Announcing: BahaiPrayers.net


More Books by Compilações

A Assembléia Epiritual Nacional - The National Spiritual Assembly
A Assembléia Espiritual Local - The Local Spiritual Assembly
A Fonte de Todo Bem - The Source of All Good
A Importância da Oração e da Meditação
A Importância da Oração Obrigatória e do Jejum
A Importância das artes na promoção da Fé
A Instituição dos Conselheiros
A Lampada que Guia - Bahá'í Consultation
A Questão mais desafiadora
Aquisição de Sabedoria
Arte e Assuntos Correlatos
Assembléia Espiritual Local - Suplemento
Captando a Centelha da Fé - The Importance of Mass Teaching
Casamento Bahá'í
Conservação dos Recursos da Terra - Conservation of the Earth's Resources
Contribuição aos Fundos
Crise e Vitória
Desencorajando o Divórcio
Educação Bahai - Uma Compilação
Em busca da Luz do Reino - Excellence in all Things
Fidedignidade
Funeral Bahá'í
Huqúqu'lláh - O Direito de Deus
Juventude
Liberando o Poder da Ação Individual - Unlocking The Power of Action
Mulher
No Limiar da Paz - At the Dawn of Peace
O Aprofundamento, o Conhecimento e a Compreensão da Fé
O Convênio
O Indivíduo e o Ensino - Raising the Divine Call
Oposição da Fé
OraçSes Bahá'ís
Padrão de Vida Bahá'í
Por amor à Causa - Pionneiring
Preservando casamentos Bahá'ís
Revelação Bahá'í, A
Sabeísmo
Saúde, Higiene e Cura
Uma Conquista Especial - Proeminent People
Uma Nova Raça de Homens - A New Race of Men
Uma onda de ternura - Family Life
Uma Vida Casta e Santa
Viver a vida - Living the Life
Free Interfaith Software

Web - Windows - iPhone








Compilações : A Assembléia Epiritual Nacional - The National Spiritual Assembly
A ASSEMBLÉIA ESPIRITUAL NACIONAL
Uma Compilação da Casa Universal de Justiça
TRADUÇÃO DE José Xavier Rodrigues
Publicado pela

Assembléia Espiritual Nacional dos Bahá'ís de Portugal

A ASSEMBLÉIA ESPIRITUAL NACIONAL
(Uma compilação)

Acabamos de fazer uma compilação de extratos de cartas escritas por Shoghi Effendi ou em seu nome, pelos seus Secretários, sobre a instituição da Assembléia Espiritual Nacional. Não tentamos fazer uma compilação exaustiva de todos os textos existentes sobre o assunto, mas esperamos que o material incluso possa ajudar os membros das Assembléias Espirituais Nacionais, e os amigos em geral, a conhecerem esta instituição vital da Fé.

Junho de 1972.
A CASA UNIVERSAL DE JUSTIÇA

I. RESPONSABILIDADE DOS MEMBROS, AUTORIDADE, FUNÇÕES

"Com referência ao estabelecimento das Assembléias Nacionais, é de importância vital que em todos os países, onde as condições sejam favoráveis, e o número de amigos se tenha multiplicado e atingido um volume considerável... seja imediatamente estabelecida uma "Assembléia Nacional", representativa dos amigos de todo esse país."

"O seu propósito imediato é estimular, unificar e coordenar por meio de freqüentes consultas pessoais, as múltiplas atividades dos amigos e das Assembléias Locais; e através de um contacto intimo e constante com a Terra Santa, criar recursos, e dirigir os assuntos gerais da Causa nesse país."

"Servem também um outro propósito, não menos essencial do que o primeiro, se considerarmos que a seu tempo evoluirão em Casas Nacionais de Justiça (que se encontram referidas na Vontade e Testamento de 'Abdu'l-Bahá como as "Casas de Justiça Secundárias"), as quais, de acordo com o explícito texto do Testamento, terão, em conjunto com as outras Assembléias Nacionais de todo o mundo Bahá'í, de eleger diretamente os membros da Casa Internacional de Justiça, aquele Conselho Supremo que orientará, organizará e unificará os assuntos do Movimento em todo o mundo."

"Nas Escrituras de 'Abdu'l-Bahá, está expressamente registrado que estas Assembléias Nacionais devem ser eleitas indiretamente pelos amigos; isto é, os amigos de cada país, devem eleger um determinado número de delegados, que por sua vez elegerão de entre todos os amigos desse país, os membros da Assembléia Espiritual Nacional..."

"Esta Assembléia Espiritual Nacional, que enquanto não for estabelecida a Casa Universal de Justiça, terá de ser reeleita uma vez por ano, assume obviamente graves responsabilidades, visto que tem de exercer plena autoridade sobre todas as Assembléias Locais do seu país, dirigir as atividades dos amigos, guardar vigilantemente a Causa de Deus, controlar e superintender os assuntos gerais do Movimento..."

"Tem também a responsabilidade de decidir se uma determinada questão em discussão é de natureza estritamente local e reservada à consideração e decisão da Assembléia Local, ou se é de caráter nacional, e ser considerada como uma questão que deve receber a sua especial atenção. A Assembléia Espiritual Nacional decidirá também dos assuntos que na sua opinião devem ser referidos à Terra Santa para consulta e decisão."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, páginas 39-41, duma carta datada de 12 de Março de 1923.)

"Creio firmemente, ser da máxima urgência e importância que, com a unidade de propósito e ação firmemente estabelecidas no nosso meio e com todo o vestígio de animosidade e desconfiança do passado banido dos nossos corações, formemos uma frente unida e combatamos com sapiência e tacto, todas as forças que possam obscurecer o espírito do Movimento, causar divisionismo nas suas fileiras, e limitá-lo com crenças dogmáticas e sectárias."

"É primariamente sobre os membros eleitos das Assembléias Espirituais Nacionais de todo o mundo Bahá'í, que recai este tão importante dever, visto ter sido posto e centralizado nas suas mãos a direção e orientação de todas as atividades espirituais Bahá'ís, e porque são aos olhos do povo dos seus países, o organismo supremo nessa terra, que oficialmente representa, promove e salvaguarda os vários interesses da Causa, é minha fervorosa oração e mais caro desejo que a guia infalível de Bahá'u'lláh e as bênçãos do nosso amado Mestre, lhes permita estabelecer um elevado e verdadeiro exemplo para todas as outras instituições Bahá'ís e Assembléias Locais, e lhas mostre o que a harmonia absoluta, a deliberação amadurecida e a cooperação abnegada podem conseguir."

"Se este organismo representativo e responsável, não conseguir realizar este requisito fundamental ao sucesso de todo o empreendimento, toda a estrutura com certeza ruirá, e o Grande Plano do Futuro, tal como se processa segundo a Vontade e Testamento do Mestre, será rudemente abalado e gravemente atrasado."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, páginas 45-46, duma carta datada de 9 de Abril de 1923.)

"Sobre o método a adotar para a eleição das Assembléias Espirituais Nacionais, é evidente que o texto do Testamento do Mestre não nos dá nenhuma indicação quanto à maneira pela qual estas Assembléias devem ser eleitas. Numa das Suas primeiras Epístolas, contudo, dirigida a um amigo da Pérsia, está expressamente registrado o seguinte:"

"Na altura em que todos os amados de Deus em cada país nomearem os seus delegados, e estes por sua vez, elejam os seus representantes e estes representantes elejam um organismo, este organismo deverá considerar-se como o Supremo Banto'l-'adl (A Casa Universal de Justiça)."

"Estas palavras indicam claramente que 'Abdu'l-Bahá nos dá uma eleição composta de três fases para a formação da Casa Internacional de Justiça e, como na Sua Vontade e Testamento está explicitamente indicado que as "Casas de Justiça Secundárias" (isto é, as Assembléias Nacionais) devem eleger os membros da "Universal", óbvio se torna, que os membros das Assembléias Espirituais Nacionais, terão de ser indiretamente eleitos pelo corpo dos crentes dos seus respectivos países..."

"Se a nomeação dos delegados fizesse parte das funções das Assembléias Locais, que já são organismos eleitos, seria introduzido o princípio da eleição composta de quatro fases, o que estaria em desacordo com as estipulações explicitamente estabelecidas na Epistola do Mestre. Por outro lado, se fossem as Assembléias Espirituais Locais, cujo número de membros está estritamente confinado a nove, a eleger diretamente os membros da Assembléia Espiritual Nacional - mantendo assim o princípio da eleição de três fases - todas as localidades Bahá'ís, que têm necessariamente de diferir no seu potencial numérico, teriam então de participar em igualdade na eleição da Assembléia Espiritual Nacional - prática esta que seria contrária à honestidade e justiça. Além disto, o princípio guia central na administração presente da Causa, tem sido tornar as Assembléias Espirituais Nacionais tão independentes quanto possível na condução dos assuntos referentes ao seu país, e limitar a influência obstrutiva de qualquer instituição dentro da sua jurisdição que pudesse, direta ou indiretamente, enfraquecer a sua autoridade e prestígio."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, páginas 84-85, duma carta datada de 12 de Maio de 1925.)

"Desígnios elevados e motivos puros, ainda que louváveis em si mesmos, não serão sem dúvida suficientes senão forem apoiados por medidas práticas e métodos eficazes. Riqueza de sentimento, abundância de boa-vontade e esforço, não produzirão nenhum benefício se não conseguirmos exercer discriminação e controlo e dirigir o seu fluxo através dos canais mais vantajosos. A liberdade plena do indivíduo deve ser temperada pela consulta mútua, pelo sacrifício e o espírito de iniciativa e empreendimento, reforçado por uma compreensão mais profunda da necessidade suprema da ação coletiva e de uma devoção mais plena ao bem comum."

"Seria impossível nesta fase ignorar a indispensabilidade, ou subestimar o significado único da instituição da Assembléia Espiritual Nacional - o eixo em redor do qual se volvem as atividades dos crentes em todo o continente Americano. Suprema é a sua posição, grave a sua responsabilidade, múltiplos e árduos os seus deveres. Quão grande o privilégio, quão delicada a tarefa dos delegados reunidos, cuja função é eleger estes representantes nacionais que, deveriam pela sua folha de serviços, enobrecer e enriquecer os anais da Causa! Se considerarmos apenas as elevadas qualificações dos membros das Assembléias Bahá'ís, como enumeradas nas Epístolas de 'Abdu'l-Bahá, ficamos plenos de sentimentos de desmerecimento e consternação e, ficaríamos verdadeiramente desencorajados, senão fosse o pensamento reconfortante de que se nos erguermos para desempenhar nobremente o nosso papel, todas as deficiências das nossas vidas, serão mais do que compensadas pelo espírito avassalador da Sua graça e poder. Deste modo compete aos delegados eleitos considerarem sem o mínimo vestígio de paixão e preconceito, e respectivamente de qualquer consideração material, apenas os nomes daqueles que melhor combinem as necessárias qualidades de inquestionável lealdade, abnegada devoção, espírito esclarecido, reconhecida competência e amadurecida experiência. Possa a próxima Assembléia Espiritual Nacional os privilegiados e escolhidos servos da Causa-imortalizarem o seu termo de serviço com ações de afetuoso serviço, ações que redundarão em honra, em glória e em poder, para o Nome Supremo."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, páginas 87-88, duma carta datada de 3 de Junho de 1925.)

"Agora que a engrenagem administrativa da Causa já se desenvolveu suficientemente, o seu propósito e objetivo são melhor conhecidos e compreendidos, e cada crente se encontra mais familiarizado com os seus métodos e funcionamento, creio ser chegada a altura em que esta deve ser completa e conscientemente utilizada na promoção do propósito para que foi criada. A minha convicção, é que ela deve servir um propósito duplo. Por um lado, almejar a expansão constante e gradual do Movimento ao longo de linhas que sejam simultaneamente amplas, válidas e universais; e, por outro lado, assegurar a consolidação interna do trabalho já realizado. Ambos devem fornecer o impulso através do qual as forças dinâmicas latentes na Fé se possam desenrolar, cristalizar e moldar as vidas e conduta dos homens, e servir como um meio para o intercâmbio de pensamento e a coordenação das atividades entre os diversos elementos que constituem a comunidade Bahá'í...

Em linhas gerais estes são os princípios guias que aqueles que estão colocados nos cargos da administração dos assuntos da Causa, devem presentemente esforçar-se por promover, explicar e firmemente estabelecer. Nada menos que o espírito da fé inabalável, de vigilância contínua e esforço paciente, pode eventualmente esperar alcançar a realização deste nosso tão caro desejo."

"Possam os representantes nacionais da América erguerem-se com uma visão clara, uma determinação inflexível e um renovado vigor para levarem integralmente a cabo a sagrada tarefa que se propuseram realizar."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, páginas 109-110, duma carta datada de 12 de Maio de 1926.)

"Agora que a AE.N. foi adequadamente constituída e os seus oficiais devidamente nomeados, cumpre a cada um e a todos, introduzirem e promoverem tais medidas que consolidem o trabalho que tão bem começaram. A instituição do Fundo Nacional, um Boletim Bahá'í similar ao Noticiário editado pela A.E.N. Americana, uma campanha de Ensinamento rigorosa e bem concebida, um esforço contínuo e determinado para coordenar as atividades das assembléias locais e grupos em toda a Índia e Birmânia, e o envio de freqüentes e detalhados relatórios para a Terra Santa, estão entre as necessidades mais primárias e urgentes do novo dia que alvoreceu sobre a Índia. Aguardo com interesse os vossos relatórios e ficai certos das minhas orações contínuas, pelo sucesso do vosso árduo labor."

(Shoghi Effendi, duma carta datada de 28 de Outubro de 1926 à AE.N. da Índia e Birmânia, mencionada em "Dawn of a New Day", páginas 14-15.)

"Desejo reafirmar, de uma maneira clara e categórica, o princípio já enunciado em que se baseia a autoridade suprema da assembléia nacional em todos os assuntos que afetam os interesses da Fé nessa terra. Não pode haver conflito de autoridade, nem dualidade sob qualquer forma ou circunstância em qualquer esfera de jurisdição Bahá'í, seja esta local, nacional ou internacional. A assembléia nacional, contudo, embora o único intérprete da sua Declaração de Fideicomissários e dos seus estatutos, é direta e moralmente responsável ao permitir que qualquer organismo ou instituição dentro da sua jurisdição, abuse dos seus privilégios ou decline o exercício dos seus direitos e prerrogativas. A assembléia nacional é o guardião fideicomissário e a origem das múltiplas atividades e interesses de cada comunidade nacional do mundo Bahá'í. É o único elo que liga estas comunidades à Casa Internacional de Justiça - o organismo administrativo supremo na Dispensação de Bahá'u'lláh."

