÁB DEDICAÇÃO TEMPLO MÃE OCIDENTE CELEBRAÇÕES MUNDIAIS ANO SANTO CONVOCAÇÃO QUATRO CONFERÊNCIAS INTERCONTINENTAIS ENSINO LANÇAMENTO CRUZADA DEZ ANOS DISPERSÃO SEM PRECEDENTES SEUS VALENTES PROSSEGUIDORES FACE GLOBO EXTRAORDINÁRIO PROGRESSO CAMPANHAS ÁFRICA PACÍFICO SURGIMENTO ORDEM ADMINISTRATIVA PENÍSULA ARÁBICA CORAÇÃO MUNDO ISLÂMICO DERROTA PODEROSOS ANTAGONISTAS BERÇO FÉ CONSTRUCÃO ARQUIVOS INTERNACIONAIS ANUNCIANDO ESTABELECIMENTO SEDE ORDEM ADMINISTRATIVA MUNDIAL TERRA SANTA SERVIU INFLAMAR INEXTINGUÍVEL ANIMOSIDADE OPONENTES MUÇULMANOS CRIOU NOVO GRUPO ADVERSÁRIOS IGREJA CRISTÃ LEVANTOU INIMIGOS INTERNOS VELHOS NOVOS ROMPEDORES CONVÊNIO NOVAS TENTATIVAS DETER MARCHA CAUSA DEUS DESVIRTUAR SEU PROPÓSITO DESINTEGRAR SUAS INSTITUIÇÕES ADMINISTRATIVAS ABAFAR ZELO ENFRANQUECER LEALDADE SEUS DEFENSORES EVIDÊNCIAS CRESCENTE HOSTILIDADE EXTERNA PERSISTENTES MAQUINAÇÕES INTERNAR PRENUNCIANDO TERRÍVEL LUTA DESTINADA ALINHAR EXÉCITO LUZ CONTRA FORÇAS ESCURIDÃO TANTO SECULAR RELIGIOSA PREDITO LINGUAGEM INEQUÍVOCA ‘ABDU’L-BAHÁ NECESSITA ESTA HORA CRUCIAL ASSOCIAÇÃO MAIS ÍNTIMA MÃOS CINCO CONTINENTES CORPOS REPRESENTANTES ELEITOS COMUNIDADES NACIONAIS BAHÁ’ÍS EM TODO MUNDO INVESTIGAÇÃO CONJUNTA NEFASTAS ATIVIDADES INIMIGOS INTERNOS ADOÇÃO SÁBIAS EFETIVAS MEDIDAS AGIR CONTRA SUAS TRAIÇOEIRAS MAQUINAÇÕES PROTEGER MASSA CRENTES DETER DIFUSÃO MÁ INFLUÊNCIA. CONCLAMO MÃOS8 ASSEMBLÉIAS NACIONAIS CADA CONTINENTE SEPARADAMENTE ESTABELECER DORAVANTE CONTATO DIRETO DELIBERAR SEMPRE QUE PRATICÁVEL TÃO FREQUENTEMENTE QUANTO POSSÍVEL TROCAR RELATÓRIOS A SEREM SUBMETIDOS A SEUS RESPECTIVOS CORPOS AUXILIARES COMITÊS NACIONAIS EXERCEREM CONSTANTE VIGILÂNCIA EXECUTAREM RESOLUTAMENTE SAGRADOS INESCAPÁVEIS DEVERES. SEGURANÇA PRECIOSA FÉ PRESERVAÇAO SAÚDE ESPIRITUAL COMUNIDADES BAHÁ’ÍS VITALIDADE FÉ SEUS MEMBROS INDIVIDUAIS FUNCIONAMENTO ADEQUADO SUAS LABORIOSAMENTE ERGUIDAS INSTITUICÕES FRUIÇÃO SEUS EMPREENDIMENTOS MUNDIAIS CUMPRIMENTO SEU DESTINO FINAL TODOS DIRETAMENTE DEPENDENTES DESINCUBÊNCIA APROPRIADA IMPORTANTES RESPONSABILIDADES AGORA REPOUSANDO MEMBROS ESTAS DUAS INSTITUIÇÕES OCUPANDO COM CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA AO LADO INSTITUIÇÃO GUARDIANIA PRIMEIRA POSIÇÃO DIVINAMENTE ORDENADA HIERARQUIA ADMINISTRATIVA ORDEM MUNDIAL BAHÁ'U'LLÁH.