(Shoghi Effendi, duma carta datada de 11 de Junho de 1934.)

"Com referência à vossa pergunta quanto à conveniência de revelar a um crente individual o conteúdo da correspondência da A.E.N.: A opinião do Guardião é que embora isso não deva considerar-se como uma obrigação que um crente possa impor ao organismo nacional, seria contudo, muito aconselhável que a AE.N. considerasse favoravelmente tal pedido feito por um crente. Na sua opinião, isso evita a impressão de que a Assembléia trabalha numa atmosfera de completo segredo e que este tem por causa motivações ditatoriais. A decisão final em tais assuntos, contudo, é deixada inteiramente ao critério da Assembléia Espiritual Nacional. O princípio básico que nunca deve ser esquecido, é que não se pode pedir à AE.N. para revelar a qualquer estranho todos os detalhes relativos ao seu trabalho. A Assembléia pode decidir fazê-lo se o desejar, mas ninguém tem o direito de a forçar a uma tal ação. Este, claro está, é o lado puramente legal da questão. Mas uma atitude puramente legalística em assuntos que afetam a Causa, especialmente agora que a Fé se encontra ainda na sua infância, é não apenas inadequada, mas cheia de invisíveis perigos e dificuldades. Os indivíduos e as assembléias têm de aprender a cooperar e a cooperar inteligentemente, se quiserem desempenhar devidamente as suas obrigações para com a Fé. E uma tal cooperação só é possível havendo confiança mútua."

(Duma carta datada de 19 de Junho de 1935, escrita em nome de Shoghi Effendi, extraída de Mensagens do Guardião à Austrália e Nova Zelândia, página 9.)

"Com referência à vossa pergunta relativa ao direito que assiste a um membro da Assembléia Espiritual Nacional de revelar a esse organismo quaisquer fatos que possua como membro de uma Assembléia Espiritual Local: O Guardião pensa que a devida apresentação de todos esses fatos não é apenas um direito, mas um dever de todo o membro da Assembléia Espiritual Nacional. De fato, todo o membro leal e consciencioso que tem o privilégio de ser membro da A.E.N., tem a obrigação de contribuir para a informação geral dos seus co-trabalhadores nesse organismo, com todos os fatos que estes últimos requeiram para o estudo e decisão dos casos submetidos à sua consideração."

(Duma carta datada de 14 de Janeiro de 1935, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da Índia e Birmânia.)

"A formação de cada nova Assembléia Espiritual Nacional tem verdadeiramente de considerar-se como um passo em frente, na evolução da Administração da Fé, e só após terem sido devidamente constituídas um número suficiente destas Assembléias, pode haver alguma esperança duma futura expansão da Causa."

(Duma carta escrita em nome de Shoghi Effendi, a um crente individual, mencionada no Bahá'í News, N.91, de Abril de 1935, pág. 15.)

"Uma vez mais, Shoghi Effendi exorta a vossa Assembléia a considerar com prudência e simpatia, esse caso que já ocupa a sua atenção há vários meses. A situação deve ser cuidadosamente estudada, e todos os seus aspectos exaustivamente investigados e tomada uma decisão que deve imediata e destemidamente ser executada. Uma demora demasiada não só prejudica os interesses do peticionário mas, além disso, terá por efeito minimizar a autoridade e prestígio da vossa Assembléia."

(Duma carta datada de 12 de Agosto de 1935, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da Índia e Birmânia.)

"O Guardião ficou muito satisfeito ao saber dos progressos feitos pela A.E.N. da Índia nos seus esforços para consolidar, alargar e manter a esfera de ação das suas atividades nacionais. Tremendas são as dificuldades no vosso caminho. As diferenças de idioma, de fundo social e intelectual tornam, indubitavelmente, muito mais difícil a realização do trabalho e poderão temporariamente refrear o funcionamento eficiente e regular da engrenagem administrativa da Fé a nível nacional. Não obstante, eles atribuem às deliberações da Assembléia Nacional uma universalidade que de outro modo não teriam e que dá aos seus membros uma amplitude de visão que é seu dever cultivar e fomentar. Na formação de qualquer Assembléia local ou nacional, não é a uniformidade que devemos procurar. Porquanto o alicerce da ordem administrativa Bahá'í é o princípio da unidade na diversidade, que tão energética e repetidamente se encontra vincado nas escrituras da Causa. Diferenças que não são fundamentais e contrárias aos ensinamentos básicos da Causa, devem ser mantidas, enquanto que a unidade básica da ordem administrativa, deve a todo o custo ser preservada e assegurada. A unidade, tanto de propósito como de meios é, verdadeiramente, indispensável ao funcionamento seguro e rápido de toda a Assembléia, quer local ou nacional."

(Shoghi Effendi, duma carta datada de 2 de Janeiro de 1934 à A.E.N. da Índia e Birmânia, mencionada em "Dawn of a New Day, páginas, 47-48.)

"A evolução do Plano impõe uma obrigação tripla, que todos os crentes individuais, todas as Assembléias locais, assim como a própria Assembléia Nacional, devem respectivamente reconhecer e conscientemente cumprir. Todo e cada crente, intrépido a meio das incertezas, dos perigos e das dificuldades financeiras que afligem a nação, deve erguer-se e assegurar, na medida plena da sua capacidade, o contínuo e abundante fluxo de fundos para a Tesouraria Nacional, do qual principalmente depende a continuação vitoriosa do Plano. Às Assembléias locais, cuja função especial e elevado privilégio é facilitar a admissão de novos crentes na comunidade, e deste modo estimular a infusão de sangue novo nas suas instituições orgânicas, recai este dever de caráter não menos vital. A estas, desejo dirigir um apelo em especial... deixarem de insistir de uma maneira demasiado rígida nos mandamentos e crenças secundárias que provem ser um obstáculo no caminho de qualquer sincero candidato, cujo veemente desejo seja alistar-se sob a bandeira de Bahá'u'lláh. Embora aderindo escrupulosamente às qualificações fundamentais já indicadas, os membros de toda e cada Assembléia devem esforçar-se, usando da sua paciência, amor, tacto e sabedoria, por nutrir, após a sua admissão, o recém-vindo até à sua maturidade Bahá'í, e gradualmente levá-lo à aceitação sem reservas, de tudo quanto se encontra ordenado nos ensinamentos. Quanto à Assembléia Nacional, cuja inescapável responsabilidade é guardar a integridade, coordenar as atividades e estimular a vida de toda a comunidade, no momento presente a sua principal preocupação, deve ser deliberar com ansiedade como melhor permitir tanto aos crentes individuais como às Assembléias locais cumprirem as suas respectivas tarefas. Através dos seus repetidos apelos, da sua prontidão em esclarecer todos os mal-entendidos e remover todos os obstáculos através do exemplo das suas vidas, da sua infatigável vigilância, do seu elevado sentido de justiça, da sua humildade, consagração e coragem, devem demonstrar àqueles a quem representam a sua capacidade para desempenharem o seu papel no progresso do Plano em que tanto eles como a restante comunidade estão empenhados. Possa o Espírito todo-avassalador de Bahá'u'lláh de tal modo permear cada parte componente deste Sistema harmoniosamente operante que lhe permita contribuir com a sua cota-parte na consumação do Plano."

(Shoghi Effendi, Mensagens à América, páginas 11-12, duma carta datada de 30 de Janeiro de 1938).

"Semelhante retidão de conduta (1) deve manifestar-se com uma força sempre crescente, em todo o veredicto que os eleitos representantes da comunidade Bahá'í, seja em que cargo for que se encontrem, sejam chamados a pronunciar... deve estar evidenciada na conduta de todos os eleitores Bahá'ís, quando no exercício dos seus sagrados direitos e funções... deve constituir o mais belo ornamento da vida, a meta, os esforços e as palavras de todo o professor Bahá'í, tanto no seu país natal como no estrangeiro, quer na vanguarda das forças de ensinamento, ou no desempenho dum trabalho menos ativo e responsável. Esta conduta deve tornar-se no garante desse organismo numericamente pequeno, ainda que intensamente dinâmico e altamente responsável dos representantes nacionais de cada comunidade Bahá'í. que constitui a coluna de sustentação e o único instrumento para a eleição em cada comunidade, da Casa Universal de Justiça cujo próprio nome e título, como ordenado por Bahá'u'lláh, simbolizam aquela retidão de conduta que é sua mais elevada missão, salvaguardar e fazer observar."

"Tão grande e transcendente é este princípio da Justiça Divina, um princípio que deve considerar-se como a principal distinção de todas as Assembléias Locais e Nacionais, na sua capacidade de precursoras da Casa Universal de Justiça, que o Próprio Bahá'u'lláh subordina a Sua inclinação e desejo pessoal, à força irresistível das suas exigências e implicações. "Deus é meu testemunho!" Ele assim explica, "não fosse isso contrário à lei de Deus, Eu beijaria a mão de quem Me matasse e a ele legaria os Meus bens terrenos. Refreia-Me de o fazer, contudo, a lei de Deus expressa no Livro e não ter Eu possessões materiais." "Sabei vós de uma verdade" significativamente Ele afirma, "estas grandes opressões que têm caído sobre o mundo, estão a prepará-lo para o advento da Justiça Suprema." "Dizei", Ele afirma noutra passagem, "Ele veio com aquela Justiça com a qual adornou a humanidade e, contudo, as pessoas na sua grande maioria continuam adormecidas." "A luz dos homens é a Justiça," declara Ele ainda, "não a extingueis com os ventos contrários da opressão e tirania. O propósito da justiça, é o aparecimento da unidade entre os homens." "Não há radiância", declara Ele, "que se possa comparar à da justiça. A organização do mundo e a tranqüilidade da humanidade dependem dela". "Oh povo de Deus!", Ele exclama, "A força motora do mundo é a Justiça, pois que esta é sustentada por dois pilares, a recompensa e a punição. Estes dois pilares são as origens da vida para o mundo."...

"Não admira, portanto que o Autor da Revelação Bahá'í haja associado o nome e o título dessa Casa, que será a coroa de glória das Suas instituições administrativas, não com o perdão, mas com a justiça, tendo feito da justiça a única base e o permanente alicerce da Sua Paz Suprema, e havê-la proclamado nas Suas Palavras Ocultas como "a mais amada de todas as coisas" a Seus olhos."

(1) "Com as suas implicações de Justiça, igualdade, veracidade, honestidade, sentido de retidão, confiança e idoneidade." (Ver "O Advento da Justiça Divina, pág. 19).

(Shoghi Effendi, "The Advent of Divine Justice", pág. 22-24, Datada de 25 de Dezembro de 1938.)

"Nos países em que as comunidades Bahá'ís locais progrediram suficientemente em número e influência, foram tomadas medidas para a criação de Assembléias Nacionais, os eixos em redor dos quais devem revolver todos os empreendimentos nacionais. Designadas por 'Abdu'l-Bahá no Seu Testamento como as "Casas de Justiça Secundárias", estas constituem os organismos eleitorais para a formação da Casa Internacional de Justiça e têm autoridade para dirigir, unificar, coordenar e estimular as atividades dos crentes individuais, assim como das Assembléias locais dentro da sua área de jurisdição, assentes sobre o amplo alicerce das comunidades locais organizadas elas próprias, pilares de sustentação da instituição que deve considerar-se como a cúpula da Ordem Administrativa Bahá'í, estas Assembléias são eleitas, de acordo com o princípio da representação proporcional, pelos delegados representantes das comunidades Bahá'ís locais reunidas em Convenção durante o período do Festival de Ridván; estão empossadas com a necessária autoridade, que lhes permite assegurar o desenvolvimento harmonioso e eficiente da atividade Bahá'í, dentro das suas esferas respectivas; estão isentas de toda a responsabilidade direta para com o seu eleitorado na condução dos seus assuntos públicos e nas suas decisões; estão encarregadas com o dever sagrado de consultar sobre as opiniões expressas pelos delegados, convidá-Ios a fazerem recomendações, de obter a sua confiança e cooperação e de dar-lhes a conhecer os seus planos, problemas e ações; e são mantidas pelos recursos dos fundos nacionais para os quais todos os crentes são solicitados a contribuir."

(Shoghi Effendi, God Passes By, páginas, 332-333, 1944.)

"Agora que haveis sido eleito para a Assembléia Espiritual Nacional, ele é de opinião que esta oportunidade vos oferece o vosso mais importante campo de serviço do momento presente. Todos os outros serviços para a Causa devem subordinar-se a este; e vós deveis conservar a vossa força para este trabalhos e sentirdes que esta não é suficiente para se dispersar também por todas as outras tarefas! Os vossos longos e devotados serviços para a Causa, têm sido, todos, um treino e preparação para mais amplas atividades, e esta eleição para a AE.N., ele espera, não é senão uma preparação para trabalhos ainda mais importantes no futuro."

(Duma carta datada de 28 de Julho de 1944, escrita em nome do Guardião a um crente individual.)

"O Guardião ficou muito feliz por ver que este ano se haviam efetuado mudanças nos membros da A.E.N., não, devido a quaisquer razões de personalidade, mas porque a mudança em si mesmo é benéfica e aponta uma nova perspectiva às discussões de qualquer Assembléia. Ele ficou também satisfeito por ver que estas mudanças implicaram a entrada de pessoas mais novas para a AE.N.; com a tremenda quantidade de trabalho que este segundo Plano de Sete Anos vai trazer, esta será uma grande ajuda para os membros mais idosos desse organismo."

(Duma carta datada de 21 de Maio de 1946, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual.)

"Devemos respeitar a AE.N. e a A.E. Local, porque estas são as instituições fundadas por Bahá'u'lláh. Estas nada têm a ver com as personalidades, mas estão muito acima delas. Será um grande dia quando os amigos, dentro e fora das Assembléias, vierem a compreender completamente o fato de que numa Assembléia a importância não está nos indivíduos, mas na Assembléia como uma instituição,"

(Duma carta datada de 7 de Julho de 1949, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual.)

(I) "o Guardião chama a vossa atenção para a declaração do Mestre, de que as deliberações das Assembléias são secretas e confidenciais, não sendo, portanto, possível, ter um não-membro da Assembléia na reunião da A.E.N.. Deveis ter sempre presente que, em questões de princípio, não podem haver desvios; assuntos altamente pessoais, prejudiciais à honra e felicidade de outros, são muitas vezes tratados pelas Assembléias Nacionais, e o perigo de que essa confiança seja traída é já suficientemente grande com os nove representantes de toda a comunidade, quanto mais introduzir membros que não são da Assembléia. Tudo o que tendes a fazer é tornardes as vossas minutas um pouco mais compactas e sacrificar, se necessário, algo da eficiência para seguirdes este tão importante princípio."