Cabograma (removidas as palavras interpoladas
a fim de estar de conformidade com o telegrama
original) datado de 4 de Junho de 1957, em
“Messages to the Bahá'í World 1950 –1957”
(Wilmette: Bahá'í Publishing Trust, 1971),
p. 122-123
EXCERTOS DE CARTAS ESCRITAS EM
NOME DE SHOGHI EFFENDI

91. ...Indubitavelmente, à medida que a influÊncia da Fé de Deus se torna mais penetrante, o número daqueles que desejam obstruir o seu progresso também crescerá; novos e cada vez mais formidáveis adversários virão à frente; fomentadores de discórdia, assumindo diversas aparências insólitas, procurarão sub-repticiamente incitar à ação todos aqueles que guardam ressentimento ou têm má vontade para com esta Causa, e erguerão ao alto os estandartes da sedição. Sob estas circunstâncias é essencial que os amigos, por um lado, estejam alertas e vigilantes e, por outro, que suscitem a vigilância e fortaleçam a fidelidade de seus companheiros de crença, que guardem a integridade da Palavra de Deus, e que mantenham harmonia e unidade entre Seus amados. Nisto reside o dever supremo dos amigos de Deus e a forma mais elevada pela qual podem prestar serviço à Sua Causa.

24 de Maio de 1927, a um crente individual, de
uma carta anteriormente ainda não traduzida

92. Em face de condições tão angustiantes deverias compreender, mais claramente que nunca, tua obrigação suprema de proteger o corpo da Causa de quaisquer ataques ou injúrias adicionais e de aderir escrupulosa e integralmente ao espírito e aos princípios da Administração.

12 de Julho de 1937, a um
crente individual

93. A questão de refutar ataques e apreciações desfavoráveis dirigidas contra a Causa através da imprensa é um assunto que, ele sente, incumbe à A.E.N.* considerar. Este corpo, quer diretamente ou através da intermediação de seus comitês, deveria decidir quanto à conveniência de se responder tais ataques e deveria também examinar cuidadosamente e validar qualquer declaração que os amigos desejam enviar à imprensa para este fim. Somente através de tal supervisão e controle de todas as atividades bahá'ís ligadas à imprensa podem os amigos esperar evitar confusão e equívocos em suas próprias mentes e na mente do público em geral ao qual eles podem alcançar através da imprensa.

28 de Setembro de 1938, a um crente individual

94. ...Incumbe aos amigos enfrentar estas dificuldades com constância e firmeza, gratidão e paciência, unidade e solidariedade; suportarem com coragem estes desastres consecutivos; atravessar com sucesso estes últimos estágios restantes em seu curso designado; e não se inquietarem nem desencorajarem em virtude das dificuldades e dos esforços, da injustiça e da opressão a que são constrangidos a se submeterem. Que sempre tenham em mente a seguinte advertência clara e solene registrada pela pena do Centro do Convênio e, com um coração tranqüilo, um espírito radiante, um propósito firme e uma resolução elevada, atentamente antecipem o desenvolvimento e o cumprimento das palavras do Mestre:

Acautelai-vos com o pranto das crianças órfãs e injustiçadas e os suspiros das vítimas da opressão, a fim de que suas lágrimas não venham a se tornar dilúvios e seus resfôlegos não se transformem em chamas.

As violentas perturbações, as provações aflitivas e os perigos esmagadores que agora acossam o bando refratário de malfeitores, fomentadores de discórdia e opressores de todas as camadas da sociedade, quer em vosso próprio ou em países vizinhos, e que atacaram seus povos, reis e súditos, governos e cidadãos igualmente, de todos os lados, são o resultado daquelas dolorosas transgressões e violações realizadas naquela terra pela mão do tirano e agressor. Agora, após o decurso de um século, o resultado maligno daquelas ações se tornou evidente e suas conseqüências prejudiciais reveladas aos olhos de todos. Aproxima-se rapidamente o dia quando as hostes do ódio e da iniqüidade serão chamadas para responder por suas ações: em breve serão agarrados pelos agentes da retribuidora ira de um Deus Todo-Poderoso, Que a tudo compele.