(I) Nota do Tradutor: As palavras de intróito deste parágrafo foram traduzi das livremente, por a palavra em Inglês não fazer sentido na seqüência do texto.

(Duma carta datada de 5 de Julho de 1950, escrita em nome de Shoghi Effendi à Assembléia Espiritual Nacional dos Bahá'ís dos Estados Unidos.)

"Evidências aumento hostilidade externa persistentes maquinações internas pressagiando terrível disputa destinada opor exército luz forças trevas tanto seculares religiosas predita linguagem inequívoca 'Abdu'l-Bahá necessita esta hora crucial mais íntima associação Mãos cinco continentes organismos eleitos representantes comunidades Bahá'ís nacionais todo o mundo investigação conjunta atividades nefastas inimigos internos adoção sábias medidas efetivas neutralizar os seus esquemas traiçoeiros proteger massa crentes travar disseminação má influência. Apelamos Mãos Assembléias Nacionais cada continente estabelecer separadamente daqui em diante contacto direto deliberar sempre que possível tão freqüentemente quanto possível troca relatórios a serem submetidos pelas suas respectivas Juntas Auxiliares comissões nacionais exercerem atenta vigilância levar a cabo sem desvios deveres sagrados inescapáveis. Segurança Fé preciosa preservação saúde espiritual comunidades Bahá'ís vitalidade fé seus membros individuais funcionamento adequado suas laboriosamente erguidas instituições realização seus empreendimentos em todo o mundo cumprimento seu destino final tudo diretamente dependente adequado desempenho pesadas responsabilidades agora recaem membros destas duas instituições ocupando com Casa Universal de Justiça depois Instituição Guardiania mais destacada posição divinamente ordenada hierarquia administrativa Ordem Mundial de Bahá'u'lláh."

(Shoghi Effendi, Messages to the Bahá'í Word 1950-1957, de telegrama datado de 4 de Junho de 1957.)

II. RELAÇÃO COM A CONVENÇÃO

"Até agora a Convenção Nacional tem sido primariamente convocada para considerar as várias circunstâncias relativas à eleição da Assembléia Espiritual Nacional. Creio, contudo. que perante a expansão e a importância crescente da esfera administrativa da Causa, dos sentimentos gerais e tendências prevalecentes entre os amigos, e dos sinais de crescente interdependência entre as Assembléias Espirituais Nacionais de todo o mundo, os acreditados representantes dos crentes Americanos, reunidos, devem exercer não só o direito vital e responsável de eleger a Assembléia Nacional, mas também realizar as funções de um organismo iluminado, consultivo e cooperativo que enriquecerá a experiência, realçará o prestígio, apoiará a autoridade e auxiliará as deliberações da Assembléia Espiritual Nacional. É minha firme convicção de que é um dever sagrado, no interesse da Causa que todos nós amamos e servimos, dos membros da nova Assembléia Nacional, uma vez eleita pelos delegados durante a Convenção, procurar e ter a máxima consideração, tanto individual como coletivamente, pelos pareceres, e ponderadas opiniões dos delegados presentes. Banindo de entre si todo o vestígio de reserva, de indevida reticência, de superioridade ditatorial, devem com alegria e pormenor desenrolar perante os olhos dos delegados por quem foram eleitos, os seus planos, as suas esperanças, e as suas preocupações. Devem familiarizar os delegados com os vários assuntos que terão de ser considerados no corrente ano, e calma e conscienciosamente estudar e pesar as opiniões e pareceres dos delegados. A recentemente eleita Assembléia Nacional, durante os poucos dias em que a Convenção está em sessão e depois da dispersão dos delegados, deve procurar por todos os meios ao seu alcance cultivar a compreensão, facilitar e manter a troca de opiniões, aprofundar a confiança, e reivindicar por todos os meios ao seu alcance, o desejo de servir e promover o bem geral. Por vezes, ou melhor, muitas vezes, os mais humildes, ignorantes e inexperientes de entre os amigos, contribuem, por pura força inspiradora do seu desprendimento e devoção ardente, com a sua quota parte distinta e memorável, numa discussão altamente complicada em qualquer Assembléia. Grande deve ser a consideração dada por aqueles que os delegados escolheram para servir nesta alta posição a esta tão importante, ainda que imperceptível manifestação do poder revelado r da devoção sincera e fervorosa."

"A Assembléia Espiritual Nacional, contudo, considerando as inevitáveis limitações impostas à convocação de freqüentes e longas sessões da Convenção, terá de reter nas suas mãos a decisão final de todos os assuntos que afetam os interesses da Causa na América, tais como o direito de decidir se uma Assembléia Local está ou não a funcionar de acordo com os princípios estabelecidos para a condução e progresso da Causa. É minha mais fervorosa oração que eles utilizem a sua tão elevada posição de responsabilidade, não apenas na conduta sábia e eficiente dos assuntos da Causa, mas também na difusão e aprofundamento do espírito de cordialidade no apoio total e mútuo na sua cooperação com o corpo dos seus colaboradores em todo o país. A ratificação do assento dos delegados à Convenção, isto é, o direito de decidir da validade das credenciais dos delegados numa dada Convenção, está investida na Assembléia Nacional cessante assim como é também a Assembléia Espiritual Nacional quem tem a última palavra e o direito de decidir a quem cabe o privilégio de votar, quer quando uma Assembléia espiritual local se forma pela primeira vez numa dada localidade ou quando surjam diferendos entre um candidato e uma Assembléia local já estabelecida. No decurso das sessões da Convenção e quando os acreditados delegados tenham já eleito de entre os crentes "de todo o país, os membros da Assembléia Espiritual Nacional para o corrente ano, é de infinito valor e uma necessidade suprema que tanto quanto possível todos os assuntos que requeiram uma decisão imediata sejam completa e publicamente considerados e que após plena consulta, se faça um esforço para se obter a unanimidade em todas as decisões vitais. Na realidade, foi sempre um grato desejo do nosso Mestre, 'Abdu'l-Bahá, que os amigos, nos seus conselhos, tanto nacionais como locais, chegassem, pela sua candura, a sua honestidade de propósito, a sua singeleza de pensamento e pelo caráter cabal da sua discussão, à unanimidade em todas as questões. Se esta se provar em certos casos impraticável o veredicto da maioria deve prevalecer, e a esta decisão a minoria deve submeter-se, sob todas as circunstâncias, com satisfação, espontaneidade e sem intermissão."

"Nada menos que o poder da Sua Guia e Amor, que tudo abarca, que tudo penetra, pode permitir a esta ordem recém-nascida ganhar força e florescer no meio da tempestade e tensão de uma idade turbulenta, e a seu tempo reclamar a sua elevada reivindicação de ser universalmente reconhecida como o único Céu de eterna felicidade e paz,"

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, páginas 78-80, duma carta datada de 29 de Janeiro de 1925.)

"Com referência à realização anual da Convenção e do Congresso Bahá'í é minha opinião que, embora este organismo representativo não tenha necessariamente de ser convocado cada ano, é contudo muito conveniente, considerando as funções únicas que desempenha de fomentar a harmonia e boa-vontade, de eliminar mal-entendidos e de realçar o prestígio da Causa, que a Assembléia Espiritual Nacional se esforce por reunir anualmente os representantes eleitos dos crentes Americanos. Sob alguns aspectos seria obviamente conveniente e eminentemente desejável, ainda que não absolutamente essencial, que a Assembléia Espiritual Nacional fizesse com que a realização deste Congresso sincronizasse com a altura em que se renovam as eleições nacionais, e que ambos os acontecimentos tivessem lugar, senão no primeiro dia do Ridván, pelo menos durante os doze alegres dias ,do período que justamente se pode considerar como o primeiro Festival Bahá'í. A não ser as eleições locais, que universalmente têm de ser renovadas no dia 21 de Abril, é inteiramente deixado ao critério da Assembléia Espiritual Nacional, após devida consideração às observações acima mencionadas, ,decidir qual a data e o lugar para a realização da Convenção Bahá'í, assim como para as eleições nacionais. Se a Assembléia Espiritual Nacional após ponderada deliberação tomar a decisão de preterir num dado ano a realização da Convenção e do Congresso Bahá'ís, poderá então, e só nesse caso, procurar os meios de assegurar que a eleição anual da Assembléia Nacional seja realizada por correspondência, desde que esta seja conduzida com suficiente perfeição, eficiência e rapidez. Quanto a mim, não há também nenhuma objeção a que se permita e mesmo se peça, como último recurso, aos delegados a quem seja impossível realizar a viagem para o local da Convenção Bahá'í, o envio dos seus votos, só para a eleição da Assembléia Espiritual Nacional, pelo correio e endereçados ao Secretário Nacional, visto que em minha opinião as vantagens deste procedimento ultrapassam as considerações referidas na vossa carta. Os delegados eleitos devem, contudo, ficar bem esclarecidos - e ser-lhes continuamente lembrado - que é uma responsabilidade sagrada e reconhecidamente preferencial, estar presente se possível em pessoa nas sessões da Convenção, tomar parte ativa em todo o seu procedimento, e no seu regresso, dar a conhecer aos seus amigos crentes as realizações, as decisões e as aspirações dos representantes reunidos dos crentes Americanos."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, páginas 91-92, duma carta datada de 24 de Outubro de 1925.)

"O Guardião pede à Assembléia Espiritual Nacional que lembre e esclareça bem os crentes nessa terra que o organismo supremo nos Estados Unidos e Canadá, cujo privilégio e função é estabelecer, emendar e ab-rogar os princípios administrativos da Fé, com a aprovação do Guardião, não é a Convenção, por muito representativa que esta seja, mas a Assembléia Espiritual Nacional. Por outro lado, a Assembléia Nacional tem a obrigação e a função primária, sejam quais forem as circunstâncias, de não restringir a liberdade dos delegados reunidos, cuja dupla função é a de elegerem os seus representantes nacionais e a de lhes submeter quaisquer recomendações que queiram fazer. A função da Convenção é puramente consultiva e embora o parecer por ela dado não tenha efeitos compulsivos sobre aqueles que retêm a decisão final em questões puramente administrativas, deve observar-se, mesmo assim, o maior cuidado e precaução para que nada haja que impeça os delegados de exercerem plena e livremente as suas funções. No desempenho desta sagrada função, nenhuma influência seja esta qual for, nenhuma pressão seja qual for a sua origem, ainda mesmo que esta proveniesse da Assembléia Nacional, deve sob quaisquer circunstâncias afetar as suas opiniões ou restringir a sua liberdade. Os delegados devem estar completamente independentes de qualquer órgão administrativo, devem encarar a sua tarefa com absoluto desprendimento e devem concentrar a sua atenção nos assuntos mais importantes e prementes."

"O Guardião crê que o direito para a eleição do presidente e do secretário da Convenção deve ser investido nos delegados reunidos, para que não surja a objeção de que os membros da Assembléia Nacional cessante procuram orientar o curso das consultas de um modo que seja conducente aos seus próprios interesses pessoais. A Assembléia Nacional, contudo, deve sempre vigilantemente apoiar, defender, justificar e cumprir com as cláusulas contidas na Constituição e Estatutos as quais são tão compulsórias para a Convenção como para ela própria. A Assembléia Espiritual Nacional tem o direito de estabelecer, fazer cumprir e interpretar a Constituição Nacional dos Bahá'ís nesse país. A Assembléia Nacional para se manter fiel à letra e ao espírito dessa Constituição, não pode criar quaisquer regulamentos, ainda que de caráter secundário, que possam de qualquer modo obstruir a liberdade irrestrita dos delegados de darem o seu parecer e elegerem aqueles que segundo a sue opinião melhor combinem as necessárias qualificações para membro de um tão elevado organismo."

"De acordo com a ponderada opinião do Guardião, contudo, não deve ser dado aos não-delegados o direito de intervenção direta durante as sessões da Convenção. Só através de um delegado acreditado lhes deve ser dada indiretamente a oportunidade de expressarem os seus sentimentos e de participarem nas deliberações da Convenção. Muitas complicações e confusões resultariam infalivelmente em dias vindouros, se uma tal restrição não fosse imposta a uma reunião que se destina primariamente aos delegados acreditados das comunidades Bahá'ís. Tendo em mente esta restrição, é um dever da Assembléia Espiritual Nacional encontrar os modos que lhe permita a obtenção de valiosas sugestões, não só do número total dos delegados eleitos, mas de tantos dos seus colaboradores quanto seja humanamente possível."

"Shoghi Effendi não se desviou de qualquer princípio administrativo estabelecido. Na sua opinião nem reduziu a autoridade legítima da Assembléia Espiritual Nacional, nem investiu a Convenção com indevidos poderes que lhe permita rivalizar ou tomar o lugar daqueles a quem tem de eleger. O objetivo do Guardião é lembrar os amigos, mais completamente do que antes, dos dois princípios cardeais da Administração Bahá'í, nomeadamente, a autoridade suprema e indesafiável da Assembléia Espiritual Nacional em questões nacionais e nas suas funções dentro dos limites impostos na Constituição e nos Estatutos, e da plena liberdade dos delegados à Convenção de darem pareceres, deliberarem sobre ações a tomar e nomearem os sucessores da sua Assembléia Nacional. O Guardião confia que elucidareis e dareis a maior publicidade a estes princípios já estabelecidos, dos quais dependerá no final, o progresso, a unidade e o bem-estar das instituições administrativas Bahá'ís."

"Acrescentado pelo punho do Guardião: Deve exercer-se o maior cuidado e vigilância para que não surjam nenhuns novos mal-entendidos referentes a estas questões fundamentais. Mantém-se sem reservas o princípio de raiz da Administração Bahá'í.

Não há o propósito de fazer desvios aos seus princípios estabelecidos. A autoridade indisputada do organismo administrativo Bahá'í supremo da América foi reafirmado, enquanto que, por outro lado, a plena liberdade dos crentes individuais e dos delegados de exercerem as suas funções foi uma vez mais reafirmado e fortalecido. Da cooperação contínua e harmoniosa das duas principais instituições Bahá'ís da América dependerá no fim o progresso e o sucesso da administração legada por 'Abdu'l-Bahá. Possa a Convenção do próximo ano testemunhar o triunfo destes princípios básicos.

(Duma carta datada de 18 de Agosto de 1933, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. dos E. U. e Canadá.)

"Com referência à posição, direitos e prerrogativas da Convenção Anual Bahá'í, o Guardião pretende tornar bem claro a todos os crentes que esta reunião anual dos delegados não é de modo algum um organismo consultivo contínuo durante todo o ano; que a sua dupla função da eleição do organismo da Assembléia Espiritual Nacional, e de oferecer algumas sugestões construtivas referentes à administração geral da Causa é limitada a um período definido; e que por conseqüência, a opinião corrente entre alguns dos crentes, de que os delegados devem servir como um organismo consultivo durante todo o ano está em desacordo com os princípios fundamentais, ainda por especificar, em que se fundamenta a administração. Shoghi Effendi crê firmemente que se deve manter a consultação entre a Assembléia Espiritual Nacional e todo o corpo dos crentes, e que esta consultação, quando a Convenção não está em sessão, pode melhor manter-se através do organismo das Assembléias locais, das quais uma das funções essenciais é a de agirem como intermediárias entre as comunidades locais e os seus representantes nacionais. O principal propósito das Festas dos Dezenove Dias é o de permitir aos crentes individuais oferecerem quaisquer sugestões à Assembléia local a qual por sua vez as transmitirá à Assembléia Espiritual Nacional. A Assembléia local, portanto, é o meio adequado através do qual a comunidade Bahá'í local pode comunicar com o organismo dos representantes nacionais. A Convenção deve ser considerada como uma reunião temporária, tendo certas funções específicas a realizar durante um período de tempo limitado. A sua posição encontra-se, assim, limitada no tempo às sessões da Convenção, ficando as funções de consulta em todas as outras alturas investidas em todo o corpo dos crentes através das Assembléias espirituais locais."

"Acrescentado pelo punho de Shoghi Effendi: Desejo afirmar, sem a mais pequena hesitação ou ambigüidade, que a Convenção Anual não deve ser considerada como um organismo habilitado a exercer funções similares àquelas possuídas por um vulgar parlamento sob uma forma de governo democrático. A ordem administrativa que já se encontra inserida nos ensinamentos de Bahá'u'lláh, e que os crentes Americanos têm defendido e estão agora a estabelecer, não deve sob nenhuma circunstância, identificar-se com os princípios em que se baseiam as democracias do dia presente. Nem é idêntica a qualquer forma de governo puramente aristocrático ou autocrático. As características objetáveis inerentes a cada um destes sistemas políticos estão inteiramente evitadas. Ela combina, como nenhum outro sistema político humano conseguiu até agora, aquelas verdades salutares e elementos benéficos que constituem as contribuições válidas feitas no passado à sociedade por cada uma destas formas de governo. A consultação, franca e livre, é o alicerce desta Ordem única. A autoridade está concentrada nas mãos dos membros eleitos da Assembléia Nacional. O poder e a iniciativa estão primariamente investidos em todo o corpo dos crentes agindo através dos seus representantes locais. Gerar estas forças que devem dar nascimento ao organismo dos seus administradores nacionais, e consultar livre e completamente e a intervalos fixos, tanto com a nova Assembléia Nacional como com a cessante, é a função dupla, a suprema responsabilidade e a única prerrogativa dos delegados reunidos na Convenção. Nada menos do que uma interação íntima e constante entre estes vários órgãos da administração Bahá'í pode permitir a esta cumprir o seu alto destino."

(Duma carta datada de 18 de Novembro de 1933, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. dos Estados Unidos e Canadá.)

"No que se refere à posição legal dos membros da Assembléia Espiritual Nacional nas sessões da Convenção, a opinião do Guardião é que deve ser dado tanto aos membros da nova Assembléia como aos da cessante, pleno direito de participação nas discussões da Convenção. Os membros da Assembléia Espiritual Nacional que tenham sido eleitos delegados têm, além do direito de participação, autoridade para votar. O Guardião pretende por este meio tornar mais efetivas as deliberações e recomendações dos representantes nacionais. A sua opinião é que o exercício deste direito pelos membros da Assembléia Espiritual Nacional lhes permitirá uma consultação mais completa com os delegados reunidos, uma troca de pareceres exaustiva e franca com eles e a consideração coletiva dos interesses, necessidades e requisitos da Causa. Esta, ele crê, é uma das funções primárias da Convenção."

(Duma carta datada de 25 de Dezembro de 1933, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. dos Estados Unidos e Canadá, inserida no "Bahá'í News" N.81 de Fevereiro de 1934, página 3.)

"Com referência à carta circular que enviastes às Assembléias locais e na qual definíeis os direitos específicos, e as funções da Convenção Anual Bahá'í, e em que explicáveis uma vez mais as relações que ligam esse organismo à Assembléia Espiritual Nacional, o Guardião pediu-me para afirmar de novo a sua opinião de que a autoridade da Assembléia Espiritual Nacional é indivisível e indesafiável em todas as questões pertinentes à administração da Fé em todos os Estados Unidos e Canadá, e que, portanto, a obediência dos Bahá'ís individuais, dos delegados, dos grupos e das Assembléias a essa autoridade é imperativa, e deverá ser completa e incondicional. Ele está convencido que a aceitação sem reservas e a plena aplicação desta cláusula da Administração é essencial para a manutenção do mais elevado grau de unidade entre os crentes, e indispensável ao trabalho efetivo da engrenagem administrativa da Fé em todos os países."

"Na expectativa de que através dos vossos esforços os amigos cooperarão no cumprimento das instruções do Guardião sobre este ponto, e reiterando a certeza das suas orações e súplicas em vosso nome e no dos vossos colaboradores na Assembléia Nacional."

(Duma carta datada de 11 de Junho de 1934, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. dos Estados Unidos e Canadá.)

III. RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

"O que me deu ainda maior prazer foi saber que os membros deste Organismo Central que assumiu uma tão grave responsabilidade e que tem perante si tão delicadas e difíceis tarefas, inspira individual e coletivamente não só a simpatia dos seus irmãos e irmãs espirituais mas que estes podem também confiantemente contar com o seu ativo e dedicado apoio na campanha de serviço à Causa de Bahá'u'lláh. Assim, de fato é como deve ser, porque se a cooperação genuína e constante e a confiança mútua deixarem de existir entre os amigos individuais e as suas Assembléias locais e nacionais, todo o bom trabalho da Causa cessará e nada mais lhe permitirá no futuro funcionar harmoniosa e eficientemente."

"É verdade que a Causa como todos os outros movimentos encontra os seus próprios obstáculos, complicações e dificuldades imprevisíveis, mas, diferentemente de qualquer outra organização humana, ela inspira um espírito de Fé e Devoção que não pode deixar de nos induzir a fazer sinceros e renovados esforços ao encararmos com estas dificuldades e aplanar quaisquer diferendos que possam e deverão surgir."

"Aguardo com fervorosa esperança as notícias sobre esta renovação de esforços da vossa parte e da vossa resoluta determinação que nunca permitireis se abata, de manterdes a todo o custo a unidade, e eficácia e a dignidade da Causa."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, página 28, duma carta datada de 23 de Dezembro de 1922.)

"A necessidade de centralizar a autoridade na Assembléia Espiritual Nacional, e de concentrar o poder nas várias Assembléias locais, torna-se manifesta quando refletimos que a Causa de Bahá'u'lláh está ainda numa idade frágil do seu crescimento e numa fase de transição; se nos lembrarmos que as implicações integrais e o significado exato das instruções do Mestre para todo o mundo, como estabelecidas no Seu Testamento, ainda não estão integralmente percebidas, e que todo o Movimento não está suficientemente cristalizado aos olhos do mundo."

"A nossa tarefa primária é vigiar muito atentamente a maneira e o caráter do seu crescimento, combater eficientemente as forças de tendências separatistas e sectárias, para que o espírito da Causa não seja obscurecido, a sua unidade ameaçada, e os seus ensinamentos corrompidos; para que a ortodoxia extremista por um lado, e a liberdade irresponsável por outro, não a desviem do Caminho Reto que é o único que a pode conduzir ao sucesso."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, página 42, duma carta datada de 12 de Março de 1923.)

"Não nos esqueçamos... de que na própria raiz da Causa se encontra o princípio do direito indubitável do indivíduo à palavra, a sua liberdade de expressar a sua consciência e de dar as suas opiniões..."

"Tenhamos também em mente que a tônica da Causa de Deus não é a autoridade ditatorial mas a humilde camaradagem, não é o poder arbitrário, mas o espírito de franca e amistosa consultação. Nada menos do que o espírito de um verdadeiro Bahá'í pode esperar reconciliar os princípios de mercê e justiça, de liberdade e submissão, da santidade do direito do indivíduo e da renúncia do ego, de vigilância, discrição e prudência por um lado, e de camaradagem, candura e coragem por outro."

"Os deveres, daqueles a quem os amigos elegeram livre e conscienciosamente como seus representantes, não são menos vitais e compulsórios do que as obrigações daqueles que os escolheram. A sua função não é ditar, mas consultar, e consultar não apenas entre si, mas tanto quanto possível com os amigos que representam. Não se devem considerar a si próprios sob nenhuma outra luz que não seja a de instrumentos escolhidos para uma mais eficiente e dignificada representação da Causa de Deus. Não devem nunca serem levados a supor que são os ornamentos centrais do organismo da Causa intrinsecamente superiores aos outros em capacidade ou mérito, e os únicos promotores dos seus ensinamentos e princípios. Devem encarar as suas tarefas com extrema humildade, e esforçarem-se com as suas mentes isentas de preconceito, com o seu elevado sentido de justiça e dever, com a sua candura, a sua modéstia, a sua inteira devoção ao bem-estar e aos interesses dos amigos, da Causa e da humanidade, por ganhar não só a confiança e o genuíno apoio e respeito daqueles a quem servem, mas também a sua estima e verdadeira afeição. Devem, sempre, evitar o espírito de exclusividade, as atmosferas de segredo, libertarem-se de atitudes dominantes e banir das suas deliberações todas as formas de preconceito e paixão. Devem, dentro dos limites duma sábia discrição, obter a confiança dos amigos, dar-lhes a conhecer os seus planos, partilhar com eles os seus problemas e ansiedades. e procurar o seu parecer e conselho. E, quando lhes seja pedido para tomarem uma dada decisão, devem, após uma consultação desapaixonada, ansiosa e cordial, voltarem-se para Deus em oração, e com seriedade, convicção e coragem, darem o seu voto e acatar a voz da maioria, a qual nos disse o nosso Mestre ser a voz da verdade, jamais para ser desafiada, mas ser sempre devotadamente cumprida. A esta voz os amigos devem responder com todo o coração, e considerá-la como os únicos meios que podem assegurar a proteção e o progresso da Causa."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, página 82, duma carta datada de 10 de Abril de 1925.)

"Que seja bem claro para todo o leitor inquiridor que entre os deveres mais proeminentes e sagrados que recaem sobre aqueles que foram chamados a iniciar, orientar e coordenar as tarefas da Causa, estão os que requerem que eles ganhem por todos os meios ao seu alcance a confiança e a afeição daqueles que é seu privilégio servir. Seu é o dever de inquirir e conhecer as consideradas opiniões, os sentimentos prevalecentes e as convicções pessoais daqueles cujo bem-estar é sua solene obrigação promover. Seu é o dever de purificar, uma vez por todas, das suas deliberações e da condução geral dos seus assuntos, esse ar de superior reserva, de suspeita de segredos, da atmosfera asfixiante do paternalismo ditatorial, em suma, de toda a palavra e ato que possa ter um travo de parcialidade, de egocentrismo e de preconceito. Seu é o dever, conquanto retendo nas mãos o sagrado e exclusivo direito da decisão final, de convidar à discussão, dar informações, ventilar agravos, de receber com agrado o parecer do mais humilde e insignificante membro da Família Bahá'í, de expor os seus motivos, explanar os seus planos, justificar as suas ações, rever se necessário o seu veredicto, encorajar o espírito de iniciativa e empreendimento individual e fortificar o sentido de interdependência e co-participação, de compreensão e confiança mútua entre eles por um lado e de todas as Assembléias locais e crentes individuais por outro."

(Shoghi Effendi, duma carta datada de 18 de Outubro de 1927 à A.E.N. dos Estados Unidos e Canadá.)

"Com referência ao Boletim de Notícias proposto... o Guardião é de opinião de que se trata de uma esplêndida idéia e pode prestar um auxílio único e bem necessário à vossa Assembléia nos seus esforços para o estabelecimento da Administração, e para o funcionamento mais efetivo das suas instituições em toda a Austrália e Nova Zelândia. Este, não só tem a vantagem de manter os amigos bem informados sobre os acontecimentos e desenvolvimentos da Causa, mas mais ainda pode ajudar na consolidação da unidade orgânica dos crentes trazendo-os para dentro dos limites da órbita de jurisdição da Assembléia Espiritual Nacional. Esperamos que este organismo fará todos os possíveis por manter a publicação deste boletim e fará pleno uso deste esplêndido meio no alargamento e consolidação dos alicerces das Assembléias locais e nacionais."

(Duma carta datada de 23 de Setembro de 1936, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da Austrália e Nova Zelândia.)

"Este contacto entre os membros da Assembléia Espiritual Nacional e os crentes individuais é certamente de imenso valor para a Causa, na medida em que serve para promover, mais do que qualquer outro meio, a cooperação inteligente, e a camaradagem e compreensão entre os amigos. Cabe, portanto, à Assembléia Nacional a responsabilidade de encorajar por todos os meios ao seu alcance este crescimento, e ajudar assim numa maior consolidação da sua autoridade e prestígio na comunidade. Nada há que lhe possa causar maior dano do que a atitude de superioridade e de isolamento do organismo geral dos crentes."

"Shoghi Effendi espera que o sucesso que teve esta última reunião da Assembléia Nacional em São Francisco sirva de estímulo aos seus membros para a realização das suas reuniões em tantos centros diferentes quanto possível. Ele ora fervorosamente pela vossa guia neste assunto."

(Duma carta datada de 4 de Dezembro de 1936, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual.)

"Antes de terminar há uma sugestão na vossa carta que o Guardião deseja que eu confirme, nomeadamente, de que uma das funções vitais da Assembléia Espiritual Nacional é estar sempre a par das condições locais de cada comunidade e de fazer um esforço por guiar os amigos individual e coletivamente, em todas as suas atividades através de contactos pessoais e uma correspondência regular."

(Duma carta datada de 30 de Janeiro de 1938, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual.)