Ao aconselhar os amigos e ao transmitir condolências às vítimas deste mais recente ultraje, vossa Assembléia deveria urgi-los a aderirem agora, como nunca antes, à corda segura das determinações sagradas e dos ensinamentos de Deus, nunca se desviando nem por um fio de cabelo do Caminho Reto; e aguardar o advento daquele dia quando Lhe agrade realizar Seu decreto predestinado. Ele, em verdade, é o Protetor dos injuriados e, Ele, em verdade, é O que socorre a todos aqueles que permanecerem seguros e firmes.

2 de Julho de 1942, à Assembléia Espiritual
Nacional da Pérsia – traduzido do persa
(para o inglês)

95. A Causa de Deus deve ser protegida dos inimigos da Fé e daqueles que semeiam sementes da dúvida nos corações dos crentes, e a maior de todas as proteções é o conhecimento...

11 de Maio de 1947, a uma Assembléia Espiritual
Nacional, em “The Light of Divine Guidance”,
volume 1 (Hofheim-Langenhain: Bahá’í-Verlag
GmbH, 1982), p. 134

96. …os crentes precisam ser aprofundados em seu conhecimento e apreciação dos Convênios de Bahá'u'lláh como de 'Abdu'l-Bahá. Esta é a fortaleza da Fé de todo bahá'í e aquilo que o capacita a resistir a todo teste e aos ataques dos inimigos de fora da Fé e às pessoas bem mais perigosas, insidiosas, indiferentes que vêm de dentro da Fé, que não têm um aperfeiçoamento real ao Convênio e, conseqüentemente, apóiam o aspecto intelectual dos ensinamentos enquanto que ao mesmo tempo solapam a base espiritual sobre a qual a inteira Causa se baseia.

14 de Abril de 1949, a uma crente individual, em “The

Light of Divine Guidance”, volume 1 (Hofheim-
Langenhain: Bahá’í-Verlag GmbH, 1985), p. 84

97. Ataques por missionários, e outros, tal como aquele por ..., deveriam com toda a certeza, ser defendidos vigorosa e publicamente por sua Assembléia e Assembléias locais igualmente.

18 de Agosto de 1949, a uma Assembléia
Espiritual Nacional
EXCERTOS DE CARTA ESCRITA PELA
CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA

98. De maneira geral, a necessidade de proteger a Fé dos ataques de seus inimigos não é apreciada pelos amigos porque tais ataques, especialmente no Ocidente, até agora têm sido intermitentes. Entretanto, sabemos que estes ataques aumentarão e se tornarão combinados e universais. Os escritos de nossa Fé claramente prenunciam não somente uma intensificação das maquinações de inimigos internos, mas um aumento na hostilidade e oposição de seus inimigos externos, tanto religiosos como seculares, à medida que nossa amada Fé segue em sua marcha avante em direção à vitória final. Portanto, à luz das advertências de Shoghi Effendi, os Corpos Auxiliares para a Proteção devem manter “constantemente” um “olhar vigilante” sobre aqueles “que são conhecidos como inimigos ou que foram expulsos da Fé”, discretamente “investigar” suas atividades, inteligentemente prevenir os amigos a respeito da oposição inevitavelmente por vir, explicar como cada crise na Fé de Deus sempre se revelou uma bênção disfarçada, prepara-los para as “terríveis disputas” que estão “destinadas a alinhar o Exército da Luz contra as forças da escuridão”, e, quando a influência dos inimigos se espalhar e alcançar seu aprisco, os membros destes Corpos Auxiliares devem estar alertas às suas maquinações para “abafar o zelo e enfraquecer a lealdade” dos crentes e, ao adotarem “sábias e efetivas medidas’, devem agir contra estas maquinações e impedir que sua influência se alastre. Acima de tudo, os membros do Corpo de Proteção devem concentrar-se em aprofundar o conhecimento dos amigos no Convênio e em aumentar o seu amor e a lealdade por ele, em responder clara e francamente, de conformidade com os ensinamentos, quaisquer dúvidas que possam preocupar qualquer um dos crentes, em nutrirem a profundidade espiritual e força de sua fé e servitude, e em promover o que quer que venha aumentar o espírito de amorosa unidade em comunidade bahá'ís.