"Que cada participante na campanha continental iniciada pelos crentes Americanos, em especial os que estão empenhados em trabalho pioneiro em territórios virgens, tenham presente a necessidade de manter um contacto íntimo e constante com os órgãos responsáveis designados para orientarem, coordenarem e facilitarem as atividades de ensinamento de toda a comunidade. Quer se trate do organismo dos seus representantes nacionais, da sua instituição auxiliar principal, a Comissão Nacional de Ensinamento, ou dos seus organismos subsidiários, as comissões regionais de ensinamento, ou as Assembléias Espirituais Locais e as suas respectivas comissões de ensinamento, os que trabalham na disseminação da Causa de Bahá'u'lláh devem, através de um constante intercâmbio de idéias, através de cartas, circulares, relatórios, boletins e outros meios de comunicação juntamente com estes instrumentos estabelecidos e designados para a propagação da Fé, assegurar o funcionamento harmonioso e rápido da engrenagem de ensinamento da sua Ordem Administrativa. Deste modo, a confusão, a demora, a duplicação de esforços, a dissipação de energia, será completamente evitada e a poderosa torrente da graça de Bahá'u'lláh, correndo abundantemente e sem a mínima obstrução através destes canais essenciais inundará de tal modo os corações e as almas dos homens que lhes permitirá produzirem a colheita tantas vezes predita por 'Abdu'l-Bahá.

(Shoghi Effendi, The Advent of Divine Justice, página 44, 25 de Dezembro de 1938)

"O Guardião está, sem dúvida, bem consciente das imperfeições existentes na engrenagem administrativa da Causa, mas estas, em sua opinião, devem atribuir-se não ao sistema administrativo, mas aos administradores da Fé, que devido às suas limitações e imperfeições humanas não podem jamais esperar preencher inteiramente as condições ideais estabelecidas nos Ensinamentos. Muitos dos defeitos existentes nas atividades dos crentes do dia-presente, contudo, conforme a Comunidade se desenvolve e ganha experiência, serão gradualmente removidos, e condições mais saudáveis e progressistas prevalecerão. É para a realização deste elevado objetivo que os amigos se devem esforçar com afinco e em unidade."

"O Guardião tem a certeza de que independentemente do muito que o vosso coração se possa afligir perante as dificuldades que agora confrontam a Comunidade Americana e por muito revoltantes que lhe possam parecer as atitudes e as faltas de alguns dos seus membros, vós, longe de vos sentirdes desencorajados sereis estimulados a realizar todo o esforço ao vosso alcance para remediar tais condições doentias, confiante que na vossa tentativa ativa e sincera de o fazerdes, sereis assistidos e guiados pelas infalíveis confirmações de Bahá'u'lláh."

(Duma carta datada de 14 de Maio de 1939, escrita em nome do Guardião a um crente individual.)

"O Guardião crê que uma grande parte das dificuldades que na própria opinião dos crentes os aflige são devidos a não compreenderem corretamente ou a não porem em prática a administração. Parece que muitos deles têm uma propensão para criticarem e desafiarem continuamente as decisões das suas Assembléias. Se os Bahá'ís sabotarem os próprios dirigentes que procuram, ainda que imaturamente, coordenar as atividades Bahá'ís e administrar os assuntos Bahá'ís, se criticam continuamente os seus atos e desafiam ou minimizam as suas decisões, não estão apenas a impedir que qualquer progresso verdadeiramente rápido tenha lugar no desenvolvimento da Fé, mas a afastar os que de fora, com toda a razão, poderão perguntar como esperamos nós alguma vez unir todo o mundo, se somos tão desunidos!"

"Para isto há apenas um remédio: estudar a administração, obedecer às Assembléias, e cada crente procurar aperfeiçoar o seu próprio caráter como Bahá'í. Não podemos nunca exercer uma influência sobre os outros que não possamos exercer sobre nós próprios. Se formos melhores, se mostrarmos amor, paciência e compreensão com as fraquezas dos outros, se nunca procurarmos criticar mas antes encorajar, os outros farão o mesmo e podemos realmente ajudar a Causa através do nosso exemplo e da nossa força espiritual. Ao estabelecerem a administração pela primeira vez, os Bahá'ís em toda a parte encontram uma grande dificuldade em se ajustarem. Têm de aprender a obedecer, em nome da unidade, ainda mesmo quando a Assembléia esteja em erro. Têm de sacrificar até certo ponto as suas personalidades, para que a vida da comunidade possa crescer e desenvolver-se como um todo. Estas coisas são difíceis mas temos de compreender que elas nos levarão a um modo de vida muito mais elevado e perfeito, quando a Fé estiver devidamente estabelecida de acordo com a administração."

"O Guardião aconselha-vos a acatar as decisões da Assembléia Espiritual Nacional em todos os assuntos. Se conhecendo as necessidades da Fé... a opinião desta é não ser a altura propícia ou aconselhável para a publicação dos seus escritos, deveis aceitar a sua decisão. Não deveis também efetuar a publicação de quaisquer livros ou panfletos sem a sua sanção. Concentrai-vos no ensinamento da Santa Fé, e ponde a vossa confiança em Bahá'u'lláh. O Guardião ora por vós e por todos os queridos amigos daí."

(Duma carta datada de 26 de Outubro de 1943, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual.)

"Os Bahá'ís têm pleno direito de dirigirem as suas críticas às suas Assembléias; podem livremente ventilar as suas opiniões sobre a condução dos assuntos ou sobre membros individuais dos organismos eleitos para a Assembléia, local ou nacional. mas devem depois aceitar com sinceridade o conselho ou decisão da Assembléia, de acordo com os princípios já estabelecidos para tais questões na administração Bahá'í..."

"É dever da Assembléia Espiritual Nacional exercer a máxima sabedoria, paciência e tacto ao tratar dos assuntos da Causa. Muitas das divergências que surgem entre os crentes são devidas à sua imaturidade, ao seu extremo zelo e sinceridade."

(Duma carta datada de 13 de Maio de 1945, escrita em nome de Shoghi Effendi, e inserta em "Letters from the Guardian to Australia and New Zealand" páginas 55-57.)

"As Assembléias Espirituais Nacionais em todo o mundo, devido à imaturidade espiritual dos crentes, devem nesta altura ter a maior paciência ao tratar com os amigos; de outro modo, como parece estar a tornar-se rapidamente o caso na Austrália, os amigos tomarão partidos, o azedume aumentará e o que começou como uma pequena coisa, (ainda que injustificada e um lamentável desvio do espírito Bahá'í) torna-se numa ameaça ao progresso da Fé e definitivamente retarda o seu avanço.

(Duma carta datada de 8 de Agosto de 1945, escrita em nome de Shoghi Effendi, extraída de "Letters from the Guardian to Australia and New Zealand," página 58.)

"Folheando a correspondência por ele recebida da vossa Assembléia repetidas vezes ficou impressionado pelo fato dos amigos agirem tão pouco administrativamente. Em vez de levarem as suas acusações, problemas e insatisfações à sua assembléia local ou à Assembléia Nacional, referem-nos aos indivíduos ou a membros individuais da Assembléia ou recusam reunir-se com a assembléia. A primeira coisa que um crente deve fazer voltar-se para sua Assembléia. É para isso que nós temos assembléias! Na sai opinião este contencioso nunca teria surgido se utilizassem como deveriam as suas Assembléias."

(Duma carta datada de 30 de Junho de 1949, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da Alemanha e Áustria.)

"A questão do vosso orçamento, ao qual vos referis na vossa carta, reveste-se de grande importância. Não obstante os números apresentados e o entusiasmo dos Bahá'ís, a vossa Assembléia tem de encarar o fato de que financeiramente a vossa Comunidade é muito pobre. Todo o orçamento demasiado ambicioso, que imponha aos amigos um fardo financeiro opressivo, e imprudente, porque, a menos que fosse coroado de êxito, no fim do ano daria aos amigos um sentimento intenso de frustração."

"O que haveis esboçado é na opinião do Guardião demasiado. Especialmente durante este primeiro ano da sua existência, a vossa Assembléia tem de ser menos ambiciosa no que se refere a projetos que envolvam dinheiro, e devotar-se em especial a encorajar os amigos, a reforçar os alicerces das Assembléias locais, a auxiliar os Grupos a atingirem a condição de Assembléias e aprofundar os amigos Africanos no conhecimento da Fé por todos seu alcance."

"Como é do vosso conhecimento, as outras Assembléias Nacionais têm os seus próprios problemas financeiros; e, conquanto não haja nenhuma objeção a que faceis um apelo pedindo ajuda, o Guardião duvida muito que elas estejam em posição de nesta altura poderem ajudar substancialmente o vosso fundo."

(Duma carta datada de 6 de Julho de 1956, escrita em nome de Shoghi Effendi, à A.E.N. da África Central e Oriental.)

" O Guardião apreciou o vosso espírito de devoção à Fé, mas é de opinião que vós, o vosso marido e... vos deveis submeteras instruções da Assembléia Espiritual Nacional. A Fé só pode ser protegida quando os amigos voluntariamente se submetem aos seus organismos administrativos, especialmente quando estes atuam de boa fé; os crentes individuais não estão em posição de julgar o seu Organismo Nacional. Se qualquer erro é cometido, devemos pô-lo nas mãos de Deus, sabendo como disse 'Abdu'l-Bahá, que Ele o remediará, e entretanto, não dilaceremos a Causa de Deus repisando constantemente estes assuntos."

(Duma carta datada de 3 de Fevereiro de 1957, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual.)

"É sua opinião que a vossa Assembléia deve manter perante os seus olhos o equilíbrio especificado pelo próprio Bahá'u'lláh, por outras palavras, justiça, recompensa e retribuição. Embora a Causa seja ainda jovem e frágil, e muitos dos crentes inexperientes, e portanto, seja muitas vezes usada uma amistosa paciência em vez de medidas duras, isso não significa que uma Assembléia Espiritual Nacional deve sob todas as circunstâncias tolerar condutas desonrosas, flagrantemente contrárias aos nossos Ensinamentos, da parte de qualquer dos seus membros, sejam estes quem forem e venham de onde vierem. Vigilantemente deveis estar atentos e proteger os interesses da Comunidade Bahá'í, e quando virdes que quaisquer... Bahá'ís... estejam agindo de modo a trazerem a desonra ao nome da Fé, avisa i-os, e se necessário, privai-os imediatamente dos seus direitos de voto se recusarem mudar as suas atitudes. Só assim podemos preservar a pureza da Fé. As medidas de transigência e fraqueza obscurecem a visão dos seus seguidores, sabotam a sua força, rebaixam-na aos olhos do público e impedem-na de fazer qualquer progresso."

(Duma carta datada de 14 de Agosto de 1957, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da Alemanha e Áustria.)

IV. RELAÇÃO COM O MUNDO DO EXTERIOR

"Conforme o Movimento cresce em força e poder as Assembléias Espirituais Nacionais devem ser encorajadas, quando as circunstâncias o permitam e os meios à sua disposição o justifiquem a recorrer ao duplo método de ganharem direta e indiretamente da parte do público esclarecido a sua aceitação incondicional da Fé Bahá'í. Um dos métodos assumirá um tom aberto, decisivo e confiante. O outro, sem de modo algum implicar o mais leve desvio de lealdade à Causa de Deus, será progressivo e cauteloso. A experiência revela o fato de que cada os com o seu modo peculiar, se enquadra com um determinado temperamento e classe de pessoas, no estado presente de uma sociedade constantemente em mutação, deve judiciosamente ser experimentado e utilizado."

" Em minha opinião compete aos representantes nacionais dos crentes de cada terra usarem e combinarem ambos os métodos, o direto e o gradual, de maneira a obter os maiores benefícios e as mais amplas vantagens para esta Causa sempre-crescente..."

"Conforme o Movimento dilata os limites da sua influência e se multiplicam as suas oportunidades para um reconhecimento mais completo, do caráter duplo das obrigações impostas aos seus representantes nacionais, deve, em minha opinião, ser acentuado de uma maneira crescente. Conquanto, fundamentalmente ocupados na realização da sua tarefa mais importante, que consiste principalmente na formação e consolidação das suas instituições administrativas Bahá'ís, devem esforçar-se por participar dentro de reconhecidos limites, no trabalho daquelas instituições que embora desconhecedoras da reivindicação da Causa Bahá'í são movidas por um sincero desejo de promover o espírito que anima a Fé... Estas obrigações duplas inerentes às comunidades Bahá'ís organizadas, longe de neutralizarem mutuamente os seus efeitos ou dos seus objetivos parecerem antagônicos, devem considerar-se como complementares e cumprindo, cada uma a seu modo, uma função vital e necessária."

"Compete aos representantes nacionais da Causa Bahá'í observarem as condições sob as quais trabalham, de modo a apreciar as forças que atuam na sua própria área, pesarem cuidadosa e devotadamente os méritos dos dois procedimentos e fazerem um juízo correto quanto ao grau de ênfase que devem por neste duplo método. Então e só então, estarão s a por um lado, protegerem e estimularem o crescimento independente da Fé Bahá'f, e por outro, provar a reivindicação dos seus princípios universais aos duvidosos e descrentes."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, páginas, 124-127, duma carta datada de 20 de Fevereiro de 1927.)

"Na opinião do Guardião foi uma pena que a oferta do edifício escolar posto à disposição dos Bahá'ís pelo imenso entusiasmo do funcionário em referência, tenha sido feita antes de se haver tomado uma decisão oficial quanto às possibilidades de para lá mandar um professor."

"Devemos ter muito cuidado ao tratarmos com o público, especialmente com autoridades, para que não criemos situações embaraçosas, que possam minimizar o nosso prestígio aos olhos de não bahá'ís." "O Guardião dá grande importância ao vosso trabalho; e está satisfeito por ver que estais prosseguindo com tanto entusiasmo e devoção os vossos vários projetos."

"Seria ideal se uma oferta, como a que foi feita, pudesse ser aceita; mas a Causa está presentemente, tão sobrecarrega da, que somos forçados a como disse 'Abdu'l-Bahá - desistir do importante pelo mais importante."

(Duma carta datada de 29 de Dezembro de 1951, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da Argentina, Chile, Uruguai, Paraguai e Bolívia.)

V. FUNÇÕES DOS OFICIAIS

"Todos os donativos e contribuições devem ser dirigidos ao Tesoureiro da Assembléia, com o propósito expresso de promover os interesses da Causa... É uma obrigação sagrada de todo o servo consciencioso e fiel de Bahá'u'lláh que deseja ver a Sua Causa avançar, contribuir livre e generosamente para o aumento do Fundo. Os membros da Assembléia Espiritual segundo o seu arbítrio, dispenderão estes fundos na promoção da Campanha de Ensinamento, na ajuda ao necessitado, no estabelecimento de instituições educacionais Bahá'ís, em dilatar de todos os modos possíveis a sua esfera de serviço."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, páginas 41-42 duma carta datada de 12 de Março de 1923.)

"Nesta altura, a eleição da nova Assembléia Espiritual Nacional e a dos seus oficiais para os cargos administrativos, já provavelmente se efetuou. O cargo de Secretário da Assembléia Espiritual Nacional é muito importante e o trabalho regular e eficiente da organização Bahá'í na índia e Birmânia vai em grande parte depender dele..."

"É óbvio que a realização destes múltiplos deveres de um modo eficiente, cabal e prudente não é tarefa fácil e Shoghi Effendi tem grandes esperanças de que se encontre alguém que possa devotar a necessária competência, tempo e energia na sua realização."

(Duma carta datada de 12 de Maio de 1925, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da índia e Birmânia.)

"Com referência à vossa pergunta sobre se o Presidente da Assembléia Espiritual Nacional tem poderes para criar regulamentos durante o período do seu título de posse; o Guardião pediu-me para declarar que nenhum regulamento pode ter validade a não ser quando aprovado pelos outros membros da Assembléia Espiritual Nacional. O Presidente não tem capacidade legislativa especial, exceto como um membro da Assembléia."

(Duma carta ,datada de 28 de Fevereiro de 1937, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da índia e Birmânia.)

"Com referência à resolução n.O 15 mencionada nas minutas da vossa Assembléia Espiritual Nacional o Guardião deseja que torneis bem claro a todos os crentes que ser membro de uma Assembléia ou de uma Comissão Bahá'í é uma obrigação sagrada que deve ser aceite com alegria e confiança por todo o membro leal e consciencioso da Comunidade, não importa quão humilde e inexperiente. Uma vez eleito para servir numa dada Assembléia o dever de um crente é fazer todo o possível por estar presente a todas as reuniões da assembléia, e cooperar com os outros co-membros, a não ser, contudo, que seja impedido de o fazer por qualquer razão de força maior tal como doença, e mesmo então deve notificar a Assembléia do que se passa. O dever da Assembléia Espiritual Nacional é encorajar e também facilitar a presença às reuniões da Assembléia. Se um membro não tem nenhuma razão válida que justifique a sua repetida ausência das reuniões da Assembléia, deve ser notificado, e mesmo avisado, e se este aviso for deliberadamente ignorado, a Assembléia tem então o direito de suspender os seus direitos de membro votante da Comunidade. Esta sanção administrativa é absolutamente imperativa e necessária e ainda que não seja equivalente à completa expulsão da Causa priva-o de qualquer verdadeira participação nas funções e assuntos administrativos, sendo, assim, uma medida corretiva muito eficaz que a Assembléia pode usar contra estes indivíduos sem zelo e irresponsáveis da Comunidade."

(Duma carta datada de 2 de Julho de 1939, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da índia e Birmânia.)

"Com referência à vossa pergunta sobre o procedimento a adotar pelas Assembléias Bahá'ís quando descontentes com os serviços de qualquer um dos seus oficiais, se este descontentamento implicar a lealdade de um oficial da Assembléia à Fé, deve, após uma votação por maioria, ser demitido. Mas quando este descontentamento for devido à incompetência de um membro, ou simplesmente a negligência da sua parte no desempenho dos seus deveres, isto não constitui justificação suficiente para motivar a sua resignação ou demissão da Assembléia. Deve ser mantido empossado no seu cargo até à realização de novas eleições."

(Duma carta datada de 22 de Novembro de 1940, escrita em nome de Shoghi Effendi, à A.E.N. das Ilhas Britânicas.)

"Com referência à vossa pergunta relativa ao Secretário da Assembléia Espiritual Nacional: Não pode haver qualquer Secretário eleito permanentemente mantendo-se empossado nesse cargo ano após ano, visto que isso seria contrário aos princípios da Administração; contudo, o Guardião é de opinião que a A.E.N. pode proporcionar ao Secretário, um ajudante devidamente remunerado, permitindo-lhe assim o desempenho cabal dos seus deveres e ao mesmo tempo continuar a exercer a sua profissão, se esta lhe for necessária. Por outras palavras, o Secretário da Assembléia Espiritual Nacional pode ter um sub-secretário em regime full-time se o volume de trabalho o justificar."

(Duma carta datada de 19 de Outubro de 1947, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da índia e Birmânia.)

"De uma maneira geral o Secretário de uma Assembléia deve ter cuidado de transmitir exatamente aquilo que a maioria decidiu ou aconselhou. Não há com certeza nenhuma objeção a que ele redija o assunto em termos adequados e claros de acordo com a decisão ou instruções da Assembléia, mas é claro que não deve introduzir a sua opinião pessoal a não ser quando endossada pela Assembléia."

(Duma carta datada de 19 de Outubro de 1947, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual.)

"O Guardião lamenta que seja necessário insistir em que o Secretário da vossa Assembléia tenha de viver em Buenos Aires, de modo a que o Secretariado esteja situado na Sede dessa região; este é um princípio geral que ele insiste seja seguido pelos similar em todo o mundo. Na Escandinávia, surgiu uma situação similar à vossa em que o Secretário vivia em Oslo em vez de em Estocolmo, e em que foi necessário uma mudança. Conforme a Cruzada dos Dez Anos se desenrola, é cada vez mais importante que o trabalho prossiga de uma maneira uniforme e de acordo com princípios aplicáveis a todos."

(Duma carta datada de 29 de Julho de 1957, escrita em e Shoghi Effendi à A. E. N. da Argentina, Chile, Uruguai, ai e Bolívia.)

VI. REUNIÕES DA ASSEMBLÉIA

"Aguardo sempre com ansiedade os relatórios detalhados e freqüentes da vossa Assembléia Nacional e muito desejo que os seus membros se reúnam tantas vezes quanto possível e que ativa, eficiente e constantemente dirijam, coordenem e as atividades dos indivíduos e das Assembléias locais em toda a Índia e Birmânia. Estou sequioso por mais informações específicas e as exorto ao seu Secretário a que se assegure de que toda a comunicação da Terra Santa ou de qualquer outro centro Bahá'í seja rápida e amplamente distribuída. Ficai certos das minhas afetuosas orações."

(Shoghi Effendi. Postscripto à carta datada de 5 de Março de 1925 à A.E.N. da Índia e Birmânia.)

"Um outro fator que, na opinião do Guardião, é essencial ao envolvimento da vossa Assembléia Espiritual Nacional é a realização de reuniões freqüentes. Embora os seus membros residam a grande distância uns dos outros podem, contudo, comunicar por correspondência. Não é necessário que a totalidade dos membros esteja presente em todas as sessões. Aqueles a razão ou outra, não possam estar presentes em pessoa às reuniões da Assembléia Espiritual Nacional podem dar a sua opinião por escrito e enviá-la à Assembléia. O ponto principal é que as atividades da vossa Assembléia não sejam de modo algum prejudicadas e o seu trabalho retardado e adiado, devido a tais considerações necessariamente sem importância e secundárias."

(Duma carta datada de 2 de Janeiro de 1934, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da Índia e Birmânia.)

"O Guardião acolheu com agrado a resolução da vossa Assembléia de progressivamente devotar as suas reuniões à consideração das principais idéias e planos e alongar-se menos em questões de detalhe e de caráter administrativo meramente e exorta-vos, contudo, a tomardes todas as decisões somente após uma cuidadosa e conscienciosa deliberação entre todos os nove membros, com exceção daquelas de natureza trivial e insignificante que tratam apenas de trabalho de rotina. Quaisquer tendências de descentralização, ou de delegação da autoridade em qualquer pessoa ou organismo para tomar e questões que direta e unicamente são da alçada da própria Assembléia Espiritual Nacional, é prejudicial e tem de ser reprimido Jogo de início. É exatamente por esta razão, nomeadamente, para permitir à Assembléia Espiritual Nacional o adequado e pleno desempenho das suas funções de consultação e deliberação sobre pontos controversos relativos à comunidade nacional sob a sua jurisdição, que os seus membros foram limitados a nove, para que esta não se tornasse demasiado rígida ao tomar decisões que muitas vezes requerem uma ação rápida e uma deliberação responsável da parte de todos os seus membros. No intuito de salvaguardar o caráter distintivo desta instituição central e autorizada, parece imprescindível a realização de reuniões mais freqüentes especialmente conforme os problemas que ela é chamada a tratar forem aumentando em número e importância com a constante expansão da Fé na América do Norte."

(Duma carta datada de 28 de Fevereiro de 1939, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. dos E. U. e Canadá.)

"Do mesmo modo ele é de opinião que a Assembléia Espiritual Nacional deve reunir-se mais vezes, mesmo que todos os seus membros não possam estar presentes. As decisões tomadas por correspondência falta-lhes a vitalidade inerente às que são tomadas através duma consultação ativa, e agora que a Fé se encontra aí em franco progresso, e tem um forte alicerce administrativo, é necessária uma ação mais vigorosa e sistemática."

(Duma carta datada de 16 de Julho de 1946, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da Austrália e Nova Zelândia.)

VII. COMISSÕES NACIONAIS

As questões importantes em tais atividades espirituais - que afetem a Causa em geral nessa terra,... longe de estarem sob a exclusiva jurisdição de qualquer de qualquer Assembléia Local ou Grupo de amigos, devem ser todas minuciosa e completamente orientadas por uma Junta especial, eleita pelo Organismo Nacional, uma Comissão deste, perante quem é responsável e sobre a qual o Organismo Nacional exercerá uma supervisão constante e geral."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, página 24, duma carta de 5 de Março de 1922.)

"Aprovo com veemência os arranjos que fizestes para centralizardes o trabalho nas vossas mãos e o haverdes distribuído comissões, as quais cada uma na sua própria esfera, têm tão eficiente e integralmente empreendido a direção dos seus interesses."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, página 28, duma carta de 23 de Dezembro de 1922.)

"Questões vitais, que afetam os interesses da Causa nesse país tais como os assuntos da tradução e publicação, do Mashriqu'l-Adhkár, do Trabalho de Ensinamento e outros assuntos similares que sobressaem distintamente dos interesses estritamente locais, devem estar sob a completa jurisdição da Assembléia Espiritual Nacional."

"Esta terá de referir cada um destes assuntos, do mesmo e as Assembléias Locais, a uma comissão especial, a ser eleita pelos membros da Assembléia Espiritual Nacional, de entre a totalidade dos crentes nesse país, a qual terá para com esta a mesma relação que as comissões locais tem para com as suas respectivas Assembléias locais."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, página 40, duma atada de 12 de Março de 1923.)

"Com referência à recente decisão da Assembléia Espiritual ai de pôr nas mãos das suas Comissões Nacionais tantos dos detalhes do trabalho corrente quanto possível, é minha opinião dever chamar a atenção de que isso levanta uma questão fundamental da máxima importância, na medida em que implica com um princípio único na administração da Causa, que rege as relações que devem ser mantidas entre o Organismo central administrativo e os seus órgãos auxiliares de ação executiva e legislativa. Como já foi observado, o papel destas comissões formadas pela Assembléia Espiritual Nacional, cuja renovação, composição e funções devem ser separadamente reconsideradas todos os anos pela nova Assembléia Espiritual Nacional, é principalmente o de efetuarem um estudo completo e criterioso da questão confiada ao seu cuidado, darem o seu parecer nos seus relatórios, e auxiliarem na execução das decisões que em questões vitais têm de ser exclusiva e diretamente tomadas pela Assembléia Nacional. Uma vigilância máxima e um esforço infatigável é lhes exigido se quiserem cumprir, como incumbe à sua elevada e responsável missão, as funções que lhe foi dado desempenhar. Dentro dos limites que lhe são impostos pelas circunstâncias do dia presente, deve esforçar-se por manter o equilíbrio de tal modo que, os inconvenientes da centralização excessiva que obstrui, confunde e a longo prazo deprecia o valor dos serviços Bahá'ís prestados, serão por um lado inteiramente evitados, e por outro lado, definitivamente desviados, os perigos ,da completa descentralização com a conseqüente fuga da autoridade governamental das mãos dos representantes nacionais dos crentes. A assimilação dos detalhes insignificantes da administração Bahá'í pelos membros da Assembléia Espiritual Nacional é manifestamente prejudicial à eficiência e ao adequado desempenho dos seus deveres, enquanto que a concessão de indevida autoridade a órgãos que sob nenhuma outra luz devem ser considerados a não ser a de conselheiros peritos e assistentes executivos, comprometeria os próprios poderes vitais e permeantes que são as prerrogativas sagradas dos organismos que a seu tempo evoluirão nas Casas Nacionais Bahá'ís de Justiça. Estou absolutamente consciente do esforço e sacrifício que uma aderência leal a um tal princípio essencial da administração Bahá'í - um princípio que de imediato enobrecerá e distinguirá o método de administração Bahá'í dos sistemas prevalecentes no mundo - exige dos representantes nacionais dos crentes neste estágio inicial da nossa evolução; não posso, contudo, deixar de vincar as linhas gerais que orientarão de uma maneira crescente a condução das questões da Causa, o conhecimento das quais é tão essencial neste período formativo das instituições administrativas Bahá'ís,"

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, páginas 141-142, duma carta datada de 18 de Outubro de 1927.)

"Auxiliadas pelas comissões nacionais que são responsáveis perante a Assembléia Nacional e por esta mesma escolhidas, sem discriminação, de entre a totalidade dos crentes dentro da sua jurisdição, e a cada uma das quais é designada uma determinada esfera de serviço Bahá'í estas Assembléias Nacionais têm, conforme o alcance das suas atividades se dilata sem cessar, através do espírito de disciplina que têm inculcado e pela sua aderência incondicional a princípios que lhe têm permitido erguer-se acima de todos os preconceitos de raça, nacionalidade, classe e cor, comprovado ser capazes de administrar, de modo notável, as múltiplas atividades de uma Fé recém-consolidada." "Nem têm as comissões nacionais sido menos enérgicas e devotadas no desempenho das suas respeCtivas funções. Na defesa dos interesses vitais da Fé, na exposição da sua doutrina; na disseminação da sua literatura; na organização da sua força de ensinamento; na promoção da solidariedade das suas partes componentes; na aquisição dos seus lugares históricos; na preservação das suas sagradas escrituras, tesouros e relíquias; nos seus contactos com as várias instituições da sociedade de que fazem parte; na educação da sua juventude; no treino dos seus filhos; na melhoria da condição da mulher Bahá'í no Oriente; os membros destes órgãos diversificados, que operam sob a égide dos representantes nacionais da comunidade Bahá'í, têm amplamente demonstrado a sua capacidade de promover efetivamente os seus vitais e múltiplos interesses."