As tarefas primárias dos Corpos de Propagação, entretanto, são de dirigir a atenção dos crentes para as metas de quaisquer planos com que se defrontem, de estimular e ajudá-los a promover o trabalho de ensino nos campos de proclamação, expansão, consolidação e pioneirismo, de encorajar contribuições aos fundos, e de agirem como porta-estandartes dos instrutores da Fé, guiando-os a novas realizações na difusão da Mensagem de Deus a seus semelhantes...

Além disso, deveria ser lembrado que estas mesmas funções estão sendo desempenhadas por Assembléias, nacional e local, e seus comitês, que na época presente têm a grande responsabilidade, pela própria execução dos planos de ensino e pela administração, consolidação e proteção das comunidades bahá'ís. Assim sendo, os membros do Corpo Auxiliar devem zelar cuidadosamente para que seu trabalho reforce e complemente o das instituições administrativas.

10 de Outubro de 1976, ao Centro
Internacional de Ensino
EXCERTOS DE CARTAS ESCRITAS EM
NOME DA CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA

99. ...Uma das funções vitais dos Corpos para a Proteção é o aprofundamento do conhecimento dos amigos no Convênio, aumentando seu amor e lealdade por ele, e nutrindo o espírito de amor e unidade dentro da comunidade bahá'í.

É o dever das Assembléias Espirituais Nacionais e Locais dirigir-se aos membros do Corpo Auxiliar para assuntos de proteção que possam envolver não somente possível rompimento do Convênio mas, também, problemas de desunião dentro da comunidade, a retirada de direitos de voto ou quaisquer outros assuntos a respeito dos quais sintam que a orientação e o conselho dos Corpos de Proteção possa ser de ajuda às instituições da Fé. Os membros dos Corpos Auxiliares, naturalmente, mantém o Corpo Continental de Conselheiros informados e os Conselheiros então tomam quaisquer passos que julguem necessários.

Vocês têm liberdade para, a qualquer tempo, dirigir-se ao Corpo Continental de Conselheiros e aos membros do Corpo Auxiliar para a proteção para quaisquer assuntos a respeito dos quais não tenham certeza, envolvendo a segurança da Fé em sua região, pois sempre os encontrarão dispostos a ajuda-los a tratar de tais problemas.

1o de Outubro de 1979, a uma Assembléia
Espiritual Nacional

100. Hostilidade para com a Fé é algo que todos os bahá'ís podem esperar; como reagimos a ela é de grande importância. Vocês são exortados a evitar confrontação e dissensão; estas tenderiam a aumentar o antagonismo. Manteriam uma atitude digna e amistosa e, a fim de apresentar argumentações bem-fundadas quanto necessário, procurem se informar melhor a respeito d questões afetando a Cristandade e a Fé Bahá'í.

12 de Setembro de 1985, a uma Assembléia
Espiritual Nacional

101. ...à medida que a Fé se torna conhecida, podemos esperar oposição e perseguição. Não obstante, em nossas relações e apresentações devemos sempre tentar construir pontes de modo que nossos belos Ensinamentos possam ser compreendidos e aceitos, exemplificando o poder que têm de estabelecer unidade entre os homens.

18 de Dezembro de 1985, a uma Assembléia
Espiritual Nacional
IV
Índice

Uma lista parcial de alguns dos temas principais tratados na compilação estão relacionados abaixo. Os números citados referem-se aos números dos excertos individuais incluídos na compilação

ATITUDES PARA COM AQUELES QUE SE OPÕEM À FÉ
9, 12, 23, 30, 36, 49, 50, 77, 79, 83, 87, 100
CRISES

atitude em relação a 13, 15, 29, 31, 40, 47, 54, 57, 60, 63, 70, 71, 84

futuras 6, 12, 17, 19, 22, 23, 24, 49, 57, 58, 86, 98

inevitalibidade de 1, 3, 6, 10, 13, 19, 29, 30, 34, 50, 88, 101

(no) passado 2, 9, 11, 13, 50, 57, 58
finalidade de 30, 31, 69

razões para 5, 7, 8, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 27, 28, 35, 37, 57, 71, 90, 91

pulsações rítmicas 57, 58, 71
(no) Ocidente 10, 16, 20, 23, 49, 58
AJUDA DIVINA
48, 51, 52, 56, 57, 65, 69, 73, 76, 85
NATUREZA DOS ATAQUES
acusações, críticas 23, 49
artigos e publicações contra a Fé 14 , 36, 84
ataques a Instituições da Fé 19, 23, 60
testes mentais 16
deturpação 23, 84
físico 19, 49, 72
ridículo 13, 36
OPONENTE DA FÉ

clérigos, sacerdotes, movimentos religiosos e líderes 6, 11, 18, 19, 20, 22, 23, 26, 27, 32, 34, 37, 38, 50, 55, 58, 59, 97, 98

governos e líderes políticos 11, 20, 22, 26, 55, 58, 59, 98

nações e povos 13, 19, 22
de dentro da Fé 25, 55, 57, 58, 59, 65, 90, 98
OPOSIÇÃO, SEUS EFEITOS
Sobre a Fé
atrai a ajuda Divina 35, 37, 43, 57

consolida e purifica a Comunidade 55, 56, 57, 64, 84

constitui revés temporário 57, 60, 66, 67, 68
demonstra a invencibilidade da Comunidade 59

assegura vitória completa 19, 22, 30, 47, 49, 56, 57, 58, 84

estabelece vitória completa 19, 22, 30, 47, 49, 56, 57, 58, 84

estabelece a Ordem Mundial 23, 58

promove a difusão da Fé 9, 10, 14, 29, 33, 34, 44, 60, 61, 64, 70, 84

fortalece os crentes 28, 57, 62, 70, 84

Sobre aqueles que atacam a Fé 23, 41, 56, 57, 60, 64, 84, 94

PROTECAO DA FÉ
80, 81, 82, 85, 86, 91, 92, 95, 96, 98
A RESPOSTA DOS CRENTES A OPOSICAO
evitar discussão 38, 79, 86
evitar de comprometer 77, 86
cuidado e prudência 8, 38, 91
consulta 95, 96
estabelecer a Administração 53, 79, 89
paciência 49, 77, 78, 79
elaboração de materiais 39
refutar os argumento de oponentes 74, 97, 100
firmeza 11, 23, 25, 26, 49, 56, 70, 79, 89
unidade 8, 91

defender a integridade da Fé 20, 23, 53, 77, 82, 85, 86, 87, 88, 92

O PAPEL DAS INSTITUIÇÕES BAHÁ’ÍS NA PROTEÇÃO DA FÉ

39, 75, 81, 82, 90, 93, 94 95, 98, 99
A VITÓRIA DA FÉ
40, 42, 45, 49, 50, 56, 59, 63, 71

1 Refere-se isto à própria Manifestação de Bahá'u'lláh.

2 Alcorão 36:29

3 Alcorão 20:12. Também referido como o “Vale Sagrado’.

4 Cf. Alcorão 4:80

5 “A Guide to Cults and New Religions”, John Boykin.

6 Alcorão, Surata dos Confederados, v. 62, e Surata da Vitória, v.23.

7 Isaías 35:4.

8 Os Corpos Continentais de Conselheiros... estão investidos com funções especificas relacionadas à proteção e a propagação da Fé nas áreas sob sua jurisdição. Operarão de uma maneira similar àquela estabelecida pelo amado Guardião para as Mãos da Causa em suas comunidades delineando as responsabilidades que são chamadas a desempenhar em colaboração com as Assembléias Espirituais Nacionais. Chamamos sua atenção especialmente para as mensagem de 4 de junho de 1957.

De uma carta da Casa Universal de Justiça datada de 24 de

Junho de 1968 a um Corpo Continental de Conselheiros

* Assembléia Espiritual Nacional.

Table of Contents: Albanian :Arabic :Belarusian :Bulgarian :Chinese_Simplified :Chinese_Traditional :Danish :Dutch :English :French :German :Hungarian :Italian :Japanese :Korean :Latvian :Norwegian :Persian :Polish :Portuguese :Romanian :Russian :Spanish :Swedish :Turkish :Ukrainian :