(Shoghi Effendi, Good Passes By, página 333, 1944.)

"Em sua opinião as Assembléias Locais devem ser levadas a compreenderem que as Comissões Nacionais são constituídas para servirem as suas necessidades, não para serem arbitrariamente mandadas, e para unificarem o trabalho da Causa que está agora a espalhar-se tão rapidamente nas Ilhas Britânicas. As Comissões em questão devem ter muito tacto ao tratarem com uma Assembléia jovem que começa a criar a sua personalidade na medida em que este espírito de independência, quando devidamente conduzido, é mais susceptível de a tornar forte e independente do que fraca e sempre na dependência dos outros para progredir. As Assembléias, contudo, devem certamente cooperar com as Comissões Nacionais e não lhes recusar a sua assistência."

(Duma carta datada de 5 de Novembro de 1948, escrita em nome de Shoghi Effendi, à A.E.N. das Ilhas Britânicas.)

VIII. Flexibilidade EM QUESTÕES SECUNDÁRIAS

"No referente à vossa crítica ao Artigo VIII dos Estatutos Assembléia Espiritual Nacional o Guardião deseja informar-vos que, sendo esta uma questão secundária proveniente de um princípio geral por ele já estabelecido numa das suas últimas comunicações, dirigida a vós e à Assembléia Espiritual Nacional, com referência ao poder dos delegados e à relação entre estes e a Assembléia Espiritual Nacional, não vê necessidade de entrar em detalhes que pela sua própria natureza competem à jurisdição da Assembléia Espiritual Nacional. É a esse organismo que deveis submeter quaisquer críticas, quer no referente às cláusulas da Constituição quer às pertinentes a qualquer outra fase do trabalho administrativo da Causa. Não é da competência do Guardião entrar em questões de detalhe. Os seus transcendentes e prementes deveres, e a própria natureza da sua posição como supremo Guardião da Fé, fazem com que lhe seja impossível interferir em questões de caráter local e de importância relativamente secundária. Compete a vós, como um dos distintos membros do organismo administrativo mais elevado da Causa nos Estados Unidos, lembrar aos outros co-membros o que é seu dever considerar e pôr em execução. O Guardião estabelece o princípio geral, e compete à Assembléia Nacional orientar todas as assembléias locais e grupos quanto à melhor maneira destas o aplicarem consoante as suas condições locais."

(Duma carta datada de 11 de Novembro de 1933, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual.)

"Com referência ao telegrama enviado em Julho pelo Guardião à vossa Assembléia no sentido desta deixar de emitir mais declarações sobre vários assuntos administrativos, ele pediu-me para de novo reiterar e confirmar as direções e explicações já dadas numa das suas recentes comunicações à Assembléia Espiritual Nacional quanto ao fato da publicação de tais declarações não satisfazerem mais uma necessidade urgente, e que a sua multiplicação terá apenas como resultado tornar a administração da Causa demasiado rígida. As várias leis e cláusulas que se encontram no livro da "Administração Bahá'í" e as declarações suplementares já publicadas pela Assembléia Nacional, são, em sua opinião, por agora suficientemente detalhadas para guiar as vossas atividades presentes. Ele próprio deliberadamente têm-se refreado durante estes últimos anos de acrescentar mais regulamentos administrativos, ou mesmo de elucidar e elaborar aqueles já em vigor. Esta é mais uma razão para que a vossa Assembléia, do mesmo modo, pare de multiplicar os regulamentos administrativos que, conforme o seu número aumenta, têm necessariamente de restringir e confundir aqueles que os têm de cumprir. Não é necessário à vossa Assembléia antecipar situações que ainda não surgiram, e estabelecer para tais casos regras gerais e regulamentos. Será mais conveniente considerar cada caso individualmente conforme forem surgindo, e resolver então o problema que com ele se relacione da maneira mais adequada e prática. Tanto os crentes Americanos como os seus representantes nacionais, devem de agora em diante dirigir a sua atenção mais para as questões verdadeiramente importantes e vitais que uma administração já estabeleci da é chamada a enfrentar e resolver, e não se permitirem despender energias na consideração de assuntos administrativos puramente secundários. O Guardião deseja que a vossa Assembléia se refira de novo à comunicação mencionada que tratava deste assunto."

(Duma carta datada de 25 de Novembro de 1937, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. dos Estados Unidos e Canadá.)

"Ao ler o relatório da vossa Convenção Nacional o Guardião notou o pedido feito para que a Assembléia Espiritual Nacional estabelecesse certas regras e regulamentos de procedimento. Ele já informou a Assembléia Espiritual Nacional Americana que de agora em diante deve evitar estabelecer mais regras e regulamentos, visto que estes tendem a tornar rígidas as questões da Causa e por fim, obscurecer o seu espírito e retardar o seu crescimento. Na sua opinião a vossa Assembléia deve exercer o mesmo cuidado, e evitar introduzir quaisquer regras de procedimento além das já existentes. Cada caso que surja à Assembléia deve ser julgado pelos seus próprios méritos, e ser decidido individualmente sem recorrer a novas regras."

(Duma carta datada de 29 de Julho de 1941, escrita em nome de Shoghi Effendi, à A.E.N. da Índia e Birmânia.)

"Agora que a vossa Assembléia está formada, e inicia a sua existência independente como um Organismo Nacional, o Guardião deseja vincar um ponto para o qual está constantemente a chamar a atenção dos outros Organismos Nacionais: deveis evitar promulgar regras e regulamentos. O princípio fundamental estabelecido na Administração Bahá'í deve, naturalmente, ser seguido, mas há uma tendência da parte das Assembléias promulgarem sem cessar detalhados procedimentos e regras para os amigos, e ele considera que isto obstrui o trabalho da Causa, e é absolutamente prematuro. Tanto quanto seja possível os casos que surjam devem ser tratados e resolvidos conforme apareçam, e não estabelecer um lençol de regras cobrindo todos os possíveis casos similares. Este procedimento preserva a elasticidade da Ordem Administrativa e impede que a burocracia se desenvolva e embarace o trabalho da Causa. Deveis, do mesmo modo, ter presente que agora sois um Organismo Nacional completamente independente, e que deveis considerar a administração dos assuntos da Fé dentro da vossa jurisdição como um problema privado. Não tendes mais necessidade de seguirdes todas as regras estabeleci das pela Assembléia Espiritual Americana do que têm as Assembléias Espirituais Nacionais Inglesa ou a da Austrália e Nova Zelândia. A uniformidade dos princípios fundamentais é essencial, mas não em todos os seus detalhes. Pelo contrário, a diversidade, a solução correta de uma situação local, isso é o importante."

(Duma carta datada de 4 de Novembro de 1948, escrita em nome de Shoghi Effendi, à A.E.N. do Canadá.)

"O Guardião ficou especialmente satisfeito por ver que os membros da vossa Assembléia têm andado a viajar e a contatar os amigos num esforço de aprofundarem a sua compreensão sobre o funcionamento da administração e também o seu conhecimento sobre a Fé em geral. O Guardião é de opinião que especialmente na América Latina do presente, esta aproximação íntima, afetuosa e amiga fará mais para o avanço do trabalho que todo o resto. Na verdade, ele vai tão longe como aconselhar a vossa Assembléia a evitar inundar os amigos com circulares e boletins desnecessários. Deveis ter sempre em mente a diferença genuína entre os povos do sul e os povos do norte; empregar as mesmas técnicas que foram adotadas nos Estados Unidos seria desastroso na medida em que a mentalidade e o modo de encarar a vida são tão diferentes. Por muito que os amigos precisem da administração, esta deve ser-lhes dada de uma forma que seja agradável ao seu gosto, de outro modo não serão capazes de a assimilar e em lugar de consolidar o trabalho vereis alguns dos crentes tornarem-se indiferentes."

(Duma carta datada de 30 de Junho de 1952, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da América Central.)

"Com referência ao "Manual Administrativo": O Guardião exorta-vos a que não cri eis regras e regulamentos, mas que tenteis reduzi-los e a decidirdes os casos conforme estes surjam; há uma tendência natural para codificar os ensinamentos e produzir livros de bolso sobre procedimento, contudo, não há em todo o mundo Bahá'ís suficientes que justifiquem isto, e Shoghi Effendi exorta constantemente as várias Assembléias Espirituais Nacionais para se precaverem contra esta tendência. Ele não tem absolutamente tempo para tratar destas coisas pessoalmente; na verdade, a vossa Assembléia, e todas as outras, terão de um modo crescente de assumir a responsabilidade do trabalho para o aliviar. O Guardião está exausto com todo o trabalho que tem e a acumulação de material para ler."

(Duma carta datada de 19 de Junho de 1953, escrita em nome de Shoghi Effendi, à A.E.N. da América Central.)

"O Guardião espera que a vossa Assembléia devotará uma atenção especial e constante ao encorajamento dos amigos no seu trabalho de ensinamento, e no de facilitar as suas tarefas. Conforme as novas Assembléias se vão formando, ele acha que lhe incumbe dar uma palavra de aviso para que eviteis criar regras e regulamentos e prenderdes o trabalho dos crentes com burocracias. A administração a mais pode nesta altura ser mais funesta para a Fé do que a administração a menos. Na sua grande maioria, os crentes são novos na Causa, e se cometerem erros isso não é metade tão importante como quebrar os seus espíritos com a constante admoestação - não faça isso não faça aquilo! Os novos Organismos Nacionais devem ser como um pai afetuoso, observando e ajudando os seus filhos e não como um juiz austero à espera de uma oportunidade para ostentar os seus poderes judiciais. A razão, dele chamar a vossa atenção para isto, é que constantemente, no decurso dos últimos vinte anos, e não só, ele ter estado a chamar a atenção das velhas e experimentadas Assembléias Nacionais para este fato, e não querer que as novas cometam os mesmos erros. Os casos individuais devem ser tratados conforme surjam, de acordo com os Ensinamentos, de que os crentes dispõem em número suficiente para, nesta altura, poderem resolver todos os seus problemas, não havendo necessidade de introduzir mais regras e regulamentos."

(Duma carta datada de 30 de Junho de 1957, escrita em nome de Shoghi Effendi, à A.E.N. do Alaska.)

"O único propósito dos organismos administrativos Bahá'ís do presente é ensinar, aumentar o número de crentes, aumentar o número de Assembléias e aumentar o número dos Grupos, não o de criar regras e regulamentos e entravar o trabalho com uma burocracia desnecessária, mas tão somente o de assegurar que do seu Organismo Nacional parta um grande sopro de vitalidade e inspiração espiritual para os amigos. A vossa Assembléia deve ter constantemente em mente, encorajar e estimular os amigos no campo do ensinamento, remover as dificuldades, os mal-entendidos e os sentimentos feridos através do amor, da compreensão e do discernimento, evitar o emprego de medidas severas, e, acima de tudo, a demasiada organização dos assuntos das comunidades. Há definitivamente, o que podemos chamar de uma tendência das pessoas em todas as latitudes para fazerem experiências e administrarem demais e o amado Guardião chama para este fato a atenção da vossa Assembléia no decurso do seu primeiro ano de existência para que vos ponheis em guarda contra este perigo, que sufocará a vida espiritual da Comunidade. Asseguro-vos de que muitas, muitas vezes o Guardião tem feito este mesmo aviso a tão velhos e experimentados organismos nacionais como os da América, Alemanha, Inglaterra, etc."

(Duma carta datada de 5 de Julho de 1957, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. dos Países Benelux.)

"A vossa Assembléia deve ter muito cuidado para não sobrecarregar os Bahá'ís com regras e regulamentos, circulares e instruções. Nesta altura o propósito da administração é atear o fogo há pouco aceso no coração destas pessoas que aceitaram a Fé, criar nelas o desejo e a capacidade de ensinar, dar assistência ao pioneiro e ao trabalho de ensinamento, e ajudar os amigos no aprofundamento do seu conhecimento e da sua compreensão. O amado Guardião envia estas palavras de aviso, porque uma longa experiência mostrou que existe uma tendência da parte de todas as Assembléias Espirituais Nacionais para administrarem demais. No seu entusiasmo esquecem terem apenas uma mão cheia de almas inexperientes para guiar, e pretendem desempenhar o seu trabalho como se estivessem a tratar duma grande população! Este procedimento asfixia o espírito dos amigos e o trabalho de ensinamento sofre."

(Duma carta datada de 15 de Julho de 1957, escrita em nome de Shoghi Effendi, à A.E.N. do Nordeste Asiático.)

IX. APELAÇÕES

"Para facilitar as coisas e evitar mal-entendidos o Guardião acha preferível que vós e os amigos individuais se dirijam a eles (a A.N.). Ele tem a certeza de que obtereis plena satisfação se apresentardes a pergunta à Assembléia Nacional. O propósito do Guardião ao tomar esta atitude não foi o de evitar a questão, mas apenas facilitar as coisas e eliminar os mal-entendidos. Em todos estes assuntos os amigos devem primeiro dirigir-se à Assembléia Local, e seguidamente à Nacional e só no caso de não obterem satisfação devem dirigir tais assuntos ao Guardião. Deste modo evitam-se muitas dificuldades."

(Duma carta datada de 11 de Novembro de 1932, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual, extraído do "Bahá'í News, n.O 71," de Fevereiro de 1933, página 2.)

"Tudo quanto afete os interesses da Causa e que diga respeito à Assembléia Nacional como um organismo deve, quando considerado insatisfatório pelas Assembléias locais ou pelos crentes individuais, ser imediatamente comunicado à própria Assembléia Nacional. Nem o corpo geral dos crentes, nem qualquer Assembléia local, nem mesmo os delegados à Convenção Nacional devem considerar-se como tendo qualquer autoridade para receber apelos contra uma decisão da Assembléia Espiritual Nacional. Se a questão for referida ao Guardião é seu dever considerá-la com o máximo cuidado e decidir se os assuntos em questão justificam serem por ele considerados pessoalmente, ou se os deve deixar inteiramente ao critério da Assembléia Nacional."

"Este princípio administrativo que o Guardião agora reafirma e vinca é tão claro, tão lógico e simples, que na sua opinião nenhum mal-entendido pode eventualmente surgir quanto à sua aplicação. Não existe qualquer exceção a esta regra, e o Guardião desaprovaria qualquer tentativa de elaboração ou insistência na discussão deste princípio fundamental e claramente enunciado."

"Os problemas com que a Fé agora se debate, tanto nacionais como internacionais, são tão prementes e momentosos que ninguém de entre os seus leais aderentes se pode permitir dissipar as suas preciosas energias em detalhes que surjam da aplicação dos princípios administrativos, ou mesmo em aperfeiçoar a engrenagem da administração. Questões puramente secundárias podem ser adiadas até à realização das tarefas primárias."

(Duma carta datada de 10 de Setembro de 1934, escrita em nome de Shoghi Effendi, à A.E.N. dos Estados Unidos e Canadá.)

"Quanto à vossa segunda pergunta relativa ao direito que assiste a uma Comissão de apelar para a Assembléia Espiritual Nacional, contra a Assembléia Local que a elegeu o Guardião pediu-me para vos informar de que este assunto, sendo de caráter secundário e implicando, como é o caso, a aplicação de um regulamento administrativo de menor importância, é uma pergunta que a vossa Assembléia Espiritual Nacional deve considerar e sobre ela tomar uma decisão. É um assunto que deve ser deixado ao critério da vossa Assembléia."

(Duma carta datada de 14 de Janeiro de 1935, escrita em nome de Shoghi Effendi, à A.E.N. da índia e Birmânia.)

"Depois da Assembléia Local ter dado a sua decisão sobre o assunto vós tendes então o direito de apelar, se assim o desejardes, para a Assembléia Espiritual Nacional para que v vosso caso seja por ela considerado. Mas antes de tomardes uma tal ação é vosso dever de crente leal e firme aceitardes completamente e sem reservas o pedido feito pela Assembléia Espiritual Nacional de fazerdes parte de uma reunião conjunta com a vossa Assembléia Local. Deveis ter confiança em que obedecendo às ordens da vossa Assembléia Espiritual Nacional não apenas conseguireis a solução dos vossos problemas pessoais com os amigos, mas mais ainda estabelecerá perante eles um nobre exemplo."

"Shoghi Effendi espera, portanto, que seguireis o conselho e guia da Assembléia Espiritual Nacional, confiante de que o resultado de todas estas questões será plena justiça para vós e para todos os interessados."

(Duma carta datada de 2 de Outubro de 1935, escrita em nome de Shoghi Effendi, a um crente individual.)

"Sobre a questão por vós mencionada relativa à Assembléia Espiritual de Chicago e a um dos seus membros, sempre que quaisquer direitos Bahá'ís sejam infringidos, ou haja um lapso quanto ao procedimento adequado, os amigos devem levar a questão à Assembléia responsável e se não ficarem satisfeitos, seguidamente à Assembléia Espiritual Nacional. Este é tanto o seu privilégio como o seu dever."

(Duma carta datada de 10 de Julho de 1942, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual.)

"As comunidades devem primeiro levar os seus problemas à Assembléia Espiritual Nacional e procurar resolvê-los a contento; se ficarem insatisfeitos têm o direito de apelar para o próprio Guardião. O Guardião decidirá então se esse é um assunto sobre o qual ele se deve pronunciar, ou se o deve remeter ao Organismo Nacional."

(Duma carta datada de 28 de Março de 1943, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual.)

"De uma decisão tomada pela Assembléia Local pode apelar-se para a Assembléia Nacional, e da decisão da Assembléia Nacional para o Guardião. Mas o princípio da autoridade investida nos nossos organismos eleitos tem de ser apoiado. Isto é algo que não se aprende senão através da experiência e do teste."

(Duma carta datada de 30 de Julho de 1949, escrita em nome de Shoghi Effendi, à A.E.N. da Alemanha e Áustria.)

"O Guardião sugere que desistais completamente da questão do vosso apelo. A menos que este implique uma questão muito séria e importante; o que no seu parecer não é desta vez o caso, o prosseguimento deste assunto seria muito provavelmente mais contraproducente que benéfico para a Causa."

"Cometeram-se muitos erros, mas estes, na sua grande maioria, não foram suficientemente sérios que justifiquem criar desarmonias e levantar questões conducentes a intermináveis debates e discussões, a perdas de tempo e energia melhor despendidos na ação criativa."

(Duma carta datada de 8 de Dezembro de 1950, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual.)

"Os amigos têm todo o direito de apelar para a Assembléia Espiritual Nacional Australiana e expressarem os seus pontos de vista... lhe seja permitido ensinar pessoas de todas as raças conforme ela tem estado a fazer; mas, entretanto, ela deve submeter-se à vontade da Assembléia Nacional, visto que todos os Bahá'ís devem aprender a viver de acordo com os princípios administrativos da nossa Fé. Se o não fizerem, apenas sabotarão aquelas instituições que estão a tentar criar, e que sabemos, têm a solução para os problemas mundiais. Muitas vezes é difícil seguir este curso, mas este caminho é o que 'Abdu'l-Bahá sempre pediu aos amigos para seguirem; e a obediência, mesmo quando tenhamos a certeza de que a ordem não é sensata, traz em si mesmo bênçãos do alto."

(Duma carta datada de 29 de Novembro de 1952, escrita em nome de Shoghi Effendi, a um crente individual.)

X. O ESPÍRITO E A FORMA DA ADMINISTRAÇAO BAHA'Í

"Na realidade chegou a altura das múltiplas atividades, em que os servos e as servas de Bahá'u'lláh estão tão devota e sinceramente empenhados, a harmonizarem e se conduzirem em unidade, cooperação e eficiência, para que o efeito deste esforço combinado e sistematizado, através do qual corre sem cessar um Espírito Todo-poderoso, possa transcender todas as outras realizações do passado, por muito gloriosas que estas tenham sido."

(Shoghi Effendi, Bahá'í Administration, página 24, duma carta datada de 5 de Março de 1922.)

"O Guardião aguarda sempre ansiosamente pelas boas notícias relativas à disseminação da Mensagem e esta, ele está firmemente convencido, depende principalmente dos esforços unidos e combinados dos amigos e das Assembléias. Sem unidade, cooperação e serviço altruísta os amigos não serão seguramente capazes de atingirem as suas metas. Como podemos nós aumentar em número e em força se não apresentarmos uma frente unida àquelas forças, tanto internas como externas, que ameaçam sabotar o próprio Edifício da Causa? A unidade é, portanto, a chave principal do sucesso. E o melhor modo de assegurar e consolidar a unidade orgânica da sua Fé é fortalecendo a autoridade das Assembléias Locais e levá-las para dentro da órbita de jurisdição da Assembléia Nacional. A Assembléia Nacional é o cérebro, e as Assembléias Locais os vários órgãos do corpo da Causa. Assegurar a cooperação plena entre estas várias partes é salvaguardar os melhores interesses da Fé habilitando-a a neutralizar aquelas forças que ameaçam criar uma brecha dentro das fileiras dos crentes."

(Duma carta datada de 20 de Setembro de 1933, escrita em nome de Shoghi Effendi, a um crente individual.)

"A eficiência administrativa e a ordem devem ser sempre acompanhadas por um grau igual de amor, de devoção e de desenvolvimento espiritual. Ambos são essenciais e tentar dissociar um do outro é estropiar o corpo da Causa. Nestes dias, em que a Fé está ainda na sua infância, deve ter-se o maior cuidado não vá a mera rotina administrativa asfixiar o espírito que deve alimentar o próprio corpo administrativo. Esse espírito é a força impulsionadora e o poder motivador da sua própria vida."

"Mas como já vincado, tanto o espírito como a forma, são essenciais para o saudável e rápido desenvolvimento da administração. Manter o perfeito equilíbrio entre os dois é a responsabilidade principal e única dos administradores da Causa."

(Duma carta datada de 10 de Dezembro de 1933, escrita em nome de Shoghi Effendi, à A.E.N. dos Estados Unidos e Canadá.)

"O Guardião apreciou devidamente o espírito que vos levou a submeter-vos devotada mente e sem qualquer hesitação às instruções da Assembléia Nacional, e é sua convicção profunda que a vossa atitude em todo o assunto constitui um exemplo que os amigos terão gosto em conhecer e seguir. Tendes, e deveis mesmo continuar a sacrificar algumas das vossas opiniões e pareceres pessoais com referência ao trabalho de ensinamento em prol do apoio à autoridade da Assembléia Espiritual Nacional. Porquanto, um tal sacrifício da vossa parte não implica submissão a qualquer indivíduo, mas tem o efeito de fortalecer a comunidade como um todo expresso pelos seus representantes devidamente reconhecidos. Temos, de fato, de aprender a curvar o nosso individualismo quando somos confrontados com problemas e questões que afetam o bem estar geral da Causa. Pois que a vida Bahá'í em comunidade implica uma consciência de solidariedade de grupo suficientemente forte para permitir a todo o crente individual abandonar o que seja essencialmente pessoal em prol do bem comum."

(Duma carta datada de 31 de Maio de 1934, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual.)

"É na verdade emocionante ver a rapidez e o vigor com que a florescente comunidade Bahá'í nessa distante terra está a estabelecer a Fé de Bahá'u'lláh, proclamando destemidamente a sua doutrina, apoiando as suas verdades fundamentais e os seus padrões, multiplicando as suas instituições, defendendo os seus interesses, disseminando a sua literatura, e exemplificando o seu invencível poder e espírito. Não posso senão orar, com redobrado fervor, a Ele que tão manifestamente vos guia e apóia, pelo aumento do vosso número, pela remoção de todas as barreiras que obstruem o vosso caminho, pela salvaguarda da vossa unidade, pela consagração dos vossos empreendimentos e para que fosseis demonstrar, uma vez mais e com ainda maior veemência, a realidade da fé que vos anima no desempenho dos vossos sagrados deveres.. Tende confiança e perseverai."

(Shoghi Effendi, postscripto pelo seu punho numa carta datada de 30 de Julho de 1941, à A.E.N. da Austrália e Nova Zelândia.)

"A excomungação é uma coisa espiritual e até agora tem sido sempre só o Guardião a exercer este poder, e por ora, em sua opinião, só ele o deve possuir. Apenas verdadeiros inimigos da Causa são excomungados. Por outro lado, os que claramente desonram a Fé ou recusam obedecer às suas leis podem ser privados, como castigo, do seu direito de voto; isto s6 por si representa uma ação severa, e Shoghi Effendi, portanto exorta todas as Assembléias Espirituais Nacionais (que podem tomar esta ação) a primeiro e por repetidas vezes avisarem o infrator antes de tomar a decisão de o privar do seu direito de voto. Em sua opinião a vossa Assembléia deve agir com a maior prudência em tais questões, e só impor esta sanção quando um crente esteja seriamente a prejudicar a Fé aos olhos do público pela sua conduta ou a quebrar flagrantemente as Leis de Deus. Se uma tal ação for usada com superficialidade os amigos passarão a não lhe ligar importância, ou a pensar que a Assembléia Nacional a emprega de cada vez que se zanga com um indivíduo por lhe ter desobedecido. Não nos devemos nunca esquecer que, por muito triste e infantil, que pareça, alguns dos que causam maiores problemas às suas Assembléias Espirituais Nacionais são muitas vezes crentes leais, que pensam estarem a proteger os verdadeiros interesses da sua Fé ao atacarem as decisões da Assembléia Espiritual Nacional!"

"O Guardião está absolutamente convicto de que em toda a parte, através do mundo Bahá'í, os crentes devem conhecer e seguir os princípios da sua Ordem Administrativa divinamente dada. Nunca resolverão os seus problemas afastando-se do procedimento correto... Os Bahá'ís têm de aprender a viver em conformidade com as leis de Bahá'u'lláh que são infinitamente mais elevadas, mais exigentes e mais perfeitas que aquelas com que o mundo presente está familiarizado. A fuga, a luta uns contra os outros, o fomento da dissensão, não vai fazer progredir a Comunidade Indiana ou qualquer outra; nada mais fará, que levar os planos e o trabalho de Bahá'u'f1áh a um impasse até que os crentes se unam para O servir, ou novas e mais dedica das almas se levantem e tomem os seus lugares."

(Duma carta datada de 8 de Maio de 1948, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da Índia, Paquistão e Birmânia.)

"É muito lamentável que alguns crentes pareçam não perceber o fato de que a Ordem Administrativa, as Assembléias Locais e Nacionais, são o padrão para o futuro, por muito inadequadas que possam por vezes parecer. Temos de obedecer e apoiar estes organismos, porque esta é a lei Bahá'í. Até que o aprendamos a fazer não podemos fazer verdadeiros progressos. Os amigos que crêem que a Assembléia Espiritual Nacional está a proceder mal nalguns assuntos estão, inconscientemente, implicando que o Guardião não sabe o que se passa, o que não é verdade. Ele vigia muito atentamente as várias Assembléias Espirituais Nacionais, e não hesita nunca em intervir quando o considera necessário. A deterioração da confiança no Organismo Nacional despedaça a Fé, confunde e aliena os amigos e impede o que o Mestre desejava acima de tudo, que os Bahá'ís sejam como um só espírito em muitos corpos, unidos e amigos. Os Bahá'ís estão longe de serem perfeitos, tanto como indivíduos ou quando servem nos organismos eleitos, mas o sistema de Bahá'u'lláh é perfeito e gradualmente os crentes atingirão a maturidade e o sistema trabalhará melhor. O olhar vigilante do Guardião impede quaisquer erros sérios, e os crentes devem sabê-lo e dar toda a colaboração às suas Assembléias."

(Duma carta datada de 1 de Novembro de 1950, escrita em nome de Shoghi Effendi a um crente individual.)

"Os amigos devem ser ajudados a resolverem os seus problemas, a aprofundarem a Fé e a aumentarem a sua unidade e o seu amor uns para com os outros. Deste modo, vereis que o vosso trabalho avança rapidamente, e que o Organismo Nacional é como o bater de um coração saudável no seio da Comunidade, levando o amor espiritual, a energia e o encorajamento a todos os membros."

(Duma carta datada de 30 de Junho de 1957, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. do Alaska.)

"A Assembléia Nacional é o guardião do bem-estar da Fé, responsabilidade esta das mais sagradas e pesadas e inescapável.

Devem estar sempre vigilantes, sempre atentas, sempre prontas para a ação e, em todas as questões que impliquem um princípio fundamental, recusar terminantemente transigir. Só deste modo pode o corpo da Fé estar isento de doença."

(Duma carta datada de 14 de Agosto de 1957, escrita em nome de Shoghi Effendi à A.E.N. da Alemanha e Áustria.)


Table of Contents: Albanian :Arabic :Belarusian :Bulgarian :Chinese_Simplified :Chinese_Traditional :Danish :Dutch :English :French :German :Hungarian :Italian :Japanese :Korean :Latvian :Norwegian :Persian :Polish :Portuguese :Romanian :Russian :Spanish :Swedish :Turkish :Ukrainian